Operação da Polícia Federal prende prefeito da cidade paulista de Mauá

02:21 Geral, Notícias 13/12/2018 - 17h03 São Paulo Embed

Nelson Lin

A Polícia Federal prendeu, nesta quinta-feira (13), o prefeito de Mauá, cidade da Grande São Paulo, Átila Jacomussi, do PSB.

 

Foram cumpridos ainda mais um mandado de prisão preventiva e 54 mandados de busca e apreensão. As ações ocorreram dentro da Operação Trato Feito, que investiga superfaturamento em contratos da prefeitura com empresas na área de urbanização, sistema viário, educação e transporte.

 

A operação é um desdobramento de uma operação deflagrada em maio deste ano, com nome similar, a Prato Feito, que investigou fraudes nas licitações de merendas e uniformes escolares.

 

Dois agentes públicos foram afastados, um contrato com suspeita de fraude foi suspenso e nove empresas foram proibidas judicialmente de contratar com a administração pública.

 

De acordo com o delegado, Victor Hugo, depois da operaçãode maio, em que o prefeito e seu secretário de governo foram presos em flagrante por lavagem de dinheiro, a Polícia Federal descobriu uma planilha detalhada que mostrava que o prefeito centralizava o recebimento de propina das empresas envolvidas no superfaturamento, para, depois repassá-las a servidores públicos e 22 vereadores.

 

O objetivo era comprar o apoio político dos parlamentares. Desde maio, Átila Jacomussi foi alvo de dois pedidos de impeachment, mas ambos foram rejeitados pelos 22 vereadores que receberam propina, segundo o delegado. A cidade tem 23 vereadores.

 

Nessa operação a polícia federal também solicitou o afastamento dos 22 vereadores mas o pedido foi negado pela justiça. 

 

Segundo estimativas, R$ 500 mil eram desviados por mês pela organização criminosa.

 


Em nota, o advogado do prefeito, Daniel Biaski, disse que o novo decreto de prisão requentou fatos que já eram conhecidos e que a decisão da prisão na operação anterior foi revogada pelo Supremo Tribunal Federal.

 

Ele informou que, diante disso, apresentará uma reclamação ao STF.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique