Governo define novas regras para lista suja do trabalho escravo

03:05 Direitos Humanos, Notícias 31/03/2015 - 21h07 Brasília Embed

Maíra Heinen

Nesta terça-feira foi assinada a nova portaria que atualiza as regras sobre o cadastro de empregadores na chamada “lista suja” do trabalho escravo.

 

A relação, que aponta quem sujeitou trabalhadores a condições semelhantes à de escravo, foi proibida de ser divulgada em dezembro do ano passado. Uma liminar, concedida pelo Supremo Tribunal Federal à Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias, questionava a validade do cadastro por não haver lei específica de criação da chamada lista suja.

 

Uma das mudanças na nova portaria é a divulgação constante da relação de nomes, que antes era feita semestralmente. Novos dados serão incluídos à medida que os processos forem finalizados.

 

Para o ministro Manoel Dias a nova portaria surgiu da necessidade de aprimoramento do direito de ampla defesa.

 

Sonora " Nós estamos apenas facilitando para que não haja dúvidas quanto à validade e a legalidade do processo. Nas vezes em que a justiça tem intervindo, ela tem concedido benefício de liminares decorrente da alegação de que não há o direito do contraditório."

 

Já a ministra Ideli Salvatti ressaltou que as novas regras estão amparadas em acordos internacionais que o Brasil é signatário, e também na Lei de Acesso à informação e que, portanto, têm embasamento legal.

 

Sonora " Nós também introduzimos na portaria todos os acordos internacionais que o Brasil é signatário e que tem decreto convalidando esta anuência brasileira a estes acordos internacionais, como foi a Convenção 105 da OIT, a Convenção sobre escravatura de Genebra, e a Convenção Americana de Direitos Humanos."

 

Mas a lista atualizada só poderá ser divulgada quando o STF revogar a liminar que impede a publicação das informações. Segundo o MTE, A última atualização do cadastro antigo possuía 572 indicados e a nova lista terá 404 nomes, motivados pelas novas regras.

 

Para o coordenador da campanha nacional contra o trabalho escravo, da Comissão Pastoral da Terra, Xavier Plassat, quando a lista atualizada for divulgada, o cenário pode mostrar que há muito trabalho escravo ocorrendo também nos grandes centros urbanos. Mas segundo ele, na região amazônica a fiscalização contra o trabalho escravo é mais difícil.

 

Sonora:  "Não que não exista mais na Amazônia, mas não existe somente na Amazônia. E está cada vez mais difícil de detectar porque na Amazônia, quem pratica trabalho escravo está se utilizando de procedimentos muito mais sofisticados."

 

A ONG Repórter Brasil solicitou ao MTE, no início do ano, por meio da Lei de Acesso à Informação, a lista atualizada. De acordo com esta relação, os empregadores dos estados da Amazônia representam mais da metade dos nomes encontrados. São 231 empregadores ilegais na Amazônia Legal. O Pará vem em primeiro lugar, com 146 ocorrências.

 

A nova Portaria entra em vigor nesta quarta-feira, 1º de abril.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique