Defensoria Pública do TO investiga falta intérpretes de libras em aulas de autoescola

01:59 Direitos Humanos, Notícias 10/06/2019 - 16h09 Brasília Embed

Renata Martins

Em Tocantins, pessoas com deficiência auditiva denunciam falta de intérpretes de libras no auxílio das aulas teóricas e práticas para carteira de motorista.

 

A Defensoria Pública do Tocantins deu dez dias para que o Detran explique a falta de intérpretes nas autoescolas do estado.

 

Há uma semana, um grupo de pessoas com deficiência procurou o Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor, da Defensoria, em Palmas, para solicitar assistência jurídica no caso.

 

Ao defensor, o grupo relatou que deram início ao procedimento para emissão da Carteira Nacional de Habilitação realizando os exames de aptidão física, mental e psicológica.

 

Porém, quando passaram para a fase do curso teórico encontraram dificuldades, pois nenhuma autoescola credenciada junto ao departamento oferece intérprete de libras apto para interpretar as aulas do curso de formação.

 

O defensor público Daniel Gezoni afirma que o direito é garantido por normas nacionais.

 

A defensoria aguarda retorno do Detran e também vai notificar a autoescola para que os assistidos que já iniciaram o processo se manifeste sobre a impossibilidade de fornecer o intérprete.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique