Em Roraima, vários indígenas têm no lixo a sua sobrevivência

04:11 Direitos Humanos, Especiais 19/04/2017 - 08h03 Boa Vista Embed

Maíra Heinen, Enviada Especial da EBC

Rádio Nacional da Amazônia veicula, nesta quarta-feira (19), Dia do Índio, a terceira matéria - da série de cinco - sobre a situação indígena nos tempos atuais. O especial é distribuído pela Radioagência Nacional.


A matéria desta quarta mostra as dificuldades enfrentadas pelos indígenas, em Roraima, onde vários sobrevivem como catadores em lixões. 

 

 

“Vendo lixo e não tenho vergonha de falar, na minha caminhada foi fome, violência, pobreza e roubar. Nasci pra sofrer, pode crer, pra cair, levantar, errar e aprender. A caminhada é dura, tudo é fase. Zona oeste é meu lugar, nesse canto da cidade. Eu sou a voz ativa da perifa, a voz dos oprimidos, a voz dos loucos, das minas e dos bandidos, dos esquecidos pela sociedade, dos humildes que não tem vez aqui nessa cidade.”


A melodia e a letra notadamente urbanas do rap servem de canal para expressar as angústias de Charlesson da Silva, 18 anos, catador de material reciclável e indígena wapixana. Ele não tem vergonha de trabalhar como catador em Boa Vista (RR), mas o que quer para o futuro está fora dos lixões.

 

“[Eu quero] melhorar de vida, melhorar a vida da família também. Estou estudando, voltei a estudar né! Quero me formar em direito. Tem o rap, mas também quero ter um trabalho assim, bacana.”


O rapper é o orgulho da mãe, Mara Wapixana. Ela também coleta material no lixão, mas não vai ao local com frequência. “Não desejo isso aqui pra ninguém, mas para não estar pedindo, nem tá roubando por aí, a gente fica por aqui mesmo.”


A montanha de lixo à beira da BR-174, os urubus e o forte cheiro do chorume evidenciam o ambiente de trabalho desses indígenas.


Eles não estão ali porque gostam, mas o lixão acaba sendo a última possibilidade na busca pela sobrevivência, como aponta o presidente da Organização dos Indígenas da Cidade, em Boa Vista, Eliandro Pedro de Sousa.


“Para quem não aguenta mais estar naquela situação de trabalho, de exploração da mão de obra, muitos não veem outra saída para sair daquela situação. Então, [a solução é] fazer a coleta seletiva no lixo. É o fundo do poço da questão indígena urbana é a presença no lixão.”


Para buscar visibilidade e saber as principais demandas desses trabalhadores, em 2013 o projeto Nova Cartografia Social da Amazônia começou a atuar com os indígenas coletores de material reciclável na capital roraimense.


A maioria dos índios demandava pela regularização da profissão de catador e o acesso a documentos. A coordenadora da equipe de trabalho do projeto, Marineide Peres da Costa, revela que grande parte dos indígenas são estrangeiros, principalmente da Guiana e, mais recentemente, da Venezuela. Para ela, o local é desolador.


“É um ambiente muito pesado. Tá certo que é uma classe trabalhadora, mas ela não é valorizada. Elas não conseguem a sustentabilidade do próprio trabalho, entendeu. É muito desvalorizada, principalmente as mulheres que estão ali em cima.”

 

A Fundação Nacional do Índio (Funai) acompanha de forma tímida a situação dos indígenas catadores, como define o próprio coordenador da fundação em Boa Vista, Riley Mendes.


“Quando a gente começou a acompanhar, eles se dispersaram. Eles não queriam ser contados como catadores de lixo. Então, foi muito tímido ali no início. Mas eles não se identificavam como indígenas. Eles não queriam ser identificados como indígenas.”


Para alguns indígenas, a melhoria de vida pode vir com a adequação do local à Lei de Resíduos Sólidos, com a atuação de cooperativas e uma usina de reciclagem.


O aterro sanitário de Boa Vista deve se adequar à lei até meados de 2018, segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Boa Vista. Os catadores, de acordo com o secretário Daniel Peixoto, serão contemplados. Mas há um porém em relação à indígenas estrangeiros.


“Não cabe a responsabilidade da prefeitura nesse sentido. Se ele estiver ilegal no país, eu não tenho como botar ele pra trabalhar.”


Mas a possibilidade de mudança no lixão anima Márcio Wapixana, que espera trabalhar com carteira assinada. “Vai ser carteira assinada né, aí vai ser bom. A vida vai melhorar, de muita gente. Ainda mais o pessoal daqui, que precisa muito. Vai abrir três cooperativas, vai funcionar e vai pegar o pessoal.”


E a esperança desses cidadãos indígenas persiste, apesar do ambiente triste e insalubre do lixão.