Também na Agência Brasil

Subscrever feed Também na Agência Brasil
A Agência Brasil é a agência de notícias da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que distribui gratuitamente informações de interesse público. As notícias podem ser reproduzidas desde que citada a fonte.
Atualizado: 5 minutos 26 segundos atrás

Produção de petróleo e gás natural aumenta em julho

seg, 02/09/2019 - 18:56

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou hoje (2) que a produção de petróleo e a de gás natural aumentaram em julho em relação ao mês anterior e ao mesmo período do ano passado. A produção de petróleo foi de 2,775 milhões de barris por dia (bbl/d), com aumento de 8,5% frente a junho e de 7,8% em comparação a julho de 2018. Foram produzidos 124 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia (m³/d), com crescimento de 11,7% ante o mês anterior e de 7,1% em relação a julho de 2018.

A produção de petróleo e gás totalizou 3,556 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d), sendo 61,4% da produção (1,732 milhão de boe/d) oriundos de campos do pré-sal.

A produção da camada do pré-sal, oriunda de 99 poços, foi de 1,732 milhão de barris diários (bbl/d) de petróleo e 71,9 milhões de metros cúbicos (m³/d), de gás natural, totalizando 2,184 milhões de barris de petróleo equivalente por dia (boe/d). Houve aumento de 12,2 % em relação ao mês anterior e de 19,9% na comparação com o mesmo mês de 2018. A produção do pré-sal correspondeu a 61,4% do total extraído no Brasil.

Gás natural

Em junho, o aproveitamento de gás natural foi de 97,2%. Foram disponibilizados ao mercado 61,8 milhões de m³/dia.

A queima de gás no mês foi de 3,5 milhões de m³/d, registrando queda de 14,3%, se comparada à do mês anterior, e de 10,5%, em relação à do mesmo mês em 2018.

Campos produtores

O Campo de Lula, na Bacia de Santos, foi o que mais produziu petróleo, uma média de 928 mil bbl/d. Também foi o maior produtor de gás natural: média de 39,5 milhões de m³/dia.

Os campos marítimos produziram 96,4% do petróleo e 80,3% do gás natural. Os campos operados pela Petrobras produziram 92,9% do petróleo e do gás natural – aqueles com participação exclusiva produziram 42,5% do total. A produção nacional ocorreu em 7.121 poços, sendo 648 marítimos e 6.473 terrestres.

Os dados de produção de julho estão disponíveis na página do Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural da ANP.

Sebrae: mais de 5,4 milhões de pessoas dependem da renda de um MEI

seg, 02/09/2019 - 18:53

A renda obtida como microempreendedor individual (MEI) é a única fonte de recursos de 1,7 milhão de famílias, diz a 6ª pesquisa Perfil do MEI, feita pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). De acordo com a pesquisa, isso significa que 5,4 milhões de pessoas no país, considerando quatro pessoas por família, dependem da renda de um MEI. Os dados mostram ainda que a renda média familiar desse segmento alcançou R$ 4,4 mil, o equivalente a pouco mais de quatro salários mínimos.

A pesquisa entrevistou 10.339 microempreendedores individuais entre 1º de abril e 28 de maio deste ano em todos os estados brasileiros. Segundo o Sebrae, a sondagem alcança 95% de nível de confiança e 1% de margem de erro, delineando as principais características desses empreendedores.

Os números mostram que a atividade de microempreendedor individual é a única fonte de renda de 76% dos entrevistados. De acordo com os dados, 61% dos MEI se formalizaram atraídos pelos benefícios do registro (ter uma empresa formal, possibilidade de emitir nota, poder fazer compras mais baratas), 25% por conta dos benefícios previdenciários e 14% por outros motivos diversos. 

“Os resultados do levantamento mostram que 33% dos MEI estavam na informalidade (como empreendedores ou empregados) antes de optarem pelo registro como microempreendedor. Deste universo, 48% empreendiam sem CNPJ por 10 anos ou mais”, disse a assessoria do Sebrae.

De acordo com o levantamento, a formalização foi responsável direta pelo aumento das vendas dos negócios para 71% dos entrevistados, enquanto 72% indicaram melhoria nas condições de compra junto aos fornecedores.

“Os jovens, na faixa etária de 18 a 29 anos de idade, lideram o ranking dos que procuram autonomia financeira como MEI (41%). Contudo, o percentual de microempreendedores cai à medida que o empreendedor envelhece. Entre 30 a 39 anos, (37%); dos 40 a 49 (32%) e os com mais de 50 anos registram 21%”, diz a pesquisa.

Os dados mostram ainda que 40% dos entrevistados usam a própria residência como local de trabalho. A pesquisa revela que, nos municípios mais carentes, é mais comum o microempreendedor individual atuar em um estabelecimento comercial (49%). “Essa opção, no geral, soma 28%, enquanto os MEI atuante na casa ou empresa do cliente são 17%. Os ambulantes são 11% e os que atuam em feiras, shopping popular e outros locais representam 4%”, diz a pesquisa.

Setor de seguros tem alta de 8,4% no faturamento no primeiro semestre

seg, 02/09/2019 - 18:47

O setor nacional de seguros arrecadou no primeiro semestre deste ano R$ 125,4 bilhões, alta de 8,4% em comparação com o mesmo período do ano passado. Na avaliação do presidente da Confederação das Seguradoras (CNseg), Marcio Coriolano, esse é o maior crescimento registrado na receita do setor desde 2015. Os números foram divulgados hoje (2) pela CNseg e não incluem a arrecadação do Seguro DPVAT (Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres) e da Saúde Suplementar.

Coriolano informou que o resultado apurado no acumulado janeiro/junho deste ano é decorrente da expansão de 5,5% do segmento de Danos e Responsabilidades e de 9,3% do segmento de Cobertura de Pessoas. No primeiro, tiveram destaque no semestre os seguros Marítimos e Aeronáuticos (+32,4%); Crédito e Garantias (+29,5%); Responsabilidade Civil (+20,7%); Rural (+11,9%); e Patrimonial (+11,5%). Já o ramo de Automóveis, considerado a principal carteira de seguros de propriedade, apresentou queda de 0,7% no acumulado dos seis primeiros meses deste ano.

No segmento de Pessoas, os Planos de Risco evoluíram 12,8%, enquanto os seguros VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) e PGBL (Plano Garantidor de Benefício Livre) subiram, respectivamente, 8,2% e 5,7%.

Considerando os últimos 12 meses, o setor teve incremento de 3,1% sobre igual período anterior, encerrado em junho de 2018.

Junho

De acordo com a CNseg, a arrecadação do setor em junho alcançou R$ 21,9 bilhões, sem DPVAT e Saúde Suplementar, mostrando crescimento de 15,6% sobre junho do ano passado.

Os números do mês revelam queda de receita de 3,9% entre as apólices de Danos e Responsabilidades e, em contrapartida, alta de 27,4% nas coberturas de Pessoas, devido à recuperação mensal dos Planos de Acumulação (+35,4%) e dos Planos de Risco (+13,7%).

Maia é contra rever estabilidade de servidores públicos

seg, 02/09/2019 - 17:57

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), disse hoje (2), ser contra uma reforma administrativa que retire dos servidores públicos o direito à estabilidade. Ele entende que novas regras que vierem a ser implementadas devem valer apenas para futuros servidores.

"No meu radar é tudo para frente. Essa discussão para trás eu acho ruim. Reduzir salário hoje de quem já entrou numa regra, eu acho ruim. Tirar estabilidade de que já entrou com essa regra, é ruim. Eu defendo, para que a gente tenha uma reforma administrativa mais rápida, e que atinja nossos objetivos, que não se olhe para trás. Olhe só para o futuro", disse após encontro com empresários no Rio de Janeiro, organizado pela Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig).

Maia informou que nesta quarta-feira (4) será realizada na Câmara dos Deputados uma reunião para discutir as queimadas na Amazônia. Ele manifestou receio de que a situação cause impacto nos negócios do país. "Falei com a bancada do agronegócio, que estava muito preocupado com o dano [ao país], e que estava disposto a visitar outros parlamentos aqui na nossa região ou na Europa".

O presidente da Câmara voltou a defender que seja destinado para o combate aos incêndios na Amazônia parte dos recursos de fundo da Petrobras, composto por R$ 2,5 bilhões recuperados a partir da Operação Lava Jato, e repatriados por meio de acordos firmados entre a estatal, o Ministério Público Federal (MPF) e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. O assunto está sendo avaliado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Maia sinalizou que não deverá levar ao plenário a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 187/2016, que trata da exploração de terras indígenas, aprovada na semana passada na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados. Foram 33 votos a favor, 18 contra e uma abstenção. "Eu avisei aos deputados. Não é um tema simples de ser debatido. Nesse momento, acho que estamos criando uma polêmica desnecessária no Brasil", disse Maia.

Questionado sobre a decisão anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro de vetar ao menos nove pontos do Projeto de Lei de Abuso de Autoridade, aprovado na Câmara dos Deputados no mês passado, Maia disse ser um direito do presidente da República. "Essa separação entre os poderes é importante, que fique muito clara. Cada um tem direito de cumprir sua função constitucional. A função do presidente é sancionar ou vetar. E a do Parlamento é manter ou derrubar o veto."

 

Capes anuncia corte de 5.613 bolsas de pós-graduação para este ano

seg, 02/09/2019 - 17:48

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), fundação vinculada ao Ministério da Educação (MEC), anunciou o corte de 5.613 bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado que estavam previstas para os quatro meses restantes do ano. Foram preservadas as bolsas para a formação dos professores da educação básica.

De acordo com o presidente da instituição, Anderson Ribeiro Correia, a medida representa uma economia de R$ 37,8 milhões neste ano. A previsão é que, nos próximos quatro anos, R$ 544 milhões deixem de ser investidos em bolsas.

“Devido ao contingenciamento para o orçamento da coordenação será necessário congelar 1,94% do total para este ano, preservando parcela principal dos benefícios”, contabilizou Correia. “O critério utilizado para esse bloqueio é para bolsas não utilizadas, com objetivo de preservar todos os bolsistas em vigor”, detalhou.

Este ano foram contingenciados R$ 819 milhões previstos na Lei do Orçamento Anual – 19,15% do total de R$ 4,2 bilhões. O projeto de lei orçamentária para 2020 prevê que a Capes, no próximo ano, conte com R$ 2,2 bilhões, quase a metade da previsão de 2019 (51,7%) ou 64,1% do valor real (pós-contingenciamento).

“A gente está trabalhando com a possibilidade de descontingenciamento e a visão para 2020, o que pode melhorar a situação dos bolsistas no país”, disse o presidente da Capes sem adiantar nenhuma medida ou valor revisto para recomposição dos orçamentos.

“Nós sabemos das dificuldades financeiras orçamentárias que todos nós estamos vivendo. O ano de 2019 não tem sido um ano fácil para o Ministério da Educação e também o ano de 2020 não será um ano fácil”, previu o secretário-executivo do MEC, Antonio Paulo Vogel. “Essa é uma situação da nossa economia, das nossas contas públicas. O Ministério da Educação está inserido neste contexto maior”, destacou.

Metas garantidas

Apesar dos cortes, Anderson Correia garante que serão cumpridas as metas de formação de mestres e doutores para 2024, previstas no Plano Nacional de Educação e estabelecidas pela Lei nº 13.005/2014. A meta de formação de 60 mil mestres ao ano já foi superada e a meta de 25 mil doutores se aproxima. Segundo a Capes, atualmente 65 mil mestres e 23 mil doutores são formados por ano no Brasil.

O anúncio da Capes ocorre pouco mais de um mês depois de o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), outra agência federal de financiamento de pesquisadores, suspender processo de seleção de bolsistas no Brasil e no exterior, por falta de recursos. O cálculo é um déficit de R$ 330 milhões no orçamento.

Na quarta-feira passada, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC) entregaram ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), abaixo-assinado contra os cortes no CNPq. O Orçamento da União de 2020, com a destinação de valores para o conselho e para Capes, deverá ser votado até o final do ano pelo Congresso Nacional.

De acordo com o estudo Percepção Pública sobre Ciência e Tecnologia no Brasil, feito pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), 90% dos brasileiros avaliam que o governo federal deve aumentar ou manter os investimentos em pesquisa científica e tecnológica nos próximos anos, apesar das dificuldades econômicas.

Fundo lança programa para apoiar lideranças femininas negras

seg, 02/09/2019 - 17:46

O Fundo para Equidade Racial – Fundo Baobá – lançou hoje (2), no Museu de Arte do Rio (MAR), o Programa Marielle Franco de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras, para ampliar a participação de mulheres negras em posições de poder e influência. O programa homenageia a vereadora carioca assassinada em março de 2018.

As inscrições para dois editais do projeto serão abertas amanhã no site do fundo. Um dos editais é focado no desenvolvimento de mulheres negras líderes, que oferece bolsa de formação técnica e política a 60 mulheres de todo o país, com duração de 18 meses. O outro é oferecido a organizações sociais, coletivos e grupos de mulheres. Serão selecionadas dez instituições que terão aporte financeiro por 18 meses para desenvolver suas capacidades institucionais e melhorar suas habilidades de gestão, finanças, marcas, capacitação.

Em entrevista à Agência Brasil a diretora executiva do Fundo Baobá, Selma Moreira, disse que as organizações negras historicamente sempre tiveram mais dificuldades de acessar recursos. “Então, para nós, o processo de formação é fundamental para permitir que as organizações estejam mais preparadas para conquistar seus espaços. É disso que se trata."

Fortalecimento

Desde sua criação, em 2011, até o final do ano passado, o Baobá apoiou 101 projetos, sempre focados na promoção da equidade racial. Os investimentos somaram quase R$ 6 milhões. “Isso pensando sempre em atuar em editais que sejam primeiro um modelo democrático, para que as organizações tenham condições iguais de concorrer aos recursos”, afirmou a diretora. Os projetos envolveram temas como cultura, educação, negócios, desenvolvimento econômico e olhar feminino.

Bolsa

 O edital Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras concederá bolsa de R$ 40 mil para cada mulher selecionada. Já o edital Fortalecimento de capacidades de organizações, grupos e coletivos de mulheres negras disponibilizará até R$ 170 mil para cada organização.

A ideia, segundo Selma Moreira, é fazer com que as ideias e ideais das mulheres e instituições negras circulem e tragam novos resultados para o bem público.

As inscrições serão recebidas até o dia 4 de outubro e a divulgação dos projetos vencedores ocorrerá no dia 20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra, que homenageia Zumbi dos Palmares, último líder do maior dos quilombos nacionais.

O início dos processos de integração e formação está previsto para janeiro de 2020.

Fluminense recebe Avaí nesta segunda-feira no Maracanã

seg, 02/09/2019 - 17:37

Ainda não vai dar para sair da zona do rebaixamento, mas se vencer o Avaí nesta segunda-feira, às 20h, no Maracanã, o Fluminense consegue um importante passo para se recuperar no Campeonato Brasileiro. Nos últimos dez jogos, o Tricolor venceu apenas um, empatou três, e perdeu seis. Depois da eliminação na Copa Sul-Americana, chegou o momento de o time reagir e, dificilmente, terá oportunidade melhor do que a desta rodada. O adversário é o Avaí, último colocado no Brasileirão, com apenas sete pontos conquistados e nenhuma vitória.

Ouça na Rádio Nacional

O técnico Oswaldo de Oliveira deixou algumas dúvidas sobre a equipe que vai entrar em campo. Com as atuações abaixo do esperado de Marcos Paulo e Daniel contra o Corinthians, na última quinta-feira (29), o treinador testou João Pedro e Wellington Nem entre os titulares durante os treinamentos. Mesmo vaiado pela torcida, Ganso deve seguir entre os onze, ao lado de Nenê. O Fluminense provavelmente entra em campo com Muriel, Igor Julião, Nino, Digão e Caio Henrique; Allan, Nenê e Ganso; Wellington Nem, Yony González e João Pedro.

O Fluminense não conta mais com o atacante Pedro, que foi negociado com a Fiorentina. O clube italiano, inclusive, anunciou a contratação do brasileiro nesta segunda-feira (2). O valor da negociação gira em torno dos R$ 50 milhões, mas o clube carioca fica com cerca de R$ 36 milhões.

Se o Tricolor tem dificuldade no Campeonato Brasileiro, o adversário está pior. Ainda sem vencer, o Avaí terá desfalques importantes para o confronto desta segunda-feira. O técnico Alberto Valentim não poderá contar com Betão, suspenso, Eduardo Kunde, que sentiu o tornozelo e Léo, com dores musculares. No ataque, Brenner pode perder vaga para Daniel Amorim. O Avaí deve entrar em campo com Vladimir, Iury, Marquinhos Silva, Ricardo e Igor Fernandes; Pedro Castro, Richard Franco e João Paulo; Caio Paulista, Lourenço e Brenner (Daniel Amorim).

Frequência escolar de alunos do Bolsa Família atinge 91%

seg, 02/09/2019 - 17:30

Estudantes beneficiados pelo programa Bolsa Família registraram frequência recorde em sala de aula nos meses de junho e julho deste ano. Dados do Ministério da Educação (MEC) mostram a presença de 12,5 milhões estudantes de 6 a 17 anos nas escolas nesse período. O número representa 91,18% do total de 13,7 milhões de alunos cujas famílias são beneficiárias do programa. Trata-se do maior percentual da série histórica, iniciada em 2007. 

Um dos requisitos para a manutenção do benefício do Bolsa Família é justamente a frequência escolar de crianças e adolescentes atendidos. A cada dois meses, as escolas públicas devem registrar a frequência dos estudantes contemplados, pelo sistema Presença, do MEC. Os dados são depois encaminhados ao Ministério da Cidadania, responsável pelo Bolsa Família. 

Em sua conta no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro destacou a marca. "Mais alunos beneficiados pelo Bolsa Família estão sendo acompanhados. Dados da frequência escolar dos meses de junho e julho mostram a presença de 12.547.535 estudantes de 6 a 17 anos em sala de aula de um total de 13.761.259 – ou seja, 91,18%", postou.

De acordo com o MEC, é o terceiro bimestre seguido de recorde no acompanhamento da frequência escolar. No período de abril e maio, de cerca de 14 milhões de estudantes atendidos à época pelo pelo programa, foi registrado o acompanhamento de 12,6 milhões, ou 89,81% do total. 

Em fevereiro e março, primeiro período de coleta deste ano, também houve recorde no acompanhamento de contemplados do programa. O índice chegou a 90,31%, enquanto, há 12 anos, no mesmo recorte, registrou 66,22%. 

Se descumprirem a frequência escolar mínima exigida pelo programa, as famílias das crianças e adolescentes podem ser advertidas ou ter o benefício suspenso, bloqueado ou cancelado. 

O Bolsa Família é destinado a famílias com renda mensal de R$ 89 a R$ 178 por pessoa e só é repassado se a frequência escolar for de pelo menos 85%, para crianças e adolescentes de 6 a 15 anos, e de 75% para jovens de 16 e 17 anos.

Aos mestres, gratidão e respeito

seg, 02/09/2019 - 17:23

A edição 2019 dos Jogos Parapan Americanos terminou ontem com a delegação brasileira comemorando o recorde de 308 pódios, sendo 109 medalhas de ouro. Numa dessas coincidências que a vida proporciona, quis o destino que os jogos terminassem em um 1º de setembro, Dia do Profissional de Educação Física.

O protagonismo dos atletas é indiscutível e, durante os últimos dias, pudemos ler e ouvir histórias de quem suou muito para chegar ao pódio. Mas o esporte é uma construção social e coletiva, e, adaptando uma metáfora do futebol, a medalha não acontece por acaso. Ninguém nasce atleta ou paratleta. A carreira atlética é construção. Depende, é claro, de talento. Mas, tal qual uma pedra preciosa, seu brilho só existe se lapidado por mãos corretas, que identificam no meio do material bruto algo especial e sabem a maneira correta de trabalha-lo.

No paradesporto, a capacidade muitas vezes exige enxergar além das aparências. Não são poucos os atletas que descrevem que por anos, durante as aulas de educação física, ficavam sentados, ao lado das quadras, assistindo aos amigos. Só depois do olhar atento de professores que tinham o conhecimento do esporte adaptado é que foram integrados e tiveram respeitados o seu direito à prática esportiva.

Duas iniciativas recentes do Comitê Paralímpico Brasileiro ajudam na detecção de talentos e devem render frutos em breve: uma é o Centro de Formação Esportiva, destinado a crianças e jovens com idade entre 10 e 17 anos, em São Paulo. A outra, o curso online Movimento Paralímpico: Fundamentos Básicos do Esporte, que visa levar os conceitos básicos do paradesporto para 100 mil professores de todo o país.

É bom registrar que não é função da escola formar atletas de alto rendimento. As aulas de educação física têm outros objetivos, mas o encaminhamento de talentos aos locais de treinamento é uma consequência natural de um trabalho bem realizado.

Ao olhar nas comissões técnicas das seleções brasileiras no Parapan de Lima é possível encontrar mestres e doutores, profissionais que, além do conhecimento prático do dia a dia, buscam no conhecimento acadêmico o aprimoramento profissional, refletido em resultados expressivos no alto rendimento.

Vale ainda destacar que, muito além de treinadores, profissionais de educação física ocupam outros postos de suma importância: preparadores físicos, analistas de desempenho e gestores esportivos são faces que ficam ocultas para muitos, mas que pavimentam os caminhos dos pódios. O paradesporto brasileiro sai de Lima ainda mais forte. E, muito disso, graças ao trabalho de profissionais de educação física. Talentos que merecem respeito e gratidão.

Começa recadastramento para clientes de celular pré-pago em 17 estados

seg, 02/09/2019 - 17:08

Começou hoje (2) o recadastramento para clientes de celular pré-pago em 17 estados. Os usuários deverão atualizar suas informações nas respectivas operadoras. O período para regularizar as informações vai até 16 de novembro. Quem não fizer o procedimento pode ter a linha pré-paga bloqueada.

A terceira fase do recadastramento iniciada hoje abrangerá pessoas dos estados de Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Roraima, Sergipe e São Paulo.

Os usuários de pacotes pré-pagos serão acionados pelas operadoras por canais como mensagem de texto, ligações ou pop ups em sites. O procedimento é aplicado aos usuários com pendências cadastrais.As operadoras também disponibilizaram canais de atendimento para fornecer mais informações sobre o recadastramento, como páginas específicas nos sites e números, conforme dados da Anatel.

  Claro

https://www.claro.com.br/institucional/regulatorio/cadastro-pre

1052 Tim https://www.tim.com.br/sp/para-voce/projeto-cadastro-pre *144 Vivo https://www..vivo.tl/cadpre  *8486 Oi https://www.oi.com.br/celular/pre-pago/atualizar-cadastro *144 Algar https://www.algartelecom.com.br/para-voce/atendimento/comunicados?comunicadosCelular-0 1055 Sercomtel https://www.sercomtel.com.br/cadastro-pre-pago/ 1051 Fases anteriores

Esta é a terceira fase da iniciativa. O recadastramento já havia sido iniciado em outros dez estados: Acre, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rondônia, Tocantins e Santa Catarina. O primeiro piloto ocorreu nas áreas de DDD 62, a partir de abril. Nesses estados o recadastramento ficará disponível até 15 de outubro.

Segundo a Anatel, a atualização das informações sobre os usuários veio em respostas a problemas identificados pela ausência de registros precisos sobre os clientes.

Reconhecimento facial leva a três prisões no Rio de Janeiro

seg, 02/09/2019 - 16:22

A tecnologia de reconhecimento facial, na qual câmeras utilizam as características do rosto de uma pessoa para identificá-la, foi determinante, no domingo (1º), para a prisão de três pessoas no Rio de Janeiro. Na capital fluminense, as câmeras de segurança avisam as autoridades policiais em casos de reconhecimento de indivíduos que estejam com mandados de prisão ou busca e apreensão em aberto.

Duas pessoas foram presas no Estádio Maracanã, que sediou o jogo Flamengo x Palmeiras. De acordo com a Polícia Militar (PM), uma mulher foi detida em um dos acessos ao estádio. Contra ela, havia um mandado de busca e apreensão.

Um homem foi preso quando estava próximo à estátua de Belini, ao ser reconhecido pelo sistema de câmeras, que alertou as equipes da PM. Contra ele havia um mandado de prisão por roubo.

O terceiro caso ocorreu em Copacabana, com a prisão de uma mulher, próximo ao Posto 4, contra quem havia um mandado de busca e apreensão. Quando a mulher passou perto das câmeras de reconhecimento, o sistema foi acionado e mobilizou os policiais mais próximos.

O reconhecimento facial é uma tecnologia ainda em desenvolvimento em vários países e que começa a ser usada mais intensamente no Brasil. No Rio, já vem sendo utilizado de forma experimental, com casos de sucesso e também de enganos, levando à detenção de pessoas inocentes, erroneamente identificadas. Essas pessoas só são liberadas depois de chegar a uma delegacia de polícia.

O uso dessa tecnologia é polêmico, pois, ao mesmo tempo em que pode ser útil à polícia, também cria um ambiente em que as liberdades civis passam a ser questionadas, aumentando o monitoramento de todas as pessoas, com prejuízo à privacidade.

A China é um dos países que mais investe na nova tecnologia. No Brasil, além de câmeras instaladas nas ruas e em estádios, também há equipamentos nas entradas de shopping centers.

Comitiva ministerial recebe demanda de governos da Amazônia oriental

seg, 02/09/2019 - 16:09

A comitiva ministerial liderada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, recebeu hoje (2), dos governadores dos estados da Amazônia Legal, na sua parte oriental, sugestões para combater o desmatamento e as queimadas ilegais. Os governadores discutiram também propostas para um plano de desenvolvimento sustentável da região. A reunião, em Belém (PA), deu seguimento ao encontro dos governadores com o presidente Jair Bolsonaro, na semana passada, em Brasília.

“Na próxima semana, vamos processar todas essas demandas, que vão desde questões que envolvem a regularização fundiária, passam pelo zoneamento econômico-ecológico, pelos serviços ambientais, pela economia verde, que é uma preocupação relevante. Os ministros estão aqui, vão se preparar”, disse Onyx sobre a construção de um plano para a Amazônia. Na semana passada, Bolsonaro encarregou o ministro Onyx de dialogar com os governos estaduais e consolidar as demandas emergenciais e estruturais.

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, foi encarregado pelo presidente Jair Bolsonaro para negociar com os governadores - Arquivo/Agência Brasil

Amanhã (3), em Manuas (AM), a comitiva se encontra com os governadores dos estados da Amazônia ocidental.

GLO Ambiental

No dia 23 de agosto, Bolsonaro autorizou uma operação de Garantia de Lei e Ordem (GLO), que ganhou o nome de GLO Ambiental, para que as Forças Armadas atuem no combate aos incêndios na floresta amazônica. De acordo com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, na Amazônia oriental 4 mil militares já estão atuando junto com 400 agentes civis de combate ao fogo, com o emprego de quatro aeronaves e cinco helicópteros.

O Brasil também está na expectativa da cooperação do Chile, Equador, Estados Unidos e Israel. Hoje (2), segundo Azevedo, chegam duas aeronaves do Chile e mais duas virão em seguida; Israel e Equador estão mandando equipe especializada e os Estados Unidos estão em contato para saber como podem ajudar.

Fundo Amazônia

O governador do Pará, Helder Barbalho, destacou, após a reunião, a consolidação da lógica dos governos estaduais e federais na utilização dos recursos do Fundo Amazônia, programa de cooperação internacional para preservação da floresta. “Está claro que o Brasil tem interesse em usar os recursos do fundo, apenas deseja liderar a construção de quais as ações, para que e como serão utilizados os recursos, respeitando a soberania e agenda do Brasil”, disse.

Helder Barbalho lembrou que os governos federal e estaduais aguardam a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes sobre a destinação de parte dos recursos de um fundo da Petrobras, criado para receber valores recuperados pela Operação Lava Jato, em acordo com os Estados Unidos, para o combate a queimadas e ao desmatamento ilegal na região. O fundo tem R$ 2,5 bilhões. “Que sejam fonte de financiamento para a agenda que estamos construindo, de desenvolvimento e preservação da floresta”, defendeu.

Governo negocia uso de Fundo Amazônia para combater queimadas - Reuters/Ricardo Moraes/Direitos Reservados

De acordo com Barbalho, as ações e medidas discutidas nesta segunda-feira (2) são importantes para compatibilizar as agendas de desenvolvimento e preservação e para que não haja necessidade de discutir, ano a ano, os problemas de avanço sobre a floresta. O governador defendeu a regularização fundiária e a assistência técnica e qualificação para “implementar a lógica de que não precisa desmatar para produzir”.

“Aquilo que já está antropisado [com a presença humana] na Região Amazônica é absolutamente suficiente para que tenhamos aqui fronteiras consolidadas de produção, seja de proteína, seja de grãos”, disse.

Negociação

De acordo com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, desde o início do ano, o governo negocia com os países principais doadores do fundo, a Alemanha e a Noruega, para a melhoria na governança do programa e aplicação dos recursos. “A reunião presidida pelo [presidente Jair] Bolsonaro, e renovada hoje com os governadores, reforçam ainda mais a decisão de dar maior foco, ter maior eficiência, estratégia e sinergia para as ações do fundo”, disse.

 

EBC prepara programação especial para Semana da Pátria

seg, 02/09/2019 - 15:58

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) lança uma série de conteúdos especiais e uma ampla cobertura para a Semana da Pátria a partir desta segunda-feira (2). A programação é voltada para a comemoração do 7 de setembro, data em que se celebra a Independência do Brasil.

As transmissões temáticas tiveram início no último domingo (1º), com a exibição da cerimônia de troca da Bandeira Nacional pela TV Brasil, e culminam no desfile de 7 de setembro, no próximo sábado(7).  “São meses de preparação para que tudo esteja testado e pronto para exibição do Desfile da Independência do Brasil. A EBC preparou um esquema especial para 2019, que contou com a participação de muitos profissionais e de todas as equipes e plataformas da empresa”, destaca o Diretor de Conteúdo e Programação da EBC, Vancarlos Alves.

De hoje até sexta-feira(6), uma sequência especial de reportagens vai ao ar no Jornal Repórter Brasil, a partir das 20h15, na TV Brasil. A série Independência do Brasil detalha, em cinco episódios, curiosidades históricas, como as relacionadas ao caminho trilhado no 7 de setembro e à Serra do Mar – último endereço do Brasil Colônia. A reportagem do jornalismo da TV Brasil também visita o Museu do Ipiranga e revela detalhes da obra Independência ou Morte (1888), histórica pintura do artista brasileiro Pedro Américo. Por fim, o especial resgata o papel de importantes personagens da independência brasileira.

Ainda na TV Brasil, o jornal matinal Brasil em Dia exibe material dedicado às celebrações da Pátria. Durante toda a semana, a partir das 9h45, vão ao ar reportagens com temas que passam pela participação de estudantes no desfile do 7 de setembro, pela missão dos paraquedistas do Exército brasileiro e por ações sociais desenvolvidas pelas forças militares nacionais.

A grande cobertura fica por conta da transmissão, ao vivo, na TV Brasil e TV Brasil Gov do tradicional desfile cívico militar na Esplanada dos Ministérios, no sábado(7). Mais de 300 funcionários da EBC trabalharão no evento.

A transmissão na TV Brasil começará às 7h e levará aos telespectadores, além do desfile de Brasília, informações sobre as comemorações em São Paulo e no Rio de Janeiro e reportagens especiais produzidas para a data – com temas como os Fuzileiros Navais, a Esquadrilha da Fumaça e a Força Expedicionária Brasileira (FEB).  Na programação, está prevista entrevista exclusiva com o vice-presidente da República, Hamilton Mourão. Militar, o pai de Mourão esteve na FEB como oficial.

O especial sobre a Independência também será reapresentado na data, assim como os melhores momentos da cerimônia da troca da Bandeira.

Nas Rádios EBC, as emissoras Nacional Brasília AM, Nacional Rio de Janeiro AM, Nacional da Amazônia e Nacional do Alto Solimões retransmitirão trechos da cobertura da TV Brasil e contarão com a participação de emissoras parceiras de todo país para contar um pouco sobre as comemorações em cada estado.  O programa Na Trilha da História, atração semanal que mistura entrevistas sobre a história do Brasil e músicas do tema, apresentará edição especial, alusiva ao Dia da Independência.

Câmeras exclusivas nos aviões da Esquadrilha Brasília - Esquadrilha da Fumaça - Wilson Dias/Agência Brasil/Arquivo

A cobertura jornalística do desfile de 7 de setembro terá início às 8h e será guiada diretamente do estúdio da EBC no Salão Nobre do Palácio do Planalto. Três representantes das Forças Armadas comentarão o desfile, ao lado dos apresentadores da Casa. O público poderá participar da transmissão por meio das redes sociais utilizando a hashtag #TVBrasilno7.

A grande novidade são as imagens que vêm do alto, de câmeras exclusivas posicionadas dentro dos aviões do Esquadrão de Demonstração Aérea da Força Aérea Brasileira, a Esquadrilha da Fumaça. Além disso, telespectadores de Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro poderão explorar recursos de interatividade durante a transmissão televisiva, como uma maquete virtual do desfile e informações históricas da data. “Já existe grande ansiedade pelos telespectadores na transmissão do desfile 7 de Setembro, isso porque a TV Brasil, a cada desfile, além de apresentar todos os detalhes do evento, sempre lança alguma novidade na tela”, pontua o diretor Vancarlos Alves.

Na web, a Agência Brasil fará a cobertura do evento e das autoridades presentes. Conteúdos especiais serão produzidos pela equipe de redes sociais da Casa para alimentar os perfis @tvbrasil, @tvbrasilgov e @ebcnarede. A reprise do desfile será exibida pela TV Brasil às 18h de sábado.

Durante toda a Semana da Pátria, a EBC recebe, via Whatsapp, contribuições do público sobre histórias referentes às comemorações de 7 de setembro. Os vídeos enviados serão exibidos pela TV Brasil em sua programação. Os conteúdos devem ser repassados pelo aplicativo para o número (61) 998678787. É possível acompanhar de perto a contagem regressiva para o 7 de setembro na TV Brasil em #TVBrasilno7.

Em 1816, a rainha de Portugal, Dona Maria I, morria e o príncipe regente era aclamado rei. Confira em nossa contagem regressiva sobre a Independência do Brasil 🇧🇷📽️A transmissão ao vivo do Desfile de #7desetembro será feita também nas redes sociais da TV Brasil Gov #TVBrasilno7 pic.twitter.com/fKboZTHhIr

— TV BrasilGov (@tvbrasilgov) September 1, 2019

SP: novo programa visa desenvolvimento de pessoas com deficiência

seg, 02/09/2019 - 15:50

O governo do estado de São Paulo lançou hoje (2) um programa para promover o desenvolvimento profissional, a inclusão e a permanência de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Denominado “Meu Emprego – Trabalho Inclusivo”, o programa pretende oferecer 17 mil vagas em 61 modalidades de cursos de qualificação profissional gratuitos para pessoas com deficiência em todo Estado em 2019. As capacitações serão feitas pelo Centro Paula Souza e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). 

Segundo dados da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, no estado de São Paulo há 9 milhões de pessoas com deficiência. “É nossa obrigação estabelecer um programa vigoroso para ampliar a empregabilidade delas, melhorando a qualificação para viabilizar uma empregabilidade de qualidade. Não é por cota, por concessão, por benevolência, é pela própria oportunidade” disse o governador de São Paulo, João Doria, no lançamento do programa. 

A secretária estadual de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, ressaltou que o estado de São Paulo é recordista em vagas de trabalho para pessoas com deficiência, mas mesmo assim, a ocupação desses postos de trabalho estava muito abaixo do desejado. Segundo ela, além da qualificação profissional e empreendedora, o programa está baseado em mais cinco ações

Entre elas estão a intermediação da mão de obra, com os Postos de Atendimento ao Trabalhador (PAT) e os Polos de Empregabilidade Inclusivos (PEI) recebendo as vagas das empresas e disponibilizam as oportunidades aos candidatos; a busca ativa, com a captação dos candidatos; habilidade profissional, com avaliações médicas e de funcionalidades para análise específica das habilidades do candidato; emprego apoiado, que visa aumentar a taxa de permanência e desenvolvimento profissional; entrevista profissional, com a orientação dos candidatos ao mercado de trabalho. 

O programa também apoia os empregadores na busca ativa para captação de candidatos com deficiência, apoio na definição das vagas de trabalho, encaminhamento de candidatos, orientação para análise de funções, palestras de sensibilização e apoio (por meio da metodologia do emprego apoiado) ao processo de inclusão profissional.

Todos os serviços estão disponíveis nos Polos de Empregabilidade Inclusivos (PEI), para quem reside na Cidade e Região Metropolitana de São Paulo. Já os interessados que moram em outros municípios, o Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) oferece o atendimento. As informações também podem ser consultadas por meio do site www.trabalhoinclusivo.sp.gov.br.

Senado já tem mais de 230 emendas ao texto da reforma da Previdência

seg, 02/09/2019 - 15:36
O relator da reforma da Previdência no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), apresenta na próxima quarta-feira (4) a complementação do parecer lido na semana passada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. Nesses dois dias, o senador deve se debruçar na análise de mais de 200 emendas – sugestões de alteração ao texto – que ainda estão sem parecer.   O relator da reforma no Senado, Tasso Jereissati, em reunião da CCJ - Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

Até às 14h de hoje (2), 378 emendas haviam sido apresentadas. No entanto, mais da metade, 233, ainda dependem da análise de Tasso. O trabalho do relator pode aumentar muito ainda, já que emendas podem ser apresentadas até o final da discussão da matéria na comissão.

A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), está preparada para uma reunião longa do colegiado nesta quarta-feira. É que, além do complemento do voto de Tasso, no mesmo dia, serão lidos os chamados votos em separado à proposta. Colocado em votação só em caso de rejeição do parecer relator da matéria, o que nesse caso é improvável, o voto em separado é um voto alternativo e ocorre quando um parlamentar diverge do parecer dado pelo relator. 

Apesar de, até o fechamento desta reportagem, nenhum voto em separado ter sido apresentado oficialmente, a senadora adiantou que haverá pelo menos um. “Vamos fixar um prazo para a leitura desses votos e, em seguida, abrimos para a discussão, encerramos a discussão e vamos para a votação”, adiantou Simone Tebet. Ela informou que as leituras e os debates, que vão começar às 10h, devem ser concluídos até as 17h.

Tramitação

Caso a conclusão da votação na CCJ ocorra na quarta-feira, como previsto, o texto segue para análise no plenário da Casa. Lá, a proposta é votada em dois turnos, com cinco sessões de discussão no primeiro e três no segundo. O prazo começa a ser contado a partir de quinta-feira (5), a primeira sessão de discussão.

No próximo dia 10, haverá sessão temática sobre a reforma da Previdência no plenário da Casa. O debate contará com a participação de especialistas e do ministro da Economia, Paulo Guedes. A expectativa é de que, até 10 de outubro, o segundo turno de votação esteja concluído. Se o texto for aprovado tal qual como veio da Câmara e tiver o apoio de no mínimo 49 dos 81 senadores em cada turno, segue para promulgação.

Mudanças

Como já adiantado por Tasso, o relatório sobre a proposta de emenda à Constituição (PEC) será o mesmo aprovado na Câmara dos Deputados, a não ser por dois pontos que foram excluídos do texto. Um deles colocava na Constituição o critério previsto em lei para recebimento do benefício de prestação continuada (BPC): renda per capita de ¼ do salário mínimo. O outro exclui a elevação dos pontos (soma de idade mínima e tempo de contribuição) necessários em regra de transição para aposentadorias de profissionais expostos a condições insalubres. As exclusões não implicam nova análise da PEC pelos deputados.

Já as mudanças que Tasso considerar mais relevantes serão incluídas em uma minuta de nova PEC para tramitar em paralelo ao texto principal. A medida divide opiniões entre os parlamentares. Muitos acreditam que a proposta paralela não avançará.

Balança comercial tem saldo positivo de US$ 3,28 bilhões em agosto

seg, 02/09/2019 - 15:35

A balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 3,28 bilhões no mês de agosto, informou hoje (2) balanço divulgado pela Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia. O valor é 23,7% superior ao alcançado no mesmo período de 2018.

Em agosto, o país exportou US$ 18,85 bilhões, uma queda de 8,55% em relação ao registrado no mesmo mês do ano passado. Já as importações somaram US$ 15,57 bilhões, queda de 13,32% em relação a agosto de 2018.

De acordo com os dados da Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, as exportações de produtos básicos, como milho, fumo em folhas, café em grãos, carne suína e minério de ferro somaram US$ 10,34 bilhões.

Os produtos manufaturados, como carros, motores e autopeças, somaram US$ 6,16 bilhões. Já os semimanufaturados, como ferro, aço, ferro em ligas, somaram US$ 2,31 bilhões.

No acumulado de janeiro a agosto, o saldo comercial acumulou supéravit de US$ 31,75 bilhões, valor 12,9% inferior ao alcançado em igual período de 2018, que somou US$ 36,66 bilhões.

As exportações apresentaram, no acumulado de 2019, valor de US$ 148,85 bilhões. O número representa uma queda de 5,2% em relação ao apurado no mesmo período de 2018, que foi US$ 157,9 bilhões.

As importações somaram US$ 107,09 bilhões, queda de 2,8% sobre o mesmo período do ano anterior, de US$ 121,23 bilhões.
 

Uruguai planta árvores nativas para restaurar florestas

seg, 02/09/2019 - 15:34

A iniciativa, chamada Plantatón, faz parte da Agenda 2030 e tem o objetivo de promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, combater a desertificação, reverter a degradação de terras e refrear a perda da diversidade biológica. A primeira ação será o plantio de mais de 500 árvores nativas, no município de Artigas, no norte do país, na próxima quarta-feira (4).

Idealizado pela Rede Uruguaia de ONGs Ambientais com o apoio do Ministério da Habitação, Planejamento Territorial e Meio Ambiente (MVOTMA) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o Plantatón faz referência a experiências homônimas realizadas em países como El Salvador e Colômbia.

O plantio das árvores envolve uma articulação com governo e a sociedade civil, com convocatórias feitas em escolas, associações de aposentados, Exército, empresas privadas e públicas. A ideia é estender a experiência para outros pontos do país.

Stefan Liller, representante do Pnud no Uruguai, disse que a iniciativa foi implementada com sucesso em outros países e, em El Salvador, por exemplo, já foram "plantados cerca de 17 milhões de árvores que permitiram recuperar grandes extensões, prevenir inundações e reverter a degradação de bosques”.

Além de recuperar os bosques, que cobrem aproximadamente 5,2% da superfície do Uruguai, o plantio contribuirá com a recuperação da diversidade biológica de espécies nativas e da qualidade da água.

No dia 5 de junho deste ano, quando o projeto Plantatón foi lançado, Stefan Liller detalhou os 3 eixos de trabalho: regeneração natural de espaços degradados, plantio de árvores nativas em zonas prioritárias para a conservação e controle de espécies exóticas invasoras que competem e deslocam espécies autóctones.

Sistema Nacional de Áreas Protegidas

Em 2005, Uruguai criou o Sistema Nacional de Áreas Protegidas (SNAP). De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, são 16 áreas (311.101 hectares), incluindo as terrestres e marinhas, que atingem apenas 0,98% do território.

O modelo econômico uruguaio é baseado no uso intensivo de recursos naturais, com um setor agrícola que gera 78% das exportações. Em 2017, os principais produtos agroindustriais de exportação foram carne bovina (21%), celulose (19%), soja (17%), laticínios (8%) e arroz (6%), de acordo com informações da Uruguai 21, agência de promoção de exportações e investimentos.

As áreas dedicadas à agropecuária, que chegam a ocupar 93% do território do país, de acordo com dados do Pnud, acabam por gerar deterioro ambiental, erosão do solo, perda de ecossistemas e poluição das águas pelo uso de produtos químicos.

Fusão de programas sociais pode dobrar impacto sobre desigualdades

seg, 02/09/2019 - 14:19

A unificação de programas sociais pode potencializar duas vezes mais o enfrentamento à desigualdade e à pobreza no Brasil. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com a fusão de quatro iniciativas de âmbito federal, o sistema passaria a incluir 17 milhões de crianças em situação de vulnerabilidade que, atualmente, não recebem benefício do governo federal. Desse total, metade encontra-se, hoje, na parcela dos 30% mais pobres da população brasileira. 

Segundo documento divulgado nesta segunda-feira (2) pelo Ipea, a revisão prevê a integração entre o Bolsa Família, o salário-família, o abono salarial e a dedução por dependente no Imposto de Renda Pessoa Física "em uma única política coerente". Os autores do estudo afirmam que, mesmo ampliando a abrangência da proteção social, a reestruturação não demandaria mais recursos públicas, ou seja, não feriria o princípio da responsabilidade fiscal.

Na prática, isso quer dizer que o montante destinado às políticas públicas de proteção à infância e aos vulneráveis à pobreza, de cerca de R$ 52,8 bilhões, seria mantido – e, conforme enfatizam os pesquisadores, "também não poderia ser reduzido". A soma equivale a 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país).

Disparidades

Para os pesquisadores do Ipea, um dos fatores que justificam a reformulação do sistema de programas sociais é a discrepância entre valores de benefícios concedidos pelo governo. A avaliação é que pessoas que enfrentam os mesmos riscos sociais acabam recebendo quantias diferentes. 

Como exemplo, é citada a disparidade entre o seguro-desemprego e o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), dois tipos de garantia de renda para quem perde o emprego que, segundo os técnicos do Ipea, "não conversam entre si". "Para pessoas com deficiência, benefícios assistenciais, previdenciários e tributários têm definições diferentes de deficiência, pagam valores muito diferentes em função do mesmo fato gerador e frequentemente estão em contradição com outras políticas para este mesmo público."

Os especialistas propõem um conjunto de medidas para que essas correções possam ser feitas. Um dos pontos seria a adoção do uso do Cadastro Único como mecanismo de identificação das pessoas que se encontram em situação de pobreza e definir essa condição a partir da renda familiar per capita

Segundo os pesquisadores, para que a mudança no sistema de programas sociais vingue, a base deve ser composta por um benefício universal para todas as crianças e adolescentes e dois benefícios focalizados. Estes dois últimos contemplariam crianças pobres e famílias em extrema pobreza.

De acordo com Sergei Soares, um dos pesquisadores do Ipea que assinam o estudo, o Brasil, reserva verbas significativas para a proteção social, "mas obtém relativamente poucos resultados". Ele diz que a "fragmentação" dos programas sociais é um dos aspectos que geram esse quadro e explica como o modelo proposto na pesquisa seria capaz de dobrar o impacto sobre a desigualdade social e a pobreza no país.

"Como a gente consegue dobrar: primeiro, eliminando sobreposições. Existem pessoas que ganham [benefícios] duas vezes, sem precisar. Focalizando o que não é universal, porque coloca [o processo de concessão de benefícios] orientado pelo critério de renda familiar per capita e os benefícios vão para os mais pobres", explica Soares, que é técnico de planejamento e pesquisa na Diretoria de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais (Dinte), do Ipea.

Outro ponto é relativo à dedução por dependente no Imposto de Renda Pessoa Física, que, para os pesquisadores, representa "um benefício extremamente regressivo focado quase exclusivamente nos mais ricos" e que poderia, portanto, estar a serviço dos mais pobres, no modelo proposto por eles. "E, finalmente, colocando num arcabouço único, que funcione de modo articulado. Hoje, o Brasil tem programas fragmentados. Ao articular, consegue-se um impacto muito maior", acrescenta o pesquisador.

Bolsa Família

Para Soares, o Bolsa Família é "o que há de melhor", em termos de políticas voltadas à proteção da infância e de pessoas vulneráveis à pobreza. "[O programa] vem sendo muito aprimorado, ao longo dos últimos 15 anos. Quando foi feito, fundamentou-se na estrutura do Bolsa Escola Federal, algo que também foi sendo aprimorado. Ele [Bolsa Família] é perfeito? Não, tem como melhorar. Mas é o que tem de mais iluminador, tanto que nossa proposta o segue de perto."

Dados do governo federal, mencionados no estudo, demonstram que, em 2017, o Bolsa Família alcançou 43,3 milhões de beneficiários, com orçamento de R$ 29,05 bilhões. "Embora seja relativamente modesto em termos orçamentários, com 0,44% do PIB, [o programa] é grande em termos de alcance, chegando a 20% das famílias no Brasil".

 

 

Pênalti perdido e Bahia estão na pauta do Vasco

seg, 02/09/2019 - 13:04

O Dia da Independência para o Vasco, comemorado no próximo sábado (7), terá São Januário como palco. O time encara o Bahia, às 11h, e tenta se recuperar da derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro. O jogo, em Belo Horizonte, no último domingo (1), deixou um gosto amargo na equipe carioca, por conta do pênalti desperdiçado por Yago Pikachu. Cariocas e mineiros ainda estavam empatados em 0 a 0 no segundo tempo e um gol àquela altura poderia ter mudado o resultado final do jogo

“Era a bola do jogo. Agora, ele (Pikachu) vai passar para mim o que a gente vai fazer. Isto não é a primeira vez que acontece no futebol. Ele bate muito bem, mas aí, de repente, perde a confiança e fica inseguro. A gente vai ter uma conversa olho no olho para saber se ele quer continuar cobrando”, avisou Vanderley Luxemburgo.

Ouça na Rádio Nacional

O treinador tem desfalques para o próximo compromisso do time. Richard está suspenso pelo terceiro cartão amarelo e Thalles Magno vai estar servindo a Seleção Brasileira Sub-20. Questionado sobre os prováveis substitutos, Luxemburgo mandou recado para a torcida que critica o elenco cruz-maltino.

“Não adianta ficar queimando jogador. Eu tenho 67 anos e não posso entrar em campo. Torcedor do Vasco preste atenção, não dá pra dispensar ou contratar ninguém”, avaliou.

A goleira Aline vê Brasil disputando medalha em Tóquio 2020

seg, 02/09/2019 - 12:57

Aline Reis quase foi a heroína do Brasil na decisão do Torneio Internacional de Futebol Feminino, disputado no último domingo (1) no Pacaembu, em São Paulo. Após o empate sem gols com o Chile no tempo normal, a goleira de só 1,62m de altura defendeu três cobranças na disputa por pênaltis. Mas, a pontaria das brasileiras não ajudou, e as chilenas ficaram com o título da competição amistosa ao vencer por 5 a 4.

"A gente tira aprendizado de toda derrota. O legal é que, independente de ganhar ou perder, a gente senta com a comissão técnica e assiste aos vídeos. Nossa mentalidade tem sido aprender e evoluir. Se continuarmos assim, com essa preparação até a Olimpíada, o Brasil chegará forte e competindo por medalha", afirmou a camisa 12, que defende o Tenerife, da Espanha.

O primeiro contato com a técnica que comandará o Brasil na trajetória até os Jogos de Tóquio agradou à goleira. Para Aline, a experiência da sueca Pia Sundhage, bicampeã olímpica dirigindo os Estados Unidos, será positiva à Seleção.

"O Brasil tem coisas que nenhuma seleção do mundo tem. Jogadoras espetaculares, que podem mudar qualquer partida. Mas podemos aprender com outras seleções, com Suécia e Estados Unidos. E a Pia tem essa bagagem. Se a gente souber escutá-la e colocar em prática o que ela nos passa, vamos crescer muito", disse.

Apesar da atuação de destaque contra as chilenas, Aline deixa a disputa pela vaga de titular brasileira em segundo plano. Ela foi reserva de Bárbara na Copa do Mundo, na França, e na vitória por 5 a 0 sobre a Argentina, na última quinta-feira (29).

"O goleiro envolve muitas facetas. Claro, poder servir à Seleção e finalizar um jogo dessa forma, pegando três pênaltis, é uma motivação, uma alegria. Mas, meu papel aqui é maior que esse. Em todas as vezes que sou convocada, tenho uma gratidão imensa, e tento chegar para contribuir, independente de estar ou não em campo. Meu papel é dar o melhor e ajudar as outras goleiras a serem melhores também", encerrou.

A Seleção tem, por enquanto, dois amistosos marcados, contra Inglaterra e Polônia, além de um torneio amistoso na China — ainda sem data definidas. Prata nos Jogos de 2004 e 2008, o Brasil buscará, no Japão, um ouro inédito para o futebol feminino.

Páginas