Polícia prende quadrilha que fraudava sistemas de créditos florestais no Pará

02:47 Geral, Notícias 24/08/2015 - 19h21 Brasília Embed

Ariane Póvoa

Doze pessoas foram presas nesse sábado acusadas de fraudar sistemas de créditos florestais no Pará.

 

A Operação Amazônia Legal foi desarticulada pela Polícia Civil e pela Semas - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade.

 

Segundo a Polícia, a quadrilha atuava em fraudes na compra e venda de créditos florestais de empresas cadastradas no Sisflora – Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais, administrado pela Semas, e no Sisdof – Sistema de Controle Florestal, administrado pelo Ibama. O esquema teria gerado quase 11 milhões de reais a madeireiras ilegais no estado.

 

Dos envolvidos na fraude, nove foram detidos no Pará, dois  no Maranhão e um em Alagoas. De acordo com a delegada responsável pela investigação, Juliana Cavalcante, outras três pessoas estão foragidas.

 

As apurações indicam que a quadrilha contratou um especialista para invadir e clonar as senhas de superintendentes regionais do Ibama no Pará e no Rio Grande do Sul.

 

Segundo a delegada, com as senhas raqueadas, a quadrilha realizava o desbloqueio, no Sisdof e no Sisflora, de empresas com grande volume de créditos florestais.

 

Sonora: "Eles raquearam a senha e o usuário de acesso ao Sisdof e com isso eles efetuaram esse desbloqueio."

 


Ao todo, 23 empresas paraenses foram desbloqueadas. A fraude gerou movimentação ilegal de cerca de 28 mil e 300 metros cúbicos de madeira.

 

A quadrilha atuava na venda de créditos para outras empresas que necessitavam de guias florestais para acobertar madeira de origem ilegal.

 

A delegada acredita que existam mais pessoas envolvidas e que a fraude no Pará também esteja associada a esquemas fraudulentos em outros estados, como Mato Grosso e Rondônia.

 

Sonora" Uma das empresas que foi desbloqueada teria sido bloqueada anteriormente por uma fraude envolvendo o estado de Rondônia. Essa organização criminosa identificou que havia uma falha no Sistema DOF, ou seja, créditos florestais que fossem encaminhados à empresa de Rondônia, mesmo cancelada essa operação, a empresa do Pará também recebia. Era uma espécie de duplicação desse crédito. Com a apreensão do material feita na residência dos investigados vão dar com certeza vazão a um avançado."


Segundo a delegada, as investigações prosseguem. Os detidos vão responder por crime de estelionato, falsidade ideológica, uso de documento falso, lavagem de dinheiro, transporte ilegal de madeira e associação criminosa.

 

A assessoria do Ibama informou que o órgão foi alertado sobre a fraude e passou a integrar a investigação. De acordo com o órgão, medidas para impedir a tentativa de novas fraudes também foram adotadas.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique