Distrito Federal ganha mais um núcleo de enfrentamento à violência doméstica

01:55 Direitos Humanos, Notícias 30/09/2018 - 09h19 Brasília Embed

Anna Luisa Praser

É para que histórias como essa sejam cada vez menos frequentes, que a Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, em parceria com o Ministério Público tem investido em núcleos de enfrentamento da violência doméstica.

 

Para ampliar a rede de atendimento, Taguatinga vai ganhar uma nova unidade. Com esta, serão 10 núcleos que fazem acolhimento e acompanhamento interdisciplinar das vítimas e agressores.

 

Os atendimentos são feitos normalmente no interior das promotorias. O principal atendimento é para os agressores, que são encaminhados para grupos de reflexões que possam ajudar a mudar comportamentos.

 

A violência doméstica vai muito além da agressão física. Amanda Tuma, promotora de justiça da 1ª Promotoria de Defesa da Mulher em Contexto de Violência Doméstica, em Taguatinga, alerta que existe ajuda disponível para sair de relação abusiva.

 

A Secretaria de Segurança Pública fez um perfil das vítimas e dos agressores em casos de violência doméstica no DF. A maioria dos autores, 37%,  e 34% das vítimas, têm entre 18 e 30 anos de idade.

 

Entre os autores identificados, 89% são do sexo masculino. No primeiro semestre deste ano, mais da metade das ocorrências registradas envolveram tanto a violência moral e psicológica quanto a física.

 

Ao todo, 7.029 agressões foram registradas nos seis primeiros meses de 2018. Ceilândia foi a região com maior número de ocorrências, seguida por Planaltina e Samambaia. 92% dos casos ocorreram dentro das residências da vítima ou do agressor.