Bombeiros se dividem entre a técnica e os impactos emocionais no resgate em Brumadinho

03:21 Geral, Notícias 27/07/2019 - 06h12 Rio de Janeiro Embed

Fabiana Sampaio

Passados seis meses da tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, o trabalho dos bombeiros prossegue em busca de corpos, para amenizar o sofrimento de dezenas de famílias que ainda não puderam velar seu parente desaparecido.

 

A barragem um, da Mina Córrego do Feijão, da empresa Vale, se rompeu no dia 25 de janeiro, deixando um rastro de destruição e dor. O trabalho das equipes de buscas é ininterrupto e, além de exaustivo, impõe a esses agentes lidar também com os abalos emocionais de atuar em um acidente dessa dimensão.

 

O porta-voz dos bombeiros, tenente Pedro Aihara, reconhece os impactos emocionais, mas garante que todos os profissionais que estão em Brumadinho entendem que o momento é de doação ao outro.

 

Confira na reportagem de Fabiana Sampaio.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique