Fies amplia financiamento mínimo para 50% do valor do curso; teto é de R$ 7 mil por mês

01:54 Educação, Notícias 07/06/2018 - 11h11 Brasília Embed

Leandro Martins

As mudanças no Fies, o Fundo de Financiamento Estudantil, foram anunciadas nesta quarta-feira (6) pelo ministro da Educação, Rossieli Soares.

 

Uma das alterações é o percentual mínimo de 50% para a modalidade 1, o chamado Fies público. De acordo com o ministro, o motivo foi a constatação de que, pelo modelo anterior, havia financiamento de valores muito reduzidos, até abaixo de 10%, com alto índice de inadimplência.

 

Ele citou que a inadimplência nos contratos do Fies público, hoje, é de 61%, e causa um rombo nas contas públicas, que em 2016 superou R$ 30 bilhões.

 

O MEC quer ainda corrigir uma diferença em relação ao valor cobrado pelos cursos nas instituições privadas, quando é utilizado o Fies, em comparação ao pagamento direto do aluno à universidade, sem financiamento público.

 

Rossieli Soares explica que, agora, será exigido como critério o menor valor.

 

Já o valor máximo de financiamento passou de R$ 30 mil para quase R$ 43 mil por semestre.

 

O ministro acredita que, com essas medidas, mais candidatos terão acesso aos benefícios, mesmo em cursos mais caros, como medicina.

 

Até o final deste ano, estão sendo oferecidas, através do Fies, 100 mil vagas para estudantes com renda familiar até três salários mínimos. Os alunos que desejam se matricular, ainda este ano, têm até o dia 25 deste mês para se candidatar às vagas remanescentes.