Também na Agência Brasil

Subscrever feed Também na Agência Brasil
A Agência Brasil é a agência de notícias da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que distribui gratuitamente informações de interesse público. As notícias podem ser reproduzidas desde que citada a fonte.
Atualizado: 15 minutos 20 segundos atrás

Ativistas defendem demolição da sacada onde Hitler discursou

qui, 18/10/2018 - 15:16

Ativistas ligados à organização Memory Gaps lideram um movimento para demolição de uma sacada, construída em 1938, para Adolf Hitler discursar. A sacada faz parte de um edifício histórico que atualmente pertence à prefeitura de Viena, na Áustria.

A varanda, construída às pressas para Hitler discursar, foi remodelada para ficar de acordo com a fachada neogótica do edifício. Para os ativistas, além do peso da origem de sua construção, a obra não combina com a linha arquitetônica da torre principal.

Varanda onde Hitler discursou  Divulgação/Google Maps

De acordo com a imprensa austríaca, as autoridades do país foram surpreendidas com o pedido dos ativistas. Não há consenso sobre a proposta; muitos defendem a manutenção da varanda por motivações históricas.

A diretora da comissão responsável por pesquisar e devolver bens roubados pelos nazistas, Eva Blimlinger, disse que, como tudo o que resultou do nacional-socialismo, a varanda também faz parte da história.

A relação da Áustria com seu passado nazista continua sendo uma questão difícil, ainda mais com a legenda de extrema direita Partido da Liberdade (FPÖ) que assumiu o governo no ano passado.

*Com informações da Deutsche Welle, agência pública de notícias da Alemanha.

Jornalista desaparecido fazia oposição ao regime saudita

qui, 18/10/2018 - 15:00

O último texto escrito pelo jornalista saudita Jamal Khashoggi antes do seu desaparecimento, no último dia 2 de outubro, foi publicado nesta quinta-feira pelo jornal The Washington Post. O jornalista sumiu após entrar no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia, para resolver questões burocráticas. Khashoggi fazia oposição ao governo saudita e criticou diretamente o príncipe herdeiro Mohammad bin Salman e o rei Salman.

No mesmo dia do desaparecimento de Khashoggi, horas após o jornalista ter entrado no consulado, um comboio de seis veículos saiu do edifício diplomático e seguiu para a residência do cônsul, segundo informações da imprensa turca com base em imagens de câmeras de segurança.

O governo da Turquia se negou a comentar os rumores da imprensa, segundo os quais Khashoggi foi torturado, assassinado e inclusive esquartejado no consulado.

A polícia turca inspecionou o consulado na semana passada e coletou um grande número de amostras, mas considerou necessário estender a operação à residência do cônsul, que fica a 200 metros de distância. Ontem (17), policiais inspecionaram a residência do cônsul.

Polícia da Turquia examina a residência do cônsul saudita em Istambul, por causa da investigação sobre o caso do desaparecimento do jornalista saudita Jamal Khashoggi, ocorrido no último dia 2. - Kemal Aslan/Reuter/Direitos reservados
Carreira e exílio Khashoggi durante evento em Londres 29/9/2018 Divulgação - Divulgação Reuters

Em setembro do ano passado, fugiu de seu país natal e se exilou nos Estados Unidos, justamente por causa de seu posicionamento político. Desde o ano passado, quando sua atuação profissional se tornou mais contundente, Khashoggi vivia em Washington e colaborava com o jornal norte-americano. Entre as ações do governo saudita que Khashoggi atacou está a intervenção militar no Iêmen, liderada pela Arábia Saudita.

Jamal Ahmad Khashoggi nasceu em Medina, no dia 13 de outubro de 1958. Durante sua carreira de jornalista, editou o jornal saudita Al Watan, do qual foi demitido duas vezes, porque abria espaço para opiniões mais progressistas. Ajudou a criar a rede de televisão Al-Arab News Channel, que foi tirada do ar um dia depois de transmitir uma entrevista com um crítico do governo do Barém.

Até 2016 mantinha uma coluna no diário árabe de propriedade saudita Al Hayat. Após Khashoggi criticar ações do príncipe herdeiro e do rei saudita, o contrato foi cancelado e o jornalista teve de encerrar sua conta no Twitter. Antes de se opor ao regime saudita, Khashoggi chegou a trabalhar em instituições públicas, tendo assessorado a embaixada saudita nos Estados Unidos.

Khashoggi cobrava do governo saudita reformas liberalizantes, garantia da liberdade de expressão e o fim da repressão no país. Para o governo saudita, o jornalista era um extremista islâmico. Na juventude, ele se aliou à Irmandade Muçulmana – grupo extremista islâmico que prega os ensinamentos do Corão, o livro sagrado dos muçulmanos, sem influência do mundo ocidental.

Último texto

O jornal americano contou, no editorial, a história e a luta de Khashoggi, além de publicar o último texto dele. Na abertura da coluna de Khashoggi, o jornal publicou uma nota da editora de opinião, Karen Attiah, na qual explica como recebeu o texto. Attiah disse ter recebido o texto no dia seguinte ao desaparecimento de Khashoggi, enviado por seu assistente e tradutor.

"The Post suspendeu a publicação, porque esperávamos que Jamal voltasse para que ele e eu pudéssemos editá-lo juntos. Agora tenho que aceitar: isso não vai acontecer. Esta é a última coluna dele que vou editar para o The Post. Esta coluna capta perfeitamente seu compromisso e paixão pela liberdade no mundo árabe. Uma liberdade para a qual ele aparentemente deu sua vida", escreveu. Encerrando a nota, Attiah agradece por Khashoggi ter escolhido o jornal como seu último posto de atuação.

No texto, Khashoggi defende a liberdade de expressão no mundo árabe. Ele cita o relatório Liberdade no Mundo de 2018, publicado pela Freedom House: apenas um país no mundo árabe foi classificado como "livre", a Tunísia. Jordânia, Marrocos e Kuwait foram classificados como "parcialmente livres". O restante dos países, como "não livre". "

Segundo Khashoggi, sem liberdade de informação, os árabes são desinformados ou mal informados. “Eles são incapazes de tratar adequadamente, muito menos discutir publicamente, assuntos que afetam a região e suas vidas cotidianas. Uma narrativa estatal domina a psique pública e, embora muitos não acreditem, a grande maioria da população é vítima dessa falsa narrativa. Infelizmente, é improvável que essa situação mude", escreveu.

Para Khashoggi, "o mundo árabe está enfrentando sua própria versão de uma Cortina de Ferro, imposta não por atores externos, mas por forças domésticas que disputam o poder".

Intervenção no Rio tem 80% de aceitação entre carentes, diz general

qui, 18/10/2018 - 14:47

A significativa melhora nos índices de segurança pública no Rio de Janeiro após a intervenção das Forças Armadas, e a melhora em todos os indicadores de criminalidade no estado demonstram o acerto das medidas implementadas, afirmou hoje (18) o general Braga Netto, comandante militar do Leste e responsável pela intervenção.

Braga Netto participou, nesta quinta-feira, da solenidade em que o Gabinete de Intervenção Federal entregou armamentos à Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) e à Polícia Militar (PM).

“Estes resultados [da intervenção no combate à criminalidade] beneficiam, principalmente, a população desassistida do estado, extrato social em que o trabalho [das forças de segurança] alcança os maiores índices de aceitação, hoje da ordem de 80%”, disse.

Segundo o general, a aquisição de armamentos modernos e eficazes alia-se ao objetivo estratégico do Plano de Intervenção Federal de recuperar a capacidade operativa dos órgãos de segurança pública do estado e da Seap.

Para Braga Neto, já é perceptível a melhora da sensação de segurança e da queda consistente dos índices de violência. “Tudo isso resultará invariavelmente em um ambiente mais seguro e estável, tão desejado pela população do nosso estado.”

Presente à solenidade, o governador Luiz Fernando Pezão ressaltou também a melhora de todos os índices de criminalidade e se disse seguro de que, até dezembro, resultados ainda mais significativos serão apresentados em decorrência da integração das forças de segurança pública do estado com as Forças Armadas.

Ao ser questionado sobre o baixo volume de recursos investidos em tecnologia e no trabalho investigativo, apontado em um estudo da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), o governador questionou os números que vêm sendo divulgados.

“É preciso ver estes números com uma certa desconfiança e com maior atenção. Nós saímos em 2007 de um investimento de R$ 2,4 bi em segurança pública para mais de R$ 10 bilhões neste ano. Claro que a maioria [90%] foi para o pagamento dos próprios agentes de segurança [polícias Militar e Civil e Corpo de Bombeiros], mas tem muito dinheiro também destinado em tecnologia e investigação”, afirmou.

Continuidade da intervenção

Sobre a continuidade dos trabalhos do Gabinete de Intervenção Federal, Pezão disse que, se vier a ser ouvido pelo seu sucessor no governo do estado, vai pedir “muito” para que ele continue com essa integração com as Forças Armadas.

“Eu acho impossível hoje só a Polícia Militar e a Civil, sem uma parceria a nível nacional e também com as prefeituras, combaterem o roubo de carga. A integração é fundamental. Se eu estivesse disputando uma eleição e visse os resultados que estamos colhendo, não deixaria que esta parceria e cooperação terminasse”, disse o governador.

Pezão, no entanto, admitiu a necessidade de ajustes e adaptações. “Claro que adaptando: a gente sabe que é um momento único, paralisa o Congresso em termos de votação de emendas constitucionais. Mas eu acho que o presidente da República deva montar uma guarda nacional ou mesmo adotar alguma política que tenha as Forças Armadas orientando a segurança pública no país.”

O armamento

As armas entregues nesta quinta-feira à Seap e à PM têm o objetivo de contribuir para a recuperação da capacidade operativa dos órgãos de segurança pública, uma das metas do Plano Estratégico da Intervenção Federal. A solenidade foi no salão nobre do Comando Militar do Leste.

A Secretaria de Administração Penitenciária recebeu 200 carabinas calibre 12, da marca CBC, as primeiras confeccionadas com tecnologia totalmente nacional, adquiridas ao custo de RS 777,4 mil. O armamento funcionará como reforço à segurança dos estabelecimentos prisionais sob a responsabilidade da Seap.

Foram repassados à Polícia Militar 500 novos fuzis calibre 5.56, modelo IA 2, utilizados pelo Exército Brasileiro, o que, na avaliação do Gabinete de Intervenção, “vai melhorar consideravelmente as condições de trabalho do Policial Militar”.

Moro nega influência nas eleições ao divulgar delação de Palocci

qui, 18/10/2018 - 14:32

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, encaminhou ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) manifestação em que nega ter tentado influenciar o processo eleitoral ao tornar público o teor da colaboração premiada do ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci.

Parte dos depoimentos foram tornados público por Moro em 1º de outubro, seis dias antes do primeiro turno das eleições. Neles, Palocci acusa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ex-presidente Dilma Rousseff de participação direta no esquema de corrupção na Petrobras, investigado pela Operação Lava Jato.

Juiz Sérgio Moro se explicou ao CNJ por ter divulgado delação de Palocci - Arquivo/Agência Brasil

Moro disse ao corregedor-nacional de Justiça, Humberto Martins, que não teve qualquer intenção de influenciar as eleições ao divulgar os depoimentos, uma vez que o atual candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, não é citado por Palocci. O magistrado acrescentou ainda que não poderia interromper o andamento do processo somente em função do calendário eleitoral.

“Retardar a publicidade do depoimento para depois das eleições poderia ser considerado tão inapropriado como a sua divulgação no período anterior. Se o depoimento, por hipótese, tem alguma influência nas eleições, ocultar a sua existência representa igual interferência a sua divulgação”, argumentou Moro.

Ele desqualificou as duas representações abertas contra ele no CNJ pelos deputados do PT Wadih Damous, Paulo Pimenta e Paulo Teixeira. Para Moro, os procedimentos “inserem-se na linha adotada por alguns agentes do Partido dos Trabalhadores de buscarem criminalizar a atividade jurisdicional”.

Moro afirmou ainda que os deputados petistas “buscam, estes mesmos agentes políticos, através de provocação ao Conselho Nacional de Justiça (cuja composição desejam, aliás, alterar), cercear decisões da Justiça que contrariam os seus interesses partidários, mesmo às custas da aplicação da lei a crimes de corrupção”.

Nas duas representações abertas pelo PT, o partido afirma que Moro "desvirtuou de seu dever de serenidade" ao tornar público o conteúdo da delação a seis dias do primeiro turno das eleições. Segundo o partido, o juiz inflamou a sociedade "a partir de documentos que não passaram pelo crivo do contraditório”.

Federação de Ginecologia faz alerta sobre violência contra mulheres

qui, 18/10/2018 - 14:23

O novo presidente da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (Figo),  médico boliviano Carlos Fuchtner, disse hoje (18), no Rio de Janeiro, que vai fazer uma plataforma para atingir o público, alertando sobre os direitos das mulheres.

Ele assume o cargo hoje para o triênio 2019/2021 e está participando, desde o último dia 14, do Congresso Mundial da Figo, no Riocentro, no Rio.

“A gente vai mandar mensagens para a população ficar sabendo que a violência contra a mulher é um atentado contra os direitos dela. E elas vão poder exigir união dos diferentes atores públicos e privados e da justiça para que isso não aconteça. Nós vamos transmitir à população que não haja violência contra as mulheres e onde elas vão poder recorrer em busca de solução para esse problema. Isso será levado ao conhecimento [público]”, afirmou.

Ginecologista, obstetra e oncologista formado pela Universidade de Campinas, Fuchtner morou no Brasil oito anos.

Ele admitiu que a luta contra a violência contra a mulher não será vencida de imediato. “Não é fácil. É uma questão que dará resultados em dois, três ou cinco anos porque a gente tem que mudar a mentalidade para a geração futura”, finalizou.

PF abre novas fases das operações Peixe de Tobias e Sermão aos Peixes

qui, 18/10/2018 - 14:09

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta quinta-feira (18), a sexta fase da Operação Peixe de Tobias e a sétima da Operação Abscondito II, ambas desdobramentos da Operação Sermão aos Peixes. Durante a ação, agentes policiais cumpriram oito mandados de prisão temporária, um de prisão preventiva e 19 mandados de busca e apreensão nas cidades de São Luís e Imperatriz, no Maranhão, Parauapebas, no Pará, Palmas, no Tocantins, Brasília e Goiânia.

As equipes atendem a determinações expedidas pela 1ª Vara Criminal Federal da Seção Judiciária do Maranhão, e as investigações contam com a participação do Ministério da Transparência, da Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) e da Receita Federal.

De acordo com a corporação, apurações feitas no âmbito da Operação Peixe de Tobias levantaram suspeitas de que, entre os anos de 2011 e 2013, cerca de R$ 2 milhões destinados ao sistema de saúde estadual teriam sido desviados para uma empresa com sede em Imperatriz. A quantia teria beneficiado ainda um grupo de blogueiros, que estaria sendo pago mensalmente.

A Operação Abscondito II investiga o vazamento de informações relacionadas à Operação Sermão aos Peixes. Tudo indica que os suspeitos cooptaram servidores públicos para obter dados sobre o andamento da investigação, disse a PF.

Segundo a corporação, a organização criminosa, inclusive, destruiu e ocultou parte das provas que comprovariam as infrações cometidas. Para impedir que fosse decretada a perda dos bens adquiridos no esquema, um dos investigados buscou extingui-los e transferi-los a terceiros, descumprindo medidas cautelares impostas pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Os investigados poderão responder pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Após os procedimentos legais, os detidos serão encaminhados ao sistema penitenciário estadual e permanecerão à disposição da Justiça Federal.

Nome das ações

Os nomes escolhidos para as fases agora deflagradas, explicou a PF, são uma referência a um dos trechos dos Sermões, do padre Antônio Vieira (1654), que ficou conhecido como o Sermão aos Peixes. No discurso, o religioso português faz uma analogia entre os peixes e os vícios e a corrupção da sociedade. Conforme o texto, a bílis do Peixe de Tobias, embora pouco palatável, tinha capacidade de curar a cegueira dos ouvintes. No contexto da investigação, o Peixe de Tobias busca revelar parte da trama delitiva que envolveu o desvio de recursos públicos. 

Continuidade da Operação Abscondito, que foi iniciada em outubro de 2016, a Abscondito II remonta a um trecho dos Sermões que postula que, quanto maiores os peixes, mais se escondem. Trata-se de uma alusão aos atos de ocultação de provas e de patrimônio.

WhatsApp esvaziou debate na campanha eleitoral deste ano

qui, 18/10/2018 - 13:55

As eleições presidenciais de 2018 inauguraram uma nova maneira de se fazer campanha no Brasil, conforme os especialistas ouvidos pela Agência Brasil. O horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão perdeu a atenção quase exclusiva dos eleitores, que também não seguem mais seus candidatos em carreatas ou passeios públicos - mas em espaços virtuais fidelizados como os perfis dos políticos nas redes sociais.

“É quase uma não campanha”, considera o cientista político Malco Camargos, professor da PUC Minas. “O elemento novo são as redes sociais”, assinala a diretora-executiva do Ibope, Marcia Cavallari. “É um fenômeno novo, ainda em teste”, opina Beatriz Martins, autora do livro Autoria em Rede: os novos processos autorais através das redes eletrônicas.

Com essas mudanças, o debate público ficou esvaziado. Em vez da discussão de propostas sobre geração de emprego, atendimento à saúde, qualidade do ensino, transporte ou segurança pública, eleitores usam seu tempo compartilhando memes com supostos atributos do seu candidato ou com defeitos do oponente.

“As mensagens correm em grupos fechados, dentro das bolhas. Esse ambiente não se caracteriza como espaço público. Não há oportunidade de contraditório”, descreve Beatriz Martins. Nem sempre os conteúdos repassados são comprovados.

Familiares, amigos e colegas de trabalho se tornaram cabos eleitorais engajados, compartilhando inúmeras mensagens por dia, por vezes falsas, como atesta avaliação de 347 grupos de WhatsApp feita pelos professores Pablo Ortellado (USP), Fabrício Benvenuto (UFMG) e a Agência Lupa de checagem de fatos. O estudo mostra que entre as imagens mais compartilhadas apenas 8% podem ser classificadas como verdadeiras.

Violência simbólica

Para Fábio Gouveia, coordenador do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura da UFES, “consolidou-se uma tendência que já estava em curso antes da eleição: violência simbólica, desconstrução de imagem e desinformação”.

O especialista avalia que a maneira como são usadas as novas mídias afeta a credibilidade dos meios tradicionais. “Há uma cruzada que põe em xeque a legitimidade da imprensa”. Segundo ele, é preocupante o comportamento social disseminado entre eleitores de dizer que “a mídia mente” quando confrontados com notícia apurada contra o seu candidato.

Gouveia alerta que a desqualificação constante do trabalho da imprensa e a dificuldade de perceber quando a notícia é falsa ou verdadeira são prejudiciais à democracia. “Independentemente de quem vença em 28 de outubro, esse estrago está feito”, registra.

Esvaziamento dos jornais e importância da TV

“É preciso ensinar as pessoas a lidarem com tanta informação. Saber o que é confiável e o que não é”, pondera Beatriz Martins. Ela, que é jornalista, aponta o “esvaziamento dos jornais” que “perderam peso” com a demissão de jornalistas e diminuição de redações.

Para o filósofo Nélio Silva, mestrando na UFScar, o baixo índice de leitura dos brasileiros é um problema que agrava a circulação de notícias falsas. Por causa disso, segundo ele, a televisão ainda é importante e debates entre os candidatos à Presidência poderiam fazer os eleitores conhecerem melhor as propostas de Jair Bolsonaro (PSL) e de Fernando Haddad (PT).

Para Marcia Cavallari, do Ibope, a televisão teve papel fundamental na campanha. Ela lembra que muitas imagens compartilhadas por WhatsApp, Facebook, Twitter ou Instagram foram replicadas de entrevistas e debates ocorridos nas emissoras de TV. “Uma coisa alimenta a outra”, avalia. O cientista político Malco Camargos concorda e lembra que a TV foi central na cobertura do atentado a faca sofrido por Bolsonaro em Juiz de Fora, no mês de agosto.

PF investiga desvios na compra de gases medicinais no Pará e no DF

qui, 18/10/2018 - 13:07

A Polícia Federal (PF) e a Receita Federal deflagraram hoje (18) a Operação Partialis, com o objetivo de apurar apropriação e desvio de recurso públicos que deveriam ter como destino a aquisição de gases medicinais nos municípios paraenses de Marabá e Altamira, e em Brasília (DF).

De acordo com a PF, são cumpridos 17 mandados judiciais – quatro de prisão preventiva, quatro de prisão temporária e nove mandados de busca em apreensão – nas residências dos investigados e na sede de uma empresa. Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara da Justiça Federal de Marabá.

A Operação Partialis é um desdobramento da Operação Asfixia, deflagrada em junho de 2016, com o objetivo de investigar fraudes em licitações para a compra de gases medicinais pela prefeitura de Marabá.

Ao analisar os documentos apreendidos, os investigadores descobriram ilicitudes que consistiam na cobrança de valores por parte de servidores municipais em troca da facilidade no recebimento de valores atrasados. “Chamou a atenção, em especial, uma anotação que indicava o depósito de R$ 100 mil reais para uma dita parceria”, informou a PF, em nota.

O esquema abrangia verbas federais, municipais e estaduais sacadas em espécie por assessores diretos do ex-gestor municipal, sob comando dele, “na boca do caixa de empresas que tinham contratos com a prefeitura de Marabá”, segundo a polícia. A estimativa é que os saques superaram R$ 1,5 milhão, sendo R$ 1 milhão depositado na conta da esposa de um assessor imediato do ex-gestor municipal. Parte do dinheiro foi transferido para as contas dele por meio de terceiros.

“Além da apropriação desses montantes, também foi adquirida, com recursos públicos federais, por um dos empresários investigados e presos durante a Operação Asfixia, uma aeronave adquirida de uma empresa com sede em Altamira”, diz a nota da PF. A aeronave, inclusive, foi enviada a Goiânia, onde teria ficado sob a responsabilidade da direção nacional de um partido político.

Ainda segundo a PF, os investigados responderão pelos crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, uso de documento falso e apropriação e/ou desvio de recursos públicos.

Intenção de consumo das famílias recua 0,3% em outubro, diz CNC

qui, 18/10/2018 - 12:40
A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) recuou 0,3% de setembro para outubro e chegou a 86,7 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Na comparação com outubro do ano passado, no entanto, o indicador medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) avançou 11,3%.

Quatro dos sete componentes pesquisados tiveram queda de setembro para outubro, com destaque para o momento ser adequado para a compra de bens duráveis (-3,3%) e para a perspectiva de consumo (-1,2%). Dos três componentes em alta, o destaque ficou com a renda atual (1%).

Na comparação com outubro de 2017, todos os componentes tiveram alta, com destaque para o nível de consumo atual (24,4%) e para a perspectiva de consumo (15%).

Com juristas, Haddad chama campanha anti-PT de “tentativa de fraude"

qui, 18/10/2018 - 12:38

Na presença de vários juristas, como Paulo Sérgio Pinheiro, Cláudio Mariz de Oliveira, Dora Cavalcanti, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, e José Carlos Dias que lançaram hoje (18) uma moção de apoio com mais de 1,5 mil assinaturas, o candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, chamou hoje (18) de “tentativa de fraude eleitoral” as denúncias publicadas sobre a suposta existência de um grupo de empresários que financia o envio em massa de mensagens falsas via WhatsApp.

A denúncia é a manchete da Folha de S. Paulo desta quinta-feira. “O que está hoje nos jornais não são indícios de que houve crime, são provas”, afirmou o candidato. “Não é um problema moral [apenas], é crime. É penal.” O candidato do PT disse que vai apresentar denúncias à Polícia Federal e à Justiça Eleitoral para que sejam tomadas as providências.

São Paulo - O candidato à Presidência da República do PT, Fernando Haddad, participa de encontro com juristas pela democracia - Rovena Rosa/Agência Brasil

Ao discursar para os juristas, Haddad detalhou as informações publicadas na imprensa. “Por meio de caixa 2, eles resolveram financiar uma campanha de difamação, de inverdades. Todas as mensagens do WhatsApp foram direcionadas a minha pessoa, com inverdades a meu respeito e a minha família. Eu acho extremamente grave. Eu nunca tinha visto isso acontecer nas campanhas eleitorais.”

Nas redes sociais, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, não se manifestou sobre as informações publicadas hoje na impresa. 

Denúncias

A reportagem publicada hoje informa que empresas estão contratando o serviço de disparo de mensagens por aplicativo de celular com contratos que podem chegar a R$ 12 milhões. O serviço, segundo o jornal, se vale da utilização de números no exterior para enviar centenas de milhões de mensagens, burlando as restrições que o WhatsApp impõe a usuários brasileiros.

As atividades envolvem o uso de cadastros vendidos de forma irregular. A legislação eleitoral só permite o uso de listas elaboradas voluntariamente pelas próprias campanhas. O financiamento empresarial de campanha também é proibido.

Para Haddad, a difusão de mensagens falsas seria a responsável pelo crescimento das intenções de voto a favor de Jair Bolsonaro (PSL). “Eu temo que a Justiça Eleitoral, inibida pela violência, que a imprensa, inibida pela violência, não cumpra as suas funções constitucionais”, disse.

Social

Em entrevista à Rádio Tupi do Rio de Janeiro, Haddad ressaltou que dará prioridade à saúde e educação. Segundo ele, o foco, uma vez eleito, será para a educação técnica em nível médio. “Cada escola federal terá de adotar as escolas estaduais de baixo desempenho e estabelecer um patamar mínimo [de desempenho].”

Para saúde, o candidato pretende criar policlínicas, com laboratórios e exames, inaugurando pelo menos 400 policlínicas em todo país, abrindo vagas nos leitos hospitalares para os casos mais graves.

 

Médicos examinam Bolsonaro, mas permanece expectativa sobre debates

qui, 18/10/2018 - 12:27

O candidato pelo PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, passou por uma avaliação médica na manhã de hoje (18), com a equipe do Hospital Albert Einstein, que durou pouco mais de um hora e meia. A assessoria do candidato divulgou uma nota informando que Bolsonaro apresentou evolução clínica e nutricional, mas não deixa claro se ele pode voltar às atividades normais.

A expectativa é que a partir da avaliação Bolsonaro defina sua participação em pelo menos dois debates com o adversário Fernando Handdad, do PT, e eventuais viagens fora do Rio de Janeiro. Nos últimos dias, o candidato do PSL disse que aguardava a avaliação médica para tomar decisões.

Na nota, a assessoria de Bolsonaro informa que ele passou hoje por exames de imagem e de laboratório e que “apresenta boa evolução clínica e a avaliação nutricional evidenciou melhora da composição corpórea, mas ainda exigindo suporte nutricional e fisioterapia”.

Os médicos Leandro Echenique, cirurgião, e Antonio Luiz Macedo, cardiologista, fizeram novos exames em Jair Bolsonaro - Arquivo/Agência Brasil
Expectativas

A avaliação foi feita por Antônio Luiz Macedo, cirurgião que operou o candidato em São Paulo no dia 12 de setembro, e Leandro Echenique, cardiologista da equipe, na casa de Bolsonaro, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Os médicos que realizaram o exame não falaram com a imprensa.

Os médicos chegaram por volta das 9h45 e deixaram o local às 11h20. Na semana passada, os médicos afirmaram que o quadro de saúde do candidato está evoluindo bem e que, provavelmente, ele seria liberado para todas as atividades de campanha hoje (18).

A cirurgia para a retirada da bolsa de colostomia está prevista para ser feita a partir do dia 12 de dezembro e requer duas semanas de recuperação.

Por volta das 10h30, Bolsonaro recebeu a visita do candidato ao governo de Roraima Antônio Denarium (PSL). Na saída, ele disse que a conversa girou em torno do ingresso de imigrantes venezuelano no Brasil, uma vez que grande parte entra por Roraima, gerando controvérsias entre as autoridades locais e as federais.

Cartões do Enem serão liberados na segunda-feira

qui, 18/10/2018 - 12:06

Os cartões de confirmação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2018) de mais de 5 milhões de inscritos serão liberados na próxima segunda-feira (22) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Com o documento que pode ser obtido na página do participante será possível verificar o local onde cada candidato fará as provas.

A recomendação da pasta é que cada estudante conheça o melhor trajeto para chegar ao lugar sem imprevistos. Além do local, o cartão também indica número de inscrição, data e horários das provas, detalhes sobre atendimentos e recursos de acessibilidade – se foi solicitado –, e o idioma estrangeiro escolhido.

A assessoria do Inep afirmou que não há casos de inscritos que não encontram seus cartões ou de informações equivocadas. De acordo com o órgão, os dados preenchidos na inscrição são automaticamente inseridos nessa confirmação. De qualquer maneira, a orientação é que, havendo algum problema, o estudante entre em contato com os canais de atendimento do Ministério da Educação (MEC) pelo telefone 0800616161 ou pelo link Fale Conosco, no site da pasta, para que a demanda seja verificada.

É importante lembrar que o governo decidiu manter o início do horário de verão, que começará no primeiro dia de prova do Enem, 4 de novembro. O MEC recomenda que os estudantes entrem no ritmo do novo horário, dormindo uma hora mais cedo, cerca de uma semana antes, para não serem prejudicados na hora da prova.

As provas serão aplicadas nos dias 4 e 11 de novembro em todo o país. No primeiro dia do exame (4/11), serão aplicadas as provas de linguagem, ciências humanas e redação. A aplicação terá cinco horas e meia de duração. No segundo dia (11/11), haverá provas de ciências da natureza e matemática. Os estudantes terão cinco horas para resolver as questões.

Pagamento do 13º salário injeta R$ 211,2 bilhões na economia

qui, 18/10/2018 - 11:52

O pagamento do 13º salário vai injetar R$ 211,2 bilhões na economia brasileira até dezembro. O valor representa cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, beneficiando cerca de 84,5 milhões de trabalhadores do mercado formal, inclusive aposentados, pensionistas e empregados domésticos.

As estimativas do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apontam um rendimento adicional de R$ 2.320,00, com fonte na relação anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

Os trabalhadores do mercado formal representam 48,7 milhões, ou 57,6% do total beneficiados pelo pagamento do 13º salário. Os empregados domésticos são 1,8 milhão, ou 2,2% do total. Os aposentados e pensionistas representam 34,8 milhões, ou 41,2% do total. Dos R$ 211,2 bilhões pagos, os empregados do mercado formal ficarão com 66%, ou R$ 139,4 bilhões. Os aposentados e pensionistas receberão R$ 71,8 bilhões, ou 34%.

Regiões

Os estados da região Sudeste ficarão com 49,1% do pagamento do 13º salário, seguido pelos estados do sul com 16,6%, Nordeste com 16%, Centro-oeste com 8,9% e Norte com 4,7%. O beneficiário com o maior valor médio (R$ 4.278,00) será pago no Distrito Federal e o menor no Maranhão (R$ 1.560,00) e Piauí (R$ 1.585,00).

A maior parcela que será paga aos assalariados do setor de serviços (incluindo administração pública), que receberão R$ 137,1 bilhões, ou 64,1% do total destinado ao mercado formal. Os empregados da indústria receberão 17,4%, os comerciários 13,3%, enquanto que os da construção civil ficarão com 3,1% e da agropecuária com 2,1%. O valor médio do 13º salário do setor formal ficará em R$ 2.927,21, sendo que a maior média será paga aos trabalhadores do setor de serviços com valor de R$ 3.338,81 e o menor para os trabalhadores do setor primário da economia, com R$ 1.794,86.

A economia paulista receberá cerca de R$ 60,7 bilhões, ou 28,8% do total do Brasil. Os beneficiados são estimados em 21,6 milhões, equivalente a 25,6% do total.

Soldado do Exército morre durante exercício em quartel do Rio

qui, 18/10/2018 - 11:13

O soldado Matheus da Conceição Santos Moraes, do 2º Regimento de Cavalaria de Guarda (2º RCG) do Exército, morreu depois de passar mal durante um exercício no quartel, localizado na Vila Militar, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Segundo o Comando Militar do Leste (CML), unidade regional do Exército, ele sentiu-se mal durante a realização de um exercício chamado "pista de progressão diurna".

Ainda de acordo com o CML, o militar "foi prontamente atendido pela equipe médica que acompanhava o exercício". Depois da avaliação, Matheus foi encaminhado para o Hospital Central do Exército ainda no mesmo dia. O Exército informou ainda que ele ficou internado por dois dias, em tratamento intensivo, antes de morrer.

Na nota divulgada pelo CML, o exercício de pista de progressão diurna é uma atividade que compõe a fase de instrução individual básica e é "planejada conforme todas as normas de segurança previstas". Um inquérito policial militar (IPM) foi instaurado para apurar as circunstâncias da morte.
 

Ipea: demanda por bens industriais em agosto registra queda de 0,6%

qui, 18/10/2018 - 11:01

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais, que mede a demanda interna no setor, recuou 0,6% em agosto, na comparação com o mês anterior. O indicador é definido como a produção industrial doméstica, descontadas as exportações e acrescidas as importações.

De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o resultado foi puxado pelos segmentos bens de capital (-7,6%) e bens de consumo semi e não duráveis (-1%). Entre os componentes do consumo aparente, enquanto a produção interna (excluídas as exportações) caiu 0,8%, as importações de bens industriais cresceram 1,1%.

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais cresceu 3,7%. Na variação acumulada em 12 meses, a demanda mostra crescimento mais intenso (5,5%) que o apresentado pela produção industrial (3,1%).

Em relação ao mês anterior, a queda de agosto foi bastante disseminada entre as grandes categorias econômicas. O consumo aparente de bens intermediários foi o único segmento a não apresentar recuo, com pequena alta de 0,1%. Já na comparação interanual, o crescimento foi generalizado, com destaque para o segmento bens de consumo duráveis (21,6%).

Com relação às classes de produção, a demanda interna por bens da indústria de transformação recuou 1,6% sobre o mês de julho deste ano, ao contrário da extrativa mineral, que se recuperou da forte queda do período anterior (-19,2%) e registrou alta de 29,9% em agosto. Apenas oito segmentos avançaram, de um total de 22.

Segundo o Ipea, os principais destaques positivos do mês de agosto, frente a julho, foram os segmentos farmoquímicos (2,9%) e veículos (2,1%). Na comparação interanual, foi registrada variação positiva em 13 segmentos. Os destaques também ficaram por conta de veículos (19,6%) e farmoquímicos (12,7%). Neste comparativo, a maior oscilação negativa ocorreu em outros equipamentos de transporte, segmento que caiu 28,6%.

Brasil tem cinco novos produtos com certificação de origem

qui, 18/10/2018 - 11:00

Entre o julho de 2017 e junho deste ano cinco novos produtos conquistaram o certificado de origem, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para ganhar a certificação, dada pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), os produtos devem ser originários de determinada região geográfica e ter características únicas.

O documento é providenciado pelo exportador e utilizado pelo importador para a comprovação da origem e que permite ao mesmo obter tratamento preferencial e redução ou isenção de tarifas de importação, quando previstas nos acordos comerciais internacionais.

Agora, já são 58 os produtos e serviços com certificações no país. Os novos produtos com selo de identificação geográfica são a farinha de mandioca de Cruzeiro do Sul (AC), o guaraná de Maués (AM), o queijo de Colônia Witmarsum (PR), as amêndoas de cacau da região do sul da Bahia e o socol (embutido de lombo suíno) de Venda Nova do Imigrante (ES).

Guaraná de Maués - Felipe Rosa/Embrapa

Segundo o IBGE, a fabricação da farinha de mandioca de Cruzeiro do Sul, no Acre, é uma atividade familiar e comunitária, passada de geração em geração, que é reconhecida por sua qualidade, crocância, granulometria uniforme, torra e sabor característico.

O guaraná de Maués, no Amazonas, é uma tradição antiga dos indígenas saterés-maués. O produto tem alto teor de cafeína (de 3% a 5%) e é chamado pelos índios de “elixir de longa vida”.

O socol de Venda Nova do Imigrante, no Espírito Santo, é semelhante ao presunto e feito a partir do lombo de porco. Ele foi introduzido no Brasil por imigrantes italianos por volta da década de 1880.

As amêndoas de cacau do sul da Bahia, que é um dos principais centros de produção da fruta, têm um índice de fermentação mínimo de 65%, um aroma natural livre de odores estranhos e um teor de umidade inferior a 8%.

Por fim, o queijo produzido em Colônia Witmarsum, no Paraná, abastece mercados em todo o todo o território nacional. Vinte toneladas do laticínio são produzidas todo mês, segundo o IBGE.

Veja o mapa com os 58 produtos e serviços com selo de identificação geográfica.

Dólar abre em alta a R$ 3,68 e Bolsa de Valores opera em queda

qui, 18/10/2018 - 10:38

O dólar abriu o pregão de hoje (18) em pequena alta de 0,04%.

A moeda norte-americana está cotada a R$ 3,6828, depois de registrar ontem o menor valor desde 25 de maio, quando fechou a R$ 3,66.

Dólar está cotado a R$ 3,6828    (Arquivo/Agência Brasil)

O dólar tem uma baixa acumulada em outubro de 8,82%, em contraponto a uma alta no ano de 11,11%.

O Banco Central segue com a política tradicional de swaps cambiais, sem ofertar leilões extraordinários de venda futura do dólar.

O índice B3, da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), começou o dia em queda de 0,53%, com 85.309 pontos.

PF faz operação contra a pesca ilegal de camarão no Rio de Janeiro

qui, 18/10/2018 - 09:17

Policiais federais cumprem hoje (18) sete mandados de busca e apreensão para reprimir a pesca de camarão no período do defeso (reprodução) em São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos fluminense. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal, a pedido do Ministério Público Federal.

De acordo com a PF, a investigação começou há seis meses. Durante o inquérito, foram identificadas pessoas envolvidas na pesca e os locais de armazenamento do camarão obtido. Ainda segundo a PF, a prática causa forte impacto na população do crustáceo na Lagoa de Araruama e pode levar à sua extinção. 

Os envolvidos poderão responder por crime ambiental e organização criminosa.

Dois delegados e cinco agentes da Polícia Civil são presos no Rio

qui, 18/10/2018 - 08:43

A Corregedoria da Polícia Civil do Rio de Janeiro faz hoje (18) uma operação para prender dois delegados e cinco agentes acusados de organização criminosa, extorsão mediante sequestro, concussão, roubo qualificado e prevaricação. Além disso, estão sendo cumpridos dez mandados de busca e apreensão, expedidos pela 7ª Vara Criminal de Mesquita.

A investigação da Operação Infiltrados usou interceptação de conversas telefônicas autorizadas pela Justiça, análise de dados, colaboração premiada, infiltração e diligências de campo. Segundo o inquérito, policiais da Delegacia de Mesquita (53ª DP) sequestraram, em agosto do ano passado, um suspeito de ligação com a venda de drogas da comunidade da Chatuba, contra quem havia mandado de prisão expedido pela Justiça. Os policiais teriam mantido o suspeito preso nas dependências da delegacia até o pagamento de propina por seus familiares, para que fosse libertado. 

Em outra ocasião, um suspeito foi  preso em flagrante por roubo qualificado, reconhecido pelas vítimas, mas após a liberação dos policiais condutores, o autor foi solto e seu auto de prisão em flagrante cancelado. Também foi constatado que policiais militares apresentaram uma ocorrência de violência doméstica, com o agressor conduzido, mas que mediante o pagamento de propina o autor foi liberado sem qualquer registro do fato, apesar de a vítima ter sido agredida com grande violência pelo companheiro.

Preso ex-dirigente da federação de ginástica dos EUA

qui, 18/10/2018 - 08:38

O ex-dirigente da Federação de Ginástica dos Estados Unidos, Steve Penny, foi preso em Gatlinburg, Tennessee (EUA).

A prisão ocorreu logo depois de ele ser condenado por adulterar documentos, na tentativa de encobrir crimes ligados ao caso de abuso sexual de Larry Nassar, no centro de treinamento de ginástica Karolyi Ranch, no Texas.

Larry Nassar é médico da Seleção norte-americana de ginástica.

As informações estão nos sites e jornais do Texas, nos Estados Unidos, e também de emissoras internacionais de televisão.

Há três semanas, Penny foi indiciado por um grande júri por adulterar provas.

Ele está detido na prisão do condado de Sevier, enquanto aguarda extradição para Walker, no Texas.

Se condenado pelo crime de terceiro grau, Penny pode pegar até 10 anos de prisão e pagar multa de US$ 10 mil.

Nassar foi o médico da seleção norte-americana e enfrenta seis acusações de ginastas olímpicas por abuso e assédio sexual. Simone Biles, campeã norte-americana, que disse ter sido vítima do médico. O ex-integrante da federação de ginástica cumpre pena no Michigan.

No Brasil, também há denúncias de abusos sexuais envolvendo integrantes de várias modalidades esportivas. O assunto virou tema de debates no Congresso Nacional em busca de providências para resguardar os atletas.

Páginas