Trocando em Miúdo: Vai acontecer. É o caminho, diz ministro sobre redução da estatização de empresas

03:58 Economia, Programetes 04/10/2017 - 02h13 Brasília Embed

Apresentação Eduardo Mamcasz

Olá, prezada pessoa ouvinte cidadã.

 

A prosa de hoje tem a ver com uma grande companhia brasileira, que já foi uma das cinco maiores do mundo, no setor em que atua, mas que passou por dificuldades recentemente, a partir do mensalão e da Lava Jato. Estamos falando daquela que, já no tempo do Getúlio Vargas, mereceu a campanha “O petróleo é nosso”. Estamos falando, é lógico, da Pe-tro-bras. Vamos nessa?

 

Repetindo o que você acaba de ouvir. “Eu acho que isso vai acontecer. É um caminho.” Foi dito, claramente, pelo ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, durante o programa Roda Viva, da TVE de São Paulo, quando respondia à seguinte pergunta: ”Qual o motivo pelo qual o governo não privatiza a Petrobras, como pretende fazer com a Eletrobras?” A pergunta foi feita pela economista Helena Landau. No governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, ela comandou o processo de privatização de estatais.

 

E já que o assunto provoca debates porque envolve, a princípio, a privatização, ou não, da Petrobras, que está em processo de recuperação, lembrando, ainda, que já está acontecendo a venda de 40% da BR Distribuidora, da mesma estatal, então vamos ouvir a resposta, por inteiro, do ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho.

 

Só para terminar. Tudo isto aconteceu no programa Roda Viva, a partir da TVE em São Paulo, na noite desta segunda-feira, dia 2 de outubro, quando o principal da prosa era justamente a privatização, em andamento, das empresas que envolvem o conjunto da Eletrobras. Sobre isso, especificamente, o ministro lembrou o seguinte:

 

Então, tá. Inté e axé.

 

 

 

Trocando em Miúdo: Quadro do programa "Em Conta", da Rádio Nacional da Amazônia. Aborda temas relacionados a economia e finanças, traduzidos para o cotidiano do cidadão. É distribuído em formato de programete, de segunda a sexta-feira, pela Radioagência Nacional. Acesse aqui as edições anteriores.