Produtores de açaí da região do Marajó criam fundo comunitário

02:44 Economia, Notícias 01/06/2016 - 11h21 Brasília Embed

Michelle Moreira

O açaí tem ganhado cada vez mais destaque nos mercados nacional e internacional. Típico da região amazônica, o fruto é a base da economia de muitas comunidades na Região Norte do Brasil.


É o caso da Ilha do Marajó, no Pará. O fruto corresponde a quase 70% da produção dos produtos florestais não-madeireiros na região.


Mas apesar do grande volume, a safra do açaí tem duração de apenas quatro meses ao ano.


Durante o período, cada família extrativista consegue extrair em média de 5 a 10 rasas do fruto, que é a unidade de medida do açaí. Cada uma soma em torno de 14 quilos.


E para garantir renda durante os outros oito meses, extrativistas se uniram e colocaram em prática a ideia do Fundo Florestal Comunitário.


O gerente de projetos do Instituto Peabiru, Organização da Sociedade Civil, que coordena a iniciativa, Manoel Potiguar, explica que algumas comunidades na região decidiram vender o fruto de forma coletiva.


A prática, além de garantir um melhor preço pelo produto, também ajudou a formar uma poupança.


O produtor Miguel Baratinha afirma que a sua comunidade no município de Curralinho (PA) está aprimorando o projeto. A ideia é constituir um banco comunitário.


A instituição passa a emitir moeda própria com paridade ao real. O recurso - com circulação restrita ao vilarejo - será investido em prol de todos os moradores. E apesar de não terem definido onde o dinheiro será aplicado, o extrativista já tem alguns planos.


A primeira experiência de Banco Comunitário na Ilha do Marajó foi implantada em abril deste ano, no município de Muaná. A iniciativa é uma parceria entre o Instituto Internacional de Educação do Brasil, o Instituto Vitória Régia e a Peabiru.


Embora a região do território de Marajó reúna 16 cidades e uma população de quase 500 mil pessoas, apenas duas têm atendimento bancário realizado pela Caixa.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique