Viva Maria: Hoje é dia de combater o racismo; é dia de celebrar o legado de Makota Valdina

08:43 Geral, Programetes 21/03/2019 - 11h01 Brasília Embed

Apresentação Mara Régia

A cada 21 de março choramos uma “Lágrima do Sul” pelas vítimas da chacina de Shaperville, que em 1960 foram covardemente assassinadas pela polícia sul-africana.

 

Desde  1966, portanto, há 53 anos, a  ONU elegeu a data como um marco para a eliminação da Discriminação Racial, e instituiu o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial.

 

Esse ano, aqui no Brasil, a data  se reveste de uma importância ainda maior porque acabamos de perder  uma grande liderança religiosa e militante da causa negra!

 

Falo da educadora  Makota Valdina, que aos  75 anos, morreu na última  terça-feira (19), em Salvador, Bahia. 

 

Ambientada na religião de matriz africana desde pequena – sua mãe era do candomblé – Makota só aderiu ao candomblé nos anos 70, quando tomou consciência do racismo.

 

E como é bom ouví-la resgatar sua própria história.

 

Nesse depoimento Makota fala dos anos 70 como um marco na sua cidadania. Na cidadania do povo brasileiro a partir, por exemplo,  do surgimento do Movimento Negro Unificado e do Ilê Aiyê!

 

Por isso chamamos a participação de Iêda Leal, Coordenadora Nacional do MNU para, em memória, homenagear Makota Valdina!

 

Viva Maria: Programete que aborda assuntos ligados aos direitos das mulheres e outros aspectos da questão de gênero. É publicado de segunda a sexta-feira. Acesse aqui as edições anteriores.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique