MPF pede que Funai e União paguem R$ 50 milhões de indenização a índios Waimiri-Atroari

02:03 Direitos Humanos, Notícias 25/08/2017 - 15h51 Brasília Embed

Maíra Heinen

Ação movida pelo Ministério Público Federal no Amazonas pede que Funai e União façam uma reparação aos índios Waimiri-Atroari pelos danos sofridos durante a construção da BR 174, entre os anos de 1968 a 1977.

 

Entre as medidas, o MPF pede o pagamento de indenização no valor de R$ 50 milhões.

 

Outra solicitação é a realização de uma cerimônia formal de pedido de desculpas aos Waimiri-Atroari, com a presença de representantes do Poder Executivo Federal e Estadual.

 

O procurador Júlio Araújo explica porque a ação é necessária, tantos anos depois.

 

Sonora: É importante a gente ressaltar que é uma violação de direitos humanos, um genocídio que foi praticado pela ditadura, que tem um impacto muito grande na estruturação do grupo naquela época. E, mais do que isso, é um tema que gera danos permanentes naquela comunidade, um impacto na sua convivência diária até hoje.

 

Na ação, o MPF classifica o fato como um dos episódios mais tristes da história do país. Egydio Schwade, à época secretário nacional do Conselho Indigenista Missionário, relata que, durante o processo de alfabetização, os indígenas começaram a contar alguns dos incidentes sofridos.

 

Sonora: Primeiro fazendo desenhos e depois escrevendo as primeiras palavras e durante o processo de discussão em aula é que ocorreram diversos depoimentos deles sobre a violência ocorrida. Houve bombardeios, houve massacres, inclusive com metralhadora.

 

A Comissão Nacional da Verdade, instituída pelo governo brasileiro para apurar fatos referentes ao período entre 1946 e 1985, concluiu que 2.650 indígenas Waimiri-Atroari foram mortos durante a construção da rodovia.

 

A Funai e a Advocacia-Geral da União ainda não responderam ao pedido de informações sobre o assunto.