Rio registra ações de solidariedade às mulheres com câncer de mama

03:40 Geral, Notícias 23/10/2017 - 17h08 Rio de Janeiro Embed

Raquel Júnia

Há sete anos, a assistente social Sandra Romano foi diagnosticada com câncer de mama. Um mês depois, ela passou por uma retirada total do seio. Depois de reconstruir a mama, ela procurou um tatuador para refazer a auréola e o mamilo perdidos. Como o valor era alto, desistiu. Depois de cinco anos, ela descobriu o Beto, um tatuador que realiza o trabalho de graça.

 

Roberto dos Santos ou Beto Tatto, como é conhecido, dono de um estúdio no Leblon, na zona sul do Rio, conta que durante os últimos seis anos, já tatuou o mamilo de mais de 500 mulheres que tiveram câncer de mama.

 

Outra grande necessidade das mulheres com câncer de uma forma geral e também de mama, que acabam perdendo o cabelo no tratamento é a peruca. A Fundação Laço Rosa tem um projeto de oficina de perucaria para atender essa necessidade. A presidente voluntária da fundação, Marcelle Medeiros, fala sobre a urgência de aumentar esse conhecimento.

 

Atualmente, a formação, por meio de um ônibus itinerante, está sendo feita no Rio de Janeiro. O caminhão ficará estacionado até o próximo dia 28 no estacionamento do Barra Shopping. Lá é possível doar cabelos e também receber perucas gratuitamente.

 

A médica oncologista Daniela Rosa, Vice-presidente do conselho científico da Femama, a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama, afirma que um dos principais desafios hoje no atendimento às mulheres são o acesso a novas tecnologias de diagnóstico e tratamento.

 

Ela cita a investigação de uma mutação genética que acaba por aumentar o risco de câncer de mama ainda não disponível para a maior parte da população.

 

A Femama realiza neste ano a campanha Pacientes no Controle, chamando a atenção das próprias mulheres para se empoderarem e cobrarem políticas públicas adequadas.

 

A campanha pressiona pela aceleração da tramitação no Congresso Nacional de uma série de projetos de lei que aprimoram o tratamento das mulheres e reduzem o tempo de espera na rede pública de saúde

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique