Na Trilha da História: Conheça a origem do café e a trajetória do grão no Brasil

06:24 Geral, Programetes 28/06/2017 - 13h36 Brasília Embed

Apresentação Isabela Azevedo

Até julho, o Na Trilha da História apresentará reprises. Nesta, trazemos o episódio de 5 de dezembro de 2016.

 

Nós vamos falar hoje sobre as origens do café e a trajetória do grão no Brasil. Quem vai nos ajudar nesta jornada é a historiadora Ana Luiza Martins, autora do livro "História do Café". A especialista conta que os primeiros registros relacionados ao consumo do fruto são do ano de 575, na região onde fica hoje a Etiópia, na África.

 

Sonora: "Há uma lenda de que um pastor descobriu que suas cabras ao comerem os frutinhos vermelhos do arbusto do café ficavam mais lépidas, mais espertas. Ele experimentou, sentiu que ficou mais estimulado, e a notícia correu e todos começaram a consumir em fruto o café."


Depois que as cabras e os moradores locais descobriram o efeito estimulante do café, as notícias sobre os benefícios do fruto vermelho viajaram pelos séculos e pelos povos. Os árabes começaram a comercialização do café, copiada por países como a Holanda e a França. Em 1727, o café chega ao Brasil.  O fruto já era cultivado na Guiana Francesa e um militar chamado Francisco de Mello Palheta recebeu a missão de trazer umas mudas para o Brasil.

 

Sonora: "Ele foi incumbido pelo governador do Maranhão de resolver um problema de fronteira que estava acontecendo entre a Guiana Francesa e o Norte do País. Só que ele levou instruções para conseguir de qualquer jeito umas sementes de café."


No bom português, ele devia furtar algumas sementes.

 

Sonora:  "Surrupiar, meio contrabandeado. Então ele vai e conhece lá a Madame D'Orvilliers, que era a esposa do governador. Ela se encanta por ele e ele habilmente consegue que ela lhe dê sementes de café, e há quem diga, muitas mudas!"


Mas a plantação de café começou a ser estimulada mesmo a partir de 1808, quando a família real se refugiou no Brasil. Dom João VI, na época príncipe regente de Portugal, foi quem deu o primeiro empurrão.

 

Sonora: "Ele começou a incentivar, passou a dar terras para quem tinha vindo com ele de Portugal e passou a distribuir sementes para os senhores de engenho"


Naquela época, os plantadores de cana não deram tanta bola para o café. Mas a economia mundial foi mudando, as minas de ouro brasileiras já haviam perdido o fôlego, nossa cana de açúcar ganhou concorrentes. E o Brasil tinha vasta mão de obra escrava e todas as condições para desenvolver a produção do grão.

 

Sonora: "Tínhamos clima ideal, mão de obra abundante, terras e não por acaso, o Brasil se torna em 1850 o maior produtor de café do mundo."


O café se expandiu, primeiramente, pelas terras do Rio de Janeiro e de São Paulo. Com o tempo, produtores mais bem preparados, alguns maquinários e estradas de ferro impulsionaram a produção, além da conta.

 

Sonora: "A crise do café! Infelizmente, plantava-se a bel prazer, sem prestar atenção nos preços internacionais ou nas quantidades que estavam sendo consumidas pelo mundo."


No início do século XX, quando o governo republicano era dominado pelos donos de cafezais, tudo foi feito para minimizar os prejuízos da super produção. Os presidentes faziam empréstimos e compravam dos produtores as sacas que não conseguiam vender. No governo do presidente Getúlio Vargas medidas mais drásticas foram tomadas.

 

Sonora:  "Essa crise chega a um ponto tal que justamente no período do Getúlio, entre 1930 e 1940, ele se vê obrigado a queimar o café excedente."


Ao longo do século XX, o Brasil foi abandonando a monocultura do café e diversificou a produção.  As crises mais severas foram sanadas e até hoje o Brasil é o maior produtor e exportador do produto. Para terminar nosso papo, a historiadora Ana Luiza tem uma dica.

 

Sonora: "Pegue uma xícara de café e você está com a história em suas mãos, você não sabe tudo que tem por trás! Que atrás daquele café, há um mar azul, que nesse mar tem os estivadores lá no porto que levavam os sacos de café, havia os escravos que plantavam o café ou os imigrantes. Enfim, você contar a história do café é contar a história do Brasil."


Esta foi a versão reduzida do Na Trilha da História! O programa completo tem uma hora e traz a entrevista na íntegra da historiadora Ana Luiza Martins, além de músicas que tem tudo a ver com a história do café. Para ouvir, acesse radios.ebc.com.br/natrilhadahistoria. Se você tiver alguma sugestão para o programa, envie um e-mail para culturaearte@ebc.com.br.

 

 

 

Na Trilha da História: Apresenta temas da história do Brasil e do mundo de forma descontraída, privilegiando a participação de pesquisadores e testemunhas de importantes acontecimentos. Os episódios são marcados por curiosidades raramente ensinadas em sala de aula. É publicado semanalmente. Acesse aqui as edições anteriores.

 

* Reprise de 5 de dezembro de 2016.