Desabamento de edifício no centro de São Paulo completa três meses

02:36 Geral, Notícias 01/08/2018 - 11h52 Brasília Embed

Eliane Gonçalves

A imagem do prédio em chamas vindo abaixo segundos antes dos bombeiros resgatarem Ricardo, o morador que ajudou a salvar várias crianças do incêndio, chocou o país.

 

Sete pessoas morreram. Duas seguem desaparecidas. 179 famílias que viviam na ocupação ficaram desabrigadas.

 

O desastre também escancarou o problema da habitação na capital paulista. Cidade onde mais de 1 milhão de famílias não têm onde morar ou moram em situação precária.

 

Quem sobreviveu passou a receber um auxílio-aluguel.

 

Com o benefício, Dona Zélia Rodrigues, de 65 anos, comprou alguns móveis e alugou um espaço de 16 metros quadrados que abriga, em um só cômodo, quarto, sala e cozinha.

 

No quarto, que fica no centro de São Paulo, moram ela e o irmão. Ela está desempregada e não sabe o que vai acontecer quando acabar o auxílio.

 

Sonora: "Com R$1.200 eu comprei uma geladeira, um fogão, aluguei um quarto e uma mesa. Agora to recebendo R$ 400 por mês. É pouco, mas já ajuda. Fazer o que?" 

 

É por isso que Adilson Silva, de 48 anos, se recusa a deixar a barraca montada no local do desastre.

 

Ele lembra que embaixo dos escombros ficou uma casa e cobra uma solução definitiva para ele, a esposa, Paula, e o filho de 4 anos, Gabriel.

 

Sonora: "Eu dormia em uma cama com meu filho e hoje eu durmo em um colchão ali. Então, eu tenho o direito. Não é por que eu morava em uma ocupação, que por não ter condição, pagava e morava ali. Agora o governo tem por obrigação de nos colocar em lugar decente."

 

Nas contas de Adilson, pelo menos 15 famílias que viviam no Wilton Paes de Almeida seguem acampadas na praça.

 

A reportagem conseguiu localizar 5 famílias, mas essas pessoas não entram mais nas contas oficiais da prefeitura.

 

Segundo a Secretaria Municipal de Habitação, não existe mais nenhum morador do edifício nas mais de 40 barracas montadas no Largo do Paissandu.

 

Todas as famílias tem até o dia 10 de agosto para deixar o local.

 

O prazo foi definido pela prefeitura.

 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique