Fachin vota pelo desmembramento das investigações envolvendo ex-parlamentares do PMDB

02:31 Geral, Notícias 15/12/2017 - 10h05 Brasília Embed

Kariane Costa

Começou nessa quinta-feira (14) o julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) que vai decidir se o adiamento, pela Câmara dos Deputados, da análise da denúncia contra o presidente Michel Temer e dois ministros vale também para os demais denunciados.

 

A decisão do STF influencia os processos contra os ex-deputados Eduardo Cunha, Geddel Vieira Lima, Rodrigo Rocha Loures e Henrique Eduardo Alves, que não têm foro privilegiado. 

 

O único a votar na sessão foi o relator, ministro Edson Fachin, que negou todos os recursos apresentados pelos advogados de defesa dos ex-parlamentares.

 

O julgamento sobre o desmembramento deve continuar na próxima terça-feira (19).

 

Também nessa quinta-feira, a pedido do relator, ministro Marco Aurélio, foi suspensa a votação sobre a validade dos acordos de delação premiada firmados pelas policias civis ou federal, para que os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, ausentes da sessão, pudessem manifestar seus votos.

 

O resultado final será conhecido só no ano que vem, após o recesso do judiciário.

 

Em outra decisão, os ministros reduziram a pena imposta ao senador Ivo Cassol (PP-RO)  condenado por fraude em licitações, quando era prefeito do município de Rolim de Moura, em Rondônia. A pena, que era de 4 anos e 8 meses de prisão, foi substituída por prestação de serviços comunitários e multa de R$ 200 mil.

 

Acompanhe a reportagem e saiba mais. 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique