Estudo mostra descaso do Brasil com mulheres vítimas da zika

04:04 Geral, Notícias 18/10/2018 - 11h52 Rio de Janeiro Embed

Fabiana Sampaio

Um estudo divulgado nessa quarta-feira (17) no Rio de Janeiro, pela Fundação Getulio Vargas (FGV), afirma que a resposta do governo brasileiro à epidemia de zika demonstrou descaso com as mulheres infectadas pelo vírus e suas crianças, nascidas com deficiências, devido deficiências, devido à doença.

 

O estudo Vozes Silenciadas, a Experiência da Mulher com o Zika Vírus, que abrange também outros países da América Latina e Caribe, foi feito pela Organização Global Centro de Direitos Reprodutivos, em parceria com as Universidades de Harvard e Yale, dos Estados Unidos .

 

Juliana Cesário, pesquisadora do Centro de Direito da Universidade de Yale, afirma que o governo brasileiro priorizou o controle da proliferação do mosquito transmissor da doença, deixando de lado questões importantes relacionadas aos direitos humanos e, especialmente, os direitos reprodutivos da mulher. Acrescentou que o peso da epidemia recaiu especialmente sobre as mulheres pobres e negras.

 

A pesquisa constatou a ausência de campanhas públicas de saúde relacionadas à zika, com foco nos direitos sexuais e reprodutivos dessas mulheres.

 

Entrevistadas por pesquisadores, muitas mulheres relataram falta de clareza nas informações disseminadas pelo governo.

 

O estudo da FVG afirma, ainda, que a doença tornou mais urgente direitos como o acesso a contraceptivos e ao aborto de maneira legal e segura, como meios de planejamento familiar.

 

Os pesquisadores relataram que pouco foi discutido sobre a assistência necessária para a família e as crianças que tiveram microcefalia e sobre os fatores que contribuíram para a epidemia, como o saneamento básico e água encanada.

 

O estudo traz uma série de recomendações ao governo brasileiro. A pesquisadora Juliana Cesário aponta que a restrição de gastos pode impactar nas respostas a um novo surto da doença.

 

De acordo com o estudo, o Brasil foi o primeiro país da América Latina afetado por um surto do Zika Vírus na região e permanece liderando o ranking de maior número de casos.

 

Desde a confirmação dos primeiros registros de zika no estado da Bahia, em abril de 2015, o vírus se espalhou para todas as 27 unidades da federação.

 

O ápice da epidemia ocorreu em fevereiro de 2016 e foram registrados quase 370 mil casos até novembro de 2017.

 

A maioria das notificiações ocorreu entre mulheres, especialmente em idade reprodutiva. O Brasil também foi o país que mais registrou mortes pela doença, um total de nove e 1.845 casos confirmados de Síndrome Congênita do Zika em bebês.


Em nota, o Ministério da Saúde informou que durante a epidemia de zika recomendou às gestantes que fizessem um pré-natal qualificado e que fossem tomadas medidas para evitar o contato com o Aedes aegypti.

 

O texto lembra que as brasileiras forram aconselhadas a conversar com seus médicos, antes de engravidar.

 

Ressalta, também, que o país garante o acesso a oito métodos contraceptivos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), incluindo pílulas e camisinhas.

 

Para assistência às crianças com microcefalia, o Ministério da Saúde informou que os Centros Especializados em Reabilitação dos Estados e Municípios oferecem atenção ambulatorial, sendo referência para a rede de atenção à saúde da pessoa com deficiência, no território.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique