Desafios e Perspectivas dos Estados: Rondônia é o maior produtor nacional de tambaqui

03:49 Geral, Especiais 29/09/2018 - 15h18 Brasília (DF) Embed

Wellington Barros

Elevada à categoria de estado em 1982, Rondônia, localizada na região Norte, recebeu esse nome em homenagem ao Marechal Cândido Rondon, explorador da região.

 

A população do estado, quinta menor do país, é estimada em mais de 1 milhão e 700 mil. Apenas cerca de 500 mil não compõem o eleitorado.

 

O crescimento do estado foi mais acelerado a partir das décadas de 1960 e 70. O período foi marcado por incentivos fiscais para setores produtivos, investimentos em infraestrutura e estímulos à migração, em grande parte vinda do Centro-Sul do país.

 

Foi atraído por esse cenário de oportunidades, que Emerson Campos, engenheiro civil paraense, decidiu se mudar para Rondônia, onde abriu uma construtora, hoje com histórico de milhares de habitações concluídas.

 

Também presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no estado, Emerson lembra a necessidade de investimentos em infraestrutura, sobretudo de saneamento básico. Rondônia está em último no ranking nacional de abastecimento de água, que chega para pouco menos da metade das residências. Esgotamento sanitário, só para uma a cada dez casas. É o segundo pior desempenho do país, atrás apenas do Piauí.

 

O problema histórico da falta de políticas públicas em saneamento, inclusive aparelhadas com tecnologias e pesquisas de universidades, tem uma explicação lógica, opina João Ribeiro, doutor em Saneamento e Meio Ambiente e Recursos Hídricos.

 

Também professor do Departamento de Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Rondônia, Ribeiro admite certa dificuldade em levar rede de esgoto e abastecimento de água a boa parte dos municípios rondonienses, que são predominantemente rurais. Contudo, observa a viabilidade do estudo de soluções adaptadas a cada localidade. 

 

O especialista ressalta ainda a importância da educação ambiental. Segundo ele, existe resistência de moradores da cidade de Presidente Médice em ligar as casas à rede de esgoto recentemente inaugurada, para evitar a taxa de tratamento dos resíduos.

 

Quando o assunto é economia, o estado se destaca pelo desenvolvimento da agricultura e pecuária, inclusive como maior produtor de tambaqui. Completam o PIB, a indústria alimentícia e o extrativismo de madeira e mineral.

 

No segundo trimestre do ano, a taxa de desocupação no estado foi de 8,2% e o rendimento médio R$ 1.888.

 

Já na área de educação, o índice de analfabetismo é de 7%, dentro da média nacional. Os jovens que não estudam nem trabalham somam 22,5%.

 

Em relação à segurança Pública, o Atlas da Violência revela taxa de homicídios de 39 a cada 100 mil habitantes, acima da média nacional de 30.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique