Racionamento: Adasa prevê plano emergencial caso a estiagem no DF aumente em 2018

02:57 Geral, Notícias 07/12/2017 - 18h48 Brasília Embed

Sayonara Moreno

Com quase um ano de racionamento, a Adasa, Agência Reguladora de Águas do Distrito Federal, não descarta a manutenção da medida e nem a adoção de um dia a mais no cronograma de desligamento de água no DF.

 

O Diretor-Presidente da agência, Paulo Salles, afirmou que uma resolução da Adasa será publicada no Diário Oficial do DF nesta sexta-feira (8).

 

Ele adianta que a adoção de dois dias de racionamento ainda não está prevista por enquanto - mas também não está descartada.

 

O Diretor da Adasa acrescentou que o DF tem cerca de três milhões de usuários de água fornecida pela CAESB.

 

Por isso, uma medida drástica pode causar danos econômicos avaliados como desnecessários, no momento.

 

Com isso, a agência reforça a importância de os brasilienses continuarem economizando e racionando o uso da água, como já vem sendo feito.

 

Somente no Descoberto, que está com média de 10% de volume útil de água, houve uma queda de 21% na captação de água, em relação aos últimos três anos.

 

Isso devido ao racionamento e também a outros sistemas de água que poupam o Descoberto, como o do Lago Paranoá.

 

Além disso, o consumo médio anual dos brasilienses, por unidade – seja em cada residência ou cada comércio – caiu cerca de dois mil litros, este ano, em comparação com os anos anteriores, desde 2014.

 

Na publicação desta sexta (8), a Adasa relata a previsão de três cenários para os próximos meses.

 

A previsão considera o mês de maio de 2018, como o de fim das chuvas e início da estiagem: se até maio ocorrer a mesma quantidade de chuvas que começou em 2017, a META é o volume de 50% no Sistema Descoberto naquele mês.

 

Caso a situação seja pior do que neste ano, a meta no Descoberto é de 34% no volume útil, o que pode gerar a possibilidade de um segundo dia de racionamento.

 

Mas se a situação das chuvas for melhor que do início deste ano, a meta prevista é de 71%, o que pode manter o racionamento como está.

 

Salles acrescentou que, na pior das hipóteses para o DF, existe um plano emergencial que já está sendo elaborado.

 

Mesmo que em dezembro chova bastante, ele classifica a situação do reservatório Descoberto como muito grave. Em uma escala de precipitações no território do DF, os sistemas Santa Maria e Descoberto estão localizados justamente nas regiões com a menor taxa de ocorrência de chuvas.