Trocando em Miúdo: FMI recomenda a países da América Latina estratégia de combate à corrupção

03:27 Economia, Programetes 13/10/2017 - 07h46 Brasília Embed

Apresentação de Eduardo Mamcaz

Olá, prezada pessoa ouvinte e cidadã.

 

A prosa de hoje é sobre a corrupção manifestada pelo abuso de um cargo público para benefício particular, como diz o relatório divulgado pelo Fundo Monetário Internacional, o FMI, em que analisa esta doença na nossa América Latina entre outras partes do mundo. Vamos nessa.

 

Antes dos detalhes, lembro o escrito neste relatório do FMI explicando que “a corrupção pode acontecer tanto num nível “elevado” ou político quanto  pode dar-se também no “insignificante”, no nível burocrático.” 

 

Diz ainda que a corrupção começa tanto pelo lado da oferta, insinuando um suborno para conseguir alguma coisa, quanto na parte da demanda, quando se pede um suborno para resolver alguma situação que está sendo demandada.

 

Corrupção na América Latina. Relatório do Fundo Monetário Internacional. Primeira constatação.

 

Do jeito como está escrito. A corrupção segue sendo um problema na América Latina. Embora, continua o relatório do FMI, a corrupção na nossa região latinoamericana apresente graduações diferentes entre os países.

 

Segundo o FMI,em Honduras, na América Central, a corrupção segue sendo muito forte.

 

Por outro lado, Chile e Uruguai receberam elogios pelas “boas qualificações nos indicadores de institucionalidade e bom governo.”

 

Continuando. Relatório do FMI sobre corrupção na América Latina e, portanto, no nosso Brasil também. Ouça com atenção. Outra vez, do jeito como está escrito: “Em geral, a maioria das mudanças nos países da América Latina são relativamente pequenas. Uma vez instalada, a corrupção é difícil de ser erradicada.”

 

Tem mais no relatório do FMI:

 

“ A corrupção na América Latina continua sendo excessiva. E a paciência da população está se esgotando.”

 

Para terminar, o FMI recomenda, entre outras coisas, o seguinte aos nossos governos:

 

“ É preciso formular uma estratégica coerente para combater a corrupção, o que é uma tarefa difícil, sim, é preciso aprender com a experiência que vai se acumulando, mas tudo isto depende das circunstâncias de cada país.”

 

Então tá.


Inté e axé.

 

Trocando em Miúdo: Quadro do programa Em Conta, da Rádio Nacional da Amazônia. Aborda temas relacionados a economia e finanças, traduzidos para o cotidiano do cidadão. É distribuído em formato de programete, de segunda a sexta-feira, pela Radioagência Nacional. Acesse aqui as edições anteriores.