Ativista critica publicidade machista no Carnaval

07:45 Direitos Humanos, Programetes 19/02/2015 - 08h33 Brasília Embed

Apresentação Mara Régia

Em meio ao porre de felicidade que os carnavalescos estão tomando para cantar a vitória de suas respectivas escolas campeãs no Carnaval de 2015, Viva Maria lamenta que as mulheres tenham conquistado a liderança de intoxicação por álcool durante o reinado de Momo! Triste estatística!


Este ano, houve um aumento significativo nos casos de intoxicação em relação ao mesmo período de 2014. Conseguimos ultrapassar os homens no quesito coma alcoólico.


E até onde pudemos avançar numa justificativa para o fato, constatamos que as dietas rigorosas que as mulheres vêm adotando em nome da beleza impossível têm uma relação direta com esse estado de coisas. Outro fator está intimamente ligado ao paladar: enquanto os homens preferem a cerveja, as mulheres apreciam mais os coquetéis e bebidas a base de vodcas, que tem teor de álcool mais elevado. Essa teoria pode ser facilmente constatada com uma simples observação da publicidade: Alguém lembra de alguma propaganda de cerveja dirigida às mulheres? Em compensação o que tem de comercial de cerveja dirigido aos homens é uma barbaridade!


Barbaridade em todos os sentidos, já que em busca dos índices de consumo, algumas cervejarias exageram. É o caso da Skol que, este ano, em sua campanha pré- carnaval arriscou uma mensagem bastante infeliz, para dizer o mínimo.

 

"Esqueci o não em casa". A frase rapidamente se espalhou em cartazes pelas ruas de São Paulo, e também em paradas de ônibus. Ao visualizar a frase em São Paulo capital, Pri Ferrari, publicitária e ilustradora, e Mila Alves, jornalista, ficaram indignadas com a mensagem reproduzida pela campanha. Isso porque, para elas, a ideia de "deixar o não em casa" vai contra os já conhecidos esforços das mulheres no sentido de conscientizar homens de que não realmente significa não, e que forçar uma mulher a algo por acreditar que ela está "se fazendo de difícil" é mais do que desrespeito, é violento, é abusivo.

 

Pri Ferrari e Mila Alves resolveram mostrar indignação contra a campanha, voltando ao local em que viram o cartaz e com fita isolante, mudaram a mensagem. A frase ficou assim: “Esqueci o 'não' em casa. E trouxe o 'nunca'". Pri Ferrari postou uma fotografia das duas ao lado do cartaz alterado em sua página no Facebook. E a partir daí, a polêmica ganhou força através das redes sociais.

A ativista Rachel Moreno, autora do livro A beleza impossível, acompanhou de perto os desdobramentos do caso e conversa com a gente sobre o que aconteceu com a tal campanha.

 

Viva Maria: Programete que aborda assuntos ligados aos direitos das mulheres e outros aspectos da questão de gênero. É publicado de segunda a sexta-feira.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique