Também na Agência Brasil

Subscrever feed Também na Agência Brasil
A Agência Brasil é a agência de notícias da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que distribui gratuitamente informações de interesse público. As notícias podem ser reproduzidas desde que citada a fonte.
Atualizado: 14 minutos 7 segundos atrás

Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human

sab, 17/11/2018 - 10:25

A Assembleia Nacional do Poder Popular de Cuba rejeitou resolução do Parlamento Europeu sobre a situação dos direitos humanos na ilha, classificando-a de "inaceitável" e dizendo que tergiversa totalmente a realidade do país.

A resolução sobre Cuba, adotada na quinta-feira (15) pelo Parlamento Europeu, é "contrária aos princípios de respeito, igualdade e reciprocidade" do Acordo de Diálogo Político e Cooperação (ADPC), diz a declaração da Comissão de Relações Internacionais da Assembleia Nacional cubana.

A União Europeia (UE) e Cuba assinaram em 2016 o ADPC, o primeiro marco legal para regular suas relações, que entrou em vigor provisoriamente em novembro de 2017 e marcou o fim do isolamento do país latino-americano como o único da região com o qual o bloco europeu não tinha ainda um pacto bilateral.

"Manipulando a questão dos direitos humanos em Cuba e supostas preocupações sobre o atual processo de reforma constitucional, tentam divulgar uma imagem falsa do nosso país para dificultar a bem-sucedida implementação do ADPC", afirma a declaração divulgada no site da Assembleia Nacional.

Na resolução aprovada pelo plenário do Parlamento Europeu, os eurodeputados "lamentam" que "não tenha melhorado a situação em matéria de direitos humanos e democracia, apesar da adoção de um acordo com a UE", e pedem o cumprimento das obrigações vinculativas sobre respeito aos direitos humanos e liberdades fundamentais sob pena da aplicação da cláusula de suspensão.

O texto insta o governo cubano a redefinir sua política de direitos humanos adaptando-a à legislação internacional e reivindica que essa nova legislação permita, sem impor restrições, que toda a sociedade civil e os membros da oposição política participem ativamente na vida política e social.

Além disso, considera que o processo que ocorre atualmente em Cuba para reformar a Carta Magna "carece dos elementos de inclusão, tolerância e respeito aos direitos civis e políticos fundamentais que poderiam garantir um processo constitucional democrático".

Por sua parte, a Assembleia Nacional de Cuba assegura que a resolução promovida pelas forças conservadoras e liberais da Eurocâmara se baseia em "mentiras fabricadas" e divulgadas por pessoas que não são defensoras dos direitos humanos (...) e que qualificam como "agentes assalariados de uma potência estrangeira".

"O Parlamento Europeu não tem nenhum direito de julgar a democracia cubana, que é genuinamente participativa e popular, como demonstra o atual processo de consulta popular a que se tem submetido o projeto de nova Constituição", ressalta.

A declaração acrescenta que Cuba demonstrou sua vontade de troca nos diálogos sobre direitos humanos com a UE sobre a base "do respeito mútuo, da igualdade soberana e da não ingerência nos assuntos internos", os quais contribuíram para um "melhor entendimento" das respectivas realidades e posições nesta matéria.

Além disso, manifesta sua rejeição à tentativa de condicionar a implementação do ADPC, assim como de promover a ingerência das instituições da UE e seus Estados-membros nos assuntos internos cubanos, e insta o Parlamento Europeu a empregar seus esforços e capacidade de influência para condenar o bloqueio econômico, comercial e financeiro aplicado pelos Estados Unidos sobre a ilha.

Defensoria Pública pede à Justiça manutenção de regras do Mais Médicos

sab, 17/11/2018 - 10:13

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou ação civil pública (ACP) em que pede à União a manutenção das atuais regras do programa Mais Médicos e a abertura deste a profissionais estrangeiros de qualquer nacionalidade. O objetivo, segundo a própria defensoria, é garantir a continuidade dos serviços prestados à população.

“O pedido de tutela de urgência em caráter antecedente à ACP visa evitar que ‘a população atendida seja prejudicada com a saída abrupta de milhares de médicos sem que a União previamente promova medidas efetivas de modo a repor imediatamente o quantitativo de médicos que estão em vias de deixar o programa’”, informou o órgão, por meio de nota.

A Defensoria Pública da União alega que qualquer mudança – incluindo a não necessidade de submissão ao Revalida – deve estar condicionada à realização de prévio estudo de impacto e comprovação da eficácia imediata de medidas compensatórias que assegurem a plena continuidade dos serviços.

O Revalida reconhece os diplomas de médicos que se formaram no exterior e querem trabalhar no Brasil. O exame é feito tanto por estrangeiros formados em medicina fora do Brasil, quanto por brasileiros que se graduaram em outro país e querem exercer a profissão em sua terra natal.

Direito fundamental

Em seus argumentos, a ação destaca que a assistência à saúde, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), é direito fundamental de todos, sendo a União responsável pela prestação dos serviços.

Na ação, a DPU cita ainda que, no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº. 5035, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou a constitucionalidade do programa da forma como foi preconizado.

Assistência

Ainda de acordo com a ACP, os profissionais cubanos representam, atualmente, mais da metade dos médicos do programa. A rescisão repentina dos contratos, segundo a defensoria, impactará de forma negativa com o desatendimento de mais de 29 milhões de brasileiros – cenário citado como “desastroso” para, pelo menos, 3.243 municípios.

Dados da DPU indicam que, das 5.570 cidades brasileiras, 3.228 (79,5%) só têm médico pelo programa, enquanto 90% dos atendimentos da população indígena no país são feitos por profissionais cubanos.

Nova seleção

O Ministério da Saúde informou que fará ainda neste mês a seleção para contratar profissionais brasileiros em substituição aos cubanos que fazem parte do Mais Médicos.

A pasta finalizou ontem (16) a proposta de edital para preencher 8.332 vagas deixadas pelos cubanos. A expectativa é que os médicos brasileiros selecionados nesta nova etapa comecem a trabalhar nos municípios imediatamente após a seleção.

Rompimento

O acordo com o governo brasileiro foi rompido quarta-feira passada (14) pelas autoridades cubanas, que não concordaram com a exigência do Revalida como requisito para a participação de profissionais cubanos no programa Mais Médicos. A medida foi anunciada pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, que também quer que os profissionais cubanos recebam integralmente o salário e tenham permissão de trazer a família para o Brasil.

No mesmo dia, o Ministério de Saúde Pública de Cuba anunciou a retirada de seus profissionais do programa no Brasil por divergir de exigências feitas pelo futuro presidente e também em decorrência de críticas feitas por ele aos médicos cubanos.

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento

sab, 17/11/2018 - 09:33

O submarino argentino ARA San Juan foi encontrado um ano e um dia após ter desaparecido, no Atlântico Sul, com 44 pessoas a bordo.

O submarino ARA San Juan, que desapareceu há um ano e um dia - Arquivo/ Divulgação/Marinha da Argentina

Os restos da embarcação foram achados por uma empresa privada norte-americana na sexta-feira (16), mas o Ministério da Defesa da Argentina só confirmou a notícia na madrugada deste sábado (17), depois de informar os parentes dos tripulantes.

Na quinta-feira (15), as famílias dos 44 desaparecidos realizaram um ato para marcar o primeiro aniversario do naufrágio e cobrar respostas das autoridades. “Quanto lamento que nada que se diga possa acalmar a dor dos familiares e amigos aqui presentes”, afirmou o presidente da Argentina, Mauricio Macri, ao prometer continuar as buscas.

No dia seguinte, a empresa norte-americana Ocean Infinity encontrou os restos a 800 metros de profundidade e a 600 metros da cidade de Comodoro Rivadavia, na Patagônia argentina.

O ARA San Juan desapareceu durante uma viagem de Ushuaia, no extremo sul do país, ao balneário de Mar del Plata, a 300 quilômetros da capital, Buenos Aires. O último contato da tripulação foi feito no dia 15 de novembro do ano passado.

Uma megaoperação internacional, que contou também com a participação do Brasil, foi montada para procurar o submarino. Duas semanas depois, a Marinha anunciou que já não havia esperanças de encontrar sobreviventes.

O governo argentino contratou a Ocean Infinity para continuar as buscas, que começaram em setembro. Durante dois meses, 40 tripulantes, a bordo do navio Seabed Constructor, rastrearam o fundo do mar. O submarino foi encontrado horas antes da empresa suspender a operação.

Muitos parentes dos tripulantes do ARA San Juan receberam a notícia em Mar del Plata, onde tinham participado do ato que marcou o primeiro ano para lembrar o primeiro ano do desaparecimento do submarino.

Agora o governo argentino terá que decidir se vai resgatar o casco do ARA San Juan, uma operação cara. A Ocean Infinity cobrou US$ 7,5 milhões somente para encontrar o submarino.

 

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília

sab, 17/11/2018 - 08:59

O presidente eleito Jair Bolsonaro passará três dias da próxima semana em Brasília. Na agenda de compromissos, conversas com a procuradora-geral da República, Raquel Dogde e visita ao Tribunal de Contas da União (TCU), além de reuniões no gabinete de transição. Está prevista também a participação de Bolsonaro no fórum de governadores do Nordeste. O presidente eleito deverá ficar de terça-feira (20) a quinta-feira (22) na capital federal.

O presidente eleito Jair Bolsonaro - Marcelo Camargo/Arquivo/Agência Brasil

Bolsonaro deverá desembarcar em Brasília na manhã de terça-feira (20) e se reunir logo cedo com o ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário. Inicialmente, o presidente eleito anunciou que parte da CGU poderá ser absorvida pelo Ministério da Justiça. A definição está em aberto. 

Também para a terça-feira estão previstas reuniões com o ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, e representantes da Associação das Santas Casas do Brasil, no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB).

As reuniões com o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Raimundo Carreiro, e a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, estão previstas para a tarde de terça-feira.

Na quarta-feira (21), Bolsonaro deverá se reunir com os governadores eleitos e reeleitos do Nordeste. Na semana passada, o governador do Piauí, Wellington Dias, confirmou o encontro, uma vez que, entre os governadores da região, ele foi o único que pôde comparecer ao encontro de governadores eleitos promovido em Brasília pelos futuros governadores de São Paulo, João Doria, e do Distrito Federal, Ibaneis Rocha.

Há ainda a possibilidade. não confirmada oficialmente, de o presidente eleito ir para São Paulo. Bolsonaro deverá ser submetido a uma bateria de exames, no Hospital Albert Einstein, para preparar a retirada da bolsa de colostomia. A cirurgia para remoção da bolsa está prevista para 12 de dezembro.  

Turquia não encontra DNA de Khashoggi no consulado saudita em Istambul

sab, 17/11/2018 - 08:41

A investigação do Ministério Público da Turquia, que fez várias operações no consulado saudita em Istambul, no qual foi assassinado no mês passado, o jornalista Jamal Khashoggi, não encontrou vestígios de DNA da vítima no local, informou neste sábado (17) o jornal turco Hürriyet.

Investigadores analisaram amostras do DNA de Kashoggi colhidas em dois locais - Reuters/Direitos Reservados

Os analistas turcos recolheram amostras tanto no consulado quanto na residência do cônsul, local que, no início das investigações, era considerado possível cenário do crime, além de em vários veículos oficiais da representação diplomática.

No entanto, segundo as análises de laboratório, que terminaram agora, nenhuma das amostras continha vestígios de DNA que coincidisse com o de Khashoggi, obtido de objetos pessoais seus, assegurou o jornal, que não esclarece suas fontes.

O Hürriyet destaca a contradição entre a versão da procuradoria turca, segundo a qual Khashoggi foi assassinado por asfixia, e a do Ministério Público saudita, que na quinta-feira passada (15) garantiu que a morte foi causada pela injeção de "uma grande dose de sonífero".

O jornal sustenta que, de acordo com altos funcionários turcos, a equipe de 15 agentes sauditas enviados da capital saudita matou Khashoggi por asfixia, mas, em seguida, injetou no corpo uma substância para coagular o sangue e, então, fazer o esquartejamento com menos riscos de deixar rastros. 

Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 37 milhões neste sábado

sab, 17/11/2018 - 08:24

Os apostadores que acertarem os seis números do concurso 2098 da Mega-Sena vão dividir um prêmio estimado em R$ 37 milhões. Os números serão sorteados às 20h, no Caminhão da Sorte, que estará estacionado na cidade de Manhumirim, em Minas Gerais.

Apostas podem ser feitas em casas lotéricas ou pelo sistema online de loterias da Caixa - Arquivo/Agência Brasil

No sorteio de quarta-feira passada (14), realizado em Nazaré Paulista, São Paulo, ninguém acertou as dezenas 09, 24, 28, 45, 49 e 51, e o prêmio acumulou.

A aposta mínima, com seis dezenas, custa R$ 3,50.

Os apostadores podem tentar a sorte até as 19h de hoje nas casas lotéricas ou pelo sistema online de loterias da Caixa Econômica Federal.
 

Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país

sab, 17/11/2018 - 08:10

O assassinato de crianças e um estado de guerra constante no Rio de Janeiro são a inspiração para o romance Caveiras, do jornalista carioca Vitor Abdala. O livro conta a história do assassinato do menino Serginho, morador de uma comunidade do Rio de Janeiro. O principal suspeito do crime, testemunhado pela mãe da vítima, é o Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do estado, o Bope.

Caveiras é uma alegoria que faz uso do suspense e da ficção fantástica para criticar essa política de insegurança que existe há décadas no Brasil e para fazer o leitor refletir sobre os custos dessa guerra e da indiferença social para o sofrimento dos outros, em especial das crianças”, afirma Abdala.

Jornalista e escritor Vitor Abdala lança o romance de terror policial Caveiras, pela editora Generale - Fernando Frazão/Agência Brasil

Ao longo das 190 páginas, o livro narra a saga de um jornalista carioca que, após receber um pedido de ajuda da mãe de Serginho, enfrenta todos os obstáculos burocráticos e de segurança possíveis para publicar a verdade. A história ainda ganha um 'quê' surrealista quando se descobre um segredo que envolve o Bope.   

“O viés de guerra que sempre predominou na política de segurança do Rio, e se espalhou para outros lugares do país, é uma metáfora usada para tratar desse tema”, explica Abdala e complementa: "Curiosamente, a vitimização do público infantil pela violência é algo pouco estudado e que recebe pouca atenção da mídia, a não ser quando eventualmente um caso como esse choca a população, como foi o caso da morte da menina Isabella Nardoni, em 2008”, conta o autor.

Crianças assassinadas

Em sua pesquisa para o livro, o autor chegou ao número de quase cinco mil crianças, de até 14 anos, assassinadas no Brasil em apenas cinco anos, segundo dados do Ministério da Saúde. O número de mortos, registrado nos anos de 2013 a 2017, é o equivalente à população de uma cidade brasileira de pequeno porte e revela uma face assustadora da violência no país.

“Crianças não são as principais vítimas da violência, mas se formos pensar que são a parte da população mais protegida, é surpreendente como ainda assim morrem cerca de mil crianças por ano. As causas das mortes são várias e vão desde a violência doméstica (abuso paternal ou de conhecidos) até violência nas ruas (como tentativas de assalto que resultam em homicídios)”.

Carioca, Vitor Abdala é jornalista há 14 anos. Também é membro da Horror Writers Association e conselheiro da Associação Brasileira de Escritores de Romances Policiais, Suspense e Terror.

 

Mais de 900 médicos fazem prova do Revalida neste sábado

sab, 17/11/2018 - 07:50

A segunda etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida) 2017 será feita neste fim de semana por mais de 900 médicos. A prova será aplicada hoje (17) e amanhã (18) em Brasília, Curitiba, São Luís, Manaus e Belo Horizonte.

O Revalida reconhece os diplomas de médicos que se formaram no exterior e querem trabalhar no Brasil. O exame é feito tanto por estrangeiros formados em medicina fora do Brasil, quanto por brasileiros que se graduaram em outro país e querem exercer a profissão em sua terra natal.

A segunda etapa do Revalida é uma prova de habilidades clínicas na qual o participante percorre 10 estações para resolução de tarefas sobre investigação de história clínica, interpretação de exames complementares, formulação de hipóteses diagnósticas, demonstração de procedimentos médicos e aconselhamento a pacientes ou familiares.

São dois dias de prova e dois turnos de aplicação em cada um. As provas do primeiro turno começam às 13h e as do segundo turno, às 17h. Os portões são fechados meia hora antes.

Os horários estão detalhados no cartão de confirmação e no edital do Revalida – segunda etapa. É obrigatória a apresentação do original de um documento oficial de identificação com foto para a realização das provas.

Mais Médicos O Mais Médicos foi criado em 2013 para levar atendimento às regiões mais distantes do país - Arquivo/Agência Brasil

A exigência do Revalida foi um dos pontos anunciados pelo presidente eleito Jair Bolsonaro como requisito para a participação de profissionais cubanos no programa Mais Médicos.

Alegando que o governo eleito questiona a preparação dos médicos cubanos ao exigir que eles se submetam à revalidação do título para serem contratados, o governo de Cuba decidiu deixar o programa.

Criado em 2013, no governo Dilma Rousseff, o programa tem o objetivo de levar médicos a regiões distantes e às periferias do país.

A vinda dos médicos cubanos foi acertada por meio de convênio firmado entre os governos do Brasil e de Cuba, por meio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), que dispensava a validação do diploma dos profissionais. Na ocasião, o acordo foi questionado por entidades médicas brasileiras.

Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte

sex, 16/11/2018 - 21:09

O  corpo da estudante Anna Luísa Fernandes de Paiva Maria, de 16 anos, que estava desaparecida desde ontem (15) em decorrência as fortes chuvas em Belo Horizonte foi encontrado hoje (16) por volta das 13h45 pelo Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG).

Foram 19 horas de buscas ininterruptas com uma força-tarefa que envolveu cerca de 50 militares em buscas por solo e pelo ar. Os bombeiros utilizaram um helicóptero e um drone para auxiliar nas buscas.

“Um aliado fundamental nessa ocorrência foi o drone, que por meio dos militares que o operavam, detectou indícios daquilo que poderia ser um possível indício de corpo. Foi acionada a equipe terrestre para confirmação e o corpo da adolescente foi encontrado”, diz nota divulgada pelo CBMMG.

O corpo foi encontrado no córrego Vilarinho no Bairro Xodó Marise, a 4 quilômetros do local do acidente que aconteceu na Av. Álvaro Camargo esquina com rua José  Seguinte, Bairro São João Batista. 

Segundo informações do CBMMG, ela estava com seu namorado no interior do veículo quando a roda dianteira do carro entrou em uma abertura provocada por um tampa de galeria que havia sido levada pela água das chuvas. Quando foram sair do veículo imobilizado na área inundada, o namorado saiu por um lado e ela, ao sair pelo outro lado, não viu um bueiro que estava nas imediações e acabou sendo levada para dentro da galeria pela correnteza.

O Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), onde a adolescente estudava, divulgou uma nota lamentando sua morte. Anna Luísa era aluna do segundo ano do curso técnico em Meio Ambiente, integrado ao ensino médio. A conclusão do curso estava prevista para 2019. “Neste momento de dor, o CEFET-MG presta solidariedade aos familiares, amigos, professores e colegas de classe, abalados pela irreparável perda”, diz a nota.

Vítimas

Anna Luísa foi a quarta vítima confirmada das fortes chuvas que atingem a capital mineira desde ontem. O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais encontrou, na manhã de hoje (16), o corpo de um homem que pode ter se afogado ao tentar atravessar o córrego que corta uma ocupação de sem-teto na região da Mata do Izidoro, no bairro Jaqueline, região Norte de Belo Horizonte.

Uma mulher de cerca de 40 anos e sua filha morreram afogadas ontem dentro do próprio carro, que foi arrastado até a linha férrea do metrô pela correnteza junto com outros veículos em uma rua do distrito de Venda Nova.

A prefeitura de Belo Horizonte divulgou um balanço atualizado de 12h30 de quinta-feira até 16h30 de sexta-feira (16) com 110 ocorrências registradas. Foram registrados nesse período na capital mineira 16 pontos de enchentes ou inundações e 45 pontos de alagamento.

A Defesa Civil de Belo Horizonte emitiu um alerta de pancadas de chuva (40 a 60 mm), raios e rajadas de vento (em torno de 50 km/h) a partir da tarde de hoje, o alerta é válido até 8h de sábado (17).

Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer

sex, 16/11/2018 - 20:52
Já estão sendo tomadas providências para substituir os médicos cubanos, diz o presidente Temer - Cesar Itiberê/PR

O presidente Michel Temer reforçou nesta sexta-feira (16) a informação de que o o governo brasileiro está tomando providências necessárias para preencher as vagas abertas com a saída dos profissionais cubanos do programa Mais Médicos.

Em entrevista coletiva após participar de uma sessão de debates da 26ª Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo, na Guatemala, Temer disse que o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, está tomando providências para abrir vagas para médicos brasileiros.

"Estamos preparados para, imediatamente, colocar… [substitutos] e não só fazer concursos. Já falei com o ministro Gilberto Occhi com vistas à contratação de médicos para suprir a eventual falta dos médicos, falta dos médicos cubanos”, afirmou.

Nesta sexta-feira (16), o Ministério da Saúde informou que publicará, ainda neste mês, um edital para contratar profissionais brasileiros para preencher 8.332 vagas deixadas pelos cubanos. A expectativa do ministério é que os médicos brasileiros selecionados na nova etapa comecem a trabalhar nos municípios imediatamente após a seleção, o que deve ocorrer ainda neste ano.

O governo de Cuba anunciou, na última quarta-feira (14), a retirada de seus profissionais do programa, por não aceitar as novas exigências impostas aos médicos do país. Criado em 2013, no governo Dilma Rousseff, o programa tem o objetivo de levar assistência médica às periferias e às mais distantes regiões brasileiras.

Aumento para o STF

Temer falou também sobre o aumento para os ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) aprovado pelo Congresso Nacional e que aguarda sanção presidencial. Perguntado se já teria tomado posição sobre o aumento, o presidente disse que está analisando a questão e que mandou fazer um estudo econômico sobre o impacto do reajuste nos cofres públicos.

“Estou examinando, é claro, e sempre vem uma coisa, que não pode haver, digamos, um agravo econômico, ou seja, uma perda econômica, não só para a União Federal, como para os estados federados. Portanto, estou mandando primeiro fazer uma avaliação de natureza econômica – tenho mais tempo para sancionar ou vetar, para decidir mais para adiante”, acrescentou.

Ao ser perguntado sobre a indicação do diplomata Ernesto Araújo para o cargo de ministro das Relações Exteriores, no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, Temer respondeu que não tinha muitas informações a respeito, mas elogiou a escolha, dizendo que tinha ouvido falar muito bem do escolhido.

“O presidente eleito está se esmerando em receber, em escolher nomes da melhor qualidade, da melhor suposição. Essa questão – se vai haver mudança ou não – eu confesso que não estou acompanhando. E, mais uma vez, digo: 'é uma decisão do presidente eleito'”, ressaltou.

Um pouco antes, Temer participou da primeira sessão de chefes de Estado e de Governo da 26ª Cúpula Ibero-Americana. Em seu discurso, o presidente disse que está trabalhando para que o processo de transição com a equipe de Jair Bolsonaro, para que o novo governo “siga trabalhando de maneira responsável”.

“O Brasil teve [recentemente] suas eleições superiores, onde vimos a eleição de um novo governo e sobretudo do novo presidente da República”, lembrou Temer. “Estamos passando agora por uma transição para que o novo governo possa conhecer de maneira muito branda e tranquila o que temos realizado, para que siga assim trabalhando de maneira responsável.”

Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero

sex, 16/11/2018 - 20:26

A seleção brasileira de futebol venceu o time do Uruguai por 1 X 0. O gol foi marcado em uma cobrança de pênalti controversa, por Neymar, aos 30 minutos do segundo tempo. O jogo foi em Londres, no estádio do Arsenal, o emirates Stadium.

A marcação do pênalti por causa de uma falta sofrida pelo lateral-direito Danilo na área foi contestado pela seleção uruguaia. No lance anterior, o jogador brasileiro encostou a mão na bola, mas o juiz não marcou.

Com o resultado, a seleção brasileira manteve uma invencibilidade de 17 anos contra o Uruguai. A última vez que a seleção brasileira perdeu para a 'Celeste' foi em julho de 2001.

A equipe pentacampeã mundial começou atacando mais e balançou a rede aos dez minutos do primeiro tempo, mas o lance foi bem anulado. Filipe Luís cruzou com força da esquerda e Neymar completou de coxa, mas o capitão do Brasil foi flagrado em impedimento.

Além de Neymar, o Brasil entrou em campo com outros oito jogadores que estiveram na Copa do Mundo, realizada na Rússia nos meses de junho e julho.

A seleção brasileira volta a jogar na próxima terça-feira (20) contra a seleção do Camarões às 17h30 (horário de Brasília) no MK Stadium, em Milton Keynes, a 88 km de Londres.

No mesmo dia, um pouco antes (15h) tem jogo da seleção feminina sub-17 contra a África do Sul pela Copa do Mundo da categoria, que acontece no Uruguai.

PSL entrega prestação de contas retificadora da campanha de Bolsonaro

sex, 16/11/2018 - 19:53

A coordenação da campanha do presidente eleito Jair Bolsonaro apresentou, no início da noite de hoje (16), a prestação de contas retificadora, cumprindo o prazo estabelecido pelo relator do processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso. A assessoria técnica do TSE verificou inconsistências na prestação entregue anteriormente e Barroso pediu esclarecimentos e documentação complentar.

No total são nove documentos com demonstrativos de receitas e despesas, extratos bancários, qualificação dos representantes legais da campanha, notas explicativas e sobras de campanha, subdivididos em vários itens.

O PSL apresentou, por exemplo, o aditivo do contrato com a AM4 Brasil Inteligência Digital, no valor de R$ 535 mil, para prestação de serviços de mídia digital, incluindo análise, monitoramento e criação de conteúdo para redes sociais, bem como administração do site, coordenação de equipe e produção dos programas eleitorais. Juntou a nota fiscal da gráfica Stamp, no valor de R$ 28.800.

Também foi anexado o contrato com a Matrix Produção de Eventos para contratação de recepcionistas, confecção de pulseiras e fornecimento de rádios de comunicação, no valor de R$ 32 mil. A campanha incluiu na prestação de contas o contrato de produção audiovisual com a empresa Studio Eletrônico, para produção de vídeos e dos programas eleitorais, no valor de R$ 525 mil.

Em outros documentos, a campanha informa a transferência de recursos da campanha de Bolsonaro para as eleições dos filhos do presidenciável, Eduardo e Flávio, que concorreram a deputado federal e senador, respectivamente. Lista ainda os doadores dos recursos repassados.

Nota explicativa do escritório de advovocacia Kufa mostra o lançamento de sobra de campanha do vice Hamilton Mourão, no valor de R$ 10 mil. Foram anexados contratos de serviços de segurança, com diárias de R$ 500, e comprovantes de depósitos.

Segundo o TSE, a análise e o julgamento das contas do presidente eleito são requisitos para que ele possa receber o diploma eleitoral. A solenidade de diplomação de Bolsonaro e de Mourão foi agendada para o dia 10 de dezembro, às 16h, no plenário do TSE.

União já pagou este ano R$ 3,5 bi em dívidas atrasadas dos estados

sex, 16/11/2018 - 19:29

Ao longo do mês de outubro, a União  pagou R$ 301,37 milhões em dívidas garantidas de estados e municípios. Desse total, R$ 291,88 milhões são relativos a inadimplências do estado do Rio de Janeiro e R$ 9,49 milhões de Roraima. No ano, o total pago chegou a R$ 3,575 bilhões. Os dados estão no Relatório de Garantias Honradas pela União em operações de crédito, divulgado hoje (16) pela Secretaria do Tesouro Nacional.

Como garantidora de operações de crédito de entes subnacionais, a União, representada pelo Tesouro Nacional, é comunicada pelos credores de que o estado ou o município não realizou a quitação de determinada parcela do contrato. Caso o ente não cumpra suas obrigações no prazo estipulado, a União paga os valores.

Em 2016 e 2017, o Tesouro pagou, respectivamente, R$ 2,377 bilhões e R$ 4,059 bilhões em dívidas de estados e municípios.

As garantias honradas pelo Tesouro são descontadas dos repasses da União aos entes federados - como receitas dos fundos de participação, Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), dentre outros. Sobre as obrigações em atraso incidem juros, mora e outros custos operacionais referentes ao período entre o vencimento da dívida e a efetiva honra dos valores pela União.

Ao longo do ano passado, no entanto, decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) impediram a execução das contragarantias do estado do Rio de Janeiro, que chegou a atrasar salários dos servidores e pagamentos a fornecedores. Com a adesão do estado do Rio de Janeiro ao pacote de recuperação fiscal, no fim do ano passado, o estado pode contratar novas operações de crédito com garantia da União, mesmo estando inadimplente.

O estado de Minas Gerais está impedido de contrair financiamentos garantidos pelo Tesouro até 8 de agosto de 2019; Goiás, até 11 de setembro; Roraima, até 15 de outubro; e o Piauí, até 13 de setembro. A prefeitura de Natal está impedida de contrair crédito até 23 de maio do e 2019.

Outros entedes federativos, como os estados do Rio Grande do Norte e do Amapá, além das prefeituras de Chapecó (SC) e Cachoeirinha (RS), também têm restrições de crédito com a União por causa do atraso no pagamento de débitos. 

Temer diz na Guatemala que Brasil faz transição branda e tranquila

sex, 16/11/2018 - 19:04

O presidente Michel Temer disse hoje (16), durante sua participação na primeira sessão de chefes de Estado e de Governo da 26ª Cúpula Ibero-americana de Chefes de Estado e de Governo, na Guatemala, que o governo brasileiro está trabalhando no processo de transição com a equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro, para que o novo governo “siga trabalhando de maneira responsável”.

“O Brasil teve [recentemente] suas eleições superiores. Onde vimos a eleição de um novo governo e sobretudo do novo presidente da República”, disse Temer. “Estamos passando agora por uma transição para que o novo governo possa conhecer de maneira muito branda e tranquila o que temos realizado, para que siga assim trabalhando de maneira responsável”, afirmou.

Durante o seu discurso, Temer citou a herança comum ibero-americana, destacando que os países participantes da cúpula buscam superar os obstáculos “em nome do estreitamento de vínculos e da busca do outro”. De acordo com o presidente, esse movimento tem resultado na construção de uma intensa agenda de cooperação no âmbito cultural e acadêmico, da ciência e tecnologia e no intercâmbio de experiência e de políticas públicas.

“É muito prazeroso poder participar desse encontro que busca a integração crescente e uma agenda para uma Ibero-América forte, inclusiva e sustentável. É importante destacar que precisamos caminhar de mãos dadas”, disse o presidente.

O presidente citou a Constituição para falar sobre o direito das mulheres e para abordar a cooperação com os países da cúpula. “Em nossa Constituição, temos uma regra que estabelece a necessidade de uma política pública que agregue todos os países latino-americanos, sem exceção”, disse.

Temer citou ainda as ações que fez durante o seu governo e citou a Proposta de Emenda à Constituição 95, a chamada PEC do Teto de Gastos, como exemplo de políticas aprovadas durante a sua gestão. O presidente afirmou aos presentes que essas medidas resultaram no recuo da pressão inflacionária. “Ressalto que, no prazo de dois anos e meio, no espaço do meu governo, tivemos uma redução da inflação para menos de 4%”, disse.

“Isso representa, primeiramente, a valoração dos salários e, desta maneira, estabelecemos um pilar econômico que traz, sobretudo, a ideia de responsabilidade fiscal. Nós estabelecemos um teto para os gastos públicos para evitar políticas que venham a comprometer o futuro e também que saiam desta ideia básica de que não podemos gastar mais do que arrecadamos”, afirmou o presidente.

Temer disse ainda que conseguiu “bloquear” um desemprego crescente e citou ainda o Bolsa Família como exemplo de política de inclusão social que oferece uma “assistência em beneficio a mais de 14 milhões de pessoas”.

“O que buscamos é a inclusão social e, para tal, temos criados um programa, chamado Progredir, para que os filhos dos beneficiários do programa sejam contratados pelos empresários. Assim, temos mais de 240 mil jovens empregados a partir deste tipo de programa de inclusão”, disse.

Temer ainda abordou o tema do meio ambiente, como um dos que dizem respeito aos países participantes da cúpula e disse que chegou a duplicar as áreas de algumas áreas de proteção ambiental no país.

O presidente da República chegou ontem à Guatemala, quando promoveu encontros bilaterais com chefes de  Estado e de governo, entre eles com o rei da Espanha, Felipe VI. Na agenda, as reformas que estão sendo implementadas pelo governo brasileiro e os planos de investimentos da Espanha no Brasil.

Em reação à nova equipe econômica, dólar cai e Bovespa sobe

sex, 16/11/2018 - 18:30

O mercado financeiro reagiu ao anúncio dos novos nomes da equipe econômica do presidente eleito Jair Bolsonaro, com a cotação da moeda norte-americana encerrando a semana em queda e o índice B3, da Bolsa de Valores de São Paulo, registrando alta no fechamento do pregão. O dólar comercial fechou a semana em baixa de 1,28%, cotado a R$ 3,7372 para venda, mantendo a tendência de queda nos últimos pregões da semana. A moeda norte-americana ainda acumula uma valorização de 14% no ano em relação ao real.

O índice B3 terminou o pregão de hoje (16) em forte alta de 2,96%, com 88.515 pontos. As ações das grandes companhias, chamadas de blue chip, seguiram a tendência com Petrobras encerrando a semana em valorização de 2,91%, Vale com mais 1,70%, Itau subindo 3,05% e Bradesco em alta de 4,28%. Os papéis da Eletrobras também fecharam com destaque positivo, com alta de 8,60%.

 

 

PGR pede prorrogação de inquérito contra Aécio Neves no Supremo

sex, 16/11/2018 - 18:29

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes a prorrogação do inquérito aberto contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) por mais 60 dias. O pedido foi feito no último dia 12. 

O inquérito apura o suposto recebimento de valores indevidos da empreiteira Odebrecht pelo parlamentar em 2014. De acordo com o Ministério Público Federal, os repasses teriam ocorrido de forma dissimulada e por meio de uma empresa de publicidade. 

Para justificar o pedido, a PGR alegou que há diligências pendentes e necessárias para a investigação. Não dá previsão para uma decisão do relator, Gilmar Mendes. 

No inquérito, a defesa de Aécio Neves sustenta que o caso deve ser remetido para Justiça Eleitoral. Para os advogados, o caso trata de doações eleitorais, "não tendo correlação direta" com supostas contrapartidas" por parte do senador.

Médicos fazem no sábado exame para validar diploma obtido no exterior

sex, 16/11/2018 - 18:04

A segunda etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida) 2017 será aplicada amanhã (17) e domingo (18) em Brasília (DF), Curitiba (PR), São Luís (MA), Manaus (AM) e Belo Horizonte (MG). Mais de 900 médicos farão as provas, de acordo com o  Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

O Revalida reconhece os diplomas de médicos que se formaram no exterior e querem atuar no Brasil. O Exame é feito tanto por estrangeiros formados em medicina fora do Brasil, quanto por brasileiros que se graduaram em outro país e querem exercer a profissão em sua terra natal.

A segunda etapa do Revalida é uma Prova de Habilidades Clínicas na qual o participante percorre dez estações para resolução de tarefas sobre investigação de história clínica, interpretação de exames complementares, formulação de hipóteses diagnósticas, demonstração de procedimentos médicos e aconselhamento a pacientes ou familiares.

São dois dias de prova e dois turnos de aplicação em cada um. As provas do primeiro turno começam às 13h e as do segundo turno, às 17h. Os portões são fechados meia hora antes. Os horários estão detalhados no Cartão de Confirmação e no Edital do Revalida – 2ª Etapa. É obrigatória a apresentação de via original de documento oficial de identificação com foto para a realização das provas.

Mais Médicos

A exigência do Revalida foi um dos pontos anunciados pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, como requisito para a participação de Cuba no programa Mais Médicos. Para as autoridades cubanas, o governo eleito questiona a preparação dos médicos ao exigir que eles se submetam à revalidação do título para serem contratados. Após declarações de Bolsonaro, Cuba decidiu deixar o programa.

O programa Mais Médicos foi criado em 2013, na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, para levar médicos a regiões distantes e periferias do país. A vinda dos médicos cubanos foi acertada por meio de convênio firmado entre os governos brasileiro e de Cuba, por meio da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), e que dispensava a validação do diploma dos profissionais. Na ocasião, o acordo foi questionado por entidades médicas brasileiras.  

Prova difícil

Desde que foi criado, em 2011, o Revalida é considerado uma prova com alto grau de dificuldade. No primeiro ano de aplicação, 12,13% dos participantes foram aprovados. Em 2012, a porcentagem caiu para 9,85% e, em 2013 chegou ao mínimo para 6,83%. Em 2014, os aprovados aumentaram para 32,62% e, em 2015, aqueles que conquistaram o direito de atuar no Brasil atingiu o nível recorde de 42,15% dos participantes.

Primeira etapa

Na primeira etapa do Revalida, realizada no ano passado, os médicos fizeram uma avaliação escrita composta por prova objetiva de 100 questões de múltipla escolha, e uma discursiva, com cinco questões. Se inscreveram no Revalida 8.735 candidatos de 56 nacionalidades.

Os brasileiros eram maioria dos inscritos, representando 59% dos participantes. Médicos bolivianos representavam 16% dos inscritos, enquanto os cubanos, 10%. Em relação à origem do diploma, o maior número de participantes se formou em medicina na Bolívia, 55%. Cuba, com 16% e Paraguai, 12%, vinham na sequência.

Ministro propõe que médicos oriundos do Fies substituam cubanos

sex, 16/11/2018 - 17:53

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, disse hoje (16) que vai sugerir à equipe de transição, na próxima semana, substituir as vagas abertas com a partida dos cubanos, no programa Mais Médicos, por profissionais formados com recursos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Segundo ele, o tema foi analisado por técnicos e deve ser agora debatido em nível político.

“Uma das propostas que nós vamos apresentar é essa, como outras propostas que estamos trabalhando não só na questão do Programa Mais Médicos, mas também de outras questões do Ministério da Saúde”, disse Occhi ao participar da cerimônia de inauguração das instalações do Centro Especializado em Reabilitação (CER IV), em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

O ministro não detalhou a proposta que será apresentada à equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro. O Fies é um fundo de financiamento para estudantes de baixa renda. Um período depois de formados, os estudantes passam a pagar as mensalidades que foram financiadas. Os valores variam de acordo com a negociação prévia feita no momento da matrícula.

Exigências

O ministro disse que até a próxima terça-feira (20) será lançado o edital para a contratação de médicos nas vagas que surgirem com o desligamento de profissionais cubanos. Eles devem ser substituídos por médicos brasileiros que tenham o número de inscrição no Conselho Regional de Medicina (CRM), obtido no Brasil e que possam fazer a opção de trabalhar no Programa Mais Médicos.

“Em um segundo momento, depois de um determinado período, vamos abrir para os médicos brasileiros formados no exterior. Acreditamos que existe um universo de cerca de 15 a 20 mil médicos aptos a participar do edital e a nossa ideia é fazer isso imediatamente ainda agora em novembro nós já temos médicos que tenham condições já escolhendo seus lugares para trabalhar.”

Vagas

Occhi indicou ter certeza de que as vagas serão ocupadas, ainda que em chamadas iniciais para o programa os médicos brasileiros não tenham apresentado grande interesse em participar. “Acredito que sim [as vagas serão ocupadas], até porque, no último edital que fizemos no ano passado, tivemos mais de 20 mil inscritos brasileiros. Depois, eles não foram para os lugares, aí utilizamos em uma segunda chamada o médico estrangeiro. Acreditamos que sim, já que essa é uma grande oportunidade.”

De acordo com o ministro, o governo federal vai atuar em parcerica com os municípios e a sociedade médica de uma maneira geral. “É uma ação que o governo federal vai capitanear, mas há um envolvimento de todos.” Segundo ele, ainda não foi definido um cronograma de saída dos profissionais cubanos do Mais Médicos.

“Não tem uma definição. Isso é uma decisão do governo de Cuba de retirá-los. Nós estamos trabalhando de forma emergencial, para que na medida em que o médico cubano saia, ele tem a decisão de sair, mas que a gente tenha outros profissionais brasileiros que possam ocupar este lugar.”

Inauguração

O Centro Especializado em Reabilitação (CER IV), inaugurado hoje (16), vai atender pacientes em quatro modalidades: física, intelectual, auditiva e visual. Para a construção da unidade e para a compra de equipamentos e materiais permanentes, o Ministério da Saúde repassou R$ 6,5 milhões.

Occhi ressaltou que no CER haverá espaço para recuperação auditiva, a visual e ortopedia. O município de Duque de Caxias conta com o CER II. O custeio anual dessa unidade é de R$ 1,6 milhão.

Liberação de recursos

Além de inaugurar o centro, o ministro anunciou a liberação de R$ 25 milhões para o município de Duque de Caxias ampliar os atendimentos de média e alta complexidade, como cirurgias e internações, e na Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Estamos trabalhando fortemente para repassar os recursos do governo federal. Não tem faltado. O presidente Temer tem dado todo apoio. Os parlamentares federais têm dado a sua contribuição para as suas emendas e aqui em Duque de Caxias não é diferente”, disse.

Segundo Occhi, os R$ 25 milhões entrarão logo na conta da prefeitura de Duque de Caxias para ajudar no custeio. “A gente sabe o quanto é difícil fazer o custeio da saúde e atender à população. Aqui há uma grande demanda.” Antes da inauguração, ele visitou o Hospital do Olho, a maior referência oftalmológica de Duque de Caxias, especialmente, em cirurgia de catarata.

Prefeitura libera rodízio de veículos em trecho da Marginal Pinheiros

sex, 16/11/2018 - 17:47

A Prefeitura de São Paulo vai liberar o rodízio municipal de veículos em trecho da Marginal Pinheiros por causa dos transtornos provocados pela interdição da via após o viaduto localizado na altura do Parque Villa Lobos, na zona oeste da cidade, ceder cerca de dois metros, formando um grande degrau.

A circulação de todos os veículos será liberada no sentido Castelo Branco, entre a Avenida dos Bandeirantes e a Ponte dos Remédios, a partir da próxima quarta-feira (21). Até o dia 20, o rodízio já estava suspenso devido ao feriado prolongado.

A decisão tem o objetivo de minimizar os transtornos provocados pela interdição total da pista expressa da Marginal Pinheiros para obras de recuperação do viaduto. A suspensão será adotada até a liberação total da pista.

Estrutura

A estrutura do viaduto localizado na altura do Parque Villa Lobos, na zona oeste da capital paulista, que cedeu na madrugada de ontem (15), sofreu uma movimentação de sete milímetros nesta manhã (16). As ações para escoramento da estrutura foram aceleradas após a movimentação.

“A estrutura, quando rompe, tem que redistribuir os esforços internos. Então é isso que está acontecendo. Ela está se movimentando, distribuindo as tensões. E vai aparecendo uma movimentação ou outra. O nosso objetivo nesse momento é garantir a segurança e fazer com que a estrutura não venha a colapso”, disse o secretário municipal de Infraestrutura Urbana, Vitor Aly.

“Estamos acelerando as medidas de segurança no sentido de preservar a integridade do viaduto no que for possível para que a gente volte com segurança a pensar no que vamos fazer em termos de recuperação estrutural do viaduto”, acrescentou.

Segundo ele, o risco de desabamento ainda existe e o processo de escoramento da estrutura foi acelerado. Devido à trepidação causada à estrutura, a circulação de trens da Linha 9-Esmeralda, da CPTM, que passa sob o viaduto, foi interrompida entre as estações Pinheiros e Ceasa na manhã de hoje (16). As estações Villa Lobos-Jaguaré e Cidade Universitária estão fechadas. O sistema de ônibus gratuito Paese foi acionado e faz a integração no trecho interrompido.

“Depois do escoramento, nós vamos estudar para saber o que aconteceu com a estrutura. Nós não sabemos o que aconteceu. É exatamente isso, a falta de conhecimento do prejuízo que foi esse acidente à estrutura, o que causou os danos à estrutura, não temos noção. Eu não sei se o cabo de proteção escoou, rompeu, não sabemos”, disse o secretário.

Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro

sex, 16/11/2018 - 17:03

A equipe econômica do presidente eleito, Jair Bolsonaro, definiu nomes capazes de levar adiante as propostas que devem sustentar o governo baseadas no pensamento liberal, rigor na busca pelo equilíbrio das contas públicas, controle da inflação e mudanças na estrutura estatal, incluindo projetos de privatizações. A avaliação é de economistas ouvidos pela Agência Brasil, que destacam ainda a preocupação em evitar rupturas e dar continuidade a aspectos considerados positivos, como a condução do Banco Central e do Tesouro Nacional.

Ontem (15), foi anunciado que o economista Roberto Campos Neto será o próximo presidente do Banco Central e que Mansueto de Almeida será mantido no Tesouro Nacional. Anteriormente, a equipe de Paulo Guedes, que comandará o superministério da Economia, confirmou Joaquim Levy para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Economista Roberto Campos Neto - Assessoria de Imprensa da transição/Divulgação/Direitos reservados

O professor de economia do Insper Otto Nogami disse à Agência Brasil que a nova equipe deverá adotar medidas menos intervencionistas do que a anterior.

“A gente começa a observar, principalmente dentro da estrutura interna do Ministério da Fazenda, uma gradativa mudança do pensamento econômico. Nós estamos saindo de uma característica mais keynesiana, que seria mais intervencionista, com uma forte participação do Estado na atividade econômica, para um pensamento liberal muito bem claro e definido.”

O coordenador da graduação em economia da Fundação Getulio Vargas (FGV), Joelson Sampaio, destaca a adoção de uma “política ortodoxa” cuja preocupação está no equilíbrio das contas públicas e o controle da inflação. “Então é uma equipe, como a do governo atual, que se precisar, pode aumentar os juros, sim, para reduzir o nível de inflação. É o que a gente chama de política ortodoxa.”

Articulação política

Nogami disse que para ter sucesso a nova equipe também precisará trabalhar em conjunto com bons articuladores políticos. “Há a necessidade que essa equipe construa uma ligação mais estreita com o Congresso. Haveria necessidade que essa equipe tivesse alguém com facilidade de trânsito dentro do Congresso Nacional para ir articulando nos bastidores essas necessidades que a equipe vai exigir.”

Para Sampaio, a tendência é de Paulo Guedes defender a redução do papel do Estado. “O Paulo Guedes tem um perfil mais agressivo, ele é muito mais liberal. Na prática não vai mudar muito. Muita coisa tem que ter aprovação, tem que passar pelo Congresso”, disse. “No [setor] público você não faz o que você quer, faz o que você pode. Talvez isso seja um choque de realidade para ele.”

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, será mantido pelo novo governo - Arquivo/Agência Brasil

Nogami disse que a nova gestão deve buscar outras mudanças na estrutura estatal para estabilizar as contas públicas. “Nós chegamos a uma situação crítica de quase 5% do PIB [Produto Interno Bruto] deficitário. Isso vai envolver uma reforma administrativa, não só previdenciária. Pode ser que haja um encaminhamento também para a reforma tributária dada a caraterística dos integrantes dessa nova equipe que, isoladamente, já comentaram várias vezes que haveria necessidade de uma simplificação do sistema de arrecadação do país.”

Sampaio acrescentou que um teste de fogo para o novo governo será a negociação em torno do acordo para aprovar a reforma da Previdência. Para ele, alterações nas regras de aposentadoria teriam de ser feitas já no início do governo. “Passar a reforma, além de aliviar a questão fiscal, ela dá um sinal importante. Dá um sinal político de apoio ao governo. Seria muito estratégico para eles conseguirem isso no primeiro ano.”

Continuidade

Sampaio e Nogami destacam ainda que há semelhanças entre os nomes atuais do governo Michel Temer e os escolhidos por Bolsonaro. “O Roberto Campos é muito parecido em termos de carreira com o Ilan [Goldfjan, atual presidente do Banco Central]”, analisou Sampaio.

Para Nogami, a decisão de manter Mansueto de Almeida como secretário do Tesouro Nacional é uma sinalização de continuidade. “A própria manutenção do Mansueto alinha bem nessa direção.”

Páginas