Acnur defende preservação de políticas de acolhimento para venezuelanos

02:20 Direitos Humanos, Notícias 07/11/2018 - 08h34 Brasília Embed

Juliana Cezar Nunes

Representantes de 40 organizações da sociedade civil estão em Brasília esta semana para o Encontro Nacional da Rede Solidária de Migrantes e Refugiados. O evento é promovido pelo Instituto de Migrações e Direitos Humanos e pela Acnur, a Agência da ONU para Refugiados. O principal foco dos debates é a situação dos migrantes venezuelanos.

 

A Acnur e as organizações da sociedade civil querem estabelecer um diálogo com o governo de transição para avaliar e planejar as próximas ações.

 

Pablo Matos, oficial de relações institucionais da Acnur Boa Vista, afirma que a expectativa é de que as políticas de acolhimento e interiorização tenham continuidade e a parceria do governo com a sociedade civil possa ser ampliada.

 

"Vale a pena destacar que a resposta do Brasil tem sido colocada como uma boa prática para a região. Uma das lacunas é justamente essa criação de uma política pública para otimizar a integração dessas pessoas à sociedade brasileira."

 

Ana Paula Santos da Silva, do Ministério do Trabalho e integrante do Conselho Nacional de Migração, fala sobre um dos principais desafios enfrentados pelo governo.

 

"Avançar nessa interiorização e nessa sensibilização do empresariado, na contratação dos imigrantes. Nós temos muito mais brasileiros que saem do que imigrantes que entram. Então é uma população que a gente consegue, sim, interiorizar e socializar no Brasil."

 

A irmã Rosita Milesi, do Instituto de Migrações e Direitos Humanos, considera que a Venezuela vive uma crise humanitária e defende que o Brasil se comprometa ainda mais com o acolhimento dos migrantes.

 

"A transferência para outros estados é um ponto importante, mas eles precisam ser integrados. E para a integração, o acesso às políticas públicas sociais e ao trabalho são elementos fundamentais."

 

De acordo com dados das Nações Unidas, cerca de 2,6 milhõesl de venezuelanos vivem fora da Venezuela devido à crise política e econômica. O Brasil já recebeu 65 mil solicitações de refúgio e 19 mil de residência temporária.