Delfim Netto é alvo de nova fase da Operação Lava Jato; PT e MDB seriam beneficiados

02:28 Geral, Notícias 09/03/2018 - 09h47 Brasília Embed

Danyele Soares

O ex-ministro da Fazenda, da Agricultura e do Planejamento e ex-deputado federal, Delfim Netto, foi um dos alvos da fase de número 49 da Lava Jato, chamada de Operação Buona Fortuna.

 

De acordo com os investigadores, Delfim é suspeito de ter recebido vantagens indevidas que seriam direcionadas aos partidos MDB e PT, devido à suposta atuação dele na estruturação do Consórcio Norte Energia para a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

 

De acordo com o procurador da República Athayde Ribeiro Costa, as provas indicam que o ex-ministro pode ter recebido R$ 4 milhões de um total de R$ 15 milhões que ainda seriam pagos a ele. E a estimativa é de que as siglas tenham recebido, pelo menos, cerca de R$ 60 milhões cada. E o procurador detalha como o ex-ministro teria atuado.

 

Sonora: “Segundo a investigação apurou, Delfim Netto, em conjunto com Bumlai, ajudou o governo federal a estruturar o consórcio Norte e Energia performando com diversas empresas que a rigor não teriam capacidade para o empreendimento. Em virtude dessa ajuda, que, na verdade, se constituiria numa fraude, Delfim Netto foi angariado com direcionamento de vantagens indevidas que Palocci teria pedido para o PT e o MDB.”

 

A nova fase da Lava Jato cumpriu nove mandados de busca e apreensão nos estados do Paraná e São Paulo em endereços ligados ao ex-ministro.

 

O procurador informou que as investigações sobre os partidos políticos estão sob sigilo e que a apuração envolvendo o MDB está a cargo do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

A defesa do ex-ministro negou que ela tenha cometido ato ilícito em qualquer tempo. Esclareceu que os valores recebidos foram honorários por consultoria prestada por Delfim Netto.

 

Em nota, o MDB também negou que o partido tenha recebido recursos desviados no Consórcio Norte Energia e considerou indevida a citação de Delfim Netto no processo.

 

Também em nota, o PT avaliou que as acusações não têm o menor fundamento. E acrescentou que à medida que se aproximam as eleições, os procuradores tentam criminalizar o partido, usando a palavra de delatores que buscam benefícios penais e financeiros.

 

 

* Matéria atualizada às 15h49 para acréscimo de informações e inclusão de sonoras.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique