OAB quer esclarecer decisão de retirar criança da guarda da mãe por ela morar em comunidade

01:52 Geral, Notícias 22/07/2019 - 21h07 Rio de Janeiro Embed

Tatiana Alves

A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, seção Rio de Janeiro, vai pedir esclarecimentos ao Tribunal de Justiça sobre decisão de um juiz, que passou a guarda de um menino de 8 anos para o pai.

 

A sentença, classificada pela OAB como “esdrúxula”, usa como justificativa o fato de a mãe da criança, Rosilaine Santiago da Rocha, morar em uma comunidade, no bairro de Manguinhos, zona norte carioca. A sentença ainda não foi publicada, mas causou forte reação da entidade.

 

Em nota, a OAB lembra trechos da sentença em que o juiz faz afirmações como chamar o Rio de Janeiro de “sementeira do crime". Ele também sustenta que "a criança já passou tempo demais com a mãe e precisa de uma figura paterna por ser do sexo masculino", numa referência ao fato de o casal estar separado há quatro anos, após Rosilaine registrar um caso de violência doméstica.

 

Depois do episódio, ela conseguiu medida protetiva, e o marido deixou a casa onde moravam, em Manguinhos. A mãe permaneceu na comunidade carioca e, o pai, que é militar, mudou-se para Santa Catarina.

 

O juiz, que, por segredo de Justiça, não teve o nome revelado - assim como o do pai e o da criança-,  ignorou o fato de o menino morar em casa própria e estudar em colégio particular.

 

De acordo com o advogado Rodrigo Mondego, que integra a Comissão de Direitos Humanos da ordem, o magistrado também ignorou os laudos de uma assistente social e de um psicólogo, que apontam as boas condições que a mãe tem para tomar conta do menino. O caso chegou à OAB levado pela própria Rosilaine, que buscou ajuda da entidade.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique