Parada LGBT reúne milhares de pessoas na zona norte do Rio de Janeiro

02:33 Direitos Humanos, Notícias 16/12/2019 - 08h24 Rio de Janeiro Embed

Cynthia Cruz

Com o lema "Nossas lutas, nossas forças, nossa militância refletem em nossas cores" a 19ª edição da Parada LGBT de Madureira, na zona norte do Rio, reuniu milhares de pessoas neste domingo. O principal objetivo do Movimento de Gays, Travestis e Transformistas da Zona Norte, organizador do evento, foi novamente chamar a atenção para a luta contra o preconceito e a discriminação, como ressalta representante do MGTT, Loren Alexsander.


“Ninguém é obrigada a nos aceitar, mas são obrigados a nos respeitar. O recíproco é mútuo. A gente busca fazer nosso social, atuar dentro do direito cultural, fazer nosso papel para a inclusão social, aceitando e convivendo com as diferenças”.


Trios elétricos animaram o público que se formou por pessoas dos mais variados gêneros, idades, classes sociais e raças.


O estudante Breno Coutinho, de 17 anos, foi pela segunda vez em Madureira para participar do evento. Ele é morador de Santíssimo, na zona oeste, e sonha em ser psicólogo ou maquiador profissional. Disse que já sofreu vários tipos de violência, como empurrões e xingamento, e que procura sempre andar em grupo como forma de proteção. O jovem revelou ainda que sofre preconceito dentro da própria família, ao contrário da escola onde estuda, em Bangu, também na zona oeste.


“Eu morava com a minha avó. Eu me assumi e ela me expulsou de casa. Fui morar com a minha mãe; ela aceita, mas espera uma oportunidade para me xingar. As minhas tias também não aceitaram no começo, mas depois entenderam. Minha irmã respeita, mas não me aceita, meu irmão não me aceita. A escola eu acho muito legal, porque tem outras pessoas que também são LGBTs. Lá eu nunca sofri nada”.


Durante a parada LGBT, que teve o apoio da Coordenaria Especial da Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio, também foram realizadas ações sociais e na área da saúde. Vacinação contra febre amarela, distribuição de preservativos, informações sobre HIV e infecções sexualmente transmissíveis, orientação sobre inclusão no Cadastro Único do Ministério da Cidadania, além de oficinas de turbantes e recreação infantil foram algumas das atividades oferecidas.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique