Gêmeas siamêsas que tiveram cabeças separadas no DF recebem alta médica

02:12 Geral, Notícias 03/06/2019 - 15h50 Brasília Embed

Dayana Vitor

As gêmeas Mel e Lis, que nasceram unidas pela cabeça, começaram nesta segunda-feira (3) uma vida nova ao lado dos pais, Camila Vieira e Rodrigo Martins, que moram em Ceilândia, cidade satélite do Distrito Federal.

 

Elas receberam alta do Hospital da Criança. As meninas ficaram 36 dias internadas na unidade de saúde, após passarem pela primeira cirurgia de separação de crânios já feita na capital federal, que ocorreu no dia 27 de abril.

 

A mãe das gêmeas diz que o momento é de muita felicidade, tanto para ela quanto para as meninas.

 

O procedimento de separação das gêmeas envolveu 50 profissionais de saúde e durou 20 horas.

 

As equipes cirúrgicas foram divididas em duas e cada uma ficou responsável por uma das gêmeas. Os profissionais que cuidaram da Mel usaram toucas, máscaras e luvas amarelas, já os da Lis usaram material de cor rosa.

 

A separação contou com várias etapas: anestesia, cirurgia plástica para obter os retalhos de pele; neurocirurgia para fazer a separação do osso, do cérebro e da meninge na base do crânio.

 

Agora, os médicos estimam que a calota craniana e as feridas da Mel e Lis estejam fechadas em seis meses. O coordenador da neurocirurgia, Benício Oton, esclarece quais os primeiros cuidados que as gêmeas exigirão após a alta.

 

As meninas terão acompanhamento multidisciplinar pelo resto da vida com médicos, fisioterapeutas e fonoaudiólogos. Mas a expectativa é que elas tenham uma vida normal.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique