Homens negros de periferias são maioria entre jovens assassinados

01:34 Geral, Notícias 14/07/2015 - 20h17 São Paulo (SP) Embed

Cátia Rodrigues

Mais de dois mil adolescentes e jovens de dez a 19 anos são assassinados todos os anos em oito capitais brasileiras. São elas: Belém, Fortaleza, Maceió, Manaus, Rio de Janeiro, Salvador, São Luís e São Paulo.

 

Os dados fazem parte de uma análise sobre as desigualdades que afetam a infância e a adolescência nessas cidades realizada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e pelo Instituto Paulo Montenegro, organização que desenvolve e executa projetos de responsabilidade social.

 

Segundo o estudo, a taxa de homicídios de jovens nos bairros mais pobres dessas capitais chega a 136 mortes para cada 100 mil habitantes. Enquanto, nas áreas mais ricas, a taxa tende a zero.

 

O representante do Unicef no Brasil, Gary Stahl, afirmou que os jovens mortos, em sua maioria, são homens, negros, com idade de 16 a 18 anos e moradores de periferias das grandes cidades. Para Gary Stahl, a adoção de serviços básicos é uma das alternativas para reduzir as desigualdades sociais e reverter a situação de violência contra essa população mais vulnerável.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique