Festival de ópera em Manaus relembra nesta sexta cantores castrados

03:06 Cultura, Notícias 19/05/2017 - 10h25 Brasília Embed

Maísa Penetra

Na programação do Festival Amazonas de Ópera, desta sexta-feira (19), está “O Triunfo da Voz”, que revive a história dos cantores castrados. Os convidados são Bruno de Sá, nos vocais; Átila de Paula, no cravo, e Anderson de Lima, na teorba.


O recital foi escrito para reproduzir, da forma mais fiel possível, como eram feitas as apresentações musicais no período barroco. Esta época da história foi marcada pela exuberância nas artes, então, o concerto terá, além da música, os figurinos, a maquiagem, os cabelos e os cenários, para trazer a riqueza barroquina de detalhes.


A tradição dos 'castrati' surgiu na Itália e se espalhou pela Europa. Já que as mulheres eram proibidas de se apresentar artisticamente até meados do século 19, os coros selecionavam os meninos que tivessem vocação musical e os castravam, antes da puberdade, para que mantivessem as características vocais infantis.


O cantor mais popular deste período foi o italiano Carlo Maria Michelângelo Nicola Broschi, conhecido como Farinelli. Nascido em Ádria, na Itália, em 1705, ele foi castrado ainda menino e cantou a vida toda.


Farinelli deixou sua marca na história. O professor de música e cantor paulista Bruno de Sá é o solista convidado pelo festival. Ele fala sobre o que fez de Farinelli um fenômeno.


“Ele acabou dominando os palcos europeus, por conta não só de ser um cantor castrado, mas pela capacidade vocal, pelo alto nível técnico. Ele era muito virtuoso, tinha uma agilidade vocal muito grande, uma extensão vocal muito grande, e isso a gente pode reparar nas obras dedicadas a ele por vários compositores, inclusive, um era o irmão dele”, afirmou Bruno.


Hoje, as peças cantadas por Farinelli e compostas em sua homenagem são majoritariamente cantadas por mulheres. Algumas raras exceções masculinas têm a habilidade vocal para executar as músicas.


Bruno comentou os desafios superados desde a infância por ser um homem com a voz mais aguda que o comum.


“Acaba que a gente leva isso muito na brincadeira, porque não é todo mundo que entende. Então, foi um processo. De aprender a lidar, aprender até a aceitar a voz. Eu passei por bullying, por uma fase de “não queria ser assim”, de questionar. Aí fui crescendo e entendendo que na verdade isso foi um grande presente de Deus e, sem esse presente, eu não estaria aqui, não estaria fazendo as coisas que estou fazendo, então eu entendi isso. Eu acabo me tornando uma espécie de referência para outras pessoas.”


O concerto será no Teatro Amazonas, em Manaus, nesta sexta-feira (19), a partir das 20h. Os ingressos estão sendo vendidos a preços que vão de R$ 2,50 a R$ 50, na bilheteria do teatro.


Também é possível acompnhar o show pelo canal Cultura Amazonas, ao vivo, pelo Youtube.