Professor avalia prova do Enem como "conteudista"; Inep considera crítica normal

02:04 Educação, Notícias 13/11/2017 - 11h02 Brasília Embed

Renata Martins

No segundo dia do Exame Nacional do Ensino Médio 2017 (Enem), candidatos responderam questões de matemática, ciências da natureza, química, física e biologia. Para os estudantes ouvidos pela reportagem em Brasília, a prova foi difícil.

 

Sonora (estudantes): “Eu senti uma prova muito conteudista.” “Tinha muito química orgânica e geometria aeroespacial.” "Achei muito difícil". “Em comparação com a prova passada, essa tinha que prestar muito mais atenção ao enunciado.”

 

O professor de biologia Rubens Oda, do curso online Descomplica, avalia que a prova pode ser classificada com nível de médio a difícil. Segundo ele, houve questões interpretativas, como nos quesitos de análise de gráficos. Mas o peso maior dado às questões “conteudistas” preocupa o professor.

 

Sonora: “No momento em que se discute um novo ensino médio e a base nacional curricular comum, a gente voltar a pensar numa avaliação de conteúdos e não de habilidades e competências é um retrocesso. Se a gente pensa em um país continental como o Brasil, que tem realidades educacionais muito diferentes nos seus estados.

 

Durante balanço do Enem, a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Maria Inês Fini, responsável pela realização do exame, falou sobre a polêmica.

 

Sonora: “Além dessa opinião de que a prova é conteudista, vários outros professores elogiaram a prova exatamente porque ela tem uma diversidade de temas que privilegiam várias estruturas cognitivas lógico-racionais etc. Então, acho que sempre um instrumento de avaliação tão amplo como foi a prova vai ter uma divergência de opinião muito grande.”

 

O gabarito oficial do Enem será divulgado até esta quinta-feira (16). O resultado final do exame deve sair no dia 19 de janeiro de 2018.

 


*Com colaboração de Ivan Richard da Agencia Brasil e de Sumaia Villela, da Rádio Nacional em Brasília