Também na Agência Brasil

Subscrever feed Também na Agência Brasil
A Agência Brasil é a agência de notícias da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que distribui gratuitamente informações de interesse público. As notícias podem ser reproduzidas desde que citada a fonte.
Atualizado: 23 minutos 10 segundos atrás

EBC fará esta semana reuniões com produtores audiovisuais do Sul e do Norte

dom, 24/09/2017 - 14:28

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) realiza esta semana duas reuniões com produtores contemplados no Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Audiovisual Brasileiro (Prodav) para TVs Públicas de 2013/2014 e 2015. Na quarta-feira (27), o encontro será com os profissionais da Região Sul, e na quinta (28), com os do Norte.

Até a primeira quinzena de outubro, serão realizadas reuniões nas cinco regiões do país. O objetivo é ouvir os produtores, financiados com recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), sobre as 1ª e 2ª edições do projeto, além de fornecer orientações e esclarecer dúvidas.

Desde junho, uma equipe da EBC acompanha as Linhas de Produção de Conteúdos destinadas às TVs públicas. A empresa atua acompanhando o desenvolvimento das obras pelas produtoras, sua homologação em conformidade com a Norma Técnica 704 da EBC e, posteriormente, distribuição do conteúdo para as TVs públicas. 

Manaus

A reunião com os produtores da Região Norte ocorrerá em Manaus. Antes do evento, em entrevista coletiva, os profissionais farão um balanço das duas edições do Prodav e falarão sobre suas expectativas para o lançamento da 3ª edição.

Para participar da reunião regional e enviar sugestões sobre o encontro, os produtores devem confirmar presença por meio da Central de Atendimento, disponível no portal institucional da EBC, com o assunto “Contribuições para o encontro Região Norte”.

Compartilhar:    

Terceiro dia de ocupação na Rocinha tem moradores nas ruas e comércio aberto

dom, 24/09/2017 - 13:27

As Forças Armadas ocupam a Rocinha desde sexta-feira Vladimir Platonow/Agência Brasil

O terceiro dia de ocupação das tropas federais na Rocinha começou com aparente tranquilidade neste domingo (24). Sem tiroteios desde a tarde de sábado (23), a população ficou mais confiante e saiu para as ruas, principalmente para fazer compras no comércio local.

Tanto na parte baixa da comunidade, junto à Autoestrada Lagoa-Barra, quanto na parte alta, ao longo da Estrada da Gávea, principal via que corta a comunidade, tropas militares fazem guarda em pontos estratégicos, em intervalos que variam de 100 metros a 500 metros de distância.

A frequência das revistas aos moradores diminuiu, e os soldados se concentram mais em verificar carros e vans. Até caminhões de lixo são revistados, em busca de criminosos que possam estar tentando deixar a comunidade. Mais cedo, a polícia encontrou uma pequena quantidade de lança-perfume em um saco abandonado na rua.

Moradores evitam falar com a imprensa e os que aceitam não se identificam. Um mototaxista demonstrava receio de que a operação só durasse até o fim do Rock in Rio, que termina na noite deste domingo.

Outro grupo que conversava em outra área da comunidade, entre a Rua Dois e a sede da Unidade de Polícia Pacificadora  (UPP), no alto do morro, comentava a informação, divulgada desde sábado, de o traficante que Rogério 157, que controla a venda de drogas na Rocinha, teria trocado de facção e ido para o lado do principal grupo criminoso do estado. “Se isso acontecer, esta guerra não acaba tão cedo, pois o Nem [Antonio Bonfim Lopes, preso em penitenciária federal] não vai aceitar”, disse o mototaxista.

A Rocinha é considerada pela polícia o principal ponto de venda de drogas do Rio de Janeiro.

Compartilhar:    

Prazo para produtores rurais aderirem a parcelamento acaba esta semana

dom, 24/09/2017 - 11:50

Produtores rurais que planejam renegociar dívidas com melhores condições terão até esta sexta-feira (29) para aderir ao Programa de Regularização Tributária Rural (PRR). São elegíveis para o programa, apelidado de Refis rural e criado e regulamentado no mês passado, pessoas físicas ou compradores de produção rural de pessoas físicas.

Com a adesão ao programa, os débitos contraídos a partir de 2001 poderão ser refinanciados em até 180 meses (15 anos), das quais 176 prestações terão desconto nas multas e nos juros. Para que o acordo seja feito nessas condições, a única exigência é que o produtor pague 4% da dívida até dezembro de 2017, sem descontos.

As dívidas poderão ser quitadas mediante o pagamento, sem reduções, de 4% da dívida consolidada, em quatro parcelas com vencimento de setembro a dezembro de 2017, e o restante com desconto de 25% das multas de mora e de ofício e 100% dos juros.

Se a dívida for menor ou igual a R$ 15 milhões, os 96% restantes da dívida serão parcelados em 176 meses, e o valor da parcela corresponderá a 0,8% da média mensal da receita bruta do ano anterior. A prestação mínima corresponde a R$ 100 para o produtor e R$ 1 mil para o comprador. Se, após os 176 meses ainda restar dívida, o valor poderá ser parcelado em 60 meses, sem descontos.

Se o membro do programa for comprador de produção rural de pessoa física com dívida maior que R$ 15 milhões, os 96% restantes da dívida serão parcelados em 176 meses, com prestação mínima de R$ 1 mil.

O contribuinte já inscrito em outros programas de refinanciamento poderá permanecer neles – aderindo, ao mesmo tempo, ao PRR – ou concentrar todos os débitos no PRR. Regras da Receita Federal estabelecem que a desistência de parcelamentos anteriores são integrais e irreversíveis. Desse modo, se optar por incluir no PRR renegociações de débitos em curso, as condições de tais parcelamentos não poderão ser restauradas caso os pedidos de adesão ao PRR sejam rejeitados.

A desistência de parcelamentos anteriores ativos poderá implicar a perda de reduções aplicadas sobre os valores já pagos. A aplicação dessa regra varia conforme a legislação específica de cada modalidade de parcelamento.

Compartilhar:    

Câmara concluirá reforma política e discutirá denúncia contra Temer esta semana

dom, 24/09/2017 - 11:16

O recebimento da denúncia contra o presidente Michel Temer pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça e a conclusão dos debates da reforma política dominarão a pauta da Câmara dos Deputados nesta semana. As sessões do plenário estão marcadas para começar a partir das 11h30 de terça-feira (26).

Até o momento, não há definição se a Câmara dividirá a denúncia e fará análises separadas. Isso porque a acusação do Ministério Público Federal também envolve os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco.

“O entendimento, a Secretaria-Geral da Mesa trará com solidez. A primeira impressão é de que é sim possível haver essa análise conjunta, e a solução que for dada pela Câmara dos Deputados terá acompanhada a questão dos ministros. A autorização da Câmara, é focada, no meu entender, na responsabilidade do presidente. Os ministros já podem ser investigados pelo Supremo Tribunal Federal”, disse o líder do DEM, deputado Efraim Filho.

Para começar a tramitação na Câmara, a denúncia entregue na noite da quinta-feira (21) precisa ser lida no plenário em sessão com quórum de pelo menos 51 deputados. Segundo o regimento interno, lida a denúncia, cabe ao primeiro-secretário da Câmara, deputado Giacobo (PR-PR) comunicar ao presidente Temer sobre o recebimento da denúncia. Paralelamente, a peça segue para análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

A expectativa do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) é de que a votação no plenário aconteça no início de outubro. A expectativa do parlamentar é decidir sobre a denúncia “o mais rápido possível, mas respeitado o regimento”.

Prazo

O presidente Michel Temer tem até dez sessões para apresentar a defesa na CCJ. Enquanto apresenta a defesa, o presidente da CCJ, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), deverá definir o relator da proposição. Após apresentação da defesa, a CCJ tem até cinco sessões para elaborar e votar o parecer, que poderá ser pela aceitação ou pelo arquivamento da denúncia. Independentemente da decisão da Comissão, a decisão final sobre a abertura de investigação contra o presidente da República cabe ao plenário da Câmara.

Para que seja autorizada a abertura da investigação, são necessários os votos favoráveis de pelo menos 342 deputados. Se esse placar não for atingido, a denúncia será arquivada até o final do mandato do presidente Temer. A necessidade de autorização prévia para processar o presidente da República está prevista no artigo 86 da Constituição.

Essa é a segunda vez que o presidente Temer é denunciado. Em agosto, o plenário da Câmara rejeitou a denúncia por corrupção passiva. Nessa situação, o processo é suspenso e só pode ser retomado depois que Temer deixar a Presidência da República.

Reforma Política

Além da denúncia contra Michel Temer, a Câmara pretende concluir as análises sobre reforma eleitoral. Após uma sessão tumultuada, deputados não conseguiram concluir a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 282/16, que prevê a proibição das coligações em eleições proporcionais (de deputados e vereadores) a partir de 2020, além de estabelecer critérios para acesso ao Fundo Partidário e ao tempo para propaganda em rádio e TV. A matéria está pautada para análise do plenário na quarta-feira (27).

A PEC 282/16 já foi aprovada em dois turnos na Casa, mas ainda depende da apreciação de três destaques para que a tramitação da proposta seja concluída na Câmara. Em seguida, a matéria segue para apreciação do Senado, onde também precisará ser discutida em dois turnos. Para que as alterações sejam válidas nas eleições de 2018, a PEC precisa ser aprovada até 7 de outubro.

A PEC estabelece adoção de uma cláusula de desempenho para que os partidos só tenham acesso aos recursos do Fundo Partidário e ao tempo de propaganda na rádio e na TV se atingirem um patamar mínimo de candidatos eleitos em todo o país. Os pontos já foram aprovados nos dois turnos de votação e não poderão ser novamente discutidos na próxima sessão sobre o tema.

A cláusula de desempenho prevê que, a partir de 2030, somente os partidos que obtiverem no mínimo 3% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos um terço dos estados, terão direito aos recursos do Fundo Partidário. Para terem acesso ao benefício, os partidos também deverão ter elegido pelo menos 15 deputados federais distribuídos em pelo menos um terço dos estados.

O mesmo critério será adotado para definir o acesso dos partidos à propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão. A mudança, no entanto, será gradual, começando pelo piso de 1,5% dos votos válidos e 9 deputados federais eleitos nas eleições de 2018, chegando a 2% e 11 deputados eleitos em 2022, a 2,5% e 13 eleitos em 2026, até alcançar o índice permanente de 3% e 15 eleitos em 2030.

Financiamento de Campanhas

A Câmara pode voltar a discutir, além da PEC, a criação de um fundo público para o financiamento de campanhas. O tema polêmico já foi rejeitado em votação de outra PEC (77/03). No entanto, outro dispositivo pode resgatar o instrumento para debate nesta semana. O Projeto de Lei 8612/17 teve requerimento de urgência aprovado e, portanto, não precisará cumprir os prazos regimentais para análise do plenário.

Além de reabrir a possibilidade de criação de um fundo público para financiamento, o PL 8612/17 regulamenta a forma de arrecadação de doação de pessoas físicas e os limites para gastos com campanha já nas eleições em 2018, para cada cargo em disputa. Além de definir regras como horário de divulgação de propaganda eleitoral, campanha na internet, incorporação no texto legal da proibição de doações de pessoas jurídicas, criação de outras formas de arrecadação de doações de pessoas físicas, pesquisas eleitorais e participações em debates.

Em meio às dificuldades de avançar o tema na Câmara, os senadores também discutem mecanismos de alterar o sistema de financiamento de campanhas. No Senado, os parlamentares discutem a construção de um novo texto substituindo o Projeto de Lei do Senado 206/2017, que cria um fundo eleitoral.

Ainda sem consenso quanto à fonte dos recursos, a matéria prevê o fim da propaganda partidária de rádio e televisão em anos ímpares (quando não há eleições) e o repasse de 50% das emendas impositivas de bancadas para a constituição do fundo. A discussão do assunto também estará na pauta da semana do Senado.

Compartilhar:    

Prazo para entrega de declaração de propriedades rurais termina sexta-feira

dom, 24/09/2017 - 10:45

O prazo para a entrega da Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR) com base no exercício 2017 será encerrado na próxima sexta-feira (29). A previsão da Receita Federal é de que sejam entregues 5,4 milhões de declarações este ano.

A multa por atraso é de 1% ao mês calendário ou fração sobre o imposto devido ou R$ 50, prevalecendo o maior valor.

Deverão apresentar a declaração pessoas físicas ou jurídicas proprietárias ou titulares do domínio útil ou possuidoras de qualquer título, incluindo aquelas que ocupam o imóvel em usufruto, e também um dos co-possuidores, quando mais de uma pessoa tiver a posse do imóvel rural. No caso de contratos, decisões judiciais ou doações que estabeleçam que a propriedade pertence a mais de um contribuinte, um dos condôminos também deverá entregar a declaração.

Nos casos de desapropriação motivada por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, inclusive para fins de reforma agrária, fica obrigada a entregar a DITR a pessoa física ou jurídica que perdeu, este ano, a posse ou direito de propriedade do imóvel rural, seja por imissão prévia do expropriante ou transferência ou incorporação do imóvel rural ao patrimônio do expropriante.

A declaração também é exigida quando há perda do direito ou de posse de propriedade ocasionados por alienação ao Poder Público.

A primeira cota ou cota única do imposto vence na sexta-feira (29), não havendo acréscimos se o pagamento ocorrer até essa data. O pagamento do imposto pode ser parcelado em até quatro cotas, mensais, iguais e sucessivas, desde que seu valor individual não seja inferior a R$ 50. Sobre as demais cotas há incidência de juros Selic (taxa básica de juros) calculados a partir de outubro até a data do pagamento.

O imposto de valor até R$ 100 deve ser recolhido em cota única. O valor mínimo de imposto a ser pago é de R$ 10, independentemente de o valor calculado ser menor.

Compartilhar:    

Mega-Sena acumula pela sexta vez seguida e deverá pagar R$ 40 milhões

dom, 24/09/2017 - 10:30

Pela sexta vez seguida, ninguém acertou as seis dezenas da Mega-Sena. Os números sorteados ontem (23) à noite em Gurararema (SP) foram 04, 10, 41, 44, 52 e 54.

De acordo com a Caixa Econômica Federal, 39 pessoas acertaram a quina e receberão R$ 67.779,73 cada. Outros 4.001 apostadores acertaram quatro números e poderão sacar R$ 943,83 cada.

O próximo sorteio será na quarta-feira (27). Segundo a Caixa, o prêmio pode alcançar R$ 40 milhões.

Na poupança, o valor pode render mais de R$ 190 mil. O ganhador também pode comprar sete iates ou 14 casas de R$ 2,5 milhões cada.

A aposta mínima na Mega-Sena é de R$ 3,50 e pode ser feita em qualquer lotérica do país até as 19h do dia do concurso.

Saiba como é calculado o prêmio

O valor arrecadado com o concurso da Mega-Sena não é totalmente revertido em prêmio para o ganhador. Parte do montante é repassada ao governo federal para investimentos nas áreas de saúde, educação, segurança, cultura e esporte.

Além disso, há despesas de custeio do concurso, imposto de renda e outros, que fazem com que o prêmio bruto corresponda a 46% da arrecadação. Dessa porcentagem:

35% são distribuídos entre os acertadores dos seis números sorteados (sena);

19% entre os acertadores de cinco números (quina);

19% entre os acertadores de quatro números (quadra);

22% ficam acumulados e distribuídos aos acertadores dos seis números nos concursos de final 0 ou 5.

5% ficam acumulado para a primeira faixa - sena - do último concurso do ano de final 0 ou 5.

Não havendo acertador em qualquer faixa, o valor acumula para o concurso seguinte, na respectiva faixa de premiação.

Os prêmios prescrevem 90 dias após a data do sorteio. Após esse prazo, os valores são repassados ao Tesouro Nacional para aplicação no Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies).

Compartilhar:    

Projeto revela parte da cidade submersa no Lago Paranoá, em Brasília

dom, 24/09/2017 - 10:21

Vestígios da vida de operários que ajudaram a construir Brasília, objetos que fizeram parte do passado, espécies diversas. Parte da história, da fauna e da flora da capital federal ocultadas desde que as águas do Rio Paranoá correram pelo vale que acabou se transformando no Lago Paranoá, um dos locais mais conhecidos da cidade, poderá ser conhecida por toda a população a partir de outubro, quando imagens subaquáticas da parte do cerrado coberta pela água ganharem a internet.

A divulgação dos registros submersos faz parte do Projeto de Mapeamento Georreferenciado do Lago Paranoá. Idealizado pelo mergulhador Frank Bastos, a iniciativa consiste em um site colaborativo, que receberá dos mergulhadores vídeos e informações o que for encontrado em cada local. As descobertas serão checadas por outra pessoa, que navegará pela região. Depois dessa verificação, as informações se tornarão acessíveis ao público.

Criador do projeto de Mapeamento Geo-referenciado do Lago Paranoá, Frank Bastos diz que levantamento contribuirá para discussão do uso do lago Wilson Dias/Agência Brasil

Frank conta que a ideia de registrar o que existe no lago veio da percepção de mudanças e da vontade de contribuir para a conscientização da população. Dono de uma escola de mergulho que promove aulas no local aos fins de semana, ele diz que vinha notando migrações e extinções de espécies de peixes e outros animais, bem como encontrando bastante lixo, inclusive objetos inusitados como banco de cimento e até um orelhão telefônico. Mapeando e registrando o Lago Paranoá e sua riqueza, ele espera sensibilizar a população para que cuide do local e também valorize a história da cidade. Além disso, o projeto objetiva estimular a preservação ambiental.

“Mergulhando, nós descobrimos, por exemplo, pontos de reprodução de espécies de peixes, exatamente em áreas destinadas ao turismo e à pesca pelo plano de manejo do lago. Por isso, acreditamos que o projeto pode ampliar a proteção de determinados locais. Sem informação científica, o próprio governo errou ao mapear o lago”, diz Bastos.

Segundo ele, o projeto também resultará no mapeamento das espécies, com a elaboração de um catálogo específico da vida encontrada no lago que deverá auxiliar pesquisas e discussões sobre os usos do lago. Para que tudo isso seja alcançado, Bastos espera que historiadores e biólogos se somem à iniciativa, que até agora agrega diferentes escolas de mergulho da capital.

Restos de casas, fazendas, estátuas, carros, ônibus e até um cânion são exemplos do que já foi encontrado e filmado pelos mergulhadores. Parte desses objetos estava a 15 metros abaixo da água, mas há áreas do lago com 40 metros de profundidade, que exigem diversos mergulhos para serem registradas. Alguns dos vestígios são conhecidos do público, pois foram registrados pelo repórter fotográfico Beto Barata, autor do livro Brasília Submersa – o Fundo do Lago Paranoá, de 2010. A novidade do projeto de georreferenciamento é a utilização de vídeos, bem como a elaboração colaborativa das informações.

Vila submersa

“Nós não temos objetivo comercial, não colocamos marcas para que todas as pessoas possam se envolver, mas um resultado provável é o aumento do turismo”, comenta Bastos. Com a divulgação das imagens, outras pessoas devem aprender a mergulhar para fazerem parte da iniciativa. Neste fim de semana, 18 mergulhadores devem submergir na área da Vila Amaury. Parte do grupo conhecerá o lugar pela primeira vez e passará a ajudar no mapeamento da região rica em história.

A vila abrigava cerca de 16 mil candangos que trabalhavam para erguer a cidade e suas famílias e foram transferidos para Sobradinho, cidade próxima a Brasília, após o lago encher. Lá, eles devem encontrar partes dos barracos e utensílios domésticos. Conforme a professora do Centro de Excelência em Turismo (CET), da Universidade de Brasília (UnB), quando as comportas se abriram e levaram à inundação do local, “as pessoas queriam salvar a si próprias, por isso deixaram muitas coisas lá, como documentos, brinquedos”.

Autora do livro Uma Cidade Encantada – Memórias da Vila Amaury em Brasília, que também está disponível na internet, Ivany Neiva conta que o registro oficial nunca valorizou essa história. “Tem muita gente que olha para o lago e, só pensando em um cartão-postal de Brasília, não lembra que lá moraram operários e suas famílias quando as águas chegaram”, diz.

Plano antigo

A concepção do Lago Paranoá remonta ao fim do século 19. Em relatório de 1896, o paisagista do Império Luís Glaziou anotou que, na localidade entre os chapadões Gama e Paranoá, existia um vale “em parte sujeita a ser coberta pelas águas da estação chuvosa; outrora era um lago devido à junção de diferentes cursos de água formando o rio Paranoá”. Por isso, para ele, era “fácil compreender que, fechando essa brecha com uma obra de arte […] forçosamente a água tornará ao seu lugar primitivo e formará um lago navegável em todos os sentidos”.

Em 1948, a Comissão de Estudos para a localização da Nova Capital do Brasil, presidida pelo general Poli Coelho, referendou os estudos da Comissão Cruls, segundo o Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal. A ideia foi retomada na construção de Brasília. Várias dificuldades atrasaram seguidas vezes a obra, que acabou sendo efetivada no início dos anos 1960. Segundo o instituto, “durante oito meses as águas avançavam mansas, lentamente, por sobre as terras secas e coloridas do cerrado. Terras inundadas”.

Durante a construção de Brasília, o presidente Juscelino Kubitschek teve de enfrentar não apenas problemas com as empresas responsáveis pela obra do lago e seguidos adiamentos do prazo de entrega, mas também a crença de críticos que afirmaram que, por ter um terreno poroso, o lago nunca encheria. Diante da concretização da “moldura líquida da cidade” que ajudou a erguer, como ele chamou, o presidente declarou: “Encheu, viu?”. Parte dessa história foi contada pelo próprio Juscelino no livro Por Que Construí Brasília?

Compartilhar:    

Portal sobe para R$ 50 mil recompensa para quem der informações sobre traficante

sab, 23/09/2017 - 19:55

O Portal dos Procurados do Disque Denúncia aumentou para R$ 50 mil a recompensa por informações que levem à prisão do traficante Rogério Avelino da Silva, conhecido como Rogério 157. A alteração do valor foi divulgada no fim da tarde de hoje (23), em um novo cartaz com a foto do criminoso envolvido na disputa de poder com o ex-parceiro Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, pelo tráfico de drogas na Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro.

Rogério é apontado como atual chefe do tráfico na comunidade, que vem sofrendo com intensos tiroteios e ontem recebeu o apoio das Forças Armadas às operações realizadas desde o domingo passado (17) pelos agentes policiais do estado.

Prisão temporária é decretada

Na quinta-feira (21), a Justiça do Rio de Janeiro decretou a prisão temporária de Rogério 157 e a recompensa que estava sendo oferecida pelo Disque Denúncia pela captura do criminoso era de R$ 30 mil.

O Disque denúncia pode receber as informações sobre a localização de Rogério 157 por meio de Whatsapp ou Telegram do Portal dos Procurados (21) 98849-6099; pela Central de Atendimento do Disque Denúncia (21) 2253-1177, ou pelo Facebook/(inbox), no endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/. Pode ser ainda utilizado o aplicativo Disque Denúncia RJ.

Segundo o portal, as informações serão encaminhadas à 11ª DP (Rocinha), que é responsável pelo inquérito criminal.

Compartilhar:    

Polícia diz que espera prender traficante Rogério 157 a qualquer momento

sab, 23/09/2017 - 19:34

O delegado titular da 11ª DP (Rocinha), Antônio Ricardo, disse hoje (23), no Rio de Janeiro, que a prisão de Rogério Avelino da Silva, Rogério 157, pode ocorrer a qualquer momento. Explicou que as operações de busca ao traficante continuam e tiveram o reforço da decisão do Portal dos Procurados, do Disque Denúncia, que aumentou de R$ 30 mil para R$ 50 mil a recompensa por informações que levem ao criminoso.

Para o policial, Rogério 157 está “sufocado” pelas operações integradas realizadas na favela da Rocinha e tenta se deslocar o tempo inteiro, inclusive com saída da comunidade.

“Ele vai para a mata, para a favela, vai para o asfalto, então a prisão pode acontecer a qualquer momento”, frisou. Afirmou que a polícia vem recebendo informações sobre a ação de criminosos e a presença de armas e drogas.

Para o delegado, o fato de conhecer a área da comunidade facilita o deslocamento do traficante, apesar da forte presença de agentes de segurança estaduais e federais.

“É um marginal que conhece toda a topografia, isso facilita muito a fuga dele”, opinou.Rogério 157 está sendo procurado por envolvimento na disputa com o seu ex-chefe Antônio Francisco Bonfim Lopes, o traficante Nem, pelo comando da venda de drogas na Rocinha, na zona sul do Rio.

No domingo passado (17), um grupo ligado a Nem, que está preso na penitenciária federal de Porto Velho, em Rondônia, tentou recuperar o poder na Rocinha e houve intenso tiroteio entre os dois grupos da mesma facção. Desde então, a polícia faz operações para prender Rogério 157.

Antônio Ricardo, responsável pelo inquérito policial sobre a ação dos criminosos na disputa pelo tráfico na favela, confirmou que Rogério 157 estava fora da comunidade e voltou nesta tarde junto com integrantes de seu grupo em um táxi. Ele teria entrado por um dos acessos à favela pelo bairro do Horto, também na Zona Sul, depois de seus comparsas terem rendido um motorista de táxi no Jardim Botânico, bairro próximo ao Horto.

“Sim, é um relato verídico e bate com a nossa investigação. Ele retornou para a favela. Não quer perder o controle da comunidade”, argumentou.

Inquérito

O delegado informou ainda que todos os criminosos envolvidos na tentativa de retomada do poder na Rocinha - da quadrilha do Nem e do bando de Rogério 157 e ainda associados no Morro de São Carlos, da Pedreira e da Vila Vintém - estão respondendo ao inquérito. “Todos esses marginais que têm liderança nessas comunidades responderão também pelo inquérito policial”, disse.

O policial acrescentou que houve uma mudança de estratégia e, por enquanto, foi afastada a possibilidade de pedir um mandado coletivo de busca na favela, o que permitiria a entrada de agentes em qualquer residência da Rocinha, sem identificação específica de uma pessoa que esteja sendo procurada.

“Nós mudamos a estratégia. Por ora, não vamos pedir um mandado de busca nominado como coletivo. Foi uma mudança de estratégia e continuaremos, por enquanto, sem pedir esse mandado de busca”, disse.

Ele confirmou que recebeu a denúncia de uma moradora de que teve a casa invadida por agentes policiais, sem o acompanhamento de um mandado de busca. “Chegou um relato de invasão de residência e estamos apurando o que realmente ocorreu”, assegurou.

Compartilhar:    

Inteligência determinou prisão de traficante Bob do Caju, diz polícia do Rio

sab, 23/09/2017 - 18:42

Fuzis apreendidos pela polícia tinham adesivo com boneco do desenho animado Fantástico Mundo de Bob, tendo a inscrição Caju só Paz   Cristina Índio do Brasiol/Agência Brasil

A prisão hoje (23) do traficante Luiz Alberto Santos de Moura, conhecido como Bob do Caju, na Ilha do Governador, na zona norte do Rio de Janeiro, e a apreensão de 10 fuzis na comunidade do Caju, na região portuária, foram feitas após informações obtidas em ações de inteligência de delegacias especializadas da Polícia Civil visando identificar deslocamentos de chefes do tráfico e armamento em poder dos bandidos.

O delegado titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) da Polícia Civil, Maurício Mendonça, disse neste sábado que as investigações indicaram onde estavam o traficante e o armazenamento de fuzis que seriam levados do Caju para o Morro de São Carlos, na região central da cidade.

Bob do Caju foi preso no bairro da Cacuia, na casa de uma pessoa com quem ele mantinha contato. Ele pediu abrigo até deixar passar o período das operações policiais no Morro de São Carlos onde estava escondido.

“Fizemos duas ações simultâneas; uma que resultou na captura do Bob, na Ilha do Governador, em uma área estritamente residencial, e a outra ação na comunidade do Caju, específica, com o objetivo de apreender esse material. As ações foram feitas com êxito. Nenhum tiro foi disparado. O criminoso foi preso e não reagiu. Estava portando uma pistola”, revelou o delegado.

Maurício Mendonça chamou atenção para o fato de alguns fuzis apreendidos terem um adesivo com o boneco do desenho animado Fantástico Mundo de Bob, tendo abaixo a inscrição Caju só Paz.

“As armas ostentam o símbolo do boneco Bob, fazendo referência a ele, justamente fuzis para serem emprestados e depois ser facilmente identificada a origem do armamento. Por isso, a logomarca é usada”, disse.

O delegado revelou ainda que a polícia está investigando se Bob do Caju teve algum tipo de participação na tentativa de retomada do poder do tráfico na Rocinha em apoio a Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, preso na penitenciária federal de Porto Velho (RO). Nem é aliado de Bob na facção criminosa.

Grupo de criminosos

A participação seria por meio da organização de um grupo de criminosos e a entrega de armas que seriam usadas na movimentação. “Há uma possibilidade de ele não ter participado diretamente porque estava ferido. Ele sofreu um tombo de moto e estava bastante machucado no domingo”, contou.

As armas foram encontradas dentro de um carro na saída da comunidade do Caju e com a chave na ignição  esperando o motorista chegar para levar, possivelmente, até o Morro de São Carlos, de onde seriam distribuídas.

“Está sendo apurado se essas armas, efetivamente, foram empregadas [na tentativa de retomada do poder]. Há indícios que sim”, acrescentou, destacando, que criminosos da mesma facção, mesmo em comunidades diferentes, sempre se unem para manter o poder.

Dos fuzis apreendidos, apenas um é de fabricação nacional. Agora, a Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) vai fazer o rastreamento das armas para saber como chegaram aos traficantes. O trabalho será difícil porque os números de identificação foram raspados, como já aconteceu quando foram apreendidos 60 fuzis no Aeroporto Internacional Galeão/Tom Jobim, em junho deste ano.

O delegado revelou ainda que investigações desse e de outros casos indicam que o transporte de armas de uma comunidade para outra tem sido feito por carros dirigidos por apenas uma pessoa.

“O armamento hoje circula entre as comunidades em carros normalmente clonados com uma pessoa sozinha [ao volante]. As informações de inteligência revelam que isso é um fato. A pessoa bota o armamento no carro e vai sozinha levando as armas justamente para não despertar a atenção da polícia. O veículo ficou estacionado, pronto para o motorista chegar, dirigir até o local do destino, estacionar e voltar de ônibus, táxi ou de carona. Essa é a dinâmica”, finalizou o policial.

Compartilhar:    

Confronto entre PM e criminosos deixa três mortos e quatro feridos no Rio

sab, 23/09/2017 - 17:53

Polícia informou que criminosos têm ligação com a quadrilha que está na favela da Rocinha, no Rio Fernando Frazão/Agência Brasil

Dois confrontos entre policiais militares e criminosos deixaram três homens mortos, três presos e quatro feridos na Usina e no Alto da Boa Vista, na Grande Tijuca, na tarde deste sábado (23), no Rio de Janeiro. Um adolescente de 13 anos foi ferido por um tiro, segundo a PM, e encaminhado ao Hospital Souza Aguiar.

A Polícia Civil informou que os criminosos têm ligação com a quadrilha que está na favela da Rocinha, pois a comunidade de São Conrado é ligada pela mata a vários outros bairros do Rio, através do Parque Nacional da Tijuca, área coberta por mata atlântica, com muitas trilhas em seu interior.

Armas apreendidas

De acordo com a PM, os policiais estavam patrulhando o local quando se depararam com homens fortemente armados, em duas ocorrências distintas. Uma na Usina e outra no Alto da Boa Vista, bairros vizinhos. Pelos menos dois fuzis e uma pistola foram apreendidos.

O cerco da polícia também se estende a outros bairros abrangidos pela Floresta da Tijuca, como Santa Teresa e Morro do Turano. O objetivo é evitar que os criminosos que estão acuados na Rocinha escapem ou que outros traficantes venham dar apoio a eles.

No Morro do Vidigal, favela vizinha perto da Rocinha, cinco homens foram presos hoje à tarde. Com eles, a polícia encontrou dinheiro, drogas, um caderno com anotações do tráfico e cinco rádios de comunicação.

Compartilhar:    

Horário de verão pode se extinto este ano; governo quer ouvir sociedade

sab, 23/09/2017 - 17:45

Horário de verão propicia maior prática de esportes, principalmente, nas capitaisTânia Rêgo/Agência Brasil

A adoção do horário de verão para gerar economia de energia no Brasil não se justifica mais. A avaliação é do diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino. O horário de verão está previsto para começar no dia 15 de outubro e terminar em 17 de fevereiro do próximo ano. O governo analisa a manutenção ou encerramento do horário de verão.

"A avaliação é que, sob a perspectiva do setor elétrico, o horário de verão não se justifica", disse Rufino.

Estudos sobre a viabilidade da manutenção do horário de verão, que abrange nove estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, além do Distrito Federal (Brasília), estão sendo conduzidos no âmbito do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), que reúne diversos órgãos governamentais ligados ao setor elétrico.

As pesquisas apontam para o fato de que a adoção da hora adiantada não resulta mais em economia de energia, uma vez que a temperatura é quem determina o maior consumo de energia e não a incidência da luz durante o dia. De acordo com o Operador Nacional do Sistema (ONS), atualmente os picos de consumo ocorrem no horário entre 14h e 15h, e não mais entre 17h e 20h.

Enquete

O governo estuda a possibilidade de consultar a sociedade sobre a adoção ou não do horário de verão este ano. A decisão precisa sair rápido e está nas mãos do presidente Michel Temer e do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho. Se a definição for pela enquete, ela será lançada no Portal do Planalto na próxima semana.

Apesar de não fazer mais diferença na economia de energia, conforme explicou o diretor-geral da Aneel, uma parte da sociedade gosta da sensação de ter uma hora a mais no dia e poderá manifestar isso na enquete.

Além disso, o governo pode levar em consideração o maior movimento do comércio durante o horário de verão. Com dias mais claros, as pessoas ficam mais na rua e consomem mais.

Bandeira vermelha

De acordo com Rufino, em outubro o governo deve passar a cobrar a bandeira vermelha na conta de luz, possivelmente na faixa dois, em razão da escassez de chuvas.

"O que podemos falar agora é de tendência. A bandeira está vinculada ao CMO (Custo Marginal de Operação), que é muito dependente de regime hidrológico e a previsão de chuva. A tendência é que estamos com um regime hidrológico muito desfavorável, com chuvas atrasadas. A tendência é despachar térmicas mais caras", disse.

Atualmente, está em vigor a tarifa amarela na cobrança da conta de luz. Esta tarifa representa um acréscimo de R$ 2,00 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Com a adoção da tarifa vermelha, o preço da tarifa de energia passa a ter um acréscimo e vai a R$ 3,00 por 100 kWh. No caso do patamar dois, esse valor seria maior: R$ 3,50 a cada 100 kWh consumidos.

*Colaborou Marcelo Brandão

Compartilhar:    

Porto Rico prolonga toque de recolher após furacão Maria

sab, 23/09/2017 - 17:15

O governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló, anunciou hoje (23) que decidiu prolongar de forma indefinida o toque de recolher imposto na ilha, uma medida para evitar a insegurança após a passagem do furacão Maria.

Ele determinou que o toque de recolher será das 7h até 17h em um anúncio feito numa rádio. O governador explicou que adotou a medida até passar a situação de emergência e também para que os cidadãos não atrapalhem o deslocamento de veículos de resgate.

Após a passagem do Maria foram registrados vários saques em armazéns e lojas que foram devastadas pelo furacão.

No pronunciamento, o governador também enviou uma mensagem de tranquilidade à população sobre a possibilidade de escassez de gasolina na ilha e pediu "calma e respeito".

"Tenham paciência. Há combustível, há gasolina, há diesel. Não está correto que eles estejam acabando. Os recursos vão chegar", disse Rosselló.

O problema, segundo o governador, está na distribuição do combustível. Muitos dos caminhões que levam a gasolina aos postos estão em regiões isoladas ou de difícil acesso após o furacão. As informações são da agência de notícias EFE.

A passagem do Maria por Porto Rico pelo menos sete mortos, de acordo com os números oficiais divulgados ontem. No entanto, fontes locais elevaram o número para 12.

Porto Rico está sem eletricidade e apenas 25% das pessoas dispõem de água potável. Várias cidades estão isoladas e outras completamente inundadas.

Compartilhar:    

Aviões militares dos Estados Unidos voam perto da Coreia do Norte

sab, 23/09/2017 - 16:35

Bombardeiros e caças americanos voaram hoje (23) perto do litoral da Coreia do Norte para mostrar que os Estados Unidos possuem "opções militares" para qualquer ameaça, informou o Pentágono. As informações são da agência de notícias EFE.

"Esta missão é uma demonstração da determinação dos Estados Unidos. É uma mensagem clara de que o presidente (Donald Trump) tem muitas opções militares para derrotar qualquer ameaça", afirmou a porta-voz do Pentágono, Dana W. White, em comunicado.

Compartilhar:    

Informações de moradores da Rocinha podem determinar prisão de traficantes

sab, 23/09/2017 - 16:19

 Operações das Forças Armadas prosseguiram hoje no segundo dia de ocupação da Rocinha, no Rio de JaneiroVladimir Platonow/Agência Barsil

O secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, e o comandante da 1ª Divisão de Exército, general Mauro Sinott, que coordena as operações conjuntas das forças de segurança federais e estaduais, disseram hoje (23), em entrevista, que contam com a participação dos moradores da Rocinha para receberem informações que possam levar à prisão de traficantes e à localização de armamentos e drogas na comunidade. Para eles, as informações complementam as ações integradas que estão sendo realizadas no Rio de Janeiro.

“Moradores da Rocinha denunciem, denunciem porque a polícia vai checar qualquer informação. Nós queremos devolver a paz, queremos o retorno da tranquilidade”, disse o secretário, acrescentando que, na situação atual em que há o reforço e o trabalho integrado, fica mais fácil verificar qualquer informação.

Ele garantiu que as operações dos agentes estaduais vão continuar na Rocinha por tempo indeterminado. “Como nós somos forças do estado e temos o dever de estar presentes seja com a prevenção, seja com a investigação, a nossa presença é por tempo indeterminado. O tempo que as Forças Armadas puderem ficar, [elas] irão somar, mas essa permanência só o Ministério da Defesa poderia dizer até quando poderá durar. O tempo que puder ficar será muito útil para nós”, explicou.

O coordenador das operações integradas também assegurou que não há, até o momento, limite de tempo para a permanência dos militares na comunidade. “Não temos um prazo para sair. Estamos com bom rendimento na operação e, no momento, não estamos planejando a saída. Poderá ocorrer, mas não está sendo tratada neste momento”, afirmou.

O secretário de Segurança e o general avaliaram que são positivos os resultados - até agora - das operações integradas na Rocinha. Para eles, a situação é de estabilidade. "Houve uma estabilidade que está sendo mantida e conseguimos êxito em efetuar cinco prisões apreender 16 fuzis, uma pistola e sete granadas”, frisou o secretário.

Mandado coletivo

Ele disse, também, que não tem notícia de que há entrada de agentes em moradias da favela sem permissão por meio de mandados de busca e apreensão, conforme denúncias feitas por moradores.

Sobre a possibilidade de pedir à justiça a liberação de mandados coletivos que permitiriam a entrada em qualquer imóvel da Rocinha sem a identificação da pessoa que estaria sendo procurada ou do que está sendo procurado, Roberto Sá afirmou que a necessidade do pedido ainda está sendo avaliada.

“Em casos como este essa hipótese sempre é estudada, mas varia muito da oportunidade e da conveniência de se fazer essa representação. [O tema] está sendo avaliado até porque a Rocinha todos sabemos a dimensão que tem com o número de domicílios e de habitantes”, especificou.

O secretário considerou as operações na Rocinha bastante complexas, especialmente porque podem ter desdobramentos em outras áreas da cidade.

“Nós temos conhecimento, infelizmente, de que há articulação das facções criminosas de diversas áreas. Elas se protegem, auxiliam e a gente está atento a tudo isso. Demonstração desse trabalho de inteligência foi a prisão de um traficante na Ilha [do Governador], do traficante do Caju, que estava auxiliando [o morro de] São Carlos para atuar na Rocinha. Isso mostra a complexidade e o trabalho de inteligência e de prisão com êxito nesta empreitada”, revelou.

Acesso de moradores

O general Mauro Sinott admitiu que, após a chegada das Forças Armadas na tarde de ontem, pode ter havido algum tipo de restrição na circulação de moradores que reclamaram, mas isso se deu em uma orientação da Polícia Militar, dada a intensa movimentação de tropas e veículos dos militares e de agentes estaduais.

“Isso trouxe um transtorno e houve um impedimento desse acesso. Até onde tenho conhecimento já voltou a situação de normalidade”, afirmou o general.

Rendição

O secretário de Segurança afirmou, na mesma entrevista, que não há de forma concreta uma negociação entre a secretaria e o traficante Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, para a rendição do criminoso, mas destacou que qualquer pessoa que queira se entregar, a secretaria incentiva o gesto porque a prisão pode ocorrer sem confrontos.

“Se ele ou outro quiser se render, vamos efetuar a prisão respeitando todos os direitos constitucionais; se esse ou qualquer outro quiser se entregar, isso será feito porque o que queremos é a prisão sem confronto. Isso é o que desejamos”, finalizou.

Compartilhar:    

Lee pode se tornar furacão até amanhã e avança sobre o Atlântico Central

sab, 23/09/2017 - 15:33

O furacão Maria, atualmente de categoria 3 na escala Saffir-Simpson, avança em direção noroeste sobre as águas do Atlântico Central, enquanto a tempestade tropical Lee, que tinha se dissipado na sexta-feira, pode se fortalecer e virar um furacão.

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC) indicou hoje (23) que, além do Lee e do Maria, não há indícios de formação de novos fenômenos no Atlântico nos próximos cinco dias. As informações são da agência de notícias EFE.

Em um boletim divulgado na manhã de hoje, o NHC disse que a velocidade de translação do Lee caiu para 4 km/h. No entanto, os ventos sustentados apresentados pela tempestade tropical, estão se fortalecendo, subindo para 75km/h.

O Lee se move em direção norte, mas hoje mudará para rumo ao nordeste. A previsão do NHC é que ele se fortaleça nas próximas 48 horas e ganhe intensidade de um furacão.

Quando o boletim foi divulgado, Lee estava a 1.450 quilômetros do leste de Bermuda, região povoada mais próxima do furacão.

Quanto ao Maria, que devastou Porto Rico na quarta-feira após afetar também a Dominica e as Ilhas Virgens Britânicas, o NHC alerta sobre a necessidade de "monitorar" seu progresso nas Bahamas.

Atualmente, o Maria está a 395 quilômetros de Eluthera e 515 quilômetros de Nassau, ambas nas Bahamas. O furacão apresenta ventos de 185km/h, com rajadas ainda mais intensas.

Compartilhar:    

Dia da Visibilidade Bissexual combate adjetivos contra segmento LGBTI

sab, 23/09/2017 - 15:18

Promíscuos, indecisos, complicados e confusos. Comumente atribuídos aos bissexuais, formando estereótipos negativos desse segmento LGBTI, esses adjetivos estão sendo combatidos hoje (23), no Dia Internacional da Visibilidade e do Orgulho Bissexual, em diversos atos ao redor do mundo.

Contra esse estigma, serão realizados piqueniques, caminhadas, lançamentos de balões, festas e rodas de debate, que acompanham a publicação, em redes sociais, de conteúdos relacionados à bissexualidade, também celebrando a BiWeek (Semana Bi, em português), encerrada neste fim de semana de setembro, eleito o mês da causa.

Dezoito anos depois da criação da data, a bissexualidade ainda não é reconhecida como orientação sexual independente, pois as pessoas do segmento são tratadas como se fossem metade heterossexuais e metade homossexuais. Com isso, sua orientação é vista como se resultasse de partes que se somam, em um sistema que não acomoda a dualidade.

Identidade

É o que explica o coordenador do grupo paraibano Diversidades, Marcos Dias. “Bissexual é invisibilizado porque é visto como pessoa em cima do muro, entre hétero e gay, hétero e lésbica”, diz.

Outro mal-entendido é achar que a orientação dos bissexuais muda conforme a identidade de gênero do parceiro com quem mantém um relacionamento afetivo. “Para ser considerado bissexual, não é preciso que, necessariamente, se tenha tido um relacionamento com mulher ou homem”, esclarece o coordenador, que é bissexual assumido. Não é, portanto, como se a orientação fosse flexível ou fluída.

“As pessoas insistem em perguntar ‘Agora você está com a ou b?’, para tentar te definir. Quando o bissexual busca alguns serviços de saúde é questionado sobre com quem esteve. Alguns profissionais ainda não estão preparados, buscam subtextos e fazem insinuações que constrangem. Sofremos pressões a mais”, acrescenta.

Os movimentos argumentam que a cobrança por dar satisfações acerca da intimidade é uma das consequências da heteronormatividade da sociedade, que prioriza percepções padronizadas a partir da orientação heterossexual. Além disso, essa exigência descobre um conjunto de “privilégios monossexuais”, muito bem destacados pela ativista de Tel Aviv Shiri Eisner, no texto The Monosexual Privilege Checklist (Check-list do privilégio monossexual, em português).

Brasil

“A bissexualidade é vista no Brasil como em muitos lugares. É um reflexo dos problemas estruturais que encontramos”, afirma o estudante de psicologia Daniel Eisenberger, uma das sete lideranças do coletivo Bi-Sides.

Ele explica que, como modo de empoderar o grupo, diversas formas de discurso são "ressignificadas". Para responder às tentativas de ocultação da bissexualidade, o segmento escolheu, como um de seus símbolos, muito difundido em São Paulo, o unicórnio. “A gente escolheu porque é um bicho que também não existe e aí faz piada em cima disso”, brinca Eisenberger.

A chacota e a ridicularização da bissexualidade, que geram altas taxas de suicídio, encontram brechas na própria sigla LBGTI e nem sempre há compaixão de grupos representados pelas outras letras. Uma pesquisa da entidade LGBTI Equality Network, do Reino Unido, mostrou, em 2015, que 66% dos entrevistados se sentiam pouquíssimo ou totalmente excluídos da comunidade LGBT, índice que aumentava para 69% quando a sensação de pertencimento era em relação a grupos heterossexuais.

“Os bissexuais sofrem invisibilização fora ou dentro da comunidade LGBT. Gays falam que homens bissexuais são enrustidos e que as mulheres bissexuais querem chamar a atenção”, ressalta o estudante.

Mobilização

Ontem (22), em uma mobilização LGBT que reuniu 15 mil pessoas no Museu de Arte de São Paulo (Masp), Eisenberger viu somente três bandeiras com as cores rosa, roxo e azul, combinação de tonalidade que simboliza a comunidade bissexual. Segundo ele, os itens vendidos por camelôs também são raros, embora os de outros segmentos sejam abundantes.

Ele afirma que essas manifestações de bifobia, isto é, o preconceito e a discriminação aos bissexuais, brutalizam especialmente as mulheres bissexuais. “Vão desde comentários como ‘Você não é bissexual, você só beija garotas em baladas para provocar os homens’ a coisas extremas. Algumas mulheres lésbicas dizem que as bissexuais são ‘depósito de esperma’. São coisas pesadas, agressivas, incluindo estupro corretivo.”

Como futuro psicoterapeuta, Eisenberger, hoje com 23 anos e assumidamente bissexual há quatro, intercede pela validação do discurso e dos pleitos dos bissexuais, no interior de consultório e nas ruas.

"Eu, que já sou assumido e milito há algum tempo, lembro, desde 2013, quando saí do armário, das pessoas falando de outras que descobriam sua sexualidade. No ambiente de consultório, ao chegar um paciente, a primeira coisa, a mais importante, é o psicólogo validar o que esse paciente está sentindo. É importante dizer a ele  que está tudo bem e que se questionar faz parte’. É normal, porque lidar com sexualidade é algo difícil mesmo. Foi muito importante ter tido pessoas que me validaram.”

Auxílio

Para Eisenberger, em um momento em que direitos relativos à sexualidade são ameaçados, como o caso das opiniões emitidas por um procurador no Paraná e em que o cuidado para evitar a patologização da bissexualidade deve ser redobrado, é preciso que o profissional tente entender como a pessoa está lidando com sua sexualidade. Um engano que envolve a patologização é vincular a bissexualidade ao quadro de sintomas de transtornos mentais como borderline e transtorno bipolar.

Segundo ele, o terapeuta deve auxiliar, sem adulterar a perspectiva objetiva a partir de julgamentos pessoais sobre o que é certo ou errado. "É seu papel acolher as inquietações e tristezas e “construir junto”, permitindo que o bissexual se assenhore verdadeiramente de sua identidade."

“Ouça o que as pessoas bissexuais estão falando sobre si mesmas. Se a gente fala que tal questão é um problema, ouçam. Medite sobre o assunto. O ponto do empoderamento não é dar voz. As pessoas têm voz. Elas só não conseguem ser ouvidas “, conclui o ativista.

Compartilhar:    

Após furacão Maria, 73 regiões da República Dominicana estão isoladas

sab, 23/09/2017 - 15:14

Furacões causam danos e mortes em várias ilhas do Caribe     EFE/Gerben Van Es/Min. Defesa Holanda

Ao todo, 73 localidades da República Dominicana permanecem isoladas por causa do transbordamento de rios e canais provocado pelo furacão Maria, que na quinta-feira passada se aproximou do litoral do país, informou hoje (23) o Centro de Operações de Emergências - COE.

De acordo com o COE, as províncias San Fernando de Monte Cristi (Noroeste) e Duarte (Nordeste) seguem com alerta vermelho (o maior). Outras 20 estão com alerta amarelo (intermediário) e cinco, com o verde (mínimo), já que Maria continua incidindo de maneira indireta em grande parte do território.

Conforme o Centro de Operações, 3.222 pessoas estão em abrigos oficiais e 8.237 em casas de parentes. O furacão destruiu 128 casas, danificou 766 e deixou 3.921 inundadas.

Segundo relatório oficial, os efeitos do furacão afetaram 112 aquedutos e seis pontes. Até o momento, sabe-se que uma pessoa morreu na região norte do país e uma está desaparecida na parte leste, de acordo com a Defesa Civil.

O Escritório Nacional de Meteorologia informou hoje que, apesar de o furacão estar 575 quilômetros ao norte/noroeste da província de San Felipe de Puerto Plata, ele segue afetando de maneira indireta nas condições climáticas, e chuvas são esperadas para este fim de semana.

A Meteorologia mantém o alerta de inundações repentinas ou gradativas para 24 das 32 províncias do país e ressaltou que pequenas embarcações devem permanecer atracadas.

Compartilhar:    

Moradores reclamam de abordagens das Forças Armadas na Rocinha

sab, 23/09/2017 - 14:15

O trabalho das Forças Armadas na Rocinha, em apoio às operações das polícias Civil e Militar, está interferindo na rotina dos moradores, que reclamam do excesso de revistas e até de agressões verbais e físicas. Neste sábado (23), a comunidade permanece ocupada.

"Ser revistado não é o problema. O pior é o esculacho [desrespeito]. Hoje mesmo já apanhei duas vezes. Levei chutes na canela. Se pudesse, eu revidava", reclamou um jovem, na parte baixa da comunidade, ao lado de uma quadra esportiva.

Outro morador, que acabava de ser revistado por homens da Polícia do Exército (PE), estava indignado: "Não tenho nada a ver com isso aí", protestou, dizendo que já era a segunda revista do dia.

No mesmo local, ao lado da quadra esportiva, que fica na saída do Túnel Zuzu Angel, uma briga entre dois homens que bebiam num bar foi dispersada por homens da PE com uso de gás de pimenta. Porém, o gás se espalhou com o vento e atingiu um grupo de mulheres e crianças, incluindo dois bebês de seis meses e quatro meses.

"Foi horrível. Eu vomitei e o meu bebê está com o rosto todo vermelho", reclamou uma das mães.

O sargento da PE que disparou o gás explicou que apenas usou força proporcional e que a alternativa do gás é melhor do que o contato físico. "Se nós intervimos, um dos homens pode agarrar nossas armas. Infelizmente o vento não foi favorável", explicou o sargento.

Caveirão atropela moto

Em outro ponto da comunidade, conhecido como Largo do Boiadeiro, um blindado da Polícia Militar (PM), conhecido como Caveirão, passou por cima da moto de um mototaxista.

"O prejuízo passa de R$ 3 mil. Empenou o chassis, quebrou a balança e a pedaleira. Dependo desse trabalho para sustentar minha família", reclamou Henrique Gonçalves de Araújo.

O Comando Militar do Leste  (CML) foi procurado, mas até a publicação desta matéria não havia se pronunciado sobre a reclamação dos moradores. A PM também foi procurada, mas ainda não se pronunciou sobre a questão da moto.

Compartilhar:    

Operação integrada prende criminosos e apreende armas e munição na Rocinha

sab, 23/09/2017 - 12:30

As operações integradas resultaram na apreensão de 16 fuzis, forte armamento, carregadores, munição, rádio transmissores, dinheiro e drogasCristina Indio/Agência Brasil

As operações integradas realizadas na madrugada de hoje (23) resultaram na apreensão de 16 fuzis, forte armamento, carregadores, munição, equipamentos de rádio transmissores, dinheiro e drogas.

Também foram presas cinco pessoas, entre elas o traficante Luiz Alberto Santos de Moura, o Bob do Caju, apontado como um dos comandantes da invasão de criminosos na Rocinha, no domingo passado.

De acordo com a Polícia Civil, entre os fuzis, 10 foram apreendidos na comunidade do Caju, na região portuária do Rio, após informações recebidas pela Delegacia de Roubos e Furtos (DRF). Outros cinco fuzis foram apreendidos em uma ação de agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e um em uma Operação do Exército na Rocinha.

Ainda na madrugada o motorista de táxi Marcelo Paz foi abordado por quatro criminosos armados que o obrigaram a subir a Rocinha. Em um dos acessos à comunidade foram interceptados por uma equipe do Bope e após confronto conseguiram escapar, mas além dos cinco fuzis, deixaram para trás carregadores de diversos tipos de armas, sete granadas e drogas.

As outras quatro prisões foram realizadas em operação do Exército durante a madrugada na Rocinha.

Tiroteio

Na manhã deste sábado, um novo tiroteio foi ouvido na Rocinha. De acordo com a Assessoria de Comunicação Social do Estado-Maior Conjunto das Operações em Apoio ao Plano Nacional de Segurança Pública, por volta das 4h30, elementos armados tentaram romper bloqueio do cerco estabelecido pelas Forças Armadas nas proximidades da Rua General Olímpio Mourão Filho.

Na operação, foram presos pela Polícia do Exército os cinco ocupantes de um veículo Renault Symbol e apreendidos um fuzil AK47 calibre 7,62mm com numeração raspada e quatro carregadores; uma pistola Glock calibre 9mm com dois carregadores; 86 munições calibre 7,62mm e 18 calibre 9mm; dois equipamentos de rádio transmissores; documentos; cadernos de anotações; além de pequena quantidade de drogas e dinheiro em espécie.

Os suspeitos e o material apreendido foram entregues à 11ª Delegacia de Polícia, na Rocinha.

 

Compartilhar:    

Páginas