Argentina tem a segunda maior inflação na América Latina; em 2017 índice ficou em 24,8%

01:31 Internacional, Notícias 12/01/2018 - 16h37 Bueno Aires, Argentina Embed

Mônica Yanakiew

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, inicia seu terceiro ano de mandato, sem ter conseguido reduzir a inflação, como prometeu. Em 2017, o custo de vida aumentou 24,8% - oito pontos percentuais acima da meta do Banco Central.
 
O aumento dos preços preocupa os argentinos, que convivem com uma inflação de dois dígitos ha treze anos.
 
Macri chegou a presidência da Argentina em 2015 com um índice inflacionário de quase trinta por cento, herdado do governo anterior. E com a promessa de combate-lo. Mas no final do seu primeiro ano de mandato, a inflação - em vez de cair - subiu, superando os quarenta por cento.
 
O Banco Central argentino anunciou que em 2017 a inflação cairia para 17%. Mas ela ficou em quase 25%.
 
Um dos motivos foi o aumento das tarifas dos serviços públicos, que estavam praticamente congeladas, desde a crise de dois mil e um. O governo diz que precisa atualiza-las, para atrair investimentos, e garantir o crescimento econômico, depois de anos de estancamento. A meta inflacionaria para este ano e de 15%
 
Hoje a Argentina tem a segunda maior inflação na América Latina. Mas fica muito atrás da Venezuela, que lidera o ranking regional com dois mil e seiscentos por cento.