Em Manaus, população se sente insegura devido a rebelião em presídio

01:14 Geral, Notícias 12/01/2017 - 19h21 Manaus Embed

Marcelo Brandão, da Agência Brasil

Eu estive hoje (12) no comércio de rua da Avenida Marechal, aqui no centro de Manaus, e conversei com algumas pessoas, alguns comerciantes. Eles me disseram que de fato o movimento caiu. As pessoas estão comprando menos e saindo menos sozinhas. Falei com a Vanda, dona de uma barraquinha de camelô, ela disse que se sente insegura, e que tem voltado mais cedo pra casa,

 

Sonora: “Eu ia sete, sete e meia, né? Agora, vou às cinco e meia. As lojas estão fechando mais cedo, primeiro porque o movimento caiu. E outra porque é perigoso demais.”

 

Outras pessoas, no entanto, não mudaram a rotina. Mas também reconhecem que se semtem menos seguras depois das mortes no presídio e das fugas. Na porta do presídio, a realidade é outra, é bem mais dura. Pais, mães e esposas esperam pela hora de visitar seus parentes presos.

 

E não há uma previsão, segundo a própria Secretaria de Administração Penitenciária, não há prazo para que as visitas sejam retomadas. Hoje, no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), era dia de visita e de entrega do que eles chamam de rancho, que é a comida que os parentes levam para os presos. E não havia previsão de que essa comida poderia ser levada. Então o clima é de muita preensão e tristeza na porta dos presídios.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique