Líderes latino-americanos lamentam a morte de Fidel Castro e falam do seu legado

02:34 Internacional, Notícias 26/11/2016 - 12h28 Buenos Aires (Argentina) Embed

Mônica Yanakiew

Buenos Aires –  Na América Latina, Fidel Castro foi lembrado neste sábado (26) como um líder que deixou sua marca na região. A presidente do Chile, Michelle Bachelet lamentou a morte de um líder que lutou pela “dignidade e justiça social em Cuba e na América Latina”.

 

Os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e da Bolívia, Evo Morales, lembraram que Fidel Castro inspirou novas gerações de líderes latino-americanos – mesmo depois de ter renunciado a presidência de Cuba em favor de seu irmão, Raúl Castro, em 2008.

 

Maduro disse que cabe agora a todos os “revolucionários do mundo continuar o caminho” de Fidel, que ele chamou de “gigante da humanidade”. Ele  lembrou da grande amizade entre Fidel Castro e o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, que governou o país de 1999 até sua morte em 2013. Chávez morreu em Cuba, onde estava se tratando de câncer.

 

Na Bolívia, o presidente Evo Morales lembrou que Cuba enviou médicos a seu país para operarem de graça. Ele disse que a melhor homenagem ao líder cubano era “unir os povos” e “resistir ao modelo capitalista”, e lutar por outro mais solidário.

 

Os colombianos lembraram que Cuba desempenhou um papel fundamental nas negociações para o acordo de paz entre o governo e as Forcas Armadas Revolucionarias da Colômbia (FARC) – a maior guerrilha do país e a mais antiga da América Latina.

 

“Que o acordo de paz seja nossa homenagem”, disse um dos líderes das Farc que negociou acordo com o governo colombiano em Havana. As FARC, como outros grupos guerrilheiros da América Latina, se inspiraram na revolução cubana, liderada por Fidel Castro. Seu irmão, Raúl Castro, ajudou a mediar o acordo com o presidente Juan Manuel Santos. O acordo será votado no Congresso na semana que vem – durante os nove dias de luto, em Cuba, pela morte de Fidel.

 

Na Argentina, a ministra das Relações Exteriores, Suzana Malcorra, disse que a morte de Fidel Castro fecha “um importante capitulo da história latino-americana”. Na opinião dela, Fidel entregou o poder ao irmão, Raul, porque sabia que era hora de fazer mudanças no país. A mais importante foi a reaproximação entre Cuba e os Estados Unidos, depois de meio século de Guerra Fria.

 

Malcorra aproveitou para dizer que espera que o processo, iniciado pelo presidente norte-americano Barak Obama, continue com seu sucessor, Donald Trump – apesar das objeções de seu Partido Republicano.

 

* Atualizada às 13h55 para a complementação de informações

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique