Também na Agência Brasil

Subscrever feed Também na Agência Brasil
A Agência Brasil é a agência de notícias da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que distribui gratuitamente informações de interesse público. As notícias podem ser reproduzidas desde que citada a fonte.
Atualizado: 9 minutos 15 segundos atrás

TV Brasil em São Paulo muda de canal a partir de segunda-feira

dom, 26/03/2017 - 17:44

A partir de amanhã (27), a TV Brasil, em São Paulo, poderá ser sintonizada por meio do canal 62.1 digital e em HD.

A mudança no canal foi definida pela Portaria nº 1.289 do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Além da mudança de canal, na quarta-feira (29), o sinal analógico de TV será desligado na cidade de São Paulo e em municípios do entorno.

Compartilhar:    

Manifestantes vão às ruas em defesa da Operação Lava Jato; veja

dom, 26/03/2017 - 16:53

Manifestantes foram às ruas de várias cidades neste domingo (26) em apoio à Operação Lava Jato e contra a corrupção. Em muitas capitais, os manifestantes também protestaram contra a lista fechada, modelo de sistema eleitoral que está em discussão no Congresso Nacional. De acordo com os organizadores, os movimentos Vem Pra Rua e Brasil Livre, foram programados atos em 130 cidades.

Belo Horizonte

Na capital mineira, a manifestação ocorreu na Praça da Liberdade. A mobilização foi realizada pelos grupos Vem Pra Rua, Movimento Brasil Livre (MBL) e Patriotas, que lideraram os atos a favor do impeachment de Dilma Rousseff no ano passado.

Os manifestantes contaram com um palco e dois carros de som para fazer seus discursos. Os organizadores calcularam em 4 mil participantes. A Polícia Militar não fez estimativa de público. 

Uma das bandeiras apresentadas no ato foi o fim do foro privilegiado. Segundo Silas Valadão, líder dos Patriotas, seria uma forma de impedir seletividade dos processos no Supremo Tribunal Federal (STF), retirando prerrogativa dos deputados, senadores, ministros e presidente da República de serem julgados unicamente pela Corte. 

Protesto a favor da Lava Jato em Belo Horizonte Divulgação/Vem Pra Rua

 

Os manifestantes também protestaram contra a lista fechada nas eleições, a anistia ao caixa 2 e o aumento dos recursos do fundo partidário. Segundo a médica Kátia Pegos, líder do Vem Pra Rua, os parlamentares estão se movimentando para se blindar da Operação Lava Jato. "Eles querem manter o foro privilegiado e agora estão se articulando para aprovar o voto em lista, o que seria um grande retrocesso em um país que já saiu às ruas para pedir Diretas Já. Você vota no partido e o partido coloca os caciques de sempre, muitos dos que estão sendo investigados".

Sobre a reforma da Previdência, os grupos ainda não têm posição fechada. Para o Vem pra Rua, reformas são necessárias, mas não devem ser feitas sem participação popular. "Não dá para manter benefícios para os políticos, o Judiciário, os militares. A regra tem que valer para todos. E também achamos pesado 49 anos de contribuição para alcançar a aposentadoria integral. É o que posso te adiantar, mas ainda não temos uma posição fechada e estamos estudando", diz Kátia Pegos. 

Por outro lado, Silas Valadão vê avanços na proposta que tramita no Congresso. "Estão pegando pontos mais frágeis e mais discutíveis para demonizá-la e ignoram os pontos positivos que deixarão a Previdência mais enxuta. Hoje, o cidadão fica fazendo plano de previdência privada porque sua aposentadoria não dá para nada", disse, acrescentando que defende o projeto de terceirização aprovado na Câmara

O governador Fernando Pimentel também foi alvo da manifestação. "Nós esperávamos que o judiciário fosse mais célere para nos poupar desse governo. Estamos incomodados com a cooperação institucional para sua manutenção no poder", diz Kátia Pegos. 

Pimentel foi denunciado em maio pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por corrupção e lavagem de dinheiro, no âmbito da Operação Acrônimo. No entanto, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que a abertura de uma ação penal contra o governador dependeriada  autorização de dois terços dos deputados estaduais da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). O assunto será analisado pelo STF em abril.

Recife

No Recife, os manifestantes se concentraram na Avenida Boa Viagem, na zona sul da cidade, por volta das 10h. Usando roupas verde e amarela, os manifestantes levavam faixas em apoio à Operação Lava Jato e ao juiz Sérgio Moro, que conduz as investigações na Justiça Federal. Organizada pelo Movimento Vem Pra Rua, a manifestação seguiu pela orla até o 2° Jardim, onde se dispersou por volta das 12h30. Os organizadores e a polícia não divulgaram número de participantes.

Brasília

Na capital federal, os manifestantes reuniram-se na Esplanada dos Ministérios. Uma das principais pautas de reivindicação foi contra a lista fechada, que vem sendo defendida por vários políticos. O juiz federal Sérgio Moro e o coordenador da força-tarefa da Lava Jato no MP, Deltan Dallagnol, foram lembrados. A manifestação começou às 10h e terminou ao meio-dia, com um enterro simbólico do que chamaram de “velha política”. As lápides foram levadas para a frente do espelho d'água do Congresso Nacional. Em cada uma, havia a foto de um político.  De acordo com a Polícia Militar, 630 pessoas participaram do ato. 

 

Em Brasília, manifestantes fizeram enterro simbólico "da velha política"Antonio Cruz/Agência Brasil

 

Rio de Janeiro

Em apoio à Operação Lava Jato da Polícia Federal e contra o fim do foro privilegiado e da impunidade, os manifestantes percorreram a orla de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro. A advogada Adriana Balthazar, porta-voz do Vem Pra Rua no estado do Rio de Janeiro, disse que o grupo também é contrário ao voto em lista fechada e o aumento do fundo partidário “que são as coisas que impediriam a renovação. O foro privilegiado manteria essa turma que está aí [no Congresso Nacional]”, disse.

Manifestação em Copacabana pede fim da impunidade e do foro privilegiadoFernando Frazão/Agência Brasil

* Reportagem de Léo Rodrigues (Belo Horizonte), Sumaia Villela (Recife), Marcelo Brandão (Brasília) e Alana Gandra (Rio de Janeiro)

Compartilhar:    

PRF prende homem em flagrante, por crime ambiental

dom, 26/03/2017 - 16:52

A Polícia Rodoviária Federal prendeu hoje (26) um homem em flagrante, por crime ambiental, durante blitz na Rodovia Presidente Dutra, em Itatiaia, sul fluminense. Com o motorista do Palio, cujo nome não foi  divulgado, os policiais encontraram mais de 70 pássaros silvestres da espécie trinca-ferro, oriundos da cidade de São Lourenço (MG), que seriam vendidos no Rio de Janeiro.

O motorista confessou que receberia R$ 600 para buscar as aves e entregá-las ao dono de uma pet shop. As aves seriam vendidas em uma feira, em São Gonçalo, região metropolitana da capital fluminense.

As aves estavam acondicionadas em pequenas caixas de papelão, no porta-malas do veículo. Muitas já estavam mortas. A ocorrência foi feita na 99ª Delegacia Policial de Itatiaia, onde o suspeito foi indiciado por crime ambiental.

Compartilhar:    

Morre no Rio ministro do Exército nos governos Itamar e FHC

dom, 26/03/2017 - 16:37

Morreu hoje (26), no Rio de Janeiro, o general-de-exército Zenildo Gonzaga Zoroastro de Lucena. Natural de São Bento do Una (PE), onde nasceu em janeiro de 1930, Lucena foi ministro do Exército nos governos Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso. Neste, no primeiro mandato presidencial.

A informação foi dada pelo Comando Militar do Leste, adiantando que o velório está marcado para amanhã (27), no Palácio Duque de Caxias, na Avenida Presidente Vargas, centro da capital fluminense, das 9h às 13h. Ao meio-dia haverá missa de corpo presente, seguida das honras fúnebres.

O ex-ministro do Exército deixa esposa, duas filhas e cinco netos.

Compartilhar:    

Turista argentino é morto em briga de bar, no Rio

dom, 26/03/2017 - 16:23

O turista argentino Matias Sebastian Carena, de 28 anos, morreu na manhã de hoje (24), após se envolver com amigos em uma briga de bar na Rua Vinicius de Moraes, em Ipanema, zona sul do Rio de Janeiro.

Segundo testemunhas ouvidas pela polícia, o turista teria levado um soco e caiu, desacordado, mas continuou sendo agredido. A Delegacia de Homicídios da capital está analisando imagens de câmeras de segurança da área para tentar identificar os agressores.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Polícia Civil informou que a causa da morte será esclarecida somente após a conclusão do laudo pericial e do exame de necrópsia no Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto, no centro da capital fluminense, onde o corpo deu entrada por volta das 15h15.

Ontem (25), outra turista argentina morreu no Rio. Natalia Cappetti estava internada no Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro da cidade, desde o dia 27 de fevereiro, segunda-feira de carnaval, após entrar, por engano, no Morro dos Prazeres, em Santa Teresa, a caminho do Cristo Redentor. Natalia estava acompanhada do marido e de um casal de amigos espanhóis, e foi baleada nas costas por traficantes do local.

Compartilhar:    

Seca prolongada no Nordeste desperta interesse por dessalinização

dom, 26/03/2017 - 16:12

A escassez de água, em decorrência da seca que já dura cinco anos no Nordeste, despertou o interesse de empresas e governos para soluções de tecnologia que promovam a dessalinização da água do mar.

No último dia 13, o governo do Ceará lançou edital para contratar empresa responsável pela elaboração de uma planta de dessalinização na região metropolitana de Fortaleza, com capacidade para gerar 1 metro cúbico por segundo (m³/s) de água potável para a rede de abastecimento. Esse volume equivale a cerca de 15% do consumo de Fortaleza.

Desde 2016, os 17 municípios da região, nos quais moram quase metade da população cearense, são submetidos a uma tarifa de contingência para economizar água.

De acordo com o diretor da Região Nordeste, da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), Francisco Vieira Paiva, “a dessalinização faz parte de um contexto mundial. A indústria usa a dessalinização para processos industriais. Com relação ao consumo humano, países semelhantes ao Brasil, com regiões [climáticas parecidas com as do] Nordeste, têm experimentado essa tecnologia, porque é uma forma de minimizar o impacto às populações. No Ceará, isso salvaguardaria nossos açudes”, explicou.

O assunto foi tema de simpósio da Abes, na última semana, em Fortaleza. Oportunidade em que alguns especialistas nacionais falaram sobre os impactos das tecnologias de dessalinização na matriz hídrica do país e também sobre reúso das águas.

Embora seja uma realidade em outros países, como Israel e Arábia Saudita, a dessalinização ainda está em seus primeiros passos no Brasil. Fernando de Noronha (PE) é o exemplo pioneiro de alcance público: possui uma usina de dessalinização para consumo humano que apoia o sistema de abastecimento da ilha, especialmente nos períodos de estiagem. O distrito estadual possui apenas um açude, o Xaréu, além de poços.

Outras experiências são de iniciativa privada, especialmente industrial. Sérgio Hilsdorf, gerente de aplicações e processos da empresa Veolia, dá o exemplo de uma usina termelétrica que será implantada em Sergipe, que vai utilizar água dessalinizada em seus processos. Ele considera prioritário o uso das tecnologias de dessalinização para atender o consumo humano.

Ele afirmou que “a água dessalinizada pode ser utilizada na indústria, mas grandes plantas foram construídas com o objetivo de fornecer água potável para a população das cidades litorâneas com problemas crônicos de falta de chuva. Considero que lançar mão de uma técnica que não é barata, deveria ser para uso nobre, que é o uso potável”.

Segundo o diretor da Abes no Nordeste, o uso de água dessalinizada para abastecimento de cidades já era debatido no Ceará 15 anos atrás. Mas, à época, não havia políticas públicas para abranger a inovação. Apesar de a ideia apenas agora começar a tomar contornos reais, Paiva considera que o momento é ideal.

“Acredita-se, sempre, que até dia 19 de março [dia de São José, padroeiro do Ceará] vai chover, mas vemos que a realidade não é mais essa. A população, as indústrias e o consumo aumentam. De alguma forma, à adesão a esta nova tendência está atrasada, mas sempre é o momento para começar”, lembrou ele.

Compartilhar:    

Juiz manda libertar últimos presos temporários da Operação Carne Fraca

dom, 26/03/2017 - 15:57

O juiz federal Marcos Josegrei da Silva determinou a soltura dos três presos na Operação Carne Fraca, da Polícia Federal. A decisão do juiz, que é responsável pela operação, foi tomada ontem (25). Ele determinou a soltura de Rafael Nojiri Gonçalves, Antônio Garcez da Luz e Brandízio Dario Júnior.

Os três eram os últimos que ainda estavam presos temporariamente, uma vez que o magistrado havia prorrogado a custódia deles por mais cinco dias. No dia 22, o juiz já havia determinada a liberação de outros oito presos temporários.

Ainda estão presas preventivamente 25 pessoas, que não têm prazo para deixar a prisão. Também há um empresário considerado foragido, Nilson Alves Ribeiro.

Deflagrada pela Polícia Federal (PF), no último dia 17, a Operação Carne Fraca apura corrupção na Superintendência Federal de Agricultura no Estado do Paraná (SFA/PR) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. No rol de empresas investigadas pela Polícia Federal estão a JBS, dona das marcas Seara e da Big Frango; a BRF, controladora da Sadia e da Perdigão; e os frigoríficos Larissa, Peccin e Souza Ramos.

A PF investiga o pagamento de propinas a fiscais federais agropecuários e agentes de inspeção em razão da comercialização de certificados sanitários e aproveitamento de carne estragada para produção de gêneros alimentícios.

Segundo a PF, os fiscais investigados na operação recebiam propina das empresas para emitir certificados sanitários sem fiscalização efetiva da carne e que o esquema permitia que produtos com prazo de validade vencido e com composição adulterada chegassem a ser comercializados. De acordo com a operação, eram usadas substâncias para “maquiar” a carne vencida.

Ao todo, foram expedidos 27 mandados judiciais de prisão preventiva, 11 de prisão temporária, 77 de condução coercitiva e 194 de busca e apreensão. Ao todo, 21 frigoríficos são investigados na operação. Além disso, o Ministério da Agricultura afastou 33 fiscais de suas atividades.

Compartilhar:    

PMs acusados de matar suspeito no Butantã serão julgados nesta segunda

dom, 26/03/2017 - 15:43

Três policiais militares (PMs) serão julgados nesta segunda-feira (27) pela execução de Fernando Henrique da Silva, 23 anos, assassinado no dia 7 de setembro de 2015 após uma perseguição policial em São Paulo.

Fernando estava em uma moto roubada, com Paulo Henrique Porto de Oliveira, 18 anos, quando foi surpreendido por policiais na Rodovia Raposo Tavares. Durante a fuga, Fernando abandonou a moto e subiu no telhado de uma casa no bairro do Butantã, zona oeste da capital paulista, e foi cercado por policiais. Imagens feitas pelo celular de uma testemunha mostraram um dos policiais jogando Fernando, rendido e desarmado, do telhado. Depois da queda – cena que não foi registrada pelas imagens –, policiais teriam atirado contra Fernando, que morreu no local.

Os PMs Flávio Lapiana de Lima e Fabio Gambale da Silva são acusados de homicídio doloso qualificado (por motivo torpe, meio cruel e sem possibilidade de defesa da vítima), fraude processual (por alteração no local do crime) e falsidade ideológica (por terem dado versões falsas sobre o crime durante a investigação). Já o policial Samuel Paes responde por homicídio doloso qualificado.

O julgamento

Sete jurados serão sorteados para o júri popular, no Fórum Criminal da Barra Funda, a partir das 10h. Após o sorteio, serão ouvidas as testemunhas de defesa e de acusação e, na sequência, os réus. Em seguida, tem a fase de debates do promotor Rogério Leão Zagallo e dos advogados de defesa, com possibilidade de réplica e tréplica. Só então os jurados se reúnem para decidir se condenam ou absolvem os réus.

O processo foi dividido em dois. Nos dias 13 e 14 deste mês foram julgados três policiais pela morte de Paulo Henrique. Na ocasião, os sete jurados decidiram condenar apenas o policial Tyson Oliveira Bastiane pela morte, retirando todas as qualificadoras (utilização de meio cruel, motivo torpe e sem possibilidade de defesa da vítima) que poderiam aumentar sua pena. Ele foi condenado pelos crimes de fraude processual, falsidade ideológica e porte ilegal de arma, e sua pena foi fixada em 12 anos, 5 meses e 7 dias de reclusão, em regime fechado.

Os outros dois policiais foram absolvidos da condenação por homicídio. O policial Silvio André Conceição foi integralente absolvido, e Silvano Clayton dos Reis foi condenado por fraude processual, falsidade ideológica e porte ilegal de arma, e sua pena foi estabelecida em quatro anos, 11 meses e 17 dias de reclusão, mas poderá recorrer em liberdade.

Compartilhar:    

Hospital da Mulher conscientiza jovens para prevenção de gravidez precoce

dom, 26/03/2017 - 15:23

Preocupada com o elevado índice de adolescentes grávidas, atendidas no Hospital Estadual da Mulher Heloneida Studard, em São João de Meriti, Baixada Fluminense, a diretora clínica da unidade, Ana Teresa Derraik Barbosa, criou projeto de conscientização que ao mesmo tempo esclarece as meninas sobre sexualidade de maneira franca e aberta, e previne uma gravidez precoce. Da média mensal de 400 partos feitos no hospital, 80 pacientes têm menos de 18 anos.

O Hospital da Mulher presta assistência à gestação de alto risco, e é administrado pela Organização Social de Saúde Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro.

Em entrevista à Agência Brasil, a ginecologista Ana Teresa Derraik Barbosa disse que o planejamento familiar na adolescência seria atribuição das unidades básicas da rede municipal. Diante, porém, do número elevado de gestantes menores de 18 anos atendidas no Hospital da Mulher, ela decidiu tomar providências. Procurou a diretoria do Centro Integrado de Educação Pública (Ciep) Lima Barreto, vizinho do hospital, e constatou que a preocupação era comum. O projeto foi implantado no local, no ano passado, e teve, na última quinta-feira (23), o primeiro encontro em 2017.

“Comecei a perceber que esse número, que sempre teve uma prevalência alta, começou a aumentar nos últimos três ou quatro anos, a ponto de ter todo mês, invariavelmente, uma média de 80% das minhas pacientes na faixa etária de 12 a 18 anos. Isso começou a me incomodar muito, pessoalmente e como gestora”, disse a médica. “O que chega para mim já é a adolescente grávida. Eu teria que pegá-la antes”, acrescentou.

Por isso, mesmo sabendo que o hospital não tem um serviço de planejamento familiar específico para adolescência, Ana Teresa resolveu agir, conversando diretamente com as estudantes no colégio, que tem 2 mil alunos, dos quais metade do sexo feminino.

Gravidez

Em 2015, 37 alunas do Ciep, na faixa de 12 a 17 anos, ficaram grávidas. O CIEP atende a estudantes desde o oitavo ano do ensino fundamental até o terceiro ano do ensino médio. “Essa era a faixa etária que eu gostaria de trabalhar”, indicou a médica. A palestra, ou bate-papo, como ela prefere falar, é alicerçada em três focos: prevenção de exposição à situação de violência; prevenção a doenças sexualmente transmissíveis; e métodos contraceptivos indicados na adolescência.

“Na dinâmica que eu faço, eu tento mostrar para elas como é possível, via rede social, via WhatsApp, elas montarem uma rede de proteção entre elas”. O tom da conversa é coloquial e as meninas participam fazendo perguntas e tirando dúvidas. No primeiro tempo da palestra, já se consegue deixar alinhavada uma rede de solidariedade entre as estudantes, que tem efeito multiplicador.

No segundo momento, sobre doenças sexualmente transmissíveis (sífilis, aids e hepatite B), que têm maior prevalência na região onde está localizado o Hospital da Mulher, Ana Teresa mostra um vibrador e ensina como colocar uma camisinha no órgão genital masculino, “sem historinha, sem nada formal. O papo é muito franco, elas ficam à vontade e aprendem a colocar a camisinha”. Não há nenhum tema tabu. No encontro, é abordada também a camisinha feminina, pouco divulgada no país.

Contracepção

Os métodos contraceptivos constituem a terceira etapa do bate-papo. “Mostrando para elas que uma gravidez na hora errada mina um sonho, mina uma possibilidade, diminui a autoestima; que gravidez é uma coisa muito legal, mas que tem hora para acontecer, e as mulheres inteligentes vão engravidar quando quiserem. Que o nosso corpo é uma fonte incrível de prazer, e é para ser usado dessa forma, desde que a gente saiba usar”.

A diretora clínica deixa claro que para o corpo proporcionar prazer, é necessário tomar alguns cuidados e cumprir alguns quesitos que podem parecer “chatos ou caretas”, em um primeiro momento, mas que são fundamentais para a mulher administrar sua própria vida.

Ela reiterou que cuidar da saúde e do corpo acertadamente faz parte da forma de as mulheres se relacionarem com o mundo. “Mulher que tem sexualidade bem resolvida é bem-sucedida. O começo é isso”. A conversa, segundo Ana Teresa, tem dado certo, porque a maioria das estudantes sai do encontro com consulta ginecológica marcada, focada em contracepção. Elas são atendidas individualmente. Algumas vão com as mães, outras com os namorados. E o método contraceptivo que elas escolhem é instituído.

A ênfase é nos métodos contraceptivos de longa ação, reversíveis, considerados mais adequados na adolescência, porque não precisam de uma disciplina que a pessoa tenha que lembrar de tomar todo dia ou todo mês. Uma vez inseridos, a pessoa só vai se preocupar com eles dali a três anos, ou até dez anos. Esses métodos são o DIU (Dispositivo Intra-Uterino) e o implante no braço. “Porque todo lugar no mundo, que conseguiu impactar gestão na adolescência, investiu pesado nisso. São métodos que, de forma geral, têm muita resistência laica, mas eu tenho bons resultados com isso”, salientou. Quando não há implante para todas as meninas, elas saem da unidade com algum método contraceptivo e entram em uma fila, sendo chamadas à medida da disponibilidade do material.

Resultados

O resultado, segundo Ana Teresa, é rápido. O número de alunas grávidas caiu de 37, em 2015, para apenas sete, no ano passado. A diretora clínica do Hospital da Mulher atendeu, nos encontros, 200 estudantes. As sete que engravidaram não participaram das reuniões, informou. A meta para 2017 é expandir essa conscientização, de modo a zerar a questão no Ciep.

Segundo ela, o impacto de uma gravidez não planejada na adolescência é devastador. "As meninas não ficam na escola e entram em um círculo muito cruento para a realidade da mulher, porque ficam menos capacitadas, com menos chances de serem inseridas em posições nobres no mercado de trabalho, são mais dependentes dos seus parceiros no futuro, ficam mais suscetíveis às situações de violência doméstica”. Daí, o grande foco dos encontros ser a contracepção.

No final de abril, será promovido novo encontro, com mais uma turma de adolescentes do CIEP. O sonho de Ana Teresa é disseminar o projeto para outras escolas estaduais. Para isso, é preciso aumentar o número de implantes de braço disponíveis. “A grande força dessa ação é que ela associa a informação ao acesso ao contraceptivo. Não adianta só ir à palestra. Tem que ter as duas coisas”, apontou. O ideal é tornar isso uma política pública de saúde, completou.

A presidente do Conselho Escolar do Ciep Lima Barreto, Bárbara da Silva Cesar, confirmou que os resultados do projeto têm sido bastante positivos. “O grande índice de evasão escolar, em relação às meninas, se deve à gravidez na adolescência”, disse. Muitas alunas acabam abandonando a escola porque não têm com quem deixar os filhos. “Uma das grandes necessidades que a gente tem é orientar as meninas sobre os métodos contraceptivos e questões assim”. Segundo Bárbara, a maioria das estudantes vem de comunidades carentes, nas quais os pais têm dificuldade de conversar com elas sobre sexualidade.

A estudante Estela Cristina, 15 anos, do primeiro ano do ensino médio da escola, participou de um bate-papo com a doutora Ana Teresa e gostou das orientações que ouviu. “Achei bem interessante; ela explicou direitinho o que a gente pode fazer”. Na sua avaliação, as informações repassadas foram adequadas. Estela tem consulta no ambulatório do Hospital da Mulher marcado para a semana que vem.

Compartilhar:    

Manifestante baleado pela PM em Pernambuco sai do coma

dom, 26/03/2017 - 15:18

O jovem baleado pela Polícia Militar de Pernambuco (PM-PE) em uma manifestação contra a violência no município de Itambé, Edvaldo da Silva Alves, de 19 anos, já está consciente. O boletim de saúde foi divulgado pelo Hospital Miguel Arraes (HMA), onde ele está internado na UTI desde o dia do atentado, 17 de março.

Edvaldo estava em coma desde então. Baleado à queima-roupa com uma bala de borracha, ele perdeu muito sangue ao ser atingido na virilha e ter a veia femoral rompida. De acordo com o boletim, neste domingo ele foi retirado dos aparelhos de respiração mecânica.

O caso ganhou repercussão com o vídeo, que circula nas redes sociais, do momento em que o jovem é atingido. Um dos policiais militares ordena que o outro PM atire. Ao cair no chão, Edvaldo ainda é arrastado pela camisa e agredido.

Dias depois do atentado a família da vítima denunciou que testemunhas e o próprio irmão de Edvaldo, José Roberto da Silva, foram intimidados. Policiais militares que atuam em Itambé - que não são os que aparecem no vídeo - são os acusados.

A Secretaria de Defesa Social  (SDS) informou que os PMs envolvidos no atentado estão afastados do policiamento ostensivo e foram transferidos para a área administrativa. Um inquérito policial e um processo administrativo foram abertos para apurar o caso. A Polícia Civil também investiga as ameaças.

Compartilhar:    

Manifestação em Brasília faz enterro simbólico da "velha política" brasileira

dom, 26/03/2017 - 14:56

Movimentos sociais fazem manifestação em apoio à Lava Jato, pelo fim do foro privilegiado, contra o voto em lista fechada e contra o aumento do Fundo Partidário Antonio Cruz/Agência Brasil

A Esplanada dos Ministérios recebeu 630 pessoas, nas contas da Polícia Militar (PM), para protestar contra a corrupção. Uma das principais pautas de reivindicação repudiava a lista fechada, que vem sendo defendida por vários políticos. No alto de um carro de som, a coordenadora do movimento Vem Pra Rua, Juliana Dias, discursou contra o modelo eleitoral proposto no Congresso, que considera “a coisa mais antidemocrática que existe”.

“Lista fechada é contra a democracia. É votar no partido e não mais nas pessoas e eles [os partidos] põem lá dentro quem eles quiserem. Essa é a principal pauta do dia”, explicou. No modelo, defendido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, dentre outros parlamentares, os partidos definem previamente os nomes que estarão na disputa e o eleitor vota no partido e não mais no candidato.

Sob o sol forte, pessoas vestiram camisas amarelas e levaram faixas e cartazes contra a corrupção. Além do modelo eleitoral de lista fechada, os manifesantes também criticaram as tentativas de mudança das Dez Medidas contra a Corrupção. Uma faixa mencionava o senador Renan Calheiros, um dos que defendem alterações no projeto de iniciativa popular enviado ao Congresso: “Renan, abuso de autoridade é a autoridade abusar do dinheiro do povo”.

O projeto das Dez Medidas contra a Corrupção foi alterado para incluir a previsão de crimes de responsabilidade para punir juízes e membros do Ministério Público (MP) por abuso de autoridade. A tramitação do projeto acabou sendo suspensa pelo Supremo Tribunal Federal. Os manifestantes viram a tentativa como uma forma dos parlamentares intimidarem a Justiça e o Ministério Público, que os investigam.

O juiz federal Sérgio Moro e o coordenador da força-tarefa da Lava Jato no MP, Deltan Dallagnol, também foram lembrados. A manifestação, que começou às 10h e terminou ao meio-dia, demonstrou apoio à Operação Lava Jato e ao trabalho de Moro e Dallagnol. O ato terminou por volta do meio dia, com um enterro simbólico do que chamaram de “velha política”.

Lápides foram levadas para a frente do espelho d'água do Congresso Nacional, ao som de uma marcha fúnebre. Em cada uma das lápides, a foto de um político. Fernando Collor, Aécio Neves, Gleisi Hoffmann, Jader Barbalho, Renan Calheiros, Edison Lobão, Jorge Viana e Romero Jucá foram lembrados, além do deputado Rodrigo Maia, Dilma Rousseff e Lula. Ao final, os manifestantes cantaram o hino nacional e se dispersaram.

Um enterro simbólico da "velha política" encerrou o ato que ocorreu em frente ao Congresso Nacional Antonio Cruz/Agência Brasil

O Detran fechou o trânsito na Esplanada durante toda a manhã. Os acessos para a Esplanada ocorreram pelas vias S2 e N2, atrás dos ministérios. Policiais fizeram a revista do público na altura da Catedral e no gramado em frente ao Congresso Nacional. Segundo a PM, nenhum material ilícito ou inapropriado para o evento foi encontrado.

Seiscentos policiais fizeram a segurança do ato, que não registrou confusão. De acordo com a assessoria da PM, o efetivo policial foi definido com base na estimativa de público do organizadores, que acabou ficando bem aquém do previsto – em torno de 100 mil pessoas.

Compartilhar:    

Manifestação reúne centenas no Rio em apoio à Lava Jato e contra a impunidade

dom, 26/03/2017 - 14:16

Manifestação em Copacabana pede fim da impunidade e do foro privilegiado, em apoio à operação Lava Jato da Polícia Federal Fernando Frazão/Agência Brasil

Em apoio à Operação Lava Jato da Polícia Federal e contra o fim do foro privilegiado e da impunidade, a orla de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, foi palco na manhã de hoje (26) de uma manifestação que pedia também a renovação política. O ato foi promovida pelo Movimento Vem Pra Rua e reuniu centenas de pessoas.

A advogada Adriana Balthazar, porta-voz do movimento no estado do Rio de Janeiro, disse que o evento visa também a combater o voto em lista fechada, o aumento do fundo partidário, “que são as coisas que impediriam a renovação. O foro privilegiado manteria essa turma que está aí [no Congresso Nacional]”.

Segundo Adriana, o ato Chega de Impunidade repudia todas as manobras que os políticos corruptos fazem para se perpetuarem no poder ou não serem presos. "Hoje em dia, eu acho que a principal função até é não serem presos, é o foro privilegiado, o abuso de autoridade”.

Renovação

Formada em história da arte, a roteirista Márcia Abreu disse apoiar “incondicionalmente” a Operação Lava Jato e o juiz Sérgio Moro. “Vim principalmente por isso, contra o voto em lista. Isso é um desaforo. São políticos que já estão marcados para cair e estão querendo ter fôlego para se eleger em 2018. Não vão. É um acinte à população. É preciso renovar o Congresso", disse.

O estudante de história da Universidade Federal do Rio de Janeiro Gabriel Ferraz aproveitou o protesto para levantar a bandeira do parlamentarismo monárquico. Ele também defendeu a operação Lava Jato e o fim do foro privilegiado.

Já o administrador José Carlos Mendes lamentou que o comparecimento dos cidadãos não foi maior do que eventos anteriores organizados também pelo Vem Pra Rua. Disse que o ex-presidente Lula “disse uma série de besteiras, mas disse uma coisa certa: a política só muda pela política”.

Legislatura

Jorge Pontes, delegado da Polícia Federal, também compareceu ao evento e classificou o foro privilegiado como “abrigo de ladrões”. Ele disse que os políticos hoje têm o poder de acabar com o foro privilegiado e que em 2018 quem acabará são os próprios políticos. “O foro privilegiado deles caduca em 2018. Não elejamos ninguém dessa legislatura. Eleição zero em 2018. Vamos tocar a descarga desse Congresso Nacional. Vamos mandar essa elite anacrônica para o esgoto da história. Está nas nossas mãos”, lembrou.

O humorista Marcelo Madureira estava no evento e acredita que se a Operação Lavo Jato for até o final, “talvez nós tenhamos chance de, juntos, construirmos uma grande nação”. Para ele, isso depende de cada cidadão. “Cidadania é, antes de tudo, uma obrigação. Sabemos que é nossa obrigação de cidadão lutar pelo futuro da nossa pátria, por tempos melhores para nós, para os nossos filhos e para nossos netos”.

De acordo com o Movimento Vem pra Rua, as manifestações neste domingo ocorrem em 130 cidades de todo o país e também em Lisboa, em Portugal. No estado do Rio de Janeiro, estão programados atos também durante o dia nos municípios de Barra Mansa, Volta Redonda, Niterói, Arraial do Cabo, Barra do Piraí e Macaé.

Compartilhar:    

Guarda Costeira da Itália resgata 1.190 imigrantes no Mediterrâneo

dom, 26/03/2017 - 14:11

A Guarda Costeira da Itália resgatou nas últimas horas deste domingo (26) 1.190 imigrantes que viajavam em sete embarcações no Canal da Sicília e tentavam chegar ao país. As informações são da Agência EFE.

A Guarda Costeira da Itália, que coordena as operações de resgate no Mediterrâneo Central, explicou que a operação contou com o apoio da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF).

A ONG comunicou pelo Twitter que uma das mulheres que estavam em um bote inflável estava desmaiada na hora do resgate e acabou morrendo posteriormente.

A maior parte dos imigrantes estava em lanchas pneumáticas, que transportavam entre 120 e 140 pessoas. Além disso, uma barcaça de madeira levava outros 412 imigrantes.

Segundo a Organização Internacional de Migrações, 25.170 pessoas chegaram ao litoral da Europa neste ano, 80% delas na Itália. Apenas durante a última semana, 6 mil pessoas tinham chegado ao país.

O governo da Itália calcula que receberá, em 2017, 250 mil imigrantes, 70 mil a mais do que em 2016.

Compartilhar:    

Trump culpa radicais republicanos por fracasso de reforma da saúde

dom, 26/03/2017 - 12:52

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, culpou neste domingo (26) os congressistas republicanos do ultraconservador Caucus da Liberdade pelo fracasso na aprovação da reforma no sistema de saúde do país, um projeto que foi retirado da pauta da Câmara dos Representantes na última sexta-feira (24) pela falta de apoio dentro do partido de Trump. As informações são da Agência EFE.

"Os democratas estão sorrindo em [Washington] D.C. porque o Caucus da Liberdade, com a ajuda do Club for Growth e Heritage, salvaram a Planned Parenthood e o Obamacare", disse Trump em mensagem no Twitter.

Ele se referiu ao nome como ficou conhecida a reforma do sistema de saúde promovida pelo ex-presidente Barack Obama e que o republicano queria substituir por um projeto idealizado por congressistas de seu partido e que foi apadrinhado pela Casa Branca.

A proposta dos republicanos também retirava recursos da Planned Parenthood, a maior organização de planejamento familiar dos EUA, que recebeu várias críticas do partido durante a campanha.

O projeto de lei foi retirado na sexta-feira por não contar com apoio suficiente de congressistas do próprio Partido Republicano para ser aprovado na Câmara dos Representantes.

Em grande parte, a proposta não foi adiante devido à oposição do Caucus da Liberdade, grupo ultraconservador que conta com cerca de 30 congressistas. Sem o apoio deles, Trump não obteria os 216 votos necessários para aprovar o projeto.

O presidente do Caucus da Liberdade, Mark Meadows, afirmou hoje que o fracasso do projeto não é o fim do debate sobre a reforma da saúde. Os congressistas do grupo defendem uma proposta com menos regulações do que a defendida por Trump.

Em entrevista à emissora ABC, Meadows disse que Trump ainda será o "mais valioso jogador" no processo para desmantelar o Obamacare.

O Obamacare, uma lei elaborada para aumentar a qualidade dos planos de saúde e torná-los acessíveis à população de baixa renda, deu cobertura média a mais de 20 milhões de pessoas.

No entanto, Trump considera a lei um "desastre" e prometeu durante a campanha eleitoral "revogar e substituir" o Obamacare.

O Escritório Orçamentário do Congresso, um órgão não partidário, calcula que o projeto republicano deixaria 14 milhões de pessoas sem cobertura médica em 2018. Em uma década, outras 24 milhões de pessoas perderiam seus planos de saúde.

O CBO também estima que a proposta que ganhou o aval de Trump representaria uma economia de US$ 150 bilhões em 10 anos.

Compartilhar:    

Indígenas venezuelanos em Manaus voltarão a seu país de origem em abril

dom, 26/03/2017 - 12:38

Está marcado para o dia 2 de abril o retorno de 88 indígenas da etnia warao para a Venezuela. No início de fevereiro, 117 imigrantes, entre indígenas e não indígenas, chegaram a Manaus fugindo da crise política e econômica na nação vizinha.

A maior parte deles passou a viver em barracas improvisadas na rodoviária da cidade e a pedir esmolas nos semáforos e em ruas mais movimentadas. Diante dessa situação, o governo do estado formou um grupo de trabalho com 22 instituições públicas e da sociedade civil do Amazonas, sob a coordenação da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) para buscar soluções para o problema.

"Nós não estamos fazendo deportação. Nós alugamos dois ônibus: um será custeado pelo governo do estado e outro pela prefeitura de Manaus para fazer o retorno das pessoas que querem ir, que manifestam o desejo de ir”, afirmou a secretária da pasta que coordena o grupo, Graça Prola.

Os ônibus vão levar os indígenas venezuelanos até o município roraimaense de Pacaraima, na fronteira com a cidade venezuelana de Santa Elena de Uairén.

Raysa Dario veio para Manaus porque estava passando fome na Venezuela. Ela conta que está feliz em voltar para casa porque conseguiu muitas doações. “Ganhamos roupa, comida, calçado, fraldas para as crianças. Na Venezuela não há alimento, por isso, viemos para cá. Aqui há comida. Comemos bem aqui em Manaus”, conta Raysa.

A secretária Graça Prola informou que pediu apoio do Governo de Roraima para promover o retorno do grupo. Também solicitou ao Consulado da Venezuela que facilite a entrada dos indígenas no país.

“Vamos conversar com o Cônsul da Venezuela para que ele dê uma autorização coletiva para eles adentrarem de volta ao seu país sem nenhum atropelo, sem nenhum constrangimento levando tudo que eles receberam de doações aqui", disse Graça ao lembrar que vários venezuelanos não tem documentos: "Muitos não têm documentação ou porque perderam, foram roubados ou porque já entraram no país sem documentos. Outros já estão com o protocolo vencido. Eles têm medo de ficarem presos logo na entrada”, ressaltou.

Ainda de acordo com a secretária, os imigrantes que permanecerem em Manaus vão continuar recebendo assistência social e de saúde. É o caso de duas crianças venezuelanas que chegaram com tuberculose a Manaus e estão internadas na capital amazonense.

*Com a colaboração da TV Cultura do Amazonas

Compartilhar:    

Consumidores devem ficar atentos a ofertas de planos de internet fixa com limite

dom, 26/03/2017 - 10:13

Desde abril do ano passado, a limitação do uso ou franquia da banda larga fixa está proibida pela Anatel Arquivo/Agência Brasil

Os consumidores que forem assinar novos contratos de internet fixa devem ficar atentos para as condições oferecidas pelas empresas. A limitação do uso da banda larga fixa está proibida pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) desde abril do ano passado, mas o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) diz que continua recebendo reclamações de consumidores sobre a oferta de pacotes com franquia de dados pelas operadoras.

Além de ficarem atentos aos contratos, os consumidores devem reunir documentos para se prevenir de futuras cobranças, orienta o Idec. “Questionem isso por telefone, peguem o protocolo, ou acessem pela internet o espaço do consumidor e faça um download do contrato. Documente isso para depois contestar judicialmente, caso as empresas comecem a querer cobrar isso de forma retroativa, o que seria um absurdo”, diz o pesquisador em telecomunicações do Idec, Rafael Zanatta.

Segundo ele, o Idec ainda não recebeu reclamações de clientes que tiveram a internet reduzida ou cortada. “Ou seja, aparentemente as empresas estão cumprindo [a proibição de estabelecer franquia de dados], até porque está todo mundo em cima desse assunto”, comenda Zanatta.

Proibição

O Idec aposta que a pressão popular possa fazer com que o Congresso Nacional aprove um projeto de lei proibindo as empresas de limitarem a internet fixa. O PLS 174/2016, que trata do assunto, foi aprovado pelo Senado na semana passada, mas ainda tem que passar pela análise da Câmara dos Deputados.

“Há uma demanda popular muito forte pela proibição por lei federal. Existe um consenso entre as lideranças políticas de que esse é um tema importante e, em um momento em que o Legislativo está desgastado, é provável que eles aprovem rapidamente para dar uma resposta dizendo: 'olha, fizemos alguma coisa por vocês'”, diz Zanatta.

Enquanto isso, a aplicação de franquia continua proibida pela Anatel, até que o assunto seja deliberado pelo Conselho Diretor. Neste momento, está aberta uma consulta pública sobre o assunto, que já recebeu mais de 2,8 mil contribuições, com a participação de 17 mil pessoas.

Depois da consulta, que termina em abril, as contribuições serão analisadas pela área técnica da agência e votada pelos conselheiros. A previsão do Idec é que o assunto só vá para a pauta da Anatel depois de outubro. “A Anatel não pode liberar até que ela termine o processo de consulta pública e tenha uma posição final sobre o assunto”, esclarece Zanatta.

Operadoras

A Vivo informou que cumpre integralmente a decisão da Anatel de não adotar práticas de redução de velocidade, de suspensão de serviço ou de cobrança de tráfego excedente após o esgotamento de eventual franquia de internet fixa. A NET também disse que atende integralmente a medida cautelar da Anatel.

A TIM diz que oferece o serviço de banda larga fixa apenas no Rio de Janeiro e em São Paulo e não possui franquia de dados nos seus planos de internet fixa. A Oi não comentou o assunto.

O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil) considera que a proibição da oferta de planos com franquia para o acesso à internet em banda larga fixa trará significativos prejuízos à maioria da população brasileira. Para a entidade, o projeto aprovado no Senado interfere na livre iniciativa. “Uma eventual proibição eliminaria a possibilidade de adoção de diversas tecnologias adequadas a áreas remotas, inviabilizando o atendimento da população local”, diz o SindiTelebrasil.

Compartilhar:    

Com comissões funcionando, Câmara debate reformas trabalhista e da Previdência

dom, 26/03/2017 - 09:28

Na semana em que as comissões permanentes da Câmara dos Deputados retomam efetivamente seus trabalhos, as reformas da Previdência e trabalhista seguem dominando a pauta de debates entre os parlamentares. Mas, a discussão sobre as mudanças na legislação eleitoral, além de desdobramentos de operações de combate a casos de corrupção também se destacam na agenda desta semana da Câmara.

A comissão especial da reforma da Previdência que está tratando da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016 realizará na próxima terça-feira (28) sua última audiência pública. O tema da discussão será os impactos da reforma da Previdência para o orçamento público do país.

As propostas de mudanças na Previdência devem ser debatidas também nas comissões da Seguridade Social e Família e na de Defesa dos Direitos do Idoso. Os presidentes das respectivas comissões já declararam que a reforma será um dos temas prioritários ao longo de todo o ano na definição de pautas dos colegiados.

A reforma trabalhista deve pautar a agenda da Comissão de Trabalho e ainda segue em discussão na comissão especial do tema, que realiza esta semana outra audiência pública para discutir o direito comparado. Nesta audiência, participarão representantes do Tribunal Superior do Trabalho (TST), institutos de pesquisa econômica e demográfica, além da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Reforma Política

Na comissão especial que trata da Reforma Política, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Herman Benjamim, foi convidado para falar sobre eventuais alterações na legislação eleitoral, em especial do ponto que trata da prestação de contas em campanhas políticas.

O ministro é relator do processo que pede a cassação da chapa da campanha presidencial Dilma-Temer. Também foi convidada para participar da discussão a ministra do TSE, Luciana Lóssio.

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, no Paraná, também deve passar esta semana pela Câmara. Ele foi convidado para participar de audiência pública da comissão especial que discute as mudanças no Código Penal brasileiro.

Ao lado do juiz Sílvio Rocha, da 10ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Moro deve falar sobre combate ao crime organizado, entre outros assuntos relacionados à proposta de mudanças nas regras da Justiça Penal. Moro é o responsável pela Operação Lava Jato na Justiça Federal em Curitiba.

Carne Fraca

Os desdobramentos da operação Carne Fraca, deflagrada semana passada pela Polícia Federal, será a prioridade das comissões de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural; e de Defesa do Consumidor. As comissões devem propor requerimentos para realização de audiências públicas com representantes do setor e chamar integrantes do Ministério da Agricultura para prestar esclarecimentos.

Deputados da oposição protocolaram na última semana um pedido de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para aprofundar a investigação sobre o caso. A solicitação ainda precisa passar pela análise do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Compartilhar:    

Distrito Federal: saiba onde haverá racionamento de água esta semana

dom, 26/03/2017 - 08:57

O Distrito Federal enfrenta, pela primeira vez na história, um racionamento de água devido aos baixos níveis nos reservatórios. As regiões abastecidas pelo sistema da Barragem do Descoberto estão em rodízio desde o dia 16 de janeiro, enquanto as cidades que recebem água do Reservatório de Santa Maria entraram em revezamento o dia 27 de fevereiro.

De acordo com a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), o revezamento de água funciona com um dia sem abastecimento a partir das 8h, dois dias para religar e estabilizar o sistema e três de situação normalizada, totalizando um ciclo de seis dias. O esquema é o mesmo aplicado tanto nas regiões que recebem água da Barragem do Rio Descoberto quanto nas que são abastecidas pelo Reservatório de Santa Maria.

Veja no calendário desta semana - de 26 de março a 2 de abril - os dias e os locais em que haverá interrupção do fornecimento:

26 de março:

- Ceilândia Leste, QNM, QNJ e as quadras da QNL 1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 26, 28 e 30, além da CNL 1;
- Águas Claras, SMPW (Quadras 1 a 5), Núcleo Bandeirante, C.A. IAPI, Cabs (chácaras 1 e 2), Candangolândia, Setor de Postos e Motéis e Metropolitana;
- Samambaia e Setor de Mansões de Taguatinga;
- Park Way (Quadras 6 a 29), Vila Cauhy e Vargem Bonita;
- Asa Sul e Lago Sul (QL 2 a 10, QI 1 a 15, exceto conjuntos 1, 2 e 3 da QI 13);
- Jardins Mangueiral.


27 de março:

- Taguatinga Sul, Setor Primavera, Arniqueiras, Areal e Riacho Fundo 1;
- Guará 1 e 2, Polo de Modas, Cabs (exceto chácaras 1 e 2), Lúcio Costa, SQB e Caac;
- Sudoeste, Octogonal, Cruzeiro Novo, Setor de Indústrias Gráficas, Praça Municipal, Setor de Garagens Oficiais, Setor de Administração Municipal, Setor de Divulgação Cultural, Esplanada da Torre, Setor de Recreação Pública Norte;
- Condomínios do Jardim Botânico: Jardim Botânico 3, Jardim Botânico 6, Quintas do Sol, Quintas Bela Vista, Quintas Interlagos, Morada de Deus, Quatro Estações, Maxximo Garden, Belvedere Green, Chácaras Itaipu (exceto 80 a 84), Quintas Itaipu, Jardim da Serra.


28 de março:

- Taguatinga Norte, incluindo as quadras da QNL 2, 4, 6, 8, 10 e 12;
- SIA, SCIA, STRC, SIN, SOF Sul, SGCV, SMAS, SPO, Cruzeiro Velho, Park Sul, Cidade Estrutural;
- Condomínios do Jardim Botânico: Verde, Chácaras Itaipu 80 a 84, Ouro Vermelho 1 e 2.


29 de março:

- Ceilândia Oeste;
- Recanto das Emas e Riacho Fundo 2;
- Lago Norte (SHIN e SMLN, exceto lotes 1 a 13 do trecho 13), Varjão, Granja do Torto, SAAN, SOF Norte, Regimento de Cavalaria e Guarda-RCG e SMU.


30 de março:

- Vicente Pires, C.A. Samambaia, Vila São José e Jóquei;
- Santa Maria, DVO, Sítio do Gama, Polo JK e Residencial Santa Maria;
- Asa Norte, Vila Planalto e Noroeste.


31 de março:

- Gama;
- Paranoá, Itapoã, SMLN (lotes 1 a 13 do trecho 13), Taquari, Condomínio RK e Império dos Nobres;
- Lago Sul (QL 12 a 28, QI 16 a 29, conjuntos 1, 2 e 3 da QI 13), Pontão do Lago Sul, SMDB, Setor Habitacional Dom Bosco/Villages Alvorada, Condomínio Privê Morada Sul.


1º de abril:

- Ceilândia Leste e QNM, QNJ e as quadras da QNL 1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 26, 28 e 30 e CNL 1;
- Águas Claras, SMPW (Quadras 1 a 5), Núcleo Bandeirante, C.A. IAPI, CABS (chácara 1 e 2), Candangolândia, Setor de Postos e Motéis e Metropolitana;
- Samambaia e Setor de Mansões de Taguatinga;
- Park Way (Quadras 6 a 29), Vila Cauhy e Vargem Bonita;
- Asa Sul e Lago Sul (QL 2 a 10, QI 1 a 15, exceto conjuntos 1, 2 e 3 da QI 13);
- Jardins Mangueiral.


2 de abril:

- Taguatinga Sul, Setor Primavera, Arniqueiras, Areal e Riacho Fundo 1;
- Guará 1 e 2, Polo de Modas, Cabs (exceto chácaras 1 e 2), Lúcio Costa, SQB e Caac.
- Sudoeste, Octogonal, Cruzeiro Novo, Setor de Indústrias Gráficas, Praça Municipal, Setor de Garagens Oficiais, Setor de Administração Municipal, Setor de Divulgação Cultural, Esplanada da Torre, Setor de Recreação Pública Norte;
- Condomínios do Jardim Botânico: Jardim Botânico 3, Jardim Botânico 6, Quintas do Sol, Quintas Bela Vista, Quintas Interlagos, Morada de Deus, Quatro Estações, Maxximo Garden, Belvedere Green, Chácaras Itaipu (exceto 80 a 84), Quintas Itaipu, Jardim da Serra.

Compartilhar:    

Mostra apresenta bordados de artesãs de Minas Gerais; governo quer mapear setor

sab, 25/03/2017 - 19:24

Os primeiros bordados de Marilene Alair da Silva sugiram ainda na infância. A habilidade com as mãos começou a se desenvolver em uma brincadeira. Vendo sua mãe trabalhar na máquina de costura, ela tentava imitar usando agulha e linhas. Hoje, aos 49 anos, seu prazer é sua fonte de renda.

Nascida em Sabará (MG) e residindo em Lagoa Dourada (MG) há seis anos, a bordadeira lembra que as encomendas começaram a surgir com frequência ainda na cidade natal após ter feito o enxoval de seu próprio casamento. "Muitas pessoas acharam bonito e vieram me procurar para saber se poderia fazer para elas. Aos poucos, eu fui diversificando minha produção", conta.

Constantemente se renovando, Marilene fez cursos de cerâmica e outras técnicas e atualmente trabalha também com esculturas. Em uma delas, retrata três beija-flores cujos corpos de argila sustentam asas bordadas. Ao centro da obra, há um pequeno tronco de madeira.

Este trabalho é um dos 100 que estão expostos no Centro de Arte Popular da Cemig, em Belo Horizonte, até o dia 28 de abril. São peças produzidas por profissionais de diferentes gerações e de diversos municípios mineiros. A exposição Bordado Reinventado foi motivada pelo Dia do Artesão, celebrado no último domingo (19).

Trabalho apresentado na exposição Bordado Reinventado, em Belo Horizonte Léo Rodrigues/Agência Brasil

A mostra é organizada pela Secretaria de Desenvolvimento Integrado e Fóruns Regionais (Seedif) de Minas Gerais e a entrada é franca. "É uma forma de aproximar a população da atividade e ampliar o acesso a uma arte e uma tradição. O bordado é uma manifestação que corre riscos em função da modernização tecnológica, da expansão da indústria têxtil e dessa globalização que traz produtos similares de outros países como a China", diz o titular da pasta, Wadson Ribeiro.

As palavras do secretário encontram eco na experiência de Marilene. A ideia de inovar e passar a utilizar bordados em esculturas junto com outras técnicas foi também uma resposta aos desafios que o mercado apresentou. "Algumas peças tiveram redução nas vendas. Cada vez menos noivos buscam essa confecção manual de enxoval, por exemplo. Então eu procurei me renovar para atingir novos públicos", explica.

Por outro lado, a bordadeira garante que a atividade está bem viva e atraindo novas gerações. Sua filha de 26 anos, que também participa da produção, é um exemplo. Mas não só ela. Marilene conta que também ministrou cursos e oficinas nestas duas cidades e em outras também. "Já ensinei grupos nos quais 80% dos participantes eram jovens".

Mutirão

O artesanato mineiro dominou, no ano passado, o 4º Prêmio Sebrae Top 100, um dos mais cobiçados do setor. Foram 13 premiados, superando Pernambuco, com dez agraciados, e Pará e Santa Catarina, com sete cada um. Segundo estimativas da Seedif, o estado de Minas Gerais reúne ao todo 300 mil artesões fomenta uma cadeia produtiva responsável por movimentar cerca de R$ 2,2 bilhões por ano.

"Estamos falando de uma profissão ainda não regulamentada em lei, mas que desenvolve uma atividade cultural de grande impacto econômico. E quando falamos de Minas Gerais, estamos falando de algo em torno de 10% do artesanato brasileiro", afirma o secretário Wadson Ribeiro.

A Seedif, porém, busca estratégias para mapear com mais precisão o setor. Criada em 2012 como desdobramento do Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), a Carteira Nacional do Artesão é o principal mecanismo para este mapeamento. Ela é fornecida gratuitamente e funciona como uma identificação nacional do trabalhador. Entre os benefícios de possuí-la estão facilidades para participar em feiras de artesanato no país e no exterior e para realizar oficinas e cursos na área.

No último domingo (19), houve um mutirão para cadastro em Belo Horizonte. O desafio ainda é grande. Até o momento, apenas 2,9 mil carteiras foram entregues em Minas Gerais, o que significa que menos de 1% dos artesãos do estado foram alcançados.

Por esta razão, a Seedif dará início a uma caravana para atender artesãos de regiões mineiras onde a atividade tem mais força. "Quanto maior o alcance do cadastramento, maior será o poder de pressão deste segmento. Daí os artesãos poderão reivindicar políticas públicas que criem novas oportunidades de negócio, potencializem as atividades e organizem melhor a cadeia produtiva. Eles podem, por exemplo, obter crédito para aquisição de matéria-prima, mais reconhecimento, participação em feiras internacional", diz o secretário Wadson Ribeiro.

Compartilhar:    

UFF desclassifica 113 candidatos que concorreram à vaga por meio de cota

sab, 25/03/2017 - 19:09

A Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, na região Metropolitana do Rio, declarou 113 candidatos não aptos para ingressar nos cursos de graduação por meio das cotas. Os candidatos faziam parte dos 198 convocados pela Comissão de Aferição da Autodeclaração de Cor/Etnia para entrevista após terem documentos e foto verificados.

Os candidatos foram selecionados entre a 1ª e 3ª chamadas. Conforme a UFF, na fase de pré-matrícula presencial eram 698 candidatos, sendo que 198 foram convocados para a entrevista.

Dos convocados, 68 foram aprovados e 17 desistiram do processo. Os não aptos representam 13,3% do grupo.  

O edital da universidade destina as cotas para “candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas, com renda familiar bruta per capita igual ou inferior a 1,5 salário-mínimo e que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas” e  também para candidatos com as mesmas autodeclarações que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas, mas independentemente da renda.

O edital destaca ainda que a prestação de informação falsa pelo candidato, que for constatada após o registro acadêmico, poderá representar o cancelamento de registro na universidade, sem prejuízo das sanções penais cabíveis. O regimento da UFF prevê sanções disciplinares: advertência verbal, repreensão, suspensão e desligamento.

A universidade informou que os procedimentos executados foram aprovados pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPEx-UFF) e atenderam ao disposto nos editais, comunicados oficiais e documentos internos. Os mesmos serão adotados para os cursos de graduação que funcionam em campi fora de Niterói e para os candidatos convocados nas próximas chamadas (4ª a 6ª) para os cursos na cidade.

Para o representantes da organização não governamental Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes (Educafro), frei David Santos, o trabalho da comissão impedi que candidatos, que não atendem às exigências, ocupem as vagas de quem deve ser beneficiado pela política de cotas. “O perfil dos fraudadores é de jovens de classe média que estão aprendendo rapidamente o lado ruim que é a corrupção e a fraude. Uma universidade boa precisa conscientizar os jovens a não optarem pelo caminho da fraude”, disse.

A obrigatoriedade de averiguar a autodeclaração está definida na Portaria 13/2016 do Ministério do Planejamento. Além disso, a Portaria 41/2016 do Conselho Nacional do Ministério Público determinou que as universidades criem comissão para evitar fraudes e comprovem as autodeclarações.

Compartilhar:    

Páginas