Policiais militares e guarda-civil são condenados por chacina em Osasco

02:49 Geral, Notícias 24/09/2017 - 11h59 São Paulo Embed

Nelson Lin

Depois de um julgamento que durou quatro dias, os sete jurados decidiram nesta sexta feira condenar os dois policiais militares e um guarda-civil acusados de participação nas chacinas ocorridas nas cidades de Osasco e Barueri em agosto de 2015.

 

Na ocasião, 17 pessoas morreram e sete ficaram feridas. O júri popular foi realizado no Fórum de Osasco, cidade da Grande São Paulo. A decisão pela condenação ganhou por 4 votos a 3.

 

O policial Fabrício Eleutério foi condenado a uma pena de 255 anos. O também policial Thiago Henklain recebeu sentença de 247 anos. O guarda-civil Sérgio Manhanhã foi condenado a 100 anos.

 

Os parentes dos réus reclamaram muito da decisão, alguns demonstrando hostilidade contra a imprensa. Para Zilda Maria de Paula, mãe de Fernando Luis de Paula, a justiça foi feita.

 

O promotor Marcelo Oliveira comentou o resultado falando que a decisão do júri serve como exemplo e alerta para os maus policiais militares. Já os advogados lamentaram a decisão e adiantaram que irão recorrer da sentença.

 

Os policiais Fabrício Eleutério e Thiago Henklain eram acusados de terem disparado contra as vítimas e respondiam por todas as mortes e tentativas de assassinato. Já o guarda-civil Sérgio Manhanhã, segundo a acusação, teria atuado para desviar viaturas dos locais onde os crimes ocorreriam e foi denunciado por 11 mortes.

 

O promotor Marcelo Oliveira já adiantou que apesar da condenação, outro inquérito sobre a chacina de Osasco será aberto.