Décimo terceiro promete movimentar o comércio neste fim de ano

02:42 Economia, Notícias 29/11/2017 - 14h09 Brasília Embed

Sayonara Moreno

O décimo terceiro promete movimentar o comércio depois da inadimplência em outubro ter alcançado o mesmo recorde de maio, quando atingiu 61 milhões de pessoas.

 

O Natal, assim como o Dia das Mães e o Dia das Crianças, interfere no endividamento da população. Mas o economista Luiz Rabí, diz que muitos brasileiros podem aproveitar o adiantamento para negociar dívidas antigas e realizar as compras de fim de ano.

 

Daniel Vaz é gerente de uma loja de eletroeletrônicos no centro de Brasília. Ele diz que o comércio, ultimamente tem dois períodos bons no fim do ano, a Black Friday, no fim de novembro, e as compras de Natal.

 

O economista Luiz Rabí conta que, até esta quinta-feira, o Serasa realiza feirões de negociação para pagamentos de dívidas dos cidadãos. Com isso, cerca de um milhão de pessoas conseguiram uma forma de sair da inadimplência, o que pode ser positivo para o Natal.

 

A estoquista Regina Célia está na expectativa de rebeber a segunda parcela do décimo terceiro. E, conforme a previsão do Serasa, ela vai negociar as dívidas e diz que vai sobrar pouco para as compras de Natal.

 

Apesar da boa expectativa com o décimo terceiro, o mês de março do ano que vem pode registrar uma nova alta no número de inadimplentes, mesmo que não alcance o recorde de 61 milhões. Para o economista Luiz Rabí, março tende a ser um mês crítico.

 

O levantamento do Serasa apontou, ainda, que as dívidas dos brasileiros totalizam quase  R$ 270 milhões com média de quatro dívidas  por CPF e  R$ 4 mil  por pessoa.