Ato de greve na UERJ pede regularização de salários e condições de trabalho

01:58 Educação, Notícias 03/08/2017 - 18h35 Rio de Janeiro Embed

Tâmara Freire

Professores e alunos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro organizaram primeiro ato da greve em frente à entrada principal do campus Maracanã, que fica na zona norte da capital.

 

A paralisação foi aprovada em assembleia na terça-feira (01), um dia depois da reunião do conselho de diretores da universidade decidir adiar por tempo indeterminado o início do ano letivo de 2017, previsto para começar no dia 1º de agosto.

 

Além de protestar contra as más condições das 13 unidades que atendem mais de 41 mil estudantes, o ato também pede a regularização dos salários atrasados de professores e funcionários e das bolsas acadêmicas.

 

Alunos como o estudante de História Eden Pereira relatam a frustração com relação ao futuro incerto. Sem a bolsa que tem direito por ser estagiário no Instituto Histórico e Geográfico, ele esperava se formar no ano que vem, mas agora não tem previsão.

 

Os funcionários e bolsistas da UERJ amargam quase quatro meses de salários e benefícios atrasados, além do governo também não ter quitado o décimo terceiro do ano passado. A greve será mantida até a próxima assembleia dos docentes, maracada para o dia 17 de agosto.

 

Até o fechamento da matéria, as assessorias da Secretaria de Ciência e Tecnologia e da Fazenda não haviam se pronunciado sobre o teor das críticas em relação ao governo do estado.