Trocando em Miúdo: Renegociar dívidas online pode não ser tão fácil para quem tem cabelos brancos

03:57 Economia, Programetes 14/12/2017 - 08h29 Brasília Embed

Apresentação Eduardo Mamcasz

Olá, prezada pessoa ouvinte cidadã.

 

Hoje em dia quem não sabe conversar com robô se dá mal, inclusive na hora de pagar uma conta, principalmente atrasada, uma multa de trânsito e tal, ou mesmo fazer uma transferência de dinheiro, pelo telefone, sem falar nada, e na mesma hora cai na conta de outra pessoa, num banco que pode ser até no outro lado do mundo. Já pensou? Vamos nessa.

 

Mas a prosa que eu quero levar hoje é com que idade uma pessoa se entende melhor com esta onda de computador, celular com internet, online, tablet e ipod e tantas outras coisas. Então, repasso um pouco da prosa que tiver com o CEO, quer dizer, chefe, da Acordo Online, o Marcelo Bergasse. Na verdade, a prosa foi sobre o Perfil do Pagador Brasileiro Online, mas isso fica para amanhã. Hoje, o que me interessou foi o seguinte. Em que idade o pessoal costuma mais usar a plataforma digital para renegociar dívidas atrasadas sem ter que ouvir a voz de ninguém. Com a palavra, o Marcelo Bergasse.


Sonora: “Querendo ou não, os jovens têm mais facilidade ao lidar com tecnologia. A maioria esmagadora as pessoas que acessam nosso site é de 25 a 34 anos, logo depois., de 35 a 44 anos. Mas é interessante que os mais jovens, a partir de 18 anos, que estão ingressando agora no mercado consumidor, e se tornando inadimplente, essa faixa também tem crescido consideravelmente.”

 

Agora, tem uma coisa que os bancos também estão enfrentando. Você sabe que está cada dia mais difícil a gente chegar até o guichê de um banco, ou então conversar com um gerente, pegar conselhos. É tudo online. Com isso, o pessoal de mais idade acaba ficando fora da prosa. Não é mesmo Marcelo Bergasse, da Acordo Online? O idoso tem que fazer o que?

 

Sonora: “Ou eles vão ter, realmente, que aprender para serem digitais ou eles serão desfavorecidos nesse processo.”

 

Ou então começar a usar um pouco mais os filhos…

 

Sonora: “É. Tem mesmo que ajudar. Eu mesmo ajudo sempre meus pais, sou o consultor cada quando tem uma impressora que não funciona ou um documento que era pra ser gerado em PDF e não dá certo.”

 

Mas se me permite uma brincadeira com os jovens de até 40 anos de idade, eu que sou idosos mas, felizmente, entendo de online e internet, mas melhor ainda do que a rapaziada, para mexer com essas tecnologias todas, eu acho que é a criança. Certo?

 

Sonora: “Sim, hoje em dia, a criança nasce com o celular na mão. Quando chega à idade adulta, ela está mais bem preparada, diferentemente de um adulto que tem que aprender.”

 

Amanhã a gente continua esta prosa. Perfil do Pagador Brasileiro. Tudo online. Inclusive com a pergunta. Quem negocia melhor online? O homem ou a mulher? Pena que as pessoas, com isso, a cada dia se distanciam mais de uma da outra e uma boa prosa, não é mesmo?

 

Então, tá. Inté e axé.

 

 

Trocando em Miúdo: Quadro do programa "Em Conta", da Rádio Nacional da Amazônia. Aborda temas relacionados a economia e finanças, traduzidos para o cotidiano do cidadão. É distribuído em formato de programete, de segunda a sexta-feira, pela Radioagência Nacional. Acesse aqui as edições anteriores.