Assassinato de quilombolas cresceu 350% no ano passado

01:55 Direitos Humanos, Notícias 26/09/2018 - 10h10 Brasília Embed

Graziele Bezerra

2017 foi o ano mais violento dos últimos 10 anos para comunidades quilombolas do Brasil. É o que mostra estudo da Conaq, a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas.


O documento mostra que no ano passado, em comparação com 2016, o número de assassinatos de quilombolas cresceu 350%. Foram mortos 16 homens e duas mulheres.


A coordenadora da pesquisa, Élida Lauris, aponta a vulnerabilidade dos quilombos e o preconceito como os principais culpados por esses assassinatos.


O Nordeste é a região que concentra a maioria dos casos, 73%. Destaques para a Bahia, com 13 mortes, e o Maranhão, com 10.


O documento também enumera outros tipos de violações sofridas por esses povos, como ameaças, perseguições, intimidação, prisões arbitrárias, assédio, tortura e invasão, além de perda de território.


O trabalho envolveu pesquisa documental do acervo da Conaq, notícias em jornais, redes sociais e outras publicações, além de técnicas específicas de amostragem.


* Com produção de Ivan Richard, da TV Brasil.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique