Após visita, Unesco diz que restauração do Museu Nacional pode levar 10 anos

03:41 Cultura, Notícias 18/09/2018 - 16h39 Brasília Embed

Sayonara Moreno

O acesso do público aos itens restantes e restaurados do Museu Nacional pode levar 10 anos. É o que afirma a diretora e representante da Unesco no Brasil, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, Marlova Noleto.

 

A conclusão sobre a demora é dos integrantes da Missão Emergencial da Unesco, após duas visitas a parte dos escombros, no Rio de Janeiro.

 

Um dos integrantes é José Luiz Perdessoli Junior. Gestor de projetos de conservação de coleções do Centro de Estudos sobre a Preservação e Restauração de Bens Culturais, na Itália, o brasileiro explicou que a missão tem três frentes: uma emergencial, uma de resgate e restauração e uma de prevenção.

 

Em relação ao resgate e restauração, ele explica que é um processo “muito delicado e demorado”, o que deve ser iniciado por arqueólogos.

 

A missão deve levar dez dias e, nesse período, os integrantes realizam visitas aos escombros, sob a coordenação da chefe da missão da Unesco, Cristina Menegazzi, responsável pelo patrimônio cultural da Síria e pelos escombros resultantes da guerra, no país.

 

Também fazem parte da comissão e, já estão no Brasil, dois especialistas da Alemanha, com experiência no museu da cidade de Colônia, que desabou em 2009.

 

De lá até agora, apenas 20% do acervo pôde ser exposto de volta ao público, devido ao processo de recuperação dos itens.

 

Segundo Cristina Menegazzi, alguns objetos podem ser restaurados, outros serão doados por outros museus. E aqueles exclusivos, que não existem mais no mundo, podem ser refeitos como réplicas, elaboradas por impressoras 3D, por exemplo.

 

Uma fábrica de automóveis da Itália se ofereceu para emprestar a máquina que faz protótipo de carros e os objetos devem ser refeitos com base no sistema de catalogação do Museu Nacional.

 

De acordo com a Unesco, a boa notícia é que a última atualização do acervo foi feita em fevereiro deste ano, o que é considerado recente.

 

Segundo a Unesco, diversos países já se ofereceram para ajudar na recuperação do Museu Nacional, com repasse de verbas, empréstimo de tecnologia e especialistas e até oferta de acervo. Além da Alemanha, que ofereceu os dois especialistas e deve doar um milhão de euros, e da Itália, também sinalizaram ajuda o Canadá, Estados Unidos e França.

 

Representantes da Unesco no Brasil devem se reunir com embaixadores de outros países europeus, do Japão, China, Canadá e Argentina, para discutirem formas de apoiar na recuperação do espaço, que perdeu 90% dos vinte milhões de itens.

 

Como uma das etapas da missão da Unesco, os membros devem visitar até seis prédios históricos de museus, no Rio de Janeiro.

 

Após as visitas, a comissão vai elaborar um documento com recomendações, com o objetivo de evitar tragédias como a do Museu Nacional.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique