Bacalhau do Batata encerra carnaval em Olinda com homenagem a Reginaldo Rossi

03:23 Cultura, Notícias 01/03/2017 - 18h51 Recife Embed

Sumaia Villela, da Agência Brasil

A quarta-feira de cinzas em Olinda é dos resistentes e dos trabalhadores do carnaval que caem na folia. O bloco que anima esse pessoal é o Bacalhau do Batata, criado há 55 anos pelo garçom Izaías Pereira da Silva. Ele trabalhava nos festejos de Momo e resolveu fazer a própria brincadeira para não perder a folia.

 

A atração se popularizou e arrasta uma multidão. Hoje, o som do frevo se misturou a músicas do Reginaldo Rossi, que eternizou a profissão de garçom em uma de suas músicas mais famosas.

 

O rei do brega foi homenageado pelo garçom Severino da Paz, de 51 anos. Ele jura que, junto com um colega de trabalho, deu a ideia para o cantor fazer a música famosa.

 

Já o garçom José Philipe de Lima Neto homenageou o fundador do bloco. Como fazia o Batata, ele trabalhou durante o carnaval e folgou na quarta-feira de cinzas. Foi vestido a caráter, levando caranguejos e cachaça na bandeja.

 

Batata faleceu em 1993. Há sete anos, quem está na presidência do bloco é a sobrinha, Fátima Araújo. Professora, inicialmente não teria relação com a profissão do tio. Mas à frente do Bacalhau, acaba virando uma trabalhadora do carnaval, na organização do pré-bloco. Além disso, não deixa as aulas de lado durante os festejos de Momo.

 

Mais cedo, para dar forças aos foliões do Bacalhau, o Mungunzá de Thaís e Zuza Miranda distribuiu a iguaria na concentração. Tudo ao som de frevo. Há 22 anos eles ajudam o povo a aguentar a brincadeira na quarta-feira de cinzas, como conta Zuza Miranda.

 

A brincadeira se popularizou e este ano eles levaram 2 mil litros de mungunzá para distribuir. Foi o reforço do povo que insiste em cantar, até que as ruas estejam completamente vazias, e só reste esperar pelo carnaval do ano que vem.