Defensoria quer saber por que trens chineses foram tirados de circulação no Rio

00:00 Geral, Notícias 19/11/2019 - 14h15 Brasília Embed

Raquel Júnia

A Defensoria Pública do estado do Rio quer explicações da Supervia sobre a retirada de circulação dos 40 trens de fabricação chinesa.

 

Nessa segunda-feira (18), no primeiro dia de operação sem as composições, a defensoria enviou um ofício para a concessionária pedindo esclarecimentos sobre as motivações para a retirada de circulação dos trens, o prazo para reestabelecimento da frota e medidas tomadas para informar a população sobre o funcionamento da operação.

 

A defensoria quer também informações sobre as ações que visam compensar os usuários pelos transtornos causados pela frota reduzida.

 

A coordenadora do Núcleo de Defesa do Consumidor da Defensoria Pública, defensora Patrícia Cardoso, afirmou que já que o serviço está sendo prestado de forma precária, a empresa é obrigada a definir medidas compensatórias, como, por exemplo, o reajuste proporcional do preço das passagens.

 

A Supervia tem dois dias úteis para responder ao ofício da defensoria, que faz parte de uma investigação aberta sobre a situação.

 

A Secretaria Estadual de Transportes informou que vai se reunir nesta terça-feira (19) com representantes do consórcio chinês responsável pela fabricação dos trens, a CRRC, e a Supervia, para definir ações para a retomada gradual da circulação das composições.

 

O governador do Rio, Wilson Witzel, declarou que o governo foi surpreendido pelo comunicado da Supervia e afirmou que a Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes (Agetransp) está analisando o caso e pode multar a concessionária.

 

A concessionária explicou que os 40 trens de fabricação chinesa começaram a apresentar falhas nas caixas de tração, fabricadas por um fornecedor alemão.

 

Ainda segundo a concessionária, um recall vem sendo feito desde novembro do ano passado e, em junho deste ano, novas falhas foram identificadas e a própria fabricante suspendeu o recall até que uma solução fosse encontrada.

 

Nas duas últimas semanas, o quadro teria se agravado e por isso os trens foram retirados de circulação. Não há, até o momento, previsão de retorno da operação normal.

 

Os trens foram comprados pelo governo do estado entre 2014 e 2016 e representam 20% da frota da Supervia.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique