Também na Agência Brasil

Subscrever feed Também na Agência Brasil
A Agência Brasil é a agência de notícias da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que distribui gratuitamente informações de interesse público. As notícias podem ser reproduzidas desde que citada a fonte.
Atualizado: 23 minutos atrás

Impasse entre EUA e Turquia afeta bolsas e pode atingir a Otan

seg, 13/08/2018 - 12:33

As tensões entre os Estados Unidos (EUA) e a Turquia afetam as bolsas de valores da Ásia e atingem também o restante do mundo. As reações ocorrem após o governo norte-americano impor sanções ao país e dobrar as tarifas do aço e do alumínio. Com a decisão, aumentou a desconfiança dos investidores estrangeiros na Turquia e caiu o valor da lira turca no mercado, perdendo mais de 25% só neste mês.

Paralelamente, há ainda o risco de as tensões impactarem na ação das tropas norte-americanas na Síria e na unidade da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), afirmam especialistas.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, advertiu que não hesitará em responder se os Estados Unidos mantiverem as medidas. O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu, afirmou hoje (13) que seu  país fez "o suficiente" para superar as tensões: "Estamos abertos à diplomacia e ao consenso, mas aceitar imposições está fora de cogitação".

O governo do presidente Donald Trump exige que a Turquia liberte o pastor Andrew Brunson, detido há dois anos sob acusações de terrorismo e espionagem. Paralelamente, os turcos acusam os Estados Unidos de apoiar milícias curdas na Síria, consideradas terroristas.

Acusações

Tayyip Erdogan acusou hoje o governo norte-americano de "apunhalar a Turquia pelas costas", mediante medidas econômicas, apesar de ambos os países lutarem juntos em vários conflitos no marco da Otan. Ele criticou a duplicação das taxas tarifárias sobre o aço e alumínio turcos. 

"Existe uma Organização Mundial de Comércio. Não se pode ir dormir e, quando se acorda, existe a notícia de que há novas tarifas ao aço'", disse o líder turco.

Erdogan negou também, como já fez ontem (12) seu genro e ministro de Economia, Berat Albayrak, que a Turquia tenha intenção de confiscar os depósitos em moeda estrangeira ou transformá-las à força em liras turcas para conter a queda da divisa nacional.

*Com informações da Agência EFE

Queermuseu terá classificação indicativa de 14 anos no Rio

seg, 13/08/2018 - 12:24

A exposição Queermuseu terá classificação indicativa de 14 anos. A determinação é do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), que expediu recomendação para que o curador da exposição, Gaudêncio Fidelis, providencie a afixação, “em lugar visível e de fácil acesso”, da natureza da mostra, que apresenta obras com conteúdo de nudez e sexo.

A recomendação, divulgada na página do MPRJ neste fim de semana, foi feita pela 1ª Promotoria de Justiça da Tutela Coletiva da Infância e da Juventude da capital e é direcionada também aos representantes da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, sede da exposição.

Na nota, o Ministério Público lembra a polêmica causada pela exposição no ano passado, em Porto Alegre, com muitos pais de crianças queixando-se da falta de aviso prévio sobre o conteúdo das manifestações artísticas executadas.

A recomendação do MPRJ, já entregue em mãos ao responsável pela Escola de Artes Visuais do Parque Lage e ao advogado da Associação dos Amigos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, segue parecer emitido pelo Ministério da Justiça para o caso. O ministério não indica a mostra para menores de 14 anos e recomenda que informações sobre ela constem de folders, ingressos e propagandas do evento.

As mesmas indicações devem estar presentes no material de divulgação para as escolas, para que os pais e responsáveis pelos alunos saibam qual o conteúdo que será exibido.

O MPRJ fundamenta sua argumentação no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e também em uma portaria do Ministério da Justiça. Em um dos artigos de seus artigos, a portaria ressalta que “o processo de classificação indicativa integra o sistema de garantias dos direitos da criança e do adolescente, cujo objetivo é promover, defender e garantir o acesso a espetáculos e diversões públicas adequados à condição peculiar de seu desenvolvimento”. Em outro artigo, a pasta destaca o fato de “a classificação indicativa ter natureza pedagógica e informativa capaz de garantir à pessoa e à família conhecimento prévio para escolher diversões e espetáculos públicos adequados à formação de seus filhos, tutelados ou curatelados”.

Pastor quer outra classificação

A Queermuseu, que gerou polêmica desde que estreou em Porto Alegre e foi cancelada após críticas nas redes sociais, voltou a ser notícia na semana passada quando a Associação Vitória em Cristo (Avec), entidade religiosa presidida pelo pastor Silas Lima Malafaia, protocolou no Ministério Público representação defendendo classificação indicativa de 18 anos para que a exposição, que entra em cartaz sábado (18), no Parque Lage.

Na representação ao MP, a Avec diz que, ao pleitear tal classificação etária, levou em consideração "toda a controvérsia sobre o tema, bem como a natureza de parte das obras presentes na exposição”, que tem “forte abordagem homossexual, além de apresentar cenas de pedofilia, pornografia, zoofilia e de desrespeito a figuras religiosas”.

No comunicado onde estipula a classificação indicativa de 14 anos, no entanto, o MP não associa a decisão ao pedido da Avec. A Queermuseu será aberta antecipadamente para a imprensa na quinta-feira (16).

Economia mundial reage a crise entre Turquia e EUA e pode atingir Otan

seg, 13/08/2018 - 12:20

Agência Brasil*

Brasília - As tensões entre os Estados Unidos e a Turquia afetam as bolsas de valores da Ásia e atingem também o restante do mundo. As reações ocorrem após o governo norte-americano impor sanções ao país e dobrar as tarifas ao aço e ao alumínio. Com a decisão, aumentou a desconfiança dos investidores estrangeiros na Turquia e caiu o valor da lira turca no mercado, perdendo mais de 25% só este mês.

Paralelamente, há, ainda, o risco de as tensões impactarem na ação das tropas norte-americanas na Síria e na unidade da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), segundo especialistas.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, advertiu que não hesitará em responder se os Estados Unidos. O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu, afirmou hoje (13) que seu  país fez "o suficiente" para superar as tensões: "Estamos abertos à diplomacia e ao consenso, mas aceitar imposições está fora de cogitação".

O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, exige que a Turquia liberte o pastor Andrew Brunson, detido há dois anos sob acusações de terrorismo e espionagem. Paralelamente, os turcos acusam os Estados Unidos de apoiar milícias curdas na Síria, consideradas terroristas.

Acusações

Tayyip Erdogan acusou hoje o governo norte-americano de "apunhalar a Turquia pelas costas", mediante medidas econômicas, apesar de ambos países lutarem juntos em vários conflitos no marco da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Ele criticou a duplicação das taxas tarifárias sobre o aço e alumínio turcos. 

"Existe uma Organização Mundial de Comércio. Não se pode ir dormir e quando acorda, existe a notícia de que há novas tarifas ao aço'", disse o líder turco.

Erdogan negou também, como já fez ontem seu genro e ministro de Economia, Berat Albayrak, que a Turquia tenha intenção de confiscar os depósitos em moeda estrangeira ou transformá-las à força em liras turcas para conter a queda da divisa nacional.

*Com informações da Agência EFE.

Secretário dos EUA discute com brasileiros defesa na América do Sul

seg, 13/08/2018 - 11:37

Pela primeira vez no Brasil, o secretário de Defesa dos Estados Unidos (EUA), James Mattis, desembarcou em Brasília e abriu a agenda oficial na manhã de hoje (13) ao se encontrar com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira. À tarde, o responsável pelo Pentágono tem uma reunião fechada com o ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, seguida por vários encontros bilaterais dentro do Ministério da Defesa.

Mattis ainda têm agenda na América do Sul até sexta-feira (17) com visitas ao Chile e à Colômbia.

Ainda sem confirmação oficial, há expectativa de que Mattis conceda entrevista coletiva ao lado de Silva e Luna, por volta das 15h, para ressaltar temas tratados em torno de acordos e parcerias entre os dois países. Um assunto que interessa ao Brasil e pode vir à tona nas conversas é a retomada do acordo para a construção da base de lançamento de satélite de Alcântara (MA).

General James Mattis, secretário de Defesa dos EUA - Chris Kleponis/ Pooll/EFE

Em seguida, Mattis embarca para o Rio de Janeiro. Na capital fluminense, ele fará palestra sobre defesa na Escola Superior de Guerra amanhã. Também está planejada visita ao monumento à Segunda Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo. Depois, ele segue para Buenos Aires, na Argentina.

Venezuela

Jim Mattis, como é conhecido pela imprensa norte-americana, ocupa um dos postos mais importantes do governo e está desde o início da administração Trump na pasta. Há expectativa de que na viagem à América do Sul seja tratada a crise na Venezuela.

Nos últimos dias, a suposta tentativa de assassinato do presidente venezuelano Nicolás Maduro refletiu em uma série de medidas contra opositores locais. Uma delas foi a ordem de prisão de dois deputados de oposição e mais 19 suspeitos.

O Brasil e 11 países que integram o Grupo de Lima emitiram nota de repúdio à repressão de partidos de oposição e defenderam uma investigação transparente sobre o atentado.

Maduro sinalizou que aceita a colaboração do FBI nas investigações desde que apure também supostos vínculos nos Estados Unidos.

 

Disputa entre EUA e Turquia afeta as bolsas asiáticas

seg, 13/08/2018 - 11:17

Os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Turquia, Recep Erdogan, travam uma queda de braço que está afundando a economia turca. A lira caiu 14% em relação ao dólar na sexta-feira, a maior queda em uma década, e levou as bolsas asiáticas a uma baixa geral nesta segunda-feira (13).

O motivo da disputa que transbordou para a lira é o pastor norte-americano Andrew Brunson, preso na Turquia desde 2016, acusado de espionagem. Para os Estados Unidos, ele é um refém político que deve ser libertado imediatamente.

O presidente Erdogan ameaça trocar a parceria com Washington por Moscou e se queixa que um pastor valha mais do que ele, um estratégico membro da Aliança do Atlântico Norte, OTAN. A diplomacia da força de Trump impôs sobretaxas ao aço e alumínio à Turquia. E o Congresso americano aprovou uma legislação que condiciona a entrega de aviões F-35 à força aérea turca à libertação do pastor.

Erdogan e Trump também estão em campos opostos na Síria, um atacando e outro protegendo os curdos. O que pode a Turquia, como retaliação, é comprar petróleo iraniano, violando as sanções com as quais os Estados Unidos pretendem sufocar o Irã. O tombo da lira leva junto outras moedas de países emergentes e detona o alarme em vários bancos europeus que guardam ativos turcos.

O próprio Erdogan tem certa culpa na crise financeira: ele apostou que juros baixos resultariam em inflação baixa e nomeou o seu genro como ministro das Finanças. O resultado: a inflação, na verdade, saiu de controle, agora em 15,9% quando deveria estar em 5% Há um provérbio turco que o presidente Erdogan parece ter esquecido: Escute cem vezes, pondere mil e fale apenas uma vez.

Na manhã de hoje (13), Moscou deu seu aval para a Turquia negociar em moedas locais, abandonando o dólar. Os países mencionados pelo Kremlin são a China, Rússia e a Ucrânia. A lira caía 7,24% diante do dólar na abertura das bolsas asiáticas.

*O jornalista Moisés Rabinovici é comentarista da Rádio Nacional e apresentador do programa Um olhar sobre o Mundo, na TV Brasil.

PIS/Pasep: resgate começa amanhã para trabalhadores de todas as idades

seg, 13/08/2018 - 10:30

A partir desta terça-feira (14), trabalhadores de todas as idades que tiverem direito a cotas dos fundos dos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) poderão sacar seus recursos. O prazo ficará aberto até 28 de setembro.

Para saber o saldo e se tem direito ao benefício, o trabalhador pode acessar os sites do PIS e do Pasep. Para os cotistas do PIS, também é possível consultar a Caixa Econômica Federal no telefone 0800-726-0207 ou nos caixas eletrônicos da instituição, desde que o interessado tenha o Cartão Cidadão. No caso do Pasep, a consulta é feita ao Banco do Brasil, nos telefones 4004-0001 ou 0800-729-0001.

Têm direito ao saque as pessoas que trabalharam com carteira assinada antes da Constituição de 1988. As cotas são os recursos anuais depositados nas contas de trabalhadores criadas entre 1971, ano da criação do PIS/Pasep, e 1988.
 

Agência da Caixa (José Cruz/Arquivo Agência Brasil)

Quem contribuiu após 4 de outubro de 1988 não tem direito ao saque. Isso ocorre porque a Constituição, promulgada naquele ano, passou a destinar as contribuições do PIS/Pasep das empresas para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que paga o seguro-desemprego e o abono salarial, e para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Até 2017, o saque das cotas era permitido quando o trabalhador completasse 70 anos, em caso de aposentadoria e em outras situações específicas. Desde o ano passado, o governo federal flexibilizou o acesso e até setembro pessoas de todas as idades podem retirar o dinheiro.

Em julho, o pagamento foi suspenso para o cálculo do rendimento do exercício 2017-2018. Na primeira etapa do cronograma, encerrada no dia 29 de junho, 1,1 milhão de trabalhadores fizeram o saque, retirando uma soma de R$ 1,5 bilhão.

Desde o dia 8 de agosto, o crédito para correntistas da Caixa e do Banco do Brasil está sendo feito automaticamente. A partir de amanhã, todas as pessoas poderão sacar os recursos corrigidos. A partir de 29 de setembro, só será possível receber as quantias dos dois fundos nos casos previstos na Lei 13.677/2018.

Estimativa do mercado financeiro para inflação sobe para 4,15%

seg, 13/08/2018 - 09:21

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) aumentaram a projeção para a inflação este ano. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 4,11% para 4,15%, neste ano. A informação consta da pesquisa Focus, publicação elaborada semanalmente pelo BC, com projeções de instituições financeiras para os principais indicadores econômicos.

Para as instituições, o IPCA em 2019 deve ficar em 4,10%. Para 2020 e 2021, a estimativa é 4%.

Para 2018 e 2019, essas estimativas estão abaixo da meta que deve ser perseguida pelo BC. Neste ano, o centro da meta é 4,5%, com limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a previsão é 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Para 2020, a meta é 4% e 2021, 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos (2,5% a 5,5% e 2,25% a 5,25%, respectivamente).

Para alcançar a meta de inflação, o BC usa como instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,5% ao ano.

De acordo com as instituições financeiras, a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano até o final de 2018. Para 2019, a expectativa é de aumento da taxa básica, terminando o período em 8% ao ano.

Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

A manutenção da Selic, como prevê o mercado financeiro neste ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Atividade econômica

A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – foi ajustada de 1,5% para 1,49%, neste ano. Para 2019, 2020 e 2021, a estimativa para o crescimento do PIB foi mantida em 2,5%.

A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar permanece em R$ 3,7 no final deste ano e no fim de 2019.

 

Polícia e MP fazem operação contra o jogo do bicho no Rio

seg, 13/08/2018 - 08:34

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro deflagraram hoje (13) a Operação Saigon, para combater o jogo do bicho em Niterói e na Região dos Lagos.  

Durante a ação, foram presos os chefes da quadrilha, os irmãos Luis Anderson e Alexandre de Azeredo Coutinho. Luis Anderson foi preso no bairro de Icaraí, em Niterói, junto com a esposa, e Alexandre foi detido em Cabo Frio. Segundo a polícia, a quadrilha movimentava até R$ 10 milhões por mês.

Os agentes cumprem 23 mandados de prisão e 35 de busca e apreensão contra denunciados por crimes de organização criminosa e peculato, entre eles policiais civis e militares. As investigações comprovam que os irmãos corrompiam funcionários públicos, principalmente agentes da Força de Segurança. Contava também com a atuação de policiais e ex-policiais.

O policial aposentado Allan Kardec era o elo entre os criminosos e as delegacias, informou a Polícia Civil.  A sofisticação da quadrilha chegava ao ponto de oferecer plano de saúde e tinha um setor de tesouraria.

Maduro diz que aceita colaboração do FBI, mas impõe condições

seg, 13/08/2018 - 07:54

O presidente da Venezuela,  Nicolás Maduro, disse que aceita a colaboração do FBI nas investigações sobre o suposto atentado que sofreu há nove dias, desde que os norte-americanos apurem os vínculos existentes com "células terroristas" na Flórida (Estados Unidos].

Em nota no último sábado (11), o Grupo de Lima, formado pelo Brasil e mais 11 países, apelou para uma investigação internacional sobre o suposto ataque de drones durante cerimônia pública, em Caracas, cujo alvo seria Maduro.
 

Nicolás Maduro (Reuters/Marco Bello/Direitos reservados)

"Se o governo dos Estados Unidos ratificar a cooperação do FBI para as investigações dos vínculos [dos supostos responsáveis pelo ataque com o estado] da Flórida [nos Estados Unidos] com o plano de assassinato e do atentado terrorista, eu aceitarei. Estaria de acordo que o FBI venha", afirmou o presidente venezuelano.

Segundo Maduro, o estado da Flórida (nos Estados Unidos) tem "células terroristas" coordenadas com o empresário Osman Delgado Tabosky, que supostamente estaria por trás da explosão de drones, no momento em que ele discursava em uma cerimônia militar, no último dia 4.

Há cinco dias, o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, se reuniu com o encarregado de Negócios dos Estados Unidos em Caracas, James Story. Depois da reunião, a Chancelaria informou que Story "expressou sua preocupação" e manifestou interesse em cooperar com a Venezuela.

Em busca de responsáveis pelo suposto atentado, o governo Maduro expediu ordem de prisão contra dois deputados de oposição e deteve 19 pessoas. 

*Com informações da Andina, agência pública de notícias do Peru

Pela primeira vez, secretário da Defesa dos EUA visita o Brasil

seg, 13/08/2018 - 07:12

O secretário de Defesa dos Estados Unidos (EUA), James Mattis, 67 anos, está na América do Sul pela primeira vez. Nesta segunda-feira (13), ele deverá ter reuniões, em Brasília, com os ministros Joaquim Silva e Luna, da Defesa, e Aloysio Nunes Ferreira, das Relações Exteriores.

Em discussão, alternativas para avançar na cooperação nas áreas técnica, científica, político-militar e indústria de defesa. Há ainda a expectativa de ele ir ao Rio de Janeiro para uma palestra na Escola Superior de Guerra.
 

James Mattis, secretário de Defesa dos EUA (Chris Kleponis/EFE/Direitos Reservados)

As parcerias entre dois países, em tempos de paz, são para troca de conhecimento, treinamento de militares e aperfeiçoamento de técnicas e informações, segundo especialistas que acompanham o assunto.

Na visita ao Brasil, Mattis deverá participar de reuniões dos grupos de Diálogo Político-Militar e da Indústria de Defesa. O esforço é para ampliar os mecanismos de cooperação bilateral para elevar o comércio na área.

O Brasil e os Estados Unidos não mantêm acordos de aliança militar. Quando há esse tipo de acordo, os dois países negociam ações militares, com planejamento de exercícios de guerra defensivos e ofensivos.

Mercado

No momento, os norte-americanos negociam a compra de 300 aeronaves Embraer EMB-314, conhecidas como Super Tucano – um monomotor para treinamento avançado. Também há um comércio intenso de armas de fogo de pequeno porte.

A partir dos anos 2000, o Brasil e os Estados Unidos intensificaram o intercâmbio de experiências por meio de grupos de diálogo, que possibilitaram incrementar o comércio e o desenvolvimento de projetos comuns.

Perfil

General da reserva do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, Mattis foi nomeado para a Defesa em 2016. Como militar da ativa, foi chefe do Comando Central das Forças Armadas, coordenando ações no Oriente Médio, na África e Ásia.

 

Morre em São Paulo Cláudio Weber Abramo

seg, 13/08/2018 - 06:49

O jornalista e matemático Cláudio Weber Abramo, de 72 anos, morreu ontem (12) em São Paulo. Ele se submetia a um tratamento de combate ao câncer no Hospital Samaritano, na capital paulista.
 

Referência no trabalho de combate à corrupção e na defesa da ética, Abramo é um dos fundadores da organização não governamental (ONG) Transparência Brasil. Era vice-presidente do Conselho Deliberativo da entidade e foi diretor executivo.

Além de jornalista, era bacharel em matemática pela Universidade de São Paulo e mestre em filosofia da ciência pela Universidade Estadual de Campinas. Trabalhou nos jornais Folha de S. PauloGazeta Mercantil, entre outros.

Após explosão em Ipatinga, sindicato quer mais segurança

seg, 13/08/2018 - 06:39

Após a explosão de um gasômetro na Usiminas de Ipatinga (MG) há três dias, o Sindicato dos Metalúrgicos quer mais garantias e condições de segurança para os trabalhadores. A assessoria da Usiminas informou que hoje (13) o expediente em Ipatinga será retomado e gradativamente a normalidade será instalada. Algumas áreas, sem conexão com o setor afetado, reiniciaram suas atividades um dia após a explosão.

O acidente ocorreu na última sexta-feira (10) por volta das 12h40, quando muitos trabalhadores estavam em horário do almoço, o que para especialistas, foi positivo, pois o impacto da explosão poderia ter sido maior.

“O sindicato exige a garantia de que não tenha mais risco para os trabalhadores. Poderia ter sido uma tragédia maior, poderia ter matado trabalhadores e intoxicado a população da cidade”, afirmou em entrevista à Agência Brasil o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Ipatinga e Região, Geraldo Magela.

Normalidade

Em seu último comunicado à imprensa, a Usiminas informa que “prossegue com o plano de retomada gradual das operações, com a máxima segurança” e afirma que as causas “continuam sendo investigadas pelas equipes técnicas, com o apoio de autoridades competentes”.

Segundo o presidente do sindicato, a Usiminas não oferece treinamento adequado para os trabalhadores que atuam em áreas de risco, não faz manutenção adequada nos equipamentos e deixa de fornecer os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) necessários para garantir a segurança dos trabalhadores.

Em nota, a Usiminas afirma que segue as melhores práticas internacionais de segurança, alinhadas às da siderurgia mundial, e esclarece que todas as denúncias que chegam por meio dos sindicatos são integralmente apuradas. “As denúncias, independentemente de sua natureza, são verificadas e recebem o devido tratamento por parte da empresa.”

Investigações

Magela disse que o sindicato quer que um integrante da entidade acompanhe diretamente as investigações sobre a explosão do gasômetro. Foi enviado um ofício com a solicitação. Nesta segunda-feira (13) haverá reunião de um representante sindical com a direção da Usiminas.

Com relação ao acidente, a empresa destaca que as causas continuam em apuração por equipes técnicas. “Os trabalhos estão sendo acompanhados pelas autoridades competentes. A empresa reitera que está disponibilizando todas as informações solicitadas pelos órgãos do Poder Público."

O Ministério Público de Minas Gerais e representantes de órgãos ambientais instalaram um gabinete de crise para apurar o acidente e investigar a dimensão da explosão. O promotor responsável pelo trabalho, Rafael Pureza Nunes da Silva, afirmou que um inquérito civil público será instaurado para verificar os danos ambientais. A ação será conduzida pela Promotoria de Justiça do Meio Ambiente de Ipatinga.

Semelhança

Para Magela, as condições que provocaram a explosão no último dia 10 são semelhantes às que mataram o trabalhador Luís Fernando Pereira, de 38 anos, apenas dois dias antes do acidente. O trabalhador terceirizado fazia manutenção da tubulação que leva o gás para o gasômetro. A suspeita do sindicato é de que ele tenha se intoxicado com gás durante a operação.

 

Congresso terá novo intervalo de duas semanas com corredores vazios

dom, 12/08/2018 - 19:33

Ainda sem pauta definida para o próximo período de "esforço concentrado" no Congresso Nacional, marcado para dias 28 e 29 de agosto, deputados e senadores, até lá, devem deixar mais uma vez  corredores e plenário da Casa vazios, como é comum em ano eleitoral.

Em meio a articulações de campanha eleitoral nos estados, é consenso entre os parlamentares que este não é o momento de debater temas polêmicos que possam ter reflexo no resultado das urnas em outubro. Prova disso foi o balanço da primeira semana de "esforço", nos dias 7 e 8 de agosto. No primeiro dia, foram aprovados alguns projetos, mas no segundo, não houve quórum para votações.

No Senado, foram aprovados o substitutivo da Câmara 2/2018 ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 618/2015, que tipifica os crimes de importunação sexual e de divulgação de cena de estupro, e o PLS 186/2018, que proíbe as companhias aéreas de cobrar valor adicional para marcação de assentos em voos operados no país. Também foi aprovado o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 112/2014, que assegura o atendimento, no âmbito do Sistema Único de Saúde, a famílias e indivíduos em situação de vulnerabilidade ou risco social sem a necessidade de comprovação de residência.

Para o fim de agosto, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), não quis adiantar a pauta. “Vamos fazer pauta intensa para o próximo esforço concentrado. Não sei quais projetos iremos pautar. No meu estilo de buscar harmonia, dividir o poder e não ser o dono do poder, vou conversar com os líderes. Acho, inclusive, que esses esforços concentrados democratizam mais ainda, porque partem dos líderes, e dos senadores que não são líderes, os pedidos para que matérias entrem na pauta”, destacou.

Na Câmara, a produtividade foi bem menor. No primeiro dia, o plenário aprovou três medidas provisórias que faziam parte do acordo do governo federal para encerrar a paralisação dos caminhoneiros, ocorrida no fim de maio. Entre as propostas, foi aprovada a que isenta os eixos suspensos (vazios) de caminhão da cobrança de pedágio, que, em seguida, foi aprovada pelos senadores.

Na área da educação, a Câmara votou proposta que estabelece diretrizes para valorização de profissionais da rede básica pública. Também foi aprovado o texto que obriga estabelecimentos de ensino a notificar representantes do Ministério Público, juízes de primeira instância e o Conselho Tutelar do respectivo município sobre os alunos que faltarem acima de 30% do permitido em lei. Hoje, a comunicação é feita somente quando as ausências ultrapassam 50%.

No segundo dia do "esforço concentrado" na Câmara, reuniões de comissões foram canceladas ou suspensas por falta de quórum. Uma das comissões iria analisar parecer sobre o projeto de lei que põe fim aos chamados “penduricalhos” na remuneração dos servidores. Já o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ) não foi ao Congresso. Ele ficou despachando na residência oficial.

No Rio, Feira do Podrão celebra comida popular e premia açaí e coxinha

dom, 12/08/2018 - 19:05

Não é incomum que turistas em visita ao Rio de Janeiro se surpreendam ao ouvir um carioca dizer que vai comer um "podrão". A gíria, amplamente disseminada entre os moradores, pode soar a um desavisado como alerta para um produto reprovável, mas, na verdade, diz respeito a alimentos que fazem parte da cultura e do dia-a-dia da cidade. Trata-se da comida rápida oferecida nas ruas por vendedores ambulantes.

Do cachorro-quente na saída do trabalho ao "x-tudo" na porta de cinemas e boates, as guloseimas muitas vezes são incrementadas com uma imensa variedade de ingredientes: batata palha, milho verde, ervilha, azeitona, ovo de codorna, etc. Os "podrões" existem espalhados por toda a cidade, seja de maneira dispersa em bairros mais periféricos, ou de forma concentrada em áreas de movimentação noturna de jovens, como a região da Lapa, no centro.

Para celebrar essa gastronomia popular, a Feira Nacional do Podrão reuniu, ontem (11) e hoje (12), diversos vendedores em um só lugar.

Lanches e gastronomia popular de rua no Terreirão do Samba. - Fernando Frazão/Agência Brasil

No Terreirão do Samba, no centro da cidade, milhares de pessoas tiveram a oportunidade de experimentar alimentos produzidos em mais de 30 barracas. Elas traziam uma variedade significativa de alimentos, entre os quais sanduíches, cachorro-quente, tapioca, churrasquinho, pizza, yakisoba, esfirra, batata-frita, coxinha, churros e açaí. Os preços de cada "podrão" variavam de R$ 3 a R$ 40. Foram oferecidos desde lanches individuais até os que podiam ser compartilhados por toda uma família.

O público também pôde manifestar suas preferências por meio de voto popular e, ao final, o Açaí Tumucumaque foi premiado como o "podrão mais gostoso".

Podrão exêntrico

A Delicoxinha foi, apontada como o "podrão mais excêntrico" devido à sua coxinha de um quilo. A Batata de Marechal, mesmo tendo exigido paciência dos interessados, que enfrentaram extensa fila, teve o reconhecimento de estabelecimento com o melhor atendimento. A menor porção da batata, cuja fama já ultrapassa os limites do bairro de Marechal Hermes, serve bem quatro pessoas. Os vendedores responsáveis por cada um dos três premiados receberão uma quantia de R$ 2 mil.

A Feira Nacional do Podrão foi idealizado por Suzanne Malta e Natália Alves, responsáveis pelo blog Onde Comer no Rio. "Nossa ideia era valorizar essa comida de rua de raiz e fazer um evento que fosse um pouco na contramão da 'gourmetização'. A gente tem visto, em muitos eventos, os espaços sendo dados apenas aos vendedores dos chamados hambúrgueres artesanais. E o "podrão" tem o seu valor, tem preços bem acessíveis e são bem fartos", disse Suzanne.

Emerson Farias comprou um barco de hamburguer na feira - Fernando Frazão/Agência Brasil

O evento chegou à sua segunda edição após o sucesso da primeira, realizada em março na sede do Sindicato de Telefonia do Rio de Janeiro (Sinttel), na Tijuca. Com o apoio da prefeitura, a iniciativa foi deslocada para o Terreirão do Samba. A programação também contou apresentações circenses e shows dos grupos Intimistas e Revelação. Além disso, a área infantil fez do evento uma boa opção para um programa em família.

O acesso à feira se dava mediante a aquisição de um ingresso de R$ 5 e a doação de um quilo de alimento não perecível. O projeto das organizadoras é que o evento entre de vez no calendário da cidade do Rio de Janeiro e seja realizado uma ou duas vezes por ano.

"A curadoria foi na rua. Fomos aos bairros, experimentamos. Também recebemos indicações pelas das redes sociais e fomos conhecer. Os selecionados tiveram uma palestra de empreendedorismo junto ao Sebrae [Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas]. Eles receberam diploma de vigilância sanitária. Fizemos um trabalho completo. Não foi apenas reuni-los aqui para vender produtos e ganhar dinheiro. Houve uma campanha de preparação do evento", afirmou Natália. Segundo ela, os selecionados são de diversas regiões, mas há uma maior prevalência de barracas provenientes da zona norte. Além disso, há ainda alguns vendedores de outros municípios da região metropolitana e um de Angra dos Reis, o Los Praianos, que comercializa paletas mexicanas.

 

Mais de 30 barracas ofereceram iguarias, incluindo a coxinha de um quilo, considerada o "podrão" mais exêntrico  – Fernando Frazão/Agência Brasil

Algumas iguarias foram preparadas especificamente para o evento. É o caso da pizza de costela da Mano Pizza, de Queimados, município da Baixada Fluminense. A inovação foi bem sucedida, segundo a vendedora Aurilane Sena. Ela também aprovou o evento. "Estamos tendo contato com pessoas diferentes, gostos diferentes. Recebemos dicas de um moça da Bahia que nos acrescentou bastante e que vou levar em consideração", ressaltou.

Para a advogada Nida Reis e sua filha, o evento se tornou uma oportunidade de programa familiar. Elas dividiram um sanduíche e escolheram um lanche para levar para o sobrinho que aguardava em casa. A advogada destacou as particularidades dos alimentos de cada região do Rio de Janeiro. "Tem diferença. Nós moramos em Copacabana e por lá atualmente só tem hamburgueria artesanal. Geralmente os lanches são caros. E aqui temos várias opções de podrões, que é bem mais barato e muito saboroso", elogiou.

Dia dos pais

A Feira Nacional do Podrão se transformou ainda em um programa de Dia dos Pais. Foi o caso de Mauro Cordeiro, que lá estava com seus dois filhos. "O carioca é muito eclético. E é bom ver essa reunião de coisas específicas dos bairros, sobretudo do subúrbio. A gente acaba conhecendo a comida de outras regiões. É comida rápida, fora de hora, gostosa, que já é comum para o carioca. E para o dia de hoje foi um excelente programa", avaliou.

Sua filha, a estudante de engenharia Mariana Oliveira, estava bastante feliz com o que carregava nas mãos: o açaí que logo viria a ser premiado como o "podrão" mais gostoso . "Para mim, cada açaí é diferente e esse aqui está bem bom. Não sei explicar o porquê, mas está bem gostoso". Ela destacou a oportunidade oferecida pelo evento. "É bem interessante. O açaí é de Cavalcanti e nós moramos na Penha. Então dificilmente iríamos conhecê-lo. Aqui se reúnem os podrões de vários lugares do Rio".

O responsável pela guloseima que faz sucesso em Cavalcanti, na zona norte do Rio, é Rodrigo Rafael. "Eu vendia doces na rua e um dia apareceu um trailer disponível para aluguel. Eu e minha mulher pensamos em vender açaí. O dono do trailer não acreditava que teria saída, mas mesmo assim decidimos tentar. Fui aprender a fazer e foi um sucesso. Ficamos três anos no trailer e hoje, graças a Deus, já estamos com uma loja. No verão, chegamos a vender 15 toneladas de açaí por mês. O nosso crescimento foi muito rápido", celebrou. O Açaí Tumucumaque oferece algumas peculiaridades como o açaí na melancia e o açaí batido no liquidificador, que inclui frutas e chocolate e possui até 2 litros e meio para quem deseja compartilhar.

Chuva de meteoros poderá ser vista nesta madrugada

dom, 12/08/2018 - 18:19

Admiradores de fenômenos astronômicos e curiosos poderão acompanhar na madrugada desta segunda-feira(13) uma das chuvas de meteoros mais populares do ano, as Perseidas. O fenômeno pode ser visto a olho nu desde já é visível no país desde as 17 horas (horário de Brasília). 

As Perseidas têm esse nome por ocorrer próximo a constelação de Perseu. Chuvas de meteoros acontecem quando os meteoros entram na atmosfera terrestre ao mesmo tempo, causando riscos luminosos no céu, popularmente chamados de "estrelas cadentes". 

Em via de regra, o fenômeno acontece porque a Terra atravessa a órbita de algum cometa, ao longo da qual há infinidade de fragmentos do próprio cometa espalhados. No caso das Perseidas,  nosso planeta está cruzando a trilha de destroços deixados pelo cometa Swfit-Tuttle que tem um período de 133 anos. 

A trilha deixada pelo cometa é bem larga e está visível desde o dia 17 de julho indo até o dia 24 de agosto, quando a Terra só deve sair a órbita do cometa. Este ano, o pico máximo da chuva se dá entre os dias 11 e 13 de agosto, quando é esperado um número  máximo de 60 meteoros por hora. 

Visibilidade

A chuva das Perseidas é mais visível para observadores no hemisfério Norte. No Brasil, as regiões Norte e Nordeste são os melhores lugares para observar o fenômeno. O melhor horário será por volta das 2h da madrugada. Para quem estiver no Sudeste e noCentro-Oeste, a chuva estará mais visível a partir das 3h, em Brasília, e das 5h, em São Paulo. A constelação de Perseu aparecerá no céu já próximo do nascer do sol , o que praticamente inviabiliza a observação.

Para localizar a constelação de Perseu basta identificar inicialmente a constelação de Órion, onde ficam as Três Marias. Ao localizá-las, o observador deve seguir o olhar em direção ao o norte, onde está a constelação de Touro e, ao lado, a de Perseu.

A chuva desta madrugada é uma das muitas que ocorrem ao longo do ano e que podem ser vistas a olho nu. Em maio, por exemplo, foi a vez da chuva a Eta Aquariid, ou Eta Aquáridas, que teve seu pico na madrugada do dia 6 e foi visível em todo o Brasil . A chuva recebeu este nome, porque o seu radiante está localizado na constelação de Aquário, próximo da estrela mais brilhante da constelação, a Eta Aquarii. 

A Eta Aquáridas é formada por fragmentos do Cometa Halley, um cometa com período orbital de cerca de 75,3 anos e seu próximo periélio será no ano de 2061, quando poderá ser visto novamente da Terra. Outra chuva de meteoros "nascida" do Halley é de Orionids, que ocorre em outubro.

Um mês antes, em abril, ocorreu a primeira das tradicionais chuvas de meteoros anuais e de grande intensidade: as Lyrids, ou Líridas. O nome se deve ao fato de que a região do céu da qual a chuva parece estar vindo em direção à Terra fica na constelação Lyra.

No Brasil, as Líridas tiveram teve seu pico máximo, na passagem do dia 22 para o dia 23 de abril, quando foi possível observar um fluxo de 10 a 20 meteoros por hora.

Registro

Quem registrar imagens de meteoros desta chuva pode enviá-las ao projeto Exoss, uma rede colaborativa, que busca conhecer as origens, natureza e caracterização de órbitas dos meteoros.

Na página da rede é possível obter dá dicas de como fotografar meteoros, explica os fenômenos, oferece estatísticas de meteoros e meteoritos e orienta os interessados para fazer observação visual, além de mostrar imagens em tempo real das estações instaladas.

No Brasil, são integrantes da Exoss, a sede do Observatório Nacional no Rio de Janeiro, o Observatório Astronômico do Sertão de Itaparica, em Itacuruba, Pernambuco. Essa rede reúne e analisa, ainda, os relatos e imagens enviadas pelo público.

 

*Com informações da rede Exoss e do Observatório Nacional

 

 

 

 

 

Artista plástico Roberto Camasmie é o entrevistado de Roseann Kennedy

dom, 12/08/2018 - 15:25

Com 50 anos de carreira, o paulista Roberto Camasmie é um dos mais renomados artistas plásticos do país. Descendente de família síria com libanesa, já retratou personalidades como Jaqueline Onassis, Sophia Loren, Catherine Deneuve e a princesa Diana. Além de seus famosos retratos, o artista pinta bonecas, flores, madonas, animais, santas, cidades, paisagens e imprime sua marca numa série de produtos que ficam à disposição para licenciamentos, como abajures, malas, agendas, joias, bolsas e até tupperwares. Para Camasmie, a arte tem que ser popular. “A arte tem que estar na mão do povo e não só de uma elite.”

Aos mais eruditos, que acreditam que a arte é para poucos, Camasmie manda um recado. “A arte não se entende. A arte se gosta ou não. Essa história de parar na frente de um quadro e dizer que não entende nada de arte, é burrice. Ou você gosta ou não da obra.”

Artista plástico Roberto Camasmie é o entrevista de Roseann Kennedy - EBC

Em entrevista ao programa Conversa com Roseann Kennedy, que vai ao ar nesta segunda-feira (13), o artista fala da trajetória profissional, do processo criativo e de um projeto de reality show que terá como foco a produção artística. “Eu comecei muito cedo, com 11 anos de idade, criando a Capela Sistina no 'puxado' da casa da minha avó.”

Para Roberto, o processo de criação vem da alma. “Eu comecei sem nenhuma orientação. Eu acho que o artista nasce artista, ele não se torna um artista.”

Em sua galeria na esquina da Rua Bela Cintra com a Lorena, região paulistana dos Jardins, as obras de Camasmie ficam sempre à mostra. Com frequência, pedestres e interessados em arte conseguem acompanhar parte de suas produções pelas vitrines. Com bom humor, Roberto revela que já foi plagiado, mas diz não se importar com isso. “Tudo que é plagiado é um sucesso. Porque o sucesso é plagiado. Não me incomoda em nenhum momento. Eu acho que se faz sucesso, tem que ser copiado. Porque se não faz sucesso, ninguém vai querer copiar. Eu acho ótimo isso!”

Do nanquim ao tecido, utilizando vários elementos inusitados em suas obras como vinho, chocolate e o singelo lápis de cor, Camasmie é incansável e brinca com a sua própria compulsividade quando se trata de criar novas obras. “Eu preciso é parar um pouco de criar. Porque não tenho mais espaço. São quatro, cinco, seis obras por dia. Porque são peças grandes que eu produzo. Mas eu acho que a minha vida é essa.”

O programa Conversa com Roseann Kennedy vai ao ar na TV Brasil, às segundas-feiras, às 21h15.

Rompimento de canal da transposição pode ter sido criminoso

dom, 12/08/2018 - 14:59
Equipes do Ministério da Integração Nacional informaram hoje (12) que o rompimento de um canal do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco, entre os municípios de Terra Nova e Salgueiro, em Pernambuco, na  tarde de sábado (11), tem evidências de ato criminoso.

 

Transposição do Rio São Francisco - Divulgação/Ministério da Integração Nacional

“Relatos de moradores que vivem no entorno informam que a ação dos envolvidos tinha como objetivo desviar o curso d’água daquele ponto para que fosse possível encher um reservatório nas imediações. Ação semelhante aconteceu em junho do ano passado, em um trecho no município de Cabrobó (PE)”, diz nota divulgada pelo ministério.

A pasta informou que técnicos estão no local atuando para recuperar a estrutura, que deverá ser normalizada em até 48 horas. O ministério conta com o apoio da Polícia Militar do estado para investigação do fato.

“Paralelamente, também foram designadas equipes para verificar todo o perímetro e avaliar possibilidades de danos a comunidades no entorno. Nas proximidades do canal não há registro de moradores”, diz o comunicado.

Saúde mental não deve ser tabu, avaliam pesquisadores

dom, 12/08/2018 - 13:22

Falar sobre saúde mental, depressão, ansiedade e suicídio exigem cuidados, mas não podem ser deixados de lado sobretudo em um cenário de crescimento dos casos de autolesão em todo o mundo. De acordo com pesquisadores, a dificuldade existe porque há estigmas e pouca compreensão da sociedade dando margem, com frequência, a visões que carregam preconceito. Muitas vezes, o tabu interdita a circulação da informação, o que é importante para evitar novas ocorrências de suicídio.

"Faltam redes humanas de apoio, as pessoas vivem mudanças na configuração dos relacionamentos e tudo isso pode criar uma sensação de que você vive aquele sofrimento sozinho. Por isso, uma das apostas que fazemos em nosso atendimento preventivo é na expressão. Até para que se possa falar também das coisas ruins. Nas redes sociais, em geral, as pessoas falam das coisas maravilhosas. E é importante falar mais amplamente sobre os sentimentos", diz a psicóloga Laura Quadros, chefe do Serviço de Psicologia Aplicada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Para Laura, o aumento das ocorrências que envolve diretamente a população mais jovem coloca o suicídio como uma emergência médica. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), essa é uma tendência em todo o mundo. Estimativas do órgão apontam que, depois da violência, o suicídio é o fator que mais mata jovens entre 15 e 29 anos. Anualmente, mais de 800 mil pessoas tiram a própria vida, número que representa 1,4% de todas as mortes do mundo.

Em sintonia com a tendência internacional, o país registrou, entre 2011 e 2016, um aumento dos casos notificados de lesão autoprovocada nos sexos feminino e masculino de 209,5% e 194,7%, respectivamente. Além disso, um levantamento feito pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) em todas as regiões do Brasil mostrou que 80% dos estudantes da graduação admitem ter enfrentado algum problema emocional, como ansiedade, desânimo, insônia, tristeza permanente, sensação de desatenção, desespero, falta de esperança e sentimento de desamparo e solidão.

Especialistas avaliam que adolescentes e jovens são mais suscetíveis a problemas emocionais e transtornos mentais, porque há muita expectativa e insegurança em relação ao futuro. Para Laura Quadros, o mundo atual cobra uma urgência pelo sucesso, e as tensões e pressões são mais exacerbadas. "Em um mundo mais lento, talvez conseguíssemos entender que esperar é um das possibilidades. Mas não é o que ocorre hoje", avalia.

Cuidados

Há um consenso entre psicólogos e psiquiatras sobre a importância de que as abordagens de prevenção tenham como objetivo o estímulo a um ambiente favorável para que o jovem possa falar sobre seus sofrimentos com pessoas próximas e com profissionais capacitados. É o que tem feito a Uerj com a criação de diversos canais para receber demandas, sendo o principal deles o Núcleo de Atendimento ao Estudante. O Serviço de Psicologia Aplicada, coordenado por Laura, também é parte das medidas.

"Não é uma unidade de saúde assistencial. A missão principal é formar estudantes na prática de psicologia. Mas abrimos os espaços para atendimento. E essa procura tem aumentado bastante, tanto pela comunidade interna como pela comunidade externa", explica.

No mês passado, foi aberto um período para triagem, momento em que o Serviço de Psicologia Aplicada escuta novas pessoas com o intuito de absorver em seu atendimento. Em apenas duas semanas, cerca 200 pessoas se apresentaram, relatando algum tipo de sofrimento. O volume da demanda impressionou e o período de triagem precisou ser encerrado. Atualmente, aproximadamente 300 pacientes já são atendidas pelo serviço.

O crescimento da procura, segundo a psicóloga, também reflete a crise econômica da saúde pública do Rio de Janeiro. "Esse é um ano muito crítico. Temos a tendência mundial e houve fechamento de vários ambulatórios na cidade, estufando nossos registros. E nós não temos estrutura para absorver toda a demanda. Tentamos atuar dentro das nossas possibilidades. Inclusive em sintonia com a tradição da Uerj, instituição que foi pioneira em políticas de ações afirmativas no país, que vem sempre junto de estratégias de acolhimento ao estudante".

As medidas adotadas pela universidade visaram dar resposta aos casos que vinham ocorrendo, incluindo tentativas de suicídio que não se concretizaram.

A Uerj não é uma exceção. Nos últimos anos, diferentes instituições públicas de ensino espalhadas pelo país precisaram lidar com ocorrências de suicídio dentro de seus espaços. Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade de São Paulo (USP) registraram casos. As instituições não costumam divulgar levantamentos específicos sobre os casos, mas vêm se firmando como lugar de referência em estudos e em acompanhamento.

Imprensa

A relação entre os meios de comunicação e o suicídio é um foco de estudo que tem mobilizado pesquisadores de diferentes áreas. O jornalista Arthur Dapieve publicou em 2007 o livro Morreu na Contramão: o Suicídio Como Notícia, que se desdobrou da sua pesquisa de mestrado na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC Rio). Ele buscou entender porque raramente se noticiava suicídio e investigou o noticiário brasileiro publicado em 2004.

Foram encontradas reportagens que lembravam os 50 anos do suicídio do ex-presidente Getúlio Vargas e algumas notícias relacionados a atos de terroristas. Ao mesmo tempo, o jornalista notou poucos registros de casos ocorridos no Rio de Janeiro ou mesmo no país. "O volume de notícias contrastava com as estatísticas. E era nítida uma diferença no tratamento em relação a outros crimes. Os jornais não demonstram medo em noticiar o homicídio ou o estupro, por exemplo. Mas o que eu observei é que a questão não é intrínseca à imprensa. A nossa sociedade tem um tabu em relação ao assunto. E a mídia, muitas vezes, reflete o que a sociedade pensa", avalia Dapieve.

O jornalista destaca uma preocupação específica da imprensa, relacionado ao "Efeito Werther", que se refere a um pico de tentativas suicídios após um caso ser amplamente divulgado. A expressão tem como referência o livro Os sofrimentos do Jovem Werther, escrito pelo autor alemão Goethe no final do século 18.

"É uma história de amor não correspondida onde o protagonista se suicida. Isso teria deflagrado uma onde de suicídios na Europa. Esse medo é ainda presente na imprensa em 2004, ano do foco da minha pesquisa. Acho que não mudou muito de lá para cá, mas vejo que tem havido mais noticiário e inclusive reportagens no sentido de tentar entender as razões, prevenir. E isso é positivo".

A importância da existência de um noticiário sobre o assunto é consenso entre psicólogos e psiquiatras. Essa é também a posição da Organização Mundial da Saúde (OMS) que avalia que a imprensa tem papel fundamental e ativo na prevenção ao suicídio.

Paciente atingida por bala perdida dentro de hospital continua em CTI

dom, 12/08/2018 - 12:39

 A paciente atingida por uma bala perdida ontem (11) no Hospital Santa Martha, em Niterói, continua internada no Centro de Terapia Intensiva (CTI).

De acordo com relatório da unidade, o estado dela é considerado grave, mas sem febre.

O hospital não confirmou se houve mudança no quadro desde a noite de ontem, quando respirava com a ajuda de aparelhos, depois de ter sido baleada no rosto. O quarto onde a paciente estava internada – à espera de uma cirurgia de retirada da vesícula –  ficava em frente à comunidade Souza Soares, e a bala entrou pela janela. O episódio ocorreu durante a madrugada de sexta (10) para sábado (11).

A Polícia Militar (PM) informou, em nota, que o fato ocorreu durante operação para coibir um baile funk organizado por traficantes da comunidade próxima ao hospital.  A ação da PM  terminou por volta de 3h da manhã, segundo o comunicado.

“As equipes foram atacadas por criminosos que, após breve confronto, fugiram, deixando para trás 40 pinos de cocaína, 36 trouxinhas de maconha e 38 vidros de lança-perfume.”

Empresas monitoram internautas pelos navegadores

dom, 12/08/2018 - 11:15

Nos últimos anos, dados pessoais entraram no centro de disputas econômicas e políticas. Essas informações passaram a ser chamadas de “o novo petróleo” e organizações internacionais classificam como o principal insumo de uma “4ª revolução industrial”. Na política, as denúncias de interferências em processos políticos e eleições por grandes plataformas colocou em evidência o poder da coleta desses registros para direcionar anúncios e mensagens.

Neste cenário, emerge uma disputa silenciosa entre as diversas iniciativas de coleta de dados e as tentativas de se proteger dessa prática, seja por meio de legislações seja por condutas cotidianas. Navegadores usados em desktops e smartphones são um dos canais por meio dos quais cidadãos têm sido monitorados.

O alerta foi dado por Veridiana Alimonti, representante da entidade internacional Eletronic Frontier Foundation (EFF), na nona edição do “Seminário sobre Proteção à Privacidade e aos Dados Pessoais”, evento promovido pelo Comitê Gestor da Internet nesta semana em São Paulo e que reuniu especialistas internacionais no tema.

No encontro, a especialista em políticas digitais, que também já integrou o comitê, chamou a atenção para as formas de vigilância das pessoas por meio de sistemas como Chrome, Firefox, Safari e Internet Explorer. Por meio de diversos mecanismos, empresas coletam e reúnem informações sobre pessoas sem que elas saibam.

Esses registros permitem que, ao acessar determinado site ou serviço (como uma página de comércio eletrônico), o site identifique de quem se trata, abrindo espaço para formas de segmentação e até mesmo discriminação. Um exemplo desse tipo de prática é a diferenciação de preços pelo CEP do comprador.

Um dos mecanismos utilizados nesse monitoramento são os conhecidos cookies, instalados em dispositivos ao acessar um site. Os cookies são pequenos “pedaços de código” (ou mini-programas) criados para registrar dados da navegação das pessoas e repassar a empresas com fins de rastreamento.

Esse tipo de recurso é utilizado em geral por agências de marketing digital, cuja adoção ocorre para que os anúncios “sigam” os usuários pelos sites pelos quais navegam. Nesses casos, o usuário pode apagar os cookies instalados. Cada navegador oferece essa funcionalidade em determinado local das suas configurações.

Outra técnica de vigilância é conhecida como “supercookie”. Nela, provedores incluem códigos nos cabeçalhos de navegação para cada cliente, mas que não são vistos pelo usuário. Assim, quando uma pessoa faz um acesso, o site pode ler o identificador e saber que se trata de determinado computador ou domicílio.

“Impressão digital” dos navegadores

Contudo, há um sistema de rastreamento mais perigos que os cookies, mostrou Veridiana Alimonti no seminário do CGI, conhecido pelo nome em inglês “fingerprinting”, termo que designa uma espécie de “impressão digital” formada no navegador de cada pessoa. Quando alguém acessa um site, empresas conseguem atribuir uma identificação a um navegador em um computador por meio da combinação de várias informações, como elementos da configuração do navegador e do computador, fuso horário, entre outros.

“Sites podem fazer isso sem serem detectados. Essa informação não está no seu computador, mas nas empresas. Isso pode ser usado, inclusive, para recriar os cookies. Essa técnica não oferece nenhuma funcionalidade útil aos usuários e na prática cria um potencial identificador global por meio do qual se pode acompanhar a navegação dos usuários e criar perfis de forma mais obscura”, analisou a especialista.

Navegadores mais seguros

Internautas têm hoje à disposição diversos navegadores. Entre os mais famosos estão Google Chrome, Internet Explorer, Safari (da Apple) e Mozilla Firefox. Mas há outros menos conhecidos como Tor, Brave e Opera. Segundo ranking realizado pelo site ExpressVPN, especializado em publicidade, o navegador mais seguro é o Tor Browser, seguido pelo Firefox e pelo Brave.

“Ele é um Firefox com vários consertos relacionados à segurança e privacidade. Além de encaminhar todo o tráfego através da rede Tor, ele bloqueia funcionalidades nos sites que podem ser usadas para te identificar. Os sites que tentarem monitorar você não vão conseguir diferenciar seu acesso do das milhões de pessoas que usam Tor diariamente. Alguns sites não carregam bem nele, mas é a melhor alternativa”, recomenda o diretor de tecnologia da organização Coding Rights e membro do conselho editorial do Boletim Antivigilância, Lucas Teixeira.

O Mozilla lançou recentemente o Firefox Focus para dispositivos móveis, com alguns mecanismos de proteção contra rastreamento. Ele permite bloquear rastreadores de anúncios, de análise, de redes sociais ou de conteúdos. Além disso, deixa o botão de remoção do histórico de navegação na tela inicial, facilitando a operação.

Consumidor critica limitação à internet - Arquivo/Agência Brasil

O Firefox para desktops possui alguns plugins (extensões) para evitar coletas indevidas. Um exemplo é o chamado “Facebook Container”, que “isola” a aba da rede social e impede que ela possa registrar o que o usuário faz em outras abas. É por meio dessa vigilância, por exemplo, que o Facebook usa o dado de uma visita que você fez em um outro site (como uma busca sobre uma cidade) para oferecer anúncios (como a venda de passagens para aquela cidade).

Um dos mecanismos anunciados pelos navegadores como forma de garantir um ambiente mais seguro são as abas “privativas” (ou denominação semelhante). Esses recursos, entretanto, segundo Lucas Teixeira, são pouco efetivos, valendo apenas para evitar que o site acessado fique registrado no histórico de navegação e não guarde cookies depois de fechada a janela, mas não protege contra formas mais sofisticadas de monitoramento.

Ferramentas de proteção

A Eletronic Frontier Foundation criou um projeto para alertar usuários sobre técnicas de rastreamento por meio de navegadores, chamado Panoptclick. Acessando o site, é possível fazer um teste para verificar se o seu Chrome, Microsoft Edge ou Firefox estão protegidos desse tipo de mecanismos.

Além do projeto, a Eletronic Frontier Foundation também disponibiliza um plugin (extensão) que protege navegadores de mecanismos de rastreamento que são instalados por sites. O recurso é chamado “Privacy Badger” (Texugo da Privacidade, na tradução do termo em inglês).

Na avaliação de Lucas Teixeira, esta é uma boa ferramenta. Ela não elimina totalmente a tentativa de inserir “impressões digitais” nos navegadores (fingerprinting), mas evita a instalação de vários rastreadores.

O especialista alerta que, mesmo com um comportamento seguro em relação aos navegadores, é preciso estar atento também com outros programas, especialmente aplicativos em smartphones. Os usuários devem desabilitar autorizações para usos diversos, como câmeras e microfones, como forma de evitar coleta maciça de dados por esses sistemas e dispositivos.

 

Páginas