Negros eram maioria dos adolescentes privados de liberdade em 2013

03:01 Direitos Humanos, Notícias 16/06/2015 - 18h12 Brasília Embed

Danyele Soares

Cerca de 23 mil adolescentes estavam privados de liberdade no país em 2013. Desses, 95% eram homens e 60% negros, e tinham entre 16 e 18 anos.

 

Os dados foram divulgados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada-IPEA. O levantamento mostra que os delitos mais comuns são roubo, furto e envolvimento com tráfico de drogas.

 

De acordo com informações de 2012, a maior parte desses meninos estava em São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco e Ceará.

 

No estado paulista, por exemplo, estima-se que há três jovens em privação de liberdade para cada mil adolescentes. O estudo revela também que, em 2003, metade dos meninos apreendidos não frequentava a escola e não trabalhava quando praticou a infração.

 

A pesquisadora do IPEA Enid Rocha explica que o Estatuto da Criança e do Adolescente prevê a privação de liberdade apenas para atos de alta gravidade. Assim, se a norma fosse aplicada à risca, muitos meninos não estariam em unidades de internação.

 

 

Para o secretário da União dos Negros pela Igualdade do estado do Acre, Geovanny Kley, o jovem negro é maioria nas unidades de internação por causa da falta de acesso à educação, a programas de inclusão social e ao mercado de trabalho.

 

 

O estudo foi lançado para contribuir com o debate sobre a redução da maioridade penal. O secretário Nacional de Juventude, Gabriel Medina, explica que a pesquisa aponta como solução para reduzir os índices de violência o investimento em medidas socioeducativas em meio aberto e em prestação de serviços à comunidade.

 

Nesta quarta-feira, a Comissão Especial da Câmara dos Deputados deve votar o relatório sobre o tema que reduz de 18 para 16 anos a idade mínima para que uma pessoa seja punida penalmente por cometer um crime.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique