Também na Agência Brasil

Subscrever feed Também na Agência Brasil
A Agência Brasil é a agência de notícias da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que distribui gratuitamente informações de interesse público. As notícias podem ser reproduzidas desde que citada a fonte.
Atualizado: 8 minutos 57 segundos atrás

MDB promove jantar para filiados e Temer não fala sobre candidatura

qua, 18/04/2018 - 02:07

A cúpula do MDB se reuniu na noite de hoje (17) para dar boas vindas aos novos filiados. O encontro aconteceu em um restaurante em Brasília, com a presença do presidente Michel Temer e alguns ministros. Ao chegar no local, o presidente passou rapidamente pelos jornalistas e evitou falar se as últimas pesquisas eleitorais o fariam desistir de ser candidato

“Essa pergunta eu não respondo”, disse. Antes de entrar no restaurante disse respeitar “todas as pesquisas”. Na última pesquisa do instituto Datafolha, Temer aparece com 1% de intenções de voto com Lula na disputa e 2% sem o ex-presidente petista.

Em discurso para dezenas de medebistas que fecharam a maior parte do restaurante para o encontro, o líder do MDB na Câmara, deputado Baleia Rossi, afirmou que Temer “pegou um país destruído” e “conseguiu colocar o país nos trilhos”.

O presidente Michel Temer também discursou aos correligionários e incentivou os parlamentares que o ouviam. “O meu desejo é que todos aqui sejam reeleitos. E trazer outros à nossa bancada”. Ele fez questão de lembrar de algumas medidas tomadas pelo seu governo e afirmou que “quem quiser fazer oposição tem que dizer que é contra o teto dos gastos, a favor de um ensino médio anacrônico, e daqueles juros de 14,25%, e não de 6,5%”. Em seguida, pediu para que os parlamentares defendam as ações do governo em seus discursos.

O senador Romero Jucá defendeu uma candidatura do partido à presidência. “Nós temos que ter responsabilidade de ter uma candidatura própria para ganhar a eleição”. Nem todos os emedebistas, no entanto, estão convencidos da ideia. “Não tem a menor condição, com 1% de intenção de voto”, confidenciou um deputado do lado de fora do restaurante.

Pronunciamento

Ao deixar o restaurante, Temer negou que fará um pronunciamento para se defender de uma possível terceira denúncia contra ele na Câmara. Essa denúncia envolveria as investigações sobre um suposto favorecimento à empresa Rodrimar. “Estão falando que eu farei um pronunciamento para justificar a denúncia. Não tem nada disso, não tem denúncia. Vou fazer, possivelmente um pronunciamento à nação como Chefe de Estado”.

"Infiltrado"

Uma cena, no mínimo, curiosa, se desenrolou enquanto os membros do partido do governo discursavam sob aplausos dentro do restaurante. Sem saber do evento que ocorria, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) chegou para jantar. Antes de entrar, se deparou com dezenas de emedebistas, tendo ao centro o presidente Temer, e não escondeu a surpresa.

Silva, opositor ferrenho do governo, sentou-se em uma mesa do lado de fora e perguntou, desapontado: “Isso vai demorar?”. Ele então foi convidado pelo proprietário do estabelecimento a se sentar nas mesas ao ar livre, uma vez que a parte interna estava fechada para os governistas. “Vão achar que estou infiltrado”, argumentou. Quando Temer começou a discursar, Silva decidiu deixar o local.

 

 

TSE mantém cassação de governador e vice do Tocantins

qua, 18/04/2018 - 01:23

Em julgamento que durou menos de quatro minutos, na noite desta terça-feira (17), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou os embargos de declaração (recurso para esclarecer pontos de uma decisão) e manteve a cassação do governador Marcelo Miranda (MDB) e de sua vice, Claudia Lelis (PV), pelo crime de arrecadação ilítica de campanha eleitoral. Eles ainda permanecerão no cargo até a publicação do acórdão da decisão, por força de uma liminar concedida no início do mês pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Não há data para a publicação do acórdão, mas quando ele for disponibilizado no Diário de Justiça Eletrônico (DJe), o que pode ocorrer nos próximos dias, Marcelo Miranda e Claudia Lelis serão afastados dos cargos e o presidente da Assembleia Legislativa do estado, Mauro Carlesse (PHS), assume o posto até a eleição de novos governador e vice.  

Ao negar os embargos, o ministro relator do caso, Luiz Fux, que é o presidente do TSE, determinou apenas que fosse corrigida, a pedido da defesa da vice-governadora Claudia Lelis, a informação sobre sua filiação partidária, que na decisão que cassou a chapa aparecia como filiada ao MDB. Ela, no entanto, é filiada ao PV. O voto de Fux foi acompanhado pelo dos demais ministros da Corte.

Entenda o caso

Em 2014, durante o período eleitoral, uma aeronave apreendida por policiais, em Piracanjuba (GO), levava R$ 500 mil e milhares de panfletos e outros materiais de campanha de Marcelo Miranda ao governo do Tocantins. De acordo com a acusação do Ministério Público Eleitoral (MPE), o governador teria movimentado mais de R$ 1,5 milhão em recursos de campanha por meio de laranjas e operações financeiras simuladas.

O processo de perda de mandato culminou com a cassação da chapa pelo TSE, no último dia 22 de março, por cinco votos favoráveis e dois contrários, além da determinação de realização imediata de novas eleições. Ainda cabiam os embargos de declaração, julgados hoje.  

O calendário para a eleição suplementar para governador e vice no estado foi anunciado há duas semanas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO) e deverá ser retomado nos próximos dias. O pleito deve ocorrer no dia 3 de junho, em primeiro turno e, caso haja segundo turno, a segunda votação será no dia 24 de junho. O custo para a realização da eleição extraordinária será de R$ 15 milhões. Os candidatos eleitos cumprirão um mandato tampão até o dia 31 de dezembro deste ano. 

Policiais militares cedidos para a Alerj são devolvidos à corporação

qua, 18/04/2018 - 00:33

Os 87 policiais militares que estavam cedidos à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) já se apresentaram à corporação. Segundo a Polícia Militar, ontem (16) retornaram 40 e hoje os 47 restantes. Ao todo, a casa legislativa contava com 146 policiais cedidos para a proteção dos parlamentares e dos prédios que compõem o seu patrimônio, mas a secretaria de segurança solicitou o retorno de parte deles.

Alerj devolveu 87 dos 146 policiais que trabalham na Casa  - Tomaz Silva/Agência Brasil/Arquivo

A devolução dos policiais foi solicitada pelo secretário de Segurança do Rio, general Richard Nunes, mas a Alerj descumpriu os prazos para a entrega. Inicialmente, o prazo para devoluação era dia 6 de abril, mas após negociações entre a Secretaria de Estado de Segurança (Seseg) e o presidente interino da Alerj, deputado André Ceciliano (PT-RJ), foi prorrogado para o dia 11. A Alerj, no entanto, não efetivou a devolução dos agentes nada data. Foi marcado então um novo prazo, dia 13, quando a secretaria publicou uma lista com os nomes dos agentes que deveriam se apresentar, sob pena de terem que responder administrativamente. Agora que os policias retornaram, a corporação definirá em que áreas eles vão atuar.

O retorno foi solicitado pela Seseg com base na Lei 41.687/09, que determina que a devolução deve ser feita em 72 horas após dois meses de inadimplência no pagamento dos salários dos servidores cedidos. Além da Alerj, a secretaria pediu o retorno de policiais que prestam serviço em 27 prefeituras do interior, na prefeitura do Rio e em oito órgãos do estado, entre eles o Tribunal de Justiça e o Ministério Público estadual. Ao todo, são 285 agentes cedidos pela secretaria atuando em órgãos que não estão cumprindo com o pagamento por pelo menos dois meses e, por isso, terão que ser devolvidos. O presidente interino da Alerj, no entanto, contesta a dívida.

De acordo com a Seseg, o pedido de devolução às instituições “é mais uma etapa do esforço integrado para recompor o efetivo policial e reforça a necessidade de otimizar os esforços realizados pelas forças de segurança pública para conter a criminalidade e proporcionar maior segurança ao cidadão fluminense”. 

Deputados temem energia mais cara com privatização da Eletrobras

ter, 17/04/2018 - 23:57

A audiência pública da Comissão Especial que trata do projeto de privatização da Eletrobras na Câmara dos Deputados foi marcada por críticas de deputados à iniciativa do governo de vender a estatal responsável por um terço da geração de energia do país. Com a participação majoritária de parlamentares contrários ao projeto, os deputados criticaram o que chamaram de “entrega” do setor energético e a possibilidade de aumento nas contas de energia com a privatização.

De outro lado, o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., disse durante a audiência que os custos de transmissão e distribuição da empresa são maiores que os previstos pela regulação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o que implica tarifas menores que as necessidades da estatal. A Eletrobras precisaria investir cerca de R$ 14 bilhões para ser competitiva.

 

A proposta do governo é realizar o leilão de privatização das distribuidoras da Eletrobras, que devem ser adquiridas pelo valor simbólico de R$ 50 mil, e a capitalização das ações da empresa pertencentes ao governo, até que a União se torne sócia minoritária. A estimativa é que sejam captados cerca de R$ 12 bilhões com a operação.

“Uma empresa que tem R$ 172 bilhões em ativos, e se se levar em conta o que foi investido ao longo dos anos, a gente está falando em cerca de R$ 400 bilhões investidos, e o governo quer tirar a capacidade do Brasil de acompanhar algo que é de fundamental importância para o povo brasileiro, que é o direito a ter energia barata”, disse o deputado Glauber Braga (Psol-RJ).

“Por isso, os deputados da base aliada não vem aqui defender esse projeto, eles têm vergonha. Até a Fiesp [Federação das Indústrias do Estado de São Paulo] se manifestou publicamente contra essa privatização”, continuou.

O deputado Danilo Cabral (PSB-PE) disse que a privatização vai resultar em aumento na conta de energia elétrica para os consumidores. Cabral mostrou ofício encaminhado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) ao Ministério de Minas e Enegia (MME) em que aponta previsão de um reajuste de mais de 16% nas contas de luz em 2021.

“Quais as consequências disso para o povo brasileiro?!”, questionou. “Para quem produz, o custo da energia para o setor da indústria representa cerca de 40% do insumo, e para o cidadão tem um custo alto”, afirmou. “E quanto custa a Eletrobras? O TCU [Tribunal de Contas da União] está questionando essa pretensa conta que ninguém vê. A gente não sabe quanto, de fato, custa essa empresa, mas, mesmo assim, governo quer vender”, disse Cabral.

O parlamentar é presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), uma das empresas da Eletrobras que devem ser privatizadas. Durante a audiência, Cabral, que já apresentou emenda ao projeto retirando a Chesf das privatizações, disse que a venda da Chesf pode representar insegurança hídrica para a região, uma vez que as águas do Rio São Francisco também são utilizadas para o consumo, irrigação e transporte fluvial.

“Quem comprar a Chesf vai controlar o rio, sua vazão, a irrigação, vai controlar tudo. Vamos entregar a chave da caixa d'água para o privado. O que vai orientar a gestão da Chesf não vai ser mais o interesse público, e precisamos dar uma resposta ao povo, não podemos fazer a entrega desse patrimônio”, disse.

O relator do projeto, deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), disse que vai promover mudanças no texto por discordar da proposta apresentada pelo governo para tratar da questão do Rio São Francisco. Uma das ideias seria garantir a manutenção e independência do Centro de Pesquisa da Eletrobras (Cepel) e uma compensação pela exploração do Rio São Francisco, a partir da criação de uma agência exclusivamente responsável pela revitalização do rio. “Fui presidente da Chesf, não gosto do modelo que o governo propôs na revitalização do rio, nesse modelo, não vamos ter muito sucesso”, disse.

De acordo com Aleluia, o valor de cerca de R$ 9 bilhões apresentado no projeto pelo governo para tratar da revitalização do São Francisco está subestimado. "É muito mais que isso. Minha proposta é debater como esse projeto vai ajudar na transposição do São Francisco. Fundamentalmente, o São Francisco não recebeu nada da Eletrobras e da Chesf. O rio sempre foi usado de forma extrativista, e queremos revitalizar rio desde Minas Gerais", afirmou.

Defesa da privatização

Durante a audiência, o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., defendeu a iniciativa do governo. De acordo com o presidente, para ser competitiva, a empresa precisa investir cerca de R$ 14 bilhões ao ano do próprio caixa. Ferreira Jr. disse ainda que em 2016, o governo já havia aportado cerca de R$ 3,5 bilhões para fechar as contas da Eletrobras.

Ferreira Jr. disse ainda que a Eletrobras convive com custos nos setores de transmissão e distribuição que são maiores do que os estabelecidos pela Aneel. “Nas distribuidoras, nossos custos, perdas e a qualidade do serviço são piores do que os regulados. Isso explica porque damos prejuízo e só isso já justificaria privatizar”, disse.

De acordo com o presidente, as tarifas propostas pela Aneel são 50% menores do que o custo da Eletrobras na área de transmissão. “Não podemos ignorar que a companhia tem números piores que a dos concorrentes”, disse. “A conta não fecha e não fecha há muito tempo”, acrescentou.

A defesa da proposta também foi feita pelo vice-líder do governo na Casa, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS). Segundo ele, a situação da Eletrobras se deveu a erros de gestão dos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. “Isso é indiscutível, qualquer economista da esquerda e direita afirma isso. Foi um desastre de gestão”, disse.

 

Ministros do G20 se comprometem a promover o turismo sustentável

ter, 17/04/2018 - 23:42

Ministros do turismo dos países integrantes do G20 participaram hoje (17) da 8ª Reunião de Ministros de Turismo do G20, em Buenos Aires. No evento, foi assinada a carta “O Futuro do Trabalho”, que aborda o papel de liderança do turismo no desenvolvimento sustentável e na geração de empregos.

O documento tem o apoio de representantes do G20, além de países convidados, Comissão Europeia, Organização Internacional do Trabalho (OIT), Organização Mundial do Turismo e Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC). Os signatários se comprometeram com a promoção de políticas que facilitem o processo de inovação no turismo para a criação de empregos e a valorização do empreendedorismo entre mulheres e jovens. Também se comprometem a estabelecer centros de inovação do turismo, incentivos e programas para estimular a inovação, empreendedorismo e conectar start-ups, grandes empresas, investidores e governos.

O ministro do Turismo brasileiro, Vinicius Lummertz, ressaltou que a expectativa é que o país passe de 6,6 milhões de turistas internacionais, em 2017, para 12 milhões, em 2022. Os números do turismo doméstico devem passar dos atuais 60 milhões para 100 milhões em cinco anos. A expectativa é de impacto também na geração de empregos, com a abertura de novos 2 milhões de postos de trabalho no setor.

Projeto que pune quem divulgar imagem de cadáver avança na Câmara

ter, 17/04/2018 - 23:23

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados aprovou hoje (17) projeto de lei que pune quem divulgar imagens de cadáveres na internet. O texto aprovado foi um substitutivo do relator, deputado Fausto Pinato (PP-SP), ao Projeto de Lei 2175/15, do deputado Cícero Almeida (PHS-AL). A proposta ainda deve ser analisada pelo plenário da Casa.

O projeto tipifica no Código Penal o crime de vilipêndio de cadáver perpetrado nos meios de comunicação e aumenta em um terço a pena se o responsável pela divulgação tiver acesso às imagens por meio de sua profissão.

Segundo Pinato, o objetivo da proposta é evitar a prática crescente de divulgação de fotos e vídeos de cadáveres na internet, como ocorreu na morte do cantor Cristiano Araújo, em 2015, quando imagens do corpo do artista, morto em acidente automobilístico, foram divulgadas.

O deputado Cicero Almeida diz que a divulgação de imagens de cadáveres na internet causa “danos irreparáveis ao sentimento da família, amigos e da coletividade, interferindo de forma negativa na boa lembrança, respeito de que se guarda em relação à memória do morto”.

*Com informações da Agência Câmara

 

MDB promove jantar para filiados e Temer não fala sobre candidatura

ter, 17/04/2018 - 23:07
Idioma Português, Brasil

A cúpula do MDB se reuniu na noite de hoje (17) para dar boas vindas aos novos filiados. O encontro aconteceu em um restaurante em Brasília, com a presença do presidente Michel Temer e alguns ministros. Ao chegar no local, o presidente passou rapidamente pelos jornalistas e evitou falar se as últimas pesquisas eleitorais o fariam desistir de ser candidato

“Essa pergunta eu não respondo”, disse. Antes de entrar no restaurante disse respeitar “todas as pesquisas”. Na última pesquisa do instituto Datafolha, Temer aparece com 1% de intenções de voto com Lula na disputa e 2% sem o ex-presidente petista.

Em discurso para dezenas de medebistas que fecharam a maior parte do restaurante para o encontro, o líder do MDB na Câmara, deputado Baleia Rossi, afirmou que Temer “pegou um país destruído” e “conseguiu colocar o país nos trilhos”.

O presidente Michel Temer também discursou aos correligionários e incentivou os parlamentares que o ouviam. “O meu desejo é que todos aqui sejam reeleitos. E trazer outros à nossa bancada”. Ele fez questão de lembrar de algumas medidas tomadas pelo seu governo e afirmou que “quem quiser fazer oposição tem que dizer que é contra o teto dos gastos, a favor de um ensino médio anacrônico, e daqueles juros de 14,25%, e não de 6,5%”. Em seguida, pediu para que os parlamentares defendam as ações do governo em seus discursos.

O senador Romero Jucá defendeu uma candidatura do partido à presidência. “Nós temos que ter responsabilidade de ter uma candidatura própria para ganhar a eleição”. Nem todos os emedebistas, no entanto, estão convencidos da ideia. “Não tem a menor condição, com 1% de intenção de voto”, confidenciou um deputado do lado de fora do restaurante.

Pronunciamento

Ao deixar o restaurante, Temer negou que fará um pronunciamento para se defender de uma possível terceira denúncia contra ele na Câmara. Essa denúncia envolveria as investigações sobre um suposto favorecimento à empresa Rodrimar. “Estão falando que eu farei um pronunciamento para justificar a denúncia. Não tem nada disso, não tem denúncia. Vou fazer, possivelmente um pronunciamento à nação como Chefe de Estado”.

"Infiltrado"

Uma cena, no mínimo, curiosa, se desenrolou enquanto os membros do partido do governo discursavam sob aplausos dentro do restaurante. Sem saber do evento que ocorria, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) chegou para jantar. Antes de entrar, se deparou com dezenas de emedebistas, tendo ao centro o presidente Temer, e não escondeu a surpresa.

Silva, opositor ferrenho do governo, sentou-se em uma mesa do lado de fora e perguntou, desapontado: “Isso vai demorar?”. Ele então foi convidado pelo proprietário do estabelecimento a se sentar nas mesas ao ar livre, uma vez que a parte interna estava fechada para os governistas. “Vão achar que estou infiltrado”, argumentou. Quando Temer começou a discursar, Silva decidiu deixar o local.

 

 

    

Senadores consideram adequadas condições da prisão de Lula

ter, 17/04/2018 - 23:01
Após participar da comitiva que visitou, nesta terça-feira (17), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba, a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), disse que objetos pessoais dele desapareceram na noite de ontem (16). Segundo a senadora, um carro da assessoria do PT foi arrombado e dele foram subtraídas roupas limpas, que seriam entregues a Lula, além de documentos pessoais do ex-presidente, como o passaporte e um talão de cheques.

 

O caso foi registrado na Polícia Civil do Paraná. Segundo a polícia, a Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba investiga o caso. Também teria sido roubado um aparelho celular.

Depois de uma vistoria na sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde Lula está preso, a senadora e os demais parlamentares da comissão externa, vinculada à Comissão de Direitos Humanos do Senado, inspecionaram as condições da prisão de Lula. “Ele [Lula] pediu que nós, senadores, lutássemos pelo reequilíbrio das instituições", disse Gleisi. Ela reafirmou que o ex-presidente Lula tem direito de receber visitas.

O senador João Capiberibe (PSB-AP) disse que todos os detentos com os quais a comitiva conversou consideraram “adequado” o tratamento recebido no local. “Lula está tranquilo, mas indignado com a distorção das informações [sobre ele] que estão chegando à população."

Para a  presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, Regina Souza (PT-PI), as condições de alimentação, vestimenta e limpeza das instalações também são “razoáveis”. Lula “está bem”, afirmou a senadora. “Ele mesmo disse: 'o banheiro [está] limpo'. O sanitário, armário, a mesa [estão em boas condições], há os livros e cartas [que ele é autorizado a receber].”

O ex-presidente foi preso no último dia 7, após o Supremo Tribunal Federal negar pedido de habeas corpus preventivo. Lula foi condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de pena pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

TSE mantém cassação de governador e vice do Tocantins

ter, 17/04/2018 - 22:23
Idioma Português, Brasil

Em julgamento que durou menos de quatro minutos, na noite desta terça-feira (17), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou os embargos de declaração (recurso para esclarecer pontos de uma decisão) e manteve a cassação do governador Marcelo Miranda (MDB) e de sua vice, Claudia Lelis (PV), pelo crime de arrecadação ilítica de campanha eleitoral. Eles ainda permanecerão no cargo até a publicação do acórdão da decisão, por força de uma liminar concedida no início do mês pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Não há data para a publicação do acórdão, mas quando ele for disponibilizado no Diário de Justiça Eletrônico (DJe), o que pode ocorrer nos próximos dias, Marcelo Miranda e Claudia Lelis serão afastados dos cargos e o presidente da Assembleia Legislativa do estado, Mauro Carlesse (PHS), assume o posto até a eleição de novos governador e vice.  

Ao negar os embargos, o ministro relator do caso, Luiz Fux, que é o presidente do TSE, determinou apenas que fosse corrigida, a pedido da defesa da vice-governadora Claudia Lelis, a informação sobre sua filiação partidária, que na decisão que cassou a chapa aparecia como filiada ao MDB. Ela, no entanto, é filiada ao PV. O voto de Fux foi acompanhado pelo dos demais ministros da Corte.

Entenda o caso

Em 2014, durante o período eleitoral, uma aeronave apreendida por policiais, em Piracanjuba (GO), levava R$ 500 mil e milhares de panfletos e outros materiais de campanha de Marcelo Miranda ao governo do Tocantins. De acordo com a acusação do Ministério Público Eleitoral (MPE), o governador teria movimentado mais de R$ 1,5 milhão em recursos de campanha por meio de laranjas e operações financeiras simuladas.

O processo de perda de mandato culminou com a cassação da chapa pelo TSE, no último dia 22 de março, por cinco votos favoráveis e dois contrários, além da determinação de realização imediata de novas eleições. Ainda cabiam os embargos de declaração, julgados hoje.  

O calendário para a eleição suplementar para governador e vice no estado foi anunciado há duas semanas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO) e deverá ser retomado nos próximos dias. O pleito deve ocorrer no dia 3 de junho, em primeiro turno e, caso haja segundo turno, a segunda votação será no dia 24 de junho. O custo para a realização da eleição extraordinária será de R$ 15 milhões. Os candidatos eleitos cumprirão um mandato tampão até o dia 31 de dezembro deste ano. 

    

Polícia do Rio prende contador da organização do tráfico na Rocinha

ter, 17/04/2018 - 22:19

Policiais da Delegacia de Combate às Drogas, com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil do Rio de Janeiro, prenderam hoje (17) Renato de Souza Ferreira, conhecido como Renatinho. A prisão, na localidade da Fundação, na Rocinha, segundo a polícia, foi feita “após intenso trabalho de investigação e de inteligência”.

As investigações da delegacia especializada indicam que Renato é o contador da organização criminosa atuante na Rocinha. Ele trabalha diretamente para o chefe do tráfico na comunidade, Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, na lavagem do dinheiro do lucro obtido com a venda de drogas e na administração dos bens do traficante.

Desde janeiro, Rogério 157 está preso na Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia. Lá, também está preso o traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, que era seu parceiro antes que entrassem em confronto pelo comando do tráfico na comunidade em setembro do ano passado.

De acordo com a Polícia Civil, havia contra Renato de Souza um mandado de prisão preventiva pelo crime de roubo ocorrido em 2016, quando passou a atuar na parte financeira do tráfico na Rocinha e se transformou no principal homem de confiança de Rogério 157. A polícia informou que as investigações sobre o assunto vão continuar.

Justiça aumenta tempo de prisão de Luiz Estevão

ter, 17/04/2018 - 22:08

Atendendo a um pedido do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça aumentou a pena de prisão do empresário e ex-senador pelo Distrito FederalLuiz Estevão. Condenado a 26 anos de prisão por fraude nas obras do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-2) e preso atualmente na Penitenciária da Papuda, em Brasília, Luiz Estevão teve agora a sua pena acrescida em mais dois anos.


O aumento da pena foi resultado de uma denúncia ajuizada pelo MPF em 2003, por sonegação fiscal. A condenação de Estevão por esse crime foi confirmada agora em segunda instância. A decisão para execução provisória da pena foi proferida pela 1ª Vara Federal de Santo André (SP) no início do mês, também atendendo a pedido do MPF.

Ex-senador Luiz Estevão (Agência Senado)


A denúncia do MPF baseou-se na análise da Receita Federal sobre as contas da Ok Benfica Companhia Nacional de Pneus, que era administrada por Estevão. Entre os anos de 1997 e 2000, a empresa deixou de pagar impostos, omitindo dados contábeis. O ex-senador nunca prestou os esclarecimentos requeridos sobre tais omissões. Isso fez com que Estevão fosse condenado a três anos de prisão em 2011.

A defesa recorreu e, em 2015, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região manteve a duração da pena, mas determinou que a prisão fosse substituída por prestação de serviços comunitários e doação de 50 cestas básicas. Um ano depois, ele conseguiu que os desembargadores reduzissem sua condenação de três para dois anos. No ano passado, o TRF3 negou o pedido de habeas corpus da defesa e autorizou o cumprimento imediato da pena. Já a ordem para que a pena seja imediatamente cumprida foi proferida em abril.

Como ele já estava detido desde 2016 e não teria como prestar os serviços comunitários, então a pena foi acrescida à sua outra condenação. Os autos serão remetidos ao Juízo de Execução Penal do Distrito Federal, que formalizará o acréscimo do tempo à pena já em curso em regime fechado.

“Estes processos datam de 2003 e, após longo percurso da ação penal em primeira instância e segunda instâncias, a condenação foi confirmada. O MPF conseguiu mais uma condenação de três anos de reclusão por sonegação. Essa pena foi reduzida pelo TRF3 para dois anos de reclusão", disse a procuradora da República Fabiana Bortz.
 

A procuradora acrescentou que tanto a defesa quanto a acusação entraram com recurso especial no Superior Tribunal de Justiça (STJ). "Esses recursos ainda não foram julgados, mas, com o novo entendimento do Supremo [Tribunal Federal], é possível executar a pena imediatamente. De modo que o MPF requereu, e a Justiça deferiu a execução provisória da sanção”, afirmou.

 

Defesa
 

Em nota, a defesa de Luiz Estevão informou que, nos autos do recurso especial, foi declarada "a ocorrência da prescrição da pretensão punitiva do Estado mediante decisão da 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que não foi objeto de recurso e transitou em julgado" em 2017.

"Uma vez declarada a prescrição, não há que se falar em qualquer sentença penal condenatória contra Luiz Estevão, nem mesmo em execução provisória da pena", disse o advogado Marcelo Bessa.
  "Ademais, ainda que não estivesse prescrito, não haveria pena a cumprir, pois os débitos tributários que originaram essa condenação estão sendo pagos, o que implica na não penalização do réu", diz a nota.

Onda de violência deixa quatro mortos em Angra dos Reis

ter, 17/04/2018 - 21:59

Quatro homens suspeitos de tráfico de drogas foram mortos durante confronto com policiais do 33º Batalhão da Polícia Militar, em Angra dos Reis, na manhã de hoje (17), na Costa Verde do Rio. De acordo com a Polícia Militar, policiais do batalhão realizaram uma operação para combater ações praticadas por grupos criminosos na região. Durante a ação no bairro Perequê, distrito de Mambucaba, os militares foram recebidos a tiros e houve confronto com os criminosos.

Quatro criminosos morreram. A polícia apreendeu dois fuzis e duas pistolas automáticas com as vítimas. A ação ocorreu numa área de mata fechada perto de uma cachoeira, muito frequentada por turistas nos finais de semana.

Pedido

A onda de violência em Angra dos Reis levou o prefeito da cidade, Fernando Jordão a pedir ajuda recentemente em Brasília ao presidente Michel Temer e ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Pouco antes da intervenção federal na segurança pública do Rio, Jordão também esteve na Secretaria de Segurança, para pedir reforço no policiamento na cidade. A Polícia Militar então enviou para Angra dos Reis tropas de elite da corporação. Em duas ações contra o tráfico de drogas na região, tropas do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e do Batalhão de Choque, mataram nove criminosos em uma semana, durante troca de tiros com integrantes do tráfico que dominam vários bairros da cidade.

Dona Ivone Lara é sepultada ao som de seus grandes sucessos

ter, 17/04/2018 - 21:59

Quem esperava um clima de tristeza, se surpreendeu no enterro da sambista e compositora Dona Ivone Lara. Em vez de choros e lamentos, o corpo da artista foi sepultado ao som de seus grandes sucessos, cantados pelo público, entre parentes, artistas e fãs, que foram ao Cemitério de Inhaúma, nesta terça-feira (17), se despedir da grande dama do samba, que morreu ontem aos 97 anos.

O corpo da cantora e compositora Dona Ivone Lara é velado na quadra da escola de samba Império Serrano, em Madureira - Tânia Rêgo/Agência Brasil

A classe artística foi representada, entre outros, por Martinho da Vila, que conheceu e conviveu de perto com Dona Ivone. “Vai ser difícil, porque a gente teve uma convivência muito grande. Fiz muito show com ela, pelo Brasil e pelo mundo. Mas não é uma morte triste, porque não foi sofrida. Ela foi uma pessoa bem vivida, então este enterro, no duro, é uma celebração”, disse Martinho.

Fãs fizeram questão de estar próximos, nos últimos momentos. Levando flores em sua homenagem ou trazendo nas mãos discos da cantora, todos lamentaram a morte de Dona Ivone. “Sou fã dela desde 1984, quando eu tinha 11 anos de idade. Com o passar do tempo, comecei a comprar os discos dela e cheguei a ir em três shows. Ela tinha um samba melódico que transmitia a paz”, disse o professor de história Dorival Alves.

A irmã de Dona Ivone acompanhou o sepultamento e lembrou como ela era em casa. “Ela gostava de brincar e cantar. Vou sentir falta. Vou ficar triste. De parente, era só eu e ela”, lamentou Elza da Silva Gusmão, de 93 anos de idade.

O jornalista especializado em samba Marcelo Faria, do portal Sambrasil, resumiu o que, para ele, foi a carreira da artista: “Dona Ivone, com quase um século de vida, atravessou o século do samba. O legado que ela deixa é a obra que fica. Ela era uma cronista do dia a dia, da vivência do subúrbio. Foi pioneira como compositora e um marco para todos nós”.

Obesidade: cartilha preconceituosa será recolhida em São Paulo

ter, 17/04/2018 - 21:45

Após receber reclamações de pais de alunos, a prefeitura de São José dos Campos (SP) mandou recolher das escolas públicas uma cartilha sobre hábitos alimentares, por causa de abordagem considerada preconceituosa sobre a obesidade infantil. A prefeitura informou que prestará os esclarecimentos sobre a medida que forem solicitados pela Promotoria da Infância e Juventude.

A cartilha A Fantástica Magia dos Alimentos traz a história em quadrinhos Alice no País das Guloseimas, que trata de hábitos alimentares prejudiciais à saúde. Em uma das imagens, uma menina é comparada a um botijão, por ter engordado. Em outra, ela não se reconhece no espelho e não consegue passar por uma porta.

 

Cartilha estimula consumo de bebidas saudáveis, diz prefeitura de São José dos Campos

Segundo a prefeitura, o material tem sido adquirido e distribuído desde 2013 para utilização nas ações educativas de prevenção à obesidade infantil, e até hoje nunca tinha havido reclamação sobre o conteúdo. A cartilha é comprada pela Secretaria Municipal de Saúde com recursos do Ministério da Saúde, destinados ao Programa de Nutrição, e o trabalho é desenvolvido em conjunto pelas Secretarias de Saúde e Educação.

“A cartilha aborda questões sobre a mudança nos padrões alimentares da sociedade, estimula o consumo e cultivo de alimentos saudáveis e desencoraja a ingestão excessiva de produtos industrializados, por meio de passatempos e leitura dirigida feita com os professores”, diz a prefeitura, em nota.

A editora Amigos da Natureza, responsável pela publicação, informa em seu site que o livro trata sobre a “importância de uma alimentação saudável de forma criativa e principalmente educativa”, abordando a obesidade na infância e suas consequências, hábitos alimentares. A cartilha também tem passatempos e um teste sobre hábitos alimentares.

Após a polêmica, o material foi retirado do site da editora.

Após adiamento, viagem de Temer ao sudoeste asiático será em maio

ter, 17/04/2018 - 21:45

A assessoria de comunicação do Palácio do Planalto confirmou a viagem do presidente Michel Temer para o sudoeste asiático em maio. O presidente visitará Cingapura entre  os 7 e 9 de maio; Bangkok, capital da Tailândia, nos dias 9 e 10; e Jacarta, capital da Indonésia, de 10 a 12. A última parada de Temer na região será em Hanói. Ele chega no dia 12 e fica até 14 de maio na capital vietnamita.

O presidente terá encontros bilaterais – quando será recebido por chefes de Estado – em todos os países. Além disso, terá encontro com investidores na Tailândia e em Cingapura. Já na Indonésia e no Vietnã, participará de reuniões para firmar acordos comerciais entre Brasil e esses países.

O presidente Michel Temer durante entrevista à imprensa em viagem a Lima - Alan Santos/PR

Essa é a segunda tentativa do presidente de visitar a região. No início do ano havia a previsão de uma visita a Timor Leste, Vietnã, Cingapura e Indonésia, entre os dias 5 e 13 de janeiro. Mas em razão de uma cirurgia a que Temer precisou se submeter no final do ano passado para desobstrução, a agenda foi cancelada. Desta vez, Timor Leste sai do roteiro e, em seu lugar, entra a Tailândia.

Em outubro, após uma retenção urinária, Temer passou por uma pequena cirurgia para desobstrução do canal uretral. No fim de novembro, retornou ao Hospital Sírio Libanês, desta vez para um procedimento de cateterismo, em que foi detectado a obstrução de três artérias coronárias. O presidente, então, foi submetido a uma angioplastia e à colocação de stents para desobstruir as artérias.

Três pessoas são presas por fraudar INSS na Grande São Paulo

ter, 17/04/2018 - 21:45

Três pessoas foram presas hoje (17) pela Polícia Federal na Operação Púnico, que investiga um grupo que fraudava o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e também ameaçava servidores públicos. A operação é parte de uma força tarefa integrada pelo Ministério Público Federal, pela Polícia Federal, pela Advocacia-Geral da União e pela Secretaria de Previdência criada para investigar crimes contra o sistema previdenciário. É o primeiro caso deflagrado pela força tarefa.

Além das prisões, a PF cumpriu três mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo e Santo André. Na residência de um servidor do INSS, considerado líder do grupo, foi encontrado um carro de luxo avaliado em R$ 120 mil e mais R$ 11 mil em espécie. Os mandados foram expedidos pela 3ª Vara Criminal Federal de Santo André. As fraudes ocorriam nas agências da Previdência Social em São Caetano do Sul e Santo André.

A investigação teve início em março deste ano, com a informação de que a chefe da Agência da Previdência Social em Santo André estava sendo ameaçada após descobrir a fraude. As ameaças começaram no dia seguinte ao corte do acesso dos fraudadores ao sistema. Após algum tempo, o gerente executivo também começou a receber ameaças por telefone. As ameaças de agressão e morte mencionavam familiares e eram feitas por mensagens de textos e ligações. A chefe da agência acionou a Polícia Federal e a investigação então teve início.

Segundo a PF, o grupo inseria dados falsos nos sistemas de informação do INSS e criava benefícios a pessoas que não tinham direito. “O servidor [que foi preso na operação hoje] fazia um ciclo completo de fraude. Ele chegava a falsificar os documentos, tinha carimbos na casa dele, formulários. A partir desses documentos falsos, ele fazia inserções falsas de período de contribuição” explicou Rafael Dantas, delegado da Polícia Federal lotado na força tarefa previdenciária. “Ele captava a clientela. Ele é servidor do INSS e é advogado também. Isso é lícito, desde que ele não advogue contra a Previdência. E ele fazia isso”, acrescentou Dantas.

Ameaça

Quando o esquema foi descoberto, o grupo começou a ameaçar servidores para que as fraudes pudessem continuar a ser feitas. “Ele [servidor preso] se aproveitou da proximidade temporal de um outro evento, o assassinato da vereadora Marielle, no Rio de Janeiro, e disse que, se ela [a chefe da agência] não parasse de ameaçar o esquema, eles fariam com ela o mesmo que o crime organizado fez com Marielle no Rio de Janeiro. Esse tipo de postura, a sociedade não tolera mais”, disse Fabiana Bortz, procuradora da República em São Bernardo do Campo.

De acordo com a procuradora, os criminosos concediam benefícios falsos para os segurados e obtinham, com isso, a promessa de um pagamento futuro. “Obtendo sucesso na concessão do benefício, a primeira parcela depositada pelo INSS geralmente é revertida integralmente para a quadrilha. E nessa primeira parcela são pagas três ou quatro meses de benefícios acumulados. Ou, então, é um percentual de cada benefício mensal, de 30% a 40%”, explicou.

O INSS descobriu 12 benefícios fraudados até o momento. Entre os investigados ,estão também advogados e contadores. Hoje foi preso, além do servidor, um advogado e um ex-detento. Mas os beneficiários do esquema criminoso também serão investigados e poderão ser presos, caso se comprove que participaram da fraude.

“O terceiro preso é um ex-detento, supostamente um segurado, que procurou a agência em Santo André para obter auxílio-reclusão, benefício que é dado somente para a família do preso. A investigação trouxe indícios de que esse segurado fazia as ameaças [direcionadas à chefe da agência]. A ameaça começou no dia seguinte em que ele esteve na agência”, falou a procuradora.

Os criminosos atuavam pelo menos desde dezembro de 2016. Eles operavam um esquema de obtenção indevida de benefícios previdenciários (auxílio-reclusão, aposentadoria e salário-maternidade). As fraudes eram realizadas nas agências de São Caetano do Sul e de Santo André.

Ação de improbidade

Nesta data, em ação simultânea, a Advocacia-Geral da União protocolará ação de improbidade administrativa e representará pelo bloqueio patrimonial em âmbito civil. O valor do bloqueio é de cerca de R$ 1 milhão. “No primeiro momento, pedimos cerca de R$ 1 milhão. Esse é um valor inicial porque, com a diligência que foi feita nesta manhã, com a documentação encontrada e o aprofundamento da investigação, poderemos chegar a muitos outros benefícios concedidos e não só estes que foram apurados. A expectativa de arrecadação é muito maior do que foi proposto na cautelar”, disse Marina Battilani, procuradora federal da Advocacia-Geral da União, em São Paulo.

Os investigados vão responder pelos crimes de inserção de dados falsos em sistemas informatizados da União, estelionato contra a União, ameaça e organização criminosa, com penas que variam de 1 mês a 13 anos e 4 meses de prisão.

STF libera ex-senador Demóstenes para concorrer nas eleições deste ano

ter, 17/04/2018 - 21:42

Por 3 votos a 2, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou hoje (17) a decisão do ministro Dias Toffoli que suspendeu a inelegibilidade do ex-senador Demóstenes Torres. Com a decisão, Demóstenes poderá concorrer a um cargo eletivo nas eleições deste ano.

Pela decisão, Demóstenes está elegível porque a Corte anulou as provas criminais contra ele. Antes da decisão, Demóstenes não poderia participar das eleições até 2027, por ter perdido o mandato, conforme a Lei Complementar 64/1990, conhecida como Lei das Inelegibilidades.

O ex-senador foi cassado em outubro de 2012 pelo plenário do Senado, sob a acusação de ter se colocado a serviço da organização criminosa supostamente comandada pelo empresário Carlos Cachoeira, conforme apontavam as investigações da Polícia Federal na Operação Monte Carlo.

 Ex-senador Demóstenes Torres (Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil)

Durante o julgamento, Toffoli afirmou que a resolução do Senado que cassou o mandato de Demóstenes foi baseada em provas nulas e não tem mais efeitos no mundo jurídico, inclusive para impedir sua candidatura com base na cassação. Apesar do entendimento, o ministro rejeitou o pedido do ex-senador para voltar ao mandato em função da impossibilidade de o Judiciário rever a decisão política da Casa.

"Para o mundo jurídico, aquela resolução não surte efeitos no patrimônio do cidadão Demóstenes Torres, quanto a sua capacidade eletiva em decorrência daquela resolução", afirmou Toffoli.

O voto do relator foi acompanhado pelos ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski. Celso de Mello e Edson Fachin rejeitaram o recurso por razões processuais.

Em abril do ano passado, entretanto, a Segunda Turma do STF, da qual Toffoli faz parte, concedeu um habeas corpus a Demóstenes e anulou escutas telefônicas que foram utilizadas para embasar o processo de cassação do parlamentar. Na ocasião, foi determinado também a reintegração do ex-senador ao Ministério Público de Goiás, no qual ingressou em 1987.

 

Brasil vai iniciar exportação de carne para Indonésia e Coreia do Sul

ter, 17/04/2018 - 21:41

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, informou nesta terça-feira (17) que estão em fase final as negociações para início das exportações de carne bovina para a Indonésia.

Uma missão técnica do país chegou ontem (16) ao Brasil e deverá visitar frigoríficos em diversos estados. Em seguida, serão acertados detalhes do Certificado Sanitário Internacional (CSI) que viabiliza os embarques do produto.

Blairo Maggi informou que está prevista para maio visita de missão chinesa ao Brasil (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Coreia do Sul também foi anunciada pelo ministro como outro novo mercado que se abrirá para o Brasil nos próximos dias. Os coreanos vão iniciar a importação da carne suína brasileira, fornecida pelo estado de Santa Catarina, por ser área livre da febre aftosa sem vacinação. As tratativas estão em fase de conclusão.

China e Rússia

Ainda de acordo com o ministro, em maio está prevista a vinda da "tão esperada missão da China", para tratar da ampliação do número de plantas frigoríficas autorizadas a embarcar todos os tipos de carne (bovina, suínas e aves).

Também está em fase final a negociação para a reabertura do mercado da Rússia à carne suína brasileira. Blairo Maggi já enviou carta às autoridades sanitárias do país informando as medidas sanitárias adotadas pelo Brasil. As exportações para a Rússia foram suspensas em dezembro de 2017, sob a alegação de presença de ractopamina em cortes suínos. Uma reunião entre autoridades russas e brasileiras, para discutir o assunto, está marcada para o próximo dia 24 de abril.

Policiais militares cedidos para a Alerj são devolvidos à corporação

ter, 17/04/2018 - 21:33
Idioma Português, Brasil

Os 87 policiais militares que estavam cedidos à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) já se apresentaram à corporação. Segundo a Polícia Militar, ontem (16) retornaram 40 e hoje os 47 restantes. Ao todo, a casa legislativa contava com 146 policiais cedidos para a proteção dos parlamentares e dos prédios que compõem o seu patrimônio, mas a secretaria de segurança solicitou o retorno de parte deles.

Alerj devolveu 87 dos 146 policiais que trabalham na Casa  - Tomaz Silva/Agência Brasil/Arquivo

A devolução dos policiais foi solicitada pelo secretário de Segurança do Rio, general Richard Nunes, mas a Alerj descumpriu os prazos para a entrega. Inicialmente, o prazo para devoluação era dia 6 de abril, mas após negociações entre a Secretaria de Estado de Segurança (Seseg) e o presidente interino da Alerj, deputado André Ceciliano (PT-RJ), foi prorrogado para o dia 11. A Alerj, no entanto, não efetivou a devolução dos agentes nada data. Foi marcado então um novo prazo, dia 13, quando a secretaria publicou uma lista com os nomes dos agentes que deveriam se apresentar, sob pena de terem que responder administrativamente. Agora que os policias retornaram, a corporação definirá em que áreas eles vão atuar.

O retorno foi solicitado pela Seseg com base na Lei 41.687/09, que determina que a devolução deve ser feita em 72 horas após dois meses de inadimplência no pagamento dos salários dos servidores cedidos. Além da Alerj, a secretaria pediu o retorno de policiais que prestam serviço em 27 prefeituras do interior, na prefeitura do Rio e em oito órgãos do estado, entre eles o Tribunal de Justiça e o Ministério Público estadual. Ao todo, são 285 agentes cedidos pela secretaria atuando em órgãos que não estão cumprindo com o pagamento por pelo menos dois meses e, por isso, terão que ser devolvidos. O presidente interino da Alerj, no entanto, contesta a dívida.

De acordo com a Seseg, o pedido de devolução às instituições “é mais uma etapa do esforço integrado para recompor o efetivo policial e reforça a necessidade de otimizar os esforços realizados pelas forças de segurança pública para conter a criminalidade e proporcionar maior segurança ao cidadão fluminense”. 

    

Palácio do século 19 vai abrigar empreendedores e startups em SP

ter, 17/04/2018 - 21:25

O governo do estado de São Paulo concedeu o Palácio dos Campos Elíseos, prédio histórico localizado no centro da capital paulista, para instalação de empreendedores e projetos ligados a tecnologia, inovação e criatividade. O palácio, restaurado pelo governo estadual em obra que teve duração de quatro anos e investimento de cerca de R$ 20 milhões, abriga desde 3 de abril o Centro Nacional de Referência em Empreendedorismo, Tecnologia e Economia Criativa, administrado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP).

O presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, ressaltou o esforço feito por todos os parceiros para a criação do centro em um prédio que simboliza a história empreendedora da cidade. Segundo ele, a cidade de São Paulo é responsável por 70% da decisão de investimento no Brasil. “O centro será o palco ideal da exposição e do encontro de acesso a mercado de investidores para apostar nas ideias empreendedoras”, disse.

O Palácio dos Campos Elíseos, inaugurado em 1899, era do cafeicultor e político Elias Pacheco Chaves. A residência de 4 mil metros quadrados e quatro andares, localizada na Avenida Rio Branco, tornou-se conhecida pelo seu mobiliário e decoração, que trazia, na época, o que havia de mais sofisticado no mundo. O palácio foi sede do governo estadual de 1912 a 1965 e recentemente abrigou a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, que lá permaneceu até 2006.

Desde então, o prédio estava desocupado. Em 14 de julho de 2017, o então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, assinou o Decreto 62.699/2017 autorizando o Sebrae-SP a utilizar o palácio de forma gratuita e pelo prazo de cinco anos.

O diretor-superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano, disse que a cultura estará sempre representada no espaço e aposta na vocação do local para a inovação e a economia criativa. “Se pensarmos nas cinco empresas mais valiosas do mundo no ano 2000, apenas uma era da área de tecnologia. Hoje, das cinco empresas mais valiosas, cinco são de tecnologia. Criar um espaço que privilegia o acesso e a difusão da informação, da inovação e da tecnologia mostra que São Paulo continua conectada aos desafios do futuro”, disse.

Atividades

As primeiras atividades do centro começam no primeiro andar, onde funcionam uma aceleradora de startups, com 11 empresas paulistas selecionadas entre 120 inscritos, um espaço de coworking, duas salas para capacitações, salas de reuniões e a área administrativa do Sebrae-SP. Os quatro andares do prédio devem ser gradativamente ocupados pelas diversas atividades do centro, segundo o Sebrae-SP.

Páginas