Produção industrial recua de julho para agosto, mesmo com crescimento em 9 locais

02:06 Economia, Notícias 09/10/2018 - 13h38 Rio de Janeiro Embed

Raquel Júnia

A produção industrial nacional recuou 0,3% de julho para agosto. O desempenho negativo em São Paulo, que tem o maior parque industrial do país, foi o que mais contribuiu para a queda nacional. O recuou da produção no estado foi de 0,9%. Apesar disso, em nove locais pesquisados houve avanço na produção.

 

Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal divulgados nesta terça-feira (9) pelo IBGE.

 

A pesquisa mostra que o resultado negativo foi verificado em seis dos 15 locais pesquisados – Amazonas, Pará, Espírito Santo, São Paulo, Santa Catarina e Rio de Janeiro.

 

Os locais que registraram mais avanço foram Mato Grosso, Bahia e Pernambuco, seguidos por Ceará, toda a região Nordeste, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais e Goiás.

 

O IBGE atribui o desempenho negativo de São Paulo à insegurança política no cenário de eleições, com a indústria evitando investimentos.

 

E no caso do Amazonas, que também registrou queda acentuada na produção, de 5,3%, o resultado é fruto da desaceleração da produção de derivados de petróleo.

 

Entre as regiões,  nordeste se destacou como de desempenho positivo.

 

Os estados pesquisados, Bahia, Pernambuco e Ceará ficaram acima da variação nacional de julho para agosto.

 

Na Bahia o destaque foi o setor de veículos automotores, reboques e carrocerias.

 

Em Pernambuco, o desempenho foi puxado pelos produtos alimentícios, como o açúcar, sorvete e picolé, entre outros, e no Ceará pelos artigos de couro.

 

Na comparação com agosto de 2017, a indústria mostrou crescimento de 2,0% em agosto de 2018, com 11 dos 15 locais pesquisados apontando taxas positivas.

 

Na mesma comparação, três estados tiveram os avanços mais acentuados, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Pará.

 

No acumulado do ano, também houve alta em 11 dos 15 locais pesquisados.

 

Os maiores crescimentos foram registrados no Amazonas e Pará. As maiores quedas em Goiás e no Espírito Santo.