Trocando em Miúdo: Como a crise atual pode afetar o mundo do emprego para os jovens no futuro

04:44 Economia, Programetes 27/09/2017 - 01h58 Brasília Embed

Apresentação Eduardo Mamcasz

Olá, prezada pessoa ouvinte cidadã.

 

Economia em crise, dois anos em recessão, ou seja, abaixo do zero, desemprego acima dos 10%, já chegou aos 14%, mas tem um detalhe importante que afeta os jovens à procura do tão importante primeiro emprego da vida. Estamos falando dos jovens e como eles estão enfrentando esta fase pela qual o Brasil passou e está passando ou quase saindo dela. Vamos nessa.

 

Pois então. Desemprego entre os jovens dos 20 aos 30 anos, na verdade, beira os 25%, segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a chamada fase da “Promessa de Vida”. A partir desta fase, os jovens vão definir a carreira, a profissão, se vão mesmo usar a formação escolar, mesmo que da universidade e tal. Mas a prosa de hoje é o que esta crise econômica, e política também, vai mexer na vida restante dos nossos jovens. Teremos, por exemplo, dizem os especialistas, líderes mais voltados para a execução de tarefas e menos criativos e estratégicos.

 

Conversando com quem entende do assunto. Felipe Carvalho, que é gerente de Negócios Corporativos da Thomas Case & Associados, primeira dúvida: como esta crise pela qual o Brasil está passando vai afetar a vida dos nossos jovens e o futuro deles?

 

Acontece ainda, doutor Felipe Carvalho, que há jovens, hoje, por causa da crise econômica, com desemprego e tal, que acabam aceitando emprego que não tem nada a ver com a formação deles, com a profissão sonhada na universidade ou mesmo curso técnico. Tem uma necessidade maior do que o futuro, não é mesmo?

 

Outra coisa, professor Felipe Carvalho. Tem, ainda, uma preocupação maior com os nossos jovens. Essa mudança de comportamento, por causa da crise, econômica e política, não vai afetar o futuro deles?

 

Mas, na verdade mesmo, na prática, o jovem de hoje, mesmo formado numa faculdade, não está conseguindo o emprego na profissão sonhada, então ele não tem tempo para ser criativo, sonhar, pensar seriamente para aquilo que ele se preparou. Qual a saída então, pelo menos para esses jovens?

 

Fechando a prosa. E se, com esse resultado negativo da crise em cima do jovem que se preparou para a vida profissional, de repente, nossos jovens se perguntarem: estudar para que? O que a gente responde?

 

Então, tá. Inté e axé.

 

 

Trocando em Miúdo: Quadro do programa "Em Conta", da Rádio Nacional da Amazônia. Aborda temas relacionados a economia e finanças, traduzidos para o cotidiano do cidadão. É distribuído em formato de programete, de segunda a sexta-feira, pela Radioagência Nacional. Acesse aqui as edições anteriores.