Brasil vai ampliar capacidade do banco de perfis genéticos para investigação criminal

02:25 Direitos Humanos, Notícias 10/08/2018 - 16h04 Brasília Embed

Graziele Bezerra

Às vésperas dos cinco meses da morte da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, não descarta a participação de políticos e agente públicos no crime.

 

Jungman voltou a dizer que a polícia está diante de um crime complexo que tem reflexos dentro dos órgãos públicos e na política brasileira. Marielle e o motorista dela, Anderson Gomes, foram mortos a tiros no dia 14 de março.

 

O ministro anunciou ainda que o Brasil vai aumentar a capacidade do banco de perfis genéticos, com informações de detentos brasileiros. Segundo o ministro, o banco vai passar dos 19 mil para 90 mil registros, e servir de inibidor para novos casos de violência contra a mulher.

 

Segundo Jungmann, esse é uma resposta ao avanço da violência contra a mulher no Brasil. Segundo o anuário da violência, a cada 10 minutos um estupro é registrado no país. E em 2017, o número de estupros aumentou mais de 8% quando comparado com 2016 e chegou a mais de 60 mil casos.

 

O ministro anunciou ainda que o sistema de licitações e compras do governo, a partir de agora, vai determinar que empresas vencedoras de licitações acima de  R$ 330 mil serão obrigadas a contratar presidiários ou egressos do sistema penitenciário nacional. Hoje, dos 726 mil apenados no Brasil, apenas 12 por cento tem alguma atividade laboral.

Deseja fazer algum tipo de manifestação?

Favor copiar o link do conteúdo ao apresentar sua sugestão, elogio, denúncia, reclamação ou solicitação.